6 encontro de forma o continuada docente tema utiliza o do v deo como recurso did tico n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
6º ENCONTRO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE TEMA: “UTILIZAÇÃO DO VÍDEO COMO RECURSO DIDÁTICO” PowerPoint Presentation
Download Presentation
6º ENCONTRO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE TEMA: “UTILIZAÇÃO DO VÍDEO COMO RECURSO DIDÁTICO”

Loading in 2 Seconds...

  share
play fullscreen
1 / 58
Download Presentation

6º ENCONTRO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE TEMA: “UTILIZAÇÃO DO VÍDEO COMO RECURSO DIDÁTICO” - PowerPoint PPT Presentation

rhys
93 Views
Download Presentation

6º ENCONTRO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE TEMA: “UTILIZAÇÃO DO VÍDEO COMO RECURSO DIDÁTICO”

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. 6º ENCONTRO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE TEMA: “UTILIZAÇÃO DO VÍDEO COMO RECURSO DIDÁTICO” Centro de Ensino Vicente Maia São Luís (MA) 16 a 19 de novembro de 2010

  2. AGENDA Apresentação dos objetivos do encontro (5’) Leitura em voz alta (5’) Sobre o uso do vídeo (5’) Como ver o vídeo (5’) Propostas de utilização do vídeo (15’) Propostas de análise do vídeo (10’) Uso inadequado do vídeo (5’) Construção de sequências didáticas para utilização do vídeo (30’) Socialização das produções (40’)

  3. Objetivos do encontro • Reconhecer algumas características do trabalho didático com uso do vídeo; • Perceber que o uso do vídeo como recurso didático está intimamente ligado ao objetivo de aprendizagem proposto; • Conhecer diferentes propostas de utilização do vídeo; • Identificar usos inadequados do uso do vídeo; • Propor situações didáticas para utilização significativa do vídeo.

  4. Leitura em voz alta

  5. A UTILIZAÇÃO DO VÍDEO COMO RECURSO DIDÁTICO

  6. SOBRE O USO DO VÍDEO O vídeo é sensorial, visual, linguagem falada, linguagem musical e escrita. Linguagens que interagem superpostas, interligadas, somadas, não separadas. Daí a sua força. Nos atingem por todos os sentidos e de todas as maneiras. O vídeo nos seduz, informa, entretém, projeta em outras realidades (no imaginário) em outros tempos e espaços. O vídeo combina a comunicação sensorial-cinestésica, com a audiovisual, a intuição com a lógica, a emoção com a razão. Combina, mas começa pelo sensorial, pelo emocional e pelo intuitivo, para atingir posteriormente o racional.

  7. SOBRE O USO DO VÍDEO O vídeo só deve ser utilizado como estratégia quando for adequado, quando puder contribuir significativamente para o desenvolvimento do trabalho. Nem todos os temas e conteúdos escolares podem e devem ser explorados a partir da linguagem audiovisual. A cada conteúdo corresponde um meio de expressão mais adequado.

  8. SOBRE O USO DO VÍDEO Lembre-se sempre que o que é bom para uma finalidade pode ser desastroso para outra. Um vídeo pode ser tecnicamente ultrapassado, mas funcionar maravilhosamente como documento histórico da própria televisão, ou para análise do momento histórico-social em que foi criado, ou ainda por tratar competentemente de um conteúdo curricular. Um vídeo com algum erro conceitual pode ser usado para que os alunos identifiquem e discutam possíveis erros. Um vídeo que aborde algum assunto a partir de uma visão politicamente incorreta pode ser discutido pelos alunos como contraponto na construção de visão crítica de mundo.

  9. O professor precisa estar preparado para utilizar a linguagem audiovisual com sensibilidade e senso crítico de forma a desenvolver, com seus alunos, uma alfabetização audiovisual.

  10. COMO VER O VÍDEO

  11. Antes da exibição • Informar somente aspectos gerais do vídeo (autor, duração, prêmios...). • Não interpretar antes da exibição, não pré-julgar (para que cada um possa fazer a sua leitura). • Checar o vídeo antes. Conhecê-lo. Ver a qualidade da cópia. • Deixá-lo no ponto antes da exibição.

  12. Antes da exibição • Para baixar um vídeo da internet, instale o programa atube catcher em seu computador (é gratuito). • O endereço para pesquisa e download que sugerimos é o www.baixaki.com.br .

  13. Antes da exibição • Selecione e copie o link do filme desejado (do youtube, vimeo, videolog etc). • No atube catcher, cole o link na barra de url completa do vídeo e depois selecione a opção baixar.

  14. Durante a exibição • Anotar as cenas mais importantes. • Se for necessário (para regulagem ou fazer um rápido comentário) apertar o pause ou still, sem demorar muito nele, porque danifica a fita (ou dvd). • Observar as reações do grupo.

  15. Depois da exibição • Voltar o vídeo ao começo. • Rever as cenas mais importantes ou difíceis. Se o vídeo é complexo, exibi-lo uma segunda vez, chamando a atenção para determinadas cenas, para a trilha musical, diálogos, situações. • Passar quadro a quadro as imagens mais significativas. • Observar o som, a música, os efeitos, as frases mais importantes.

  16. PROPOSTAS DE USO DO VÍDEO

  17. Vídeo como SENSIBILIZAÇÃO • Um bom vídeo é interessantíssimo para introduzir um novo assunto, para despertar a curiosidade, a motivação para novos temas. Isso facilitará o desejo de pesquisa nos alunos para aprofundar o assunto do vídeo e da matéria.

  18. Vídeo como ILUSTRAÇÃO • O vídeo muitas vezes ajuda a mostrar o que se fala em aula, a compor cenários desconhecidos dos alunos. Por exemplo, um vídeo que exemplifica como eram os romanos na época de Julio César ou Nero, mesmo que não seja totalmente fiel, ajuda a situar os alunos no tempo histórico. Um vídeo traz para a sala de aula realidades distantes dos alunos, como por exemplo a Amazônia ou a África. A vida se aproxima da escola através do vídeo.

  19. Vídeo como SIMULAÇÃO • É uma ilustração mais sofisticada. O vídeo pode simular experiências de química que seriam perigosas em laboratório ou que exigiriam muito tempo e recursos. Um vídeo pode mostrar o crescimento acelerado de uma planta, de uma árvore -da semente até a maturidade- em poucos segundos.

  20. Vídeo como CONTEÚDO DE ENSINO • Vídeo que mostra determinado assunto, de forma direta ou indireta. De forma direta, quando informa sobre um tema específico orientando a sua interpretação. De forma indireta, quando mostra um tema, permitindo abordagens múltiplas, interdisciplinares.

  21. Vídeo como PRODUÇÃO • Como documentação, registro de eventos, de aulas, de estudos do meio, de experiências, de entrevistas, depoimentos. O professor deve documentar o que é mais importante para o seu trabalho, ter seu próprio material de vídeo assim como tem os seus livros e apostilas para preparar as suas aulas • Como intervenção: interferir, modificar um determinado programa, um material audiovisual, acrescentando uma nova trilha sonora ou editando o material de forma compacta ou introduzindo novas cenas com novos significados. • Vídeo como expressão, como nova forma de comunicação, adaptada à sensibilidade, principalmente das crianças e dos jovens. As crianças adoram fazer vídeo e a escola precisa incentivar o máximo possível a produção de pesquisas em vídeo pelos alunos.

  22. Vídeo como AVALIAÇÃO • Dos alunos, do professor, do processo. Vídeo ESPELHO • Para análise do grupo e dos papéis de cada um, para acompanhar o comportamento de cada um, do ponto de vista participativo, para incentivar os mais retraídos e pedir aos que falam muito para darem mais espaço aos colegas. • O vídeo-espelho é de grande utilidade para o professor se ver, examinar sua comunicação com os alunos, suas qualidades e defeitos.

  23. Vídeo como INTEGRAÇÃO/SUPORTE de outras mídias • Vídeo como suporte da televisão e do cinema. • Gravar em vídeo programas importantes da televisão para utilização em aula. • Alugar ou comprar filmes de longa metragem, documentários para ampliar o conhecimento de cinema, iniciar os alunos na linguagem audiovisual. • Vídeo interagindo com outras mídias como o computador, o CD-ROM,  com os videogames, com a Internet.

  24. DINÂMICAS DE ANÁLISE

  25. Análise em conjunto • O professor exibe as cenas mais importantes e as comenta junto com os alunos, a partir do que estes destacam ou perguntam. É uma conversa sobre o vídeo, com o professor como moderador. • O professor não deve ser o primeiro a dar a sua opinião, principalmente em matérias controvertidas, nem monopolizar a discussão, mas tampouco deve ficar encima do muro. Deve posicionar-se, depois dos alunos, trabalhando sempre dois planos: o ideal e o real; o que deveria ser (modelo ideal) e o que costuma ser (modelo real).

  26. Análise globalizante • Fazer, depois da exibição, estas quatro perguntas: • Aspectos positivos do vídeo • Aspectos negativos • Idéias principais que passa • O que vocês mudariam neste vídeo • Se houver tempo, essas perguntas serão respondidas primeiro em grupos menores e depois relatadas/escritas no plenário. O professor e os alunos destacam as coincidências e divergências. O professor faz a síntese final, devolvendo ao grupo as leituras predominantes (onde se expressam valores, que mostram como o grupo é).

  27. Análise Concentrada • Escolher, depois da exibição, uma ou das cenas marcantes. Revê-las uma ou mais vezes. • Perguntar (oralmente ou por escrito): - O que chama mais a atenção (imagem/som/palavra) -O que dizem as cenas (significados) - Conseqüências, aplicações (para a nossa vida, para o grupo).

  28. Análise “funcional” • Antes da exibição, escolher algumas funções ou tarefas (desenvolvidas por vários alunos): • o contador de cenas (descrição sumária, por um ou mais alunos) • anotar as palavras-chave • anotar as imagens mais significativas • caracterização dos personagens • música e efeitos • mudanças acontecidas no vídeo (do começo até o final).

  29. Análise da linguagem • Que história é contada (reconstrução da história) • Como é contada essa história • O que lhe chamou a atenção visualmente • O que destacaria nos diálogos e na música • Que idéias o programa passa (o que diz claramente esta história) • O que contam e representam os personagens • Modelo de sociedade apresentado • Ideologia do programa • Mensagens não questionadas (pressupostos ou hipóteses aceitos sem discussão). • Valores afirmados e negados (como são apresentados a justiça, o trabalho, o amor, o mundo) • Como cada participante julga esses valores (concordâncias e discordâncias nos sistemas de valores envolvidos).

  30. OUTRAS DINÂMICAS

  31. MODIFICAR O VÍDEO • Os alunos procuram vídeos e outros materiais audiovisuais sobre um determinado assunto. • Modificam, adaptam, editam, narram, sonorizam diferentemente. • Criam um novo material adaptado a sua realidade, a sua sensibilidade.

  32. VÍDEO ESPELHO • A câmera registra pessoas ou grupos e depois se observa o resultado com comentários de cada um sobre seu desempenho e sobre o dos outros. • O professor olha seu desempenho, comenta e ouve os comentários dos outros.

  33. COMPLETAR O VÍDEO • Exibe-se um vídeo até um determinado ponto. • Os alunos desenvolvem, em grupos, um final próprio e justificam o porquê da escolha. • Exibe-se o final do vídeo • Comparam-se os finais propostos e o professor manifesta também a sua opinião.

  34. VÍDEO PRODUÇÃO • Contar em vídeo um determinado assunto. • Pesquisa em jornais, revistas, entrevistas com pessoas. • Elaboração do roteiro, gravação, edição, sonorização. • Exibição em classe e/ou em circuito interno. • Comentários positivos e negativos. A diferença entre a intenção e o resultado obtido.

  35. USOS INADEQUADOS EM AULA

  36. Vídeo-tapa buraco • Colocar vídeo quando há um problema inesperado, como ausência do professor.Usar este expediente eventualmente pode ser útil, mas se for feito com freqüência, desvaloriza o uso do vídeo e o associa - na cabeça do aluno - a não ter aula.

  37. Vídeo-enrolação • Exibir um vídeo sem muita ligação com a matéria. O aluno percebe que o vídeo é usado como forma de camuflar a aula. Pode concordar na hora, mas discorda do seu mau uso.

  38. Vídeo-deslumbramento • O professor que acaba de descobrir o uso do vídeo costuma empolgar-se e passa vídeo em todas as aulas, esquecendo outras dinâmicas mais pertinentes. O uso exagerado do vídeo diminui a sua eficácia e empobrece as aulas.

  39. Vídeo-perfeição • Existem professores que questionam todos os vídeos possíveis porque possuem defeitos de informação ou estéticos. Os vídeos que apresentam conceitos problemáticos podem ser usados para descobri-los, junto com os alunos, e questioná-los.

  40. Só vídeo • Não é satisfatório didaticamente exibir o vídeo sem discuti-lo, sem integrá-lo com o assunto de aula, sem voltar e mostrar alguns momentos mais importantes.

  41. PROPOSTA PARA OFICINA • Em grupos, construam uma sequência didática para o vídeo indicado pela mediadora, conforme orientação a seguir: • Analise a capacidade a ser desenvolvida que justifica a utilização do vídeo, o público-alvo e o componente curricular proposto; • Construa encaminhamentos para proposta de uso do vídeo apontada; • Descreva os encaminhamentos para a dinâmica de análise do vídeo sugerida. • Ao planejar a sequência, lembre-se dos encaminhamentos antes, durante e após a exibição do vídeo.

  42. SOBRE OS FILMES Breve sinopse.

  43. Redrabbit • É um filme alemão, criado em 2006, como trabalho de conclusão de curso. • Desde que Egmont se formou na FilmakademieBaden-Württemberg, em 2006, RedRabbit foi mostrado em vários festivais e ganhou como Melhor Filme no SICAF Student 2008. • Conta a história de um homem que vive sozinho em um apartamento pequeno. O pouco contato que teve com outras pessoas caiu para zero desde que um coelho apareceu. Toda tentativa de tirar o coelho de seu apartamento, não teve êxito e como ele não tem certeza se deve criá-lo ou se não são permitidos animais no prédio, ele não deixa ninguém entrar no seu apartamento.

  44. For thebirds, coisas de pássaros • É um filme norte-americano, criado pela Pixar em 2000. • Recebeu o Oscar de o melhor curta animado em 2002. • Conta a história de um grupo de pássaros que se sentem incomodados com um pássaro de outra espécie, que quer juntar-se a eles. No final, os pequenos pássaros terão muito o que se arrepender por terem sido pouco receptivos.

  45. Partlycloudy, parcialmente nublado • É um curta da Pixar, lançado em 2009. Conta a história de uma cegonha entregadora de bebês e sua relação conflituosa com uma nuvem solitária. • A direção é de Peter Sohn, um animador da Pixar que deu inclusive a voz para Emile em “Ratatouille”, e a trilha sonora é de Michael Giacchino, o mesmo de “Lost” e do novo “Star Trek” de J.J. Abrams.

  46. Kutoja, thelastknit • É uma animação finlandesa da diretora Laura Neuvonen de 2005. Recebeu o prêmio do público no festival de Fantoche na Suíça(2005). O interessante é que o título em inglês é ” The Last Knit” que podemos traduzir novamente para “o último ponto (tricô)” ou “Arremate” o que explica melhor o filme.

  47. SOCIALIZAÇÃO

  48. Redrabbit • Não trabalhado.

  49. For thebirds, coisas de pássaros • Proposta de uso: para sensibilização. • Dinâmica de análise: concentrada. • Temática(s) abordada(s): violência moral – Bullying. • Público-alvo: alunos(as) do Ensino Médio. • Sequência: • Apresentação prévia de questionamentos; • Exibição do filme com pausas didáticas em 4 momentos, enfatizando: o comportamento do grupo antes da chegada do novo pássaro; reação do grupo ao primeiro contato com o pássaro; união dos pássaros contra o novo; resultado obtido com a ação negativa. • Reexibição do filme, proporcionando aos grupos uma melhor análise; • Abertura para debate sobre os questionamentos previamente propostos.

  50. Partlycloudy, parcialmente nublado • Não trabalhado.