html5-img
1 / 10

Como orientar uma reunião de núcleo

Como orientar uma reunião de núcleo. A preparação do casal. Leitura do BAR em casal (em casa). Troca genérica de impressões: o subtema, sua pertinência ou oportunidade, adequação à vida, dificuldades de linguagem. Que fazer para ultrapassar as dificuldades previstas?

reece-moon
Download Presentation

Como orientar uma reunião de núcleo

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author. Content is provided to you AS IS for your information and personal use only. Download presentation by click this link. While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server. During download, if you can't get a presentation, the file might be deleted by the publisher.

E N D

Presentation Transcript


  1. Como orientar uma reunião de núcleo

  2. A preparação do casal • Leitura do BAR em casal (em casa). • Troca genérica de impressões: o subtema, sua pertinência ou oportunidade, adequação à vida, dificuldades de linguagem. Que fazer para ultrapassar as dificuldades previstas? • Treinar uma breve partilha em casal: revisão do compromisso; do Ver; do Julgar; do Agir. • Fazer uma oração, pedindo inspiração para a orientação da reunião. • Prever um compromisso.

  3. O espírito de fé: “onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, eu estarei no meio deles” (Mt., 18, 20). Quem conduz a reunião é Cristo: “Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas e as minhas ovelhas conhecem-me […] Eu dou a minha vida pelas minhas ovelhas” (Jo. 10, 14. 15). “O Senhor é meu pastor, nada me falta” (Sl. 23/22). O espírito da reunião

  4. A pessoa do coordenador • Aberta aos outros ou fechada sobre si? • Preparada e dominando o tema ou impreparada (“sobre o joelho”)? • Sabendo tudo ou humilde? • Deixando os outros falarem ou falando “pelos cotovelos”? • Sensível ao mundo dos outros ou procurando “brilhar” (mentalidade de “estrela”)? • Atenta à vida e à partilha ou ignorando-a? • Buscando uma sintonia com o Divino ou deixando-a de lado? • Preocupada com a acção e a mudança interior ou acomodada?

  5. O acolhimento • A pontualidade • A justificação da falta de pontualidade, com pedido de desculpas • Os sorrisos e os cumprimentos amistosos, afectivos (uma simpatia e uma afectividade sinceras, não artificiais) • A indagação da situação humana e familiar dos outros (como vais? Como vão todos lá em casa?) • A verificação do humor dos outros: descontraídos? bem dispostos? fechados? distraídos? • O convite ao início da reunião (movimentação para a sala indicada, verificação dos lugares sentados para todos, atenção aos lugares escolhidos, preocupação em estar perto de algum casal com maiores problemas)

  6. O início da reunião • O cântico inicial permite imbuir de entusiasmo as pessoas reunidas. • A oração permite a concentração. • Uma reunião proveitosa não é consentânea com o ruído dispersivo, nem com um espírito de morna monotonia, mas com um espaço aberto à partilha e à oração (encontro com os outros e com o Outro por excelência, o Divino). • Cada núcleo tem a sua identidade e o coordenador deve reconhecê-la e respeitá-la, não impondo nada que a contrarie. Assim, há núcleos mais inclinados ao humor e à distensão, enquanto outros preferem a interioridade. Para os primeiros, uma “laracha” será bem-vinda, em contraste com os segundos, que nem sempre a tolerarão. • A leitura do BAR não deverá ser seguida, mas intervalada em cada momento pela respectiva partilha. • A revisão do compromisso deve ser feita com espírito de simplicidade e verdade, partilhando esquecimentos e incumprimento. • Deverá procurar-se a causa desses esquecimentos e a sua solução. • Um bom início dá o tom à reunião (afinado ou desafinado).

  7. O convite à partilha da observação da vida (VER) . O esquema da reunião parte da observação do real, do concreto da vida para, em seguida, se buscar a resposta da Palavra de Deus (a partilha de Fé) e não ao contrário. Tal esquema permite-nos situar a nossa reflexão em bases sólidas (nada é mais sólido do que o real). Interessa mais ver o que acontece efectivamente e não tanto como deveria ser (isto já o sabemos), para reflectirmos depois nas: . CAUSAS: por que razão acontecem tais realidades? Aprofundando as causas dos acontecimentos, dispomo-nos a ler as motivações das pessoas e a complexidade da vida humana. . CONSEQUÊNCIAS: o que é deriva desses acontecimentos? A análise das consequências permite-nos prever o futuro e planificar uma acção mais adequada. . Em toda a reunião, o coordenador deverá estar atento a todas as intervenções, evitando que uns monopolizem a reunião e outros se retraiam por timidez ou falta de tempo para falarem. . Compete ao coordenador: animar, estimular as intervenções, quando estas não surgem (falando de sua vida e lançando questões) ; e, ao contrário, disciplinar as intervenções abusivas (pedindo desculpa, mas justificando: a reunião é para todos).

  8. O convite à partilha da Fé(JULGAR) • A palavra de Deus, expressa na Bíblia e confirmada pelo magistério da Igreja, permite olhar a vida e o mundo com outros olhos, os da Fé, que supera a visão meramente humana: Toda a Escrituea é inspirada por Deus e útil para instruir, para refutar, para corrigir, para educar na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito, qualificado para toda a obra (2ª Tim., 3, 16-17). • Escutar com atenção e recolhimento essa Palavra para a partilhar, depois, em consonância com a vida, é o objectivo que o coordenador deve visar. Assim, importa assinalar qual a diferença qualitativa entre o nosso pensar humano, sujeito à fraqueza, à limitação de horizontes, ao egoísmo, ao comodismo, e o pensamento divino. O grande critério é a realização da Justiça, da Verdade e do Amor. • Importa também esclarecer dúvidas teológicas, de interpretação exegética, devendo o coordenador solicitar a intervenção especial do Assistente espiritual ou da Cooperadora para tal efeito. • Este momento deverá findar com uma oração espontânea, não obrigatória, mas para a qual o coordenador deverá convidar com delicadeza e respeito.

  9. O convite à acção(AGIR) • O BAR sugere alguns tópicos de acção. Não é obrigatório segui-los. Cada casal é livre de escolher qual o seu compromisso. É, no entanto, conveniente que tal escolha não se distancie do subtema em causa. Importa também que esse compromisso represente uma mudança qualitativa do casal, da família e da sociedade, a partir da nossa acção. Mais uma vez, os valores evangélicos nortearão a escolha. • O coordenador convidará cada casal a partilhar a sua escolha, sem, impor tal partilha. Se um casal não quiser partilhá-la, tal opção deverá ser respeitada pelo coordenador. • A revisão do compromisso na reunião seguinte permitirá avaliar até que ponto a reunião foi produtiva ou não. • O coordenador poderá sugerir que durante o mês que se seguirá o casal encontre na semana um ou mais momentos para recordar esse compromisso e avaliar o seu cumprimento. • Poderá também lembrar a conveniência da preparação do BAR seguinte. Para o efeito, poder-se-á ler o respectivo subtema. Se houver tempo, poder-se-á trocar breves impressões sobre o seu conteúdo e pertinência.

  10. O Final da reunião • A reunião termina com um cântico ou com uma oração expressamente escolhida pelo coordenador ou pelo Assistente. • Antes, porém, o coordenador poderá transmitir informações da Equipa Nacional ou da Equipa Diocesana. • Será também o momento para o núcleo combinar encontros e outro tipo de acções futuras, tendo em vista a dinamização do Movimento e dos momentos festivos: retiros, reflexões, convívios, jornadas de oração, quermesses, etc. • O coordenador poderá colher sugestões para o futuro do núcleo e do Movimento. • Também será o momento da partilha material, podendo passar-se um saco que garanta a intimidade da oferta para o Movimento. • A seguir à reunião, é costume fazer-se um lanche partilhado.

More Related