problemas e distor es nos pre os da energia el trica ao consumidor n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Problemas e Distorções nos Preços da Energia Elétrica ao Consumidor PowerPoint Presentation
Download Presentation
Problemas e Distorções nos Preços da Energia Elétrica ao Consumidor

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 20

Problemas e Distorções nos Preços da Energia Elétrica ao Consumidor - PowerPoint PPT Presentation


  • 105 Views
  • Uploaded on

Problemas e Distorções nos Preços da Energia Elétrica ao Consumidor. Alan Douglas Poole, INEE Seminário Internacional sobre Geração Distribuída São Paulo, 19 de junho de 2002. Introdução.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Problemas e Distorções nos Preços da Energia Elétrica ao Consumidor' - rasul


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
problemas e distor es nos pre os da energia el trica ao consumidor
Problemas e Distorções nos Preços da Energia Elétrica ao Consumidor

Alan Douglas Poole, INEE

Seminário Internacional sobre Geração Distribuída

São Paulo, 19 de junho de 2002

introdu o
Introdução
  • A inspiração das reformas do setor energético no Brasil foi de origem liberal. No modelo liberal o papel dos preços é fundamental para a otimização do sistema.
  • Infelizmente, a política energética em relação aos preços ainda não conseguiu um regime de preços que sinaliza os custos realisticamente.
    • Foi um fator importante contribuindo à crise energética.
    • Ainda tem muitos problemas reservados para o futuro.
    • Há efeitos nocivos para a eficiência energética em geral, incluindo a co-geração.
  • Concentramos nos preços de fornecimento de energia aos consumidores cativos e os livres atendidos pela concessionária..
tarifas divididas em duas grandes categorias baseadas na tens o da entrega da energia
Tarifas divididas em duas grandes categorias baseadas na tensão da entrega da energia

Baixa Tensão

  • As tarifas de baixa tensão são diferenciadas por categorias econômicas dos consumidores.
  • Responsável por ~45% do consumo e ~62% da receita das concessionárias

Alta Tensão (> 2300 kV)

  • São tarifas binôminos – demanda e energia.
  • Há pouca diferenciação dos consumidores por setor econômico – (das cooperativas rurais)
  • Horosazonal e convencional (convencional pouco usado)
  • Há dois variants da Tarifa Horosazonal: Azul e Verde.
evolu o das tarifas m dias
Evolução das Tarifas Médias
  • Desde os anos 70 houve uma tendência de queda nos preços médios de energia elétrica vendida pelas concessionárias.
  • O mês de abril de 1993 foi o ponto histórico mais baixo da tarifa média nacional, em termos da moeda nacional deflacionada.
  • Começou uma rápida recuperação tarifária, parte de uma série de reformas para sanearas finanças do setor elétrico.
  • No início do Plano Real, a tarifa média aumentou. Depois foi congelada. Valor médio anual de 1995 foi o mais baixo na historia.

.

impactos da pol tica de congelamento de 1994 95
Impactos da Política de Congelamento de 1994/95
  • Não teve impacto negativo na época:
      • Em termos de US$ a média foi acima do mínimo julgado necessário (falava-se muito em US$ 65/MWh)
      • Era muito difícil compor uma série histórica. Eletrobrás parou de publicar em termos comparáveis. Desculpa foi a necessidade de expurgar a memória inflacionária
  • Acumulou-se um problema potencial sério para o futuro, caso tivesse desvalorização. As desvalorizações começaram no início de 1999.
  • Estamos de volta ao patamar do início dos anos 90, tanto em termos de moeda nacional deflacionada como em US$ deflacionado.
consequ ncias pol ticas da estrategia inicial e das desvaloriza es
Consequências Políticas da Estrategia Inicial e das Desvalorizações
  • Pressão sobre tarifas em R$ é grande devido em parte ao forte componente do capital estrangeiro nas empresas privatizadas.
  • Problema político exacerbado pelo próprio governo: a mídia sempre mostra quanto aumentou desde 1995.
    • Utilizam as informações organizadas pelo Governo.
  • Outro problema – fim dos contratos iniciais, junto com custo maior por MWh da nova capacidade de geração.
estrutura das tarifas
Estrutura das Tarifas

Há duas grandes distorções nas tarifas horosazonais:

Escala

  • Há subsídios para grandes os consumidores. Distorção reconhecida há anos – más não se fez nada.
    • Com o mesmo fator de carga o consumidor A4 paga 60-70% mais caro que o consumidor A1 (a % diminui com o fator de carga).
  • Razão principal porque os grandes consumidores geralmente optarem ficar cativos.
rela o dos pre os na ponta e fora da ponta
Relação dos Preços na Ponta e Fora da Ponta
  • O preço da eletricidade na ponta é exageradamentealto
  • A razão do preço Ponta/Fora da Ponta} varia com tensão e fator de carga.
    • Quando FC igual na Ponta e FP, a razão varia entre 7 e 10 vezes na A4, um pouco menos na A1.
    • Quando FC maior na Ponta que FP a razão diminui, por exemplo FC 38% maior na A4 na Ponta, diminui razão ~22%. Porém, ainda alta, no A4, 6,5-8 vezes.
  • No Brasil até hoje o custo marginal da geração e transmissão básica na ponta  0. Assegurar a energia hidrelétrica firme significa que há capacidade para a ponta.
  • Razão é alta comparada até com paises com geração predominantemente térmica (custo da geração na ponta é alta).
slide19
Energia na ponta evidentemente é mais cara, porém ao exagerar cria-se sinais que induzem respostas sub-otimizadas.
  • Incentiva consumidor reduzir ponta apenas, muitas vezes em detrimento`de medidas de eficientização.
  • Exemplo é a escolha entre geração de ponta e a cogeração, discutido na próxima palestra. Os lucros vêm quase todo da redução da ponta.
  • Com a crise este tipo de solução se espalhou. Perda de renda para a concessionária pode ser grande.
  • A distorção não incomodava o Governo ou o setor; que insistia que o problema era demanda e não energia.
pol tica
Política
  • A estrutura atual praticamente inalterada desde anos 80. É igual pelo menos desde 1995, com a mesma estrutura em todo o pais (pequenos variantes na baixa tensão)
  • Temos apenas indicações. Precisa de muito análise estimar novos valores realistas.
  • O Comitê para Revitalização do Modelo do Setor Elétrico nâo aborda as distorções estruturais - apenas níveis gerais (Fator X, o fim das contratos iniciais)
  • Recomenda-se que o CNPE e ANEEL tratam como prioridade. Sem abordar estrutura tarifária difícil resolver o desafio de aumentar o nível médio ou discriminar componentes (G,T,D,C).
  • Abordagem deve começar explicitar preços de serviços bilaterais entre consumidor e concessionária/comercializador..
    • Por exemplo, preço para “load shedding”
  • No curto prazo, Fórum de Cogeração aprofundará estudos iniciados.