mastocitomas em c es n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Mastocitomas em cães PowerPoint Presentation
Download Presentation
Mastocitomas em cães

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 25

Mastocitomas em cães - PowerPoint PPT Presentation


  • 98 Views
  • Uploaded on

Mastocitomas em cães. M.V. Vívian Rocha de Freitas Aluna de especialização em clínica e cirurgia de pequenos animais da UFV. O que são mastócitos? Moléculas bioativas de heparina, histamina, leucotrienos e várias citocinas;

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Mastocitomas em cães' - powa


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
mastocitomas em c es

Mastocitomas em cães

M.V. Vívian Rocha de Freitas

Aluna de especialização em clínica e cirurgia de pequenos animais da UFV.

slide2

O que são mastócitos?

  • Moléculas bioativas de heparina, histamina, leucotrienos e várias citocinas;
  • Tecido conjuntivo, derme, órgãos linfóides, medula óssea, além de tratos respiratórios e digestórios.
etiologia
Etiologia
  • Envolvimento viral;
  • Oncogenes;
  • Locais de inflamação crônica.
slide4

Cães de meia-idade a idosos;

Epidemiologia

  • 20 a 25 % dos tumores de pele e subcutâneo;
  • Raças braquiocefálicas são mais predispostas;
slide5

Aspectos clínicos macroscópicos

  • Massas dermoepidérmicas ou subcutâneas;
  • Lesões firmes a amolecidas, papulares a nodulares, pendunculadas , bem ou mal circunscritas;
  • Geralmente são solitários;
  • Inflamação localizada do tumor após excesso de manipulação: “ Sinal de Darier”
slide6

Como é um tumor de mastócitos típico?

- Lesão dermoepidérmica, em forma de cúpula, com alopecia e eritema.

slide8

Doença sistêmica de Mastócitos

  • Letargia;
  • Anorexia;
  • Vômitos;
  • Perda de peso;
  • Esplenomegalia e hepatomegalia;
slide9

Liberação constante de

histamina

Degranulação de

mastócitos

Estímulo de células

parietais

ácido

clorídrico

Necrose e úlceras gastrointestinais

slide10

Liberação de heparina

Degranulação de

mastócitos

tempo de coagulação

sanguínea

Hemorragias Necrose

diagn stico
Diagnóstico
  • PAAF e citologia;
  • Histopatologia;
  • RX, US, hemograma e bioquímicos.
citopatol gico
Citopatológico
  • População de células redondas com granulos intracitoplasmáticos de cor púrpura com presença ou não de eosinófilos
histopatol gico
Histopatológico
  • Grau 1: bem diferenciado
  • Grau 2: moderadamente diferenciado
  • Grau 3: Pouco diferenciado
slide14

Grau 1: Bem diferenciado

  • Mastócitos com granulação citoplasmática intensa, núcleo redondo ou ovalado, ausência de mitoses.
slide15

Grau 2: Moderadamente diferenciado

  • Células neoplásicas mais desorganizadas, maiores, podendo ser pleomórficas e possuem menos grânulos citoplasmáticos. Atividade mitótica baixa a média.
slide16

Grau 3: Pouco diferenciado

  • Granulos citoplasmáticos quase imperceptíveis, e morfologia celular variando de redondas a poligonais.O Núcleo é grande, redondo a oval e vesicular, com nucléolo evidente. Mitoses atípicas.
altera es laboratoriais
Alterações laboratoriais
  • Eosinofilia, basofilia, mastocitomia, neutrofilia, trombocitose e anemia;
  • Alterações bioquímicas são incomuns.
tratamento
Tratamento
  • Definido através do estágio clínico da doença;
  • O Grau histopatológico é um método diagnóstico importante para o estabelecimento do tratamento e avaliação do prognóstico do animal;
  • Excisão cirúrgica, radioterapia, quimioterapia ou a combinação destas.
slide19

Tumores localizados, solitários, relativamente pequenos

Cirurgia com margem de excisão de pelo menos 3 cm

slide20
Tratamento quimioterápico
  • Em tumores de acesso difícil, ou aqueles em que a margem cirúrgica não pode ser estabelecida com segurança;
  • Em animais com tumores múltiplos e com doença metastática;
  • Uso de agentes citostáticos combinados.
slide21
Protocolos

a) Prednisona e vimblatina

Vimblastina: 2,0 mg/m² IV

Prednisona: 1,0 mg/kg VO/SID/14 dias

0,5 mg/kg VO/SID

slide22
b) Ciclosfofamida, Vimblastina e Prednisona

Ciclofosfamida: 50 mg/m²/VO,SID até 6 meses

Vimblastina: 2,0 a 3,0 mg/m²/ IV até 6 meses

Prednisona: 1mg/kg/ VO, SID

c) Prednisona

Eficaz por curto período de tempo.

outros tratamentos
Outros tratamentos
  • Triancinolona intralesional;
  • Radioterapia;
  • Bloqueadores de receptores histamínicos H1, como a difenidramina ( 2 a 4 mg/kg, VO, SID), cimetidina (10 mg/kg/ VO/ TID) ou ranitidina (2 mg/kg, VO, TID). Omeprazol (0,5 a 1,0 mg/kg, VO, SID) e protetores de mucosa com o sucralfato (0,5 a 1,0 g VO, TID).
slide24

Prognóstico

  • Asneoplasias bem diferenciadas possuem baixo potencial metastático;
  • Acredita-se que a localização dos Tumores de mastócitos influa na malignidade dos mesmos.
  • Tumores de grau 1, expectativa de vida de 51 semanas, grau 2 de 28 semanas e grau 3 de 18 semanas;
  • Aproximadamente 50 % dos tumores reicidivam após cirurgia.