curso de projetos de ilumina o eficiente professor tomaz nunes cavalcante n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante PowerPoint Presentation
Download Presentation
Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 47

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante - PowerPoint PPT Presentation


  • 93 Views
  • Uploaded on

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante. Conteúdo do Curso. Introdução. Conceito de Eficiência Energética. Conceitos de Iluminação. Luminotécnica. Avaliação financeira de Projetos de Iluminação. Introdução.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante' - pierce


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
conte do do curso
Conteúdo do Curso
  • Introdução.
  • Conceito de Eficiência Energética.
  • Conceitos de Iluminação.
  • Luminotécnica.
  • Avaliação financeira de Projetos de Iluminação.
introdu o
Introdução
  • A iluminação é um dos fatores de maior relevância no que tange ao consumo de energia elétrica. Chegando a ser responsável por aproximadamente 20% de toda energia consumida no país e por mais de 40% da energia consumida pelo setor de comércio e serviços.
introdu o1
Introdução
  • Como a energia elétrica é a maior despesa da iluminação, a chave da redução dos custos de iluminação é diminuir a quantidade de eletricidade para determinado nível de iluminamento. Assim, o que se paga por energia elétrica para sistemas de iluminação está diretamente relacionado com a eficiência luminosa da lâmpada utilizada.
introdu o2
Introdução
  • Reduzir o consumo não significa necessariamente diminuir a iluminação. É suficiente que se utilize equipamentos mais adequados e bem planejados, proporcionando conforto visual, despertando a atenção e estimulando a eficiência energética.
conceito de efici ncia energ tica
Conceito de Eficiência Energética
  • A Eficiência Energética é definida como a busca de redução do consumo de energia elétrica, sem prejuízo `a atividade de uso desta.

PERDAS <=> EQUIPAMENTOS E / OU PROCESSOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

conceito de efici ncia energ tica1
Conceito de Eficiência Energética
  • O combate ao desperdício de energia elétrica, apoia-se em três pilares:
      • Pessoas;
      • Informação;
      • Tecnologia.
unidades fotom tricas
UNIDADES FOTOMÉTRICAS
  • FLUXO ILUMINOSO OU POTÊNCIA LUMINOSA

É a energia radiante que afeta o olho nu durante 1 segundo.

unidades fotom tricas1
UNIDADES FOTOMÉTRICAS
  • FLUXO ILUMINOSO OU POTÊNCIA LUMINOSA

É uma das unidades fundamentais em engenharia de iluminação, dada como a quantidade total de luz emitida por uma fonte, em sua tensão nominal de funcionamento.

Símbolo = L

Unidade = Lumens

Lúmen () = 1/ 680 W

unidades fotom tricas2
UNIDADES FOTOMÉTRICAS
  • INTENSIDADE LUMINOSA

É a quantidade de luz que uma fonte emite por unidade de ângulo sólido (lúmen / esfero radiano) projetado em uma determinada direção.

unidades fotom tricas3
UNIDADES FOTOMÉTRICAS
  • INTENSIDADE LUMINOSA

O valor está diretamente ligado à direção desta fonte de luz. A intensidade luminosa é expressa em candelas (cd) e, em algumas situações, em candela /1000 lumens.

Símbolo = I

Unidade = Candela

Candela (I) = /w

unidades fotom tricas4
UNIDADES FOTOMÉTRICAS
  • LUMINÂNCIA

É a intensidade luminosa de uma fonte de luz produzida ou refletida por uma superfície iluminada. Esta relação é dada entre candelas e metro quadrado da área aparente (cd/m2).

unidades fotom tricas5
UNIDADES FOTOMÉTRICAS
  • LUMINÂNCIA

A luminância depende tanto do nível de iluminação ou iluminância, quanto das características de reflexão das superfícies.

Símbolo = L

Unidade = cd /m2

Candela/m2 (L) = I/S x Cos 

unidades fotom tricas6
UNIDADES FOTOMÉTRICAS
  • ILUMINÂNCIA OU ILUMINAMENTO

É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância da fonte, ou seja, é a quantidade de luz que está chegando em um ponto. Esta relação é dada entre a intensidade luminosa e o quadrado da distância (l/d2).

  • A iluminância pode ser medida através de um luxímetro, porém, não pode ser vista. O que é visível são as diferenças na reflexão da luz. A iluminância é também conhecida como níveis de iluminação.
unidades fotom tricas7
UNIDADES FOTOMÉTRICAS
  • ILUMINÂNCIA OU ILUMINAMENTO

Símbolo = E

Unidade = lux (lx)

unidades fotom tricas8
UNIDADES FOTOMÉTRICAS

Iluminância x Luminância

unidades fotom tricas10
UNIDADES FOTOMÉTRICAS

Norma de Iluminamento para hospitais

unidades fotom tricas11
UNIDADES FOTOMÉTRICAS
  • CURVA DE DISTRIBUIÇÃO LUMINOSA OU CURVA FOTOMÉTRICA

É a representação da Intensidade Luminosa em todos os ângulos em que ela é direcionada num plano.

unidades fotom tricas12
UNIDADES FOTOMÉTRICAS
  • CURVA DE DISTRIBUIÇÃO LUMINOSA OU CURVA FOTOMÉTRICA

A curva de distribuição luminosa é apresentada em coordenadas polares (cd/1000 lm) para diferentes planos. São estas curvas que indicam se a lâmpada ou luminária tem uma distribuição de luz concentrada, difusa, simétrica, assimétrica, etc.

unidades fotom tricas13
UNIDADES FOTOMÉTRICAS
  • CURVA DE DISTRIBUIÇÃO LUMINOSA OU CURVA FOTOMÉTRICA
unidades fotom tricas14
UNIDADES FOTOMÉTRICAS
  • CURVA DE DISTRIBUIÇÃO LUMINOSA OU CURVA FOTOMÉTRICA

LCQ

unidades fotom tricas15
UNIDADES FOTOMÉTRICAS
  • CURVA DE DISTRIBUIÇÃO LUMINOSA OU CURVA FOTOMÉTRICA

LSA

unidades fotom tricas16
UNIDADES FOTOMÉTRICAS
  • FATOR DE UTILIZAÇÃO

É o fluxo luminoso emitido por uma lâmpada sobre influência do tipo de luminária e da conformação física do ambiente onde ele se propagará. Indica, portanto, a eficiência luminosa do conjunto lâmpada, luminária e ambiente.

unidades fotom tricas17
UNIDADES FOTOMÉTRICAS
  • ÍNDICE DO AMBIENTE (RCR)

É a relação entre as dimensões do local, tanto para iluminação direta como indireta.

  • REFLETÂNCIA:

Relação entre o fluxo luminoso refletido e o fluxo luminoso incidente sobre uma superfície. É medida geralmente em porcentagem.

leis fundamentais da luminot cnica
LEIS FUNDAMENTAIS DA LUMINOTÉCNICA
  • LEI DO INVERSO DO QUADRADO DA DISTÂNCIA

Para uma mesma fonte luminosa, o iluminamento em diversas superfícies situadas perpendicularmente a direção da radiação, é diretamente proporcional ao quadrado da distância que o separa da fonte.

leis fundamentais da luminot cnica1
LEIS FUNDAMENTAIS DA LUMINOTÉCNICA
  • LEI DO COSENO

O iluminamento em um ponto qualquer de uma superfície é proporcional ao co-seno do ângulo de incidência dos raios luminosos no ponto considerado.

vari veis de um projeto eficiente de ilumina o
VARIÁVEIS DE UM PROJETO EFICIENTE DE ILUMINAÇÃO
  • TIPO DE LUMINÁRIA;
  • TIPO DE REATOR (DESCARGA);
  • COR TETO, PAREDE E PISO;
  • CONTROLE AUTOMATIZADO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO;
  • TIPO DE LÂMPADA;
  • APROVEITAMENTO DA ILUMINAÇÃO NATURAL.
lumin ria
LUMINÁRIA

A principal característica de desempenho elétrico exigido de uma Luminária é a boa refletância do seu corpo interno.

reator
REATOR
  • O Princípio na especificação do reator para as lâmpadas de descargas é a utilização de reatores do tipo eletrônicos.
cor de teto paredes e pisos
COR DE TETO, PAREDES E PISOS
  • PRINCÍPIO BÁSICO:

“Utilizar, na medida do possível, cores claras.”

l mpadas
LÂMPADAS
  • ÍNDICE DE REPRODUÇÃO DE COR

É o valor que representa a capacidade que tem as lâmpadas de apresentarem um espectro de luz que melhor determine a cor de certo corpo ou seja, um espectro que melhor se aproxime do espectro da luz solar.

l mpadas1
LÂMPADAS
  • ÍNDICE DE REPRODUÇÃO DE COR
l mpadas2
LÂMPADAS
  • TEMPERATURA DE COR

É a temperatura na qual um corpo negro emite luz na cor idêntica a emitida pela lâmpada a ser comparada, indica a aparência de cor de luz, ou a sensação de Tonalidade de Cor de diversas lâmpadas.

Símbolo = KUnidade = Kelvin

l mpadas3
LÂMPADAS
  • TEMPERATURA DE COR

Quando dizemos que um sistema de iluminação apresenta luz “quente” não significa que a luz apresenta uma maior temperatura de cor, mas sim que a luz apresenta uma tonalidade mais amarelada.

l mpadas4
LÂMPADAS
  • INCANDESCENTES

Operam através do aquecimento de um fio fino de tungstênio pela passagem de corrente elétrica.

Apenas 10% de toda a energia consumida por essa lâmpada transforma-se em luz. O resto se transforma em calor, o que gera uma eficiência luminosa menor que 18 Im/W.

l mpadas5
LÂMPADAS
  • FLUORESCENTES

São lâmpadas que utilizam descarga elétrica através de um gás. Consiste em um tubo cilíndrico de vidro revestido de material fluorescente (cristais de fósforo), contendo vapor de mercúrio a baixa pressão em seu interior e, portanto em suas extremidades eletrodos de tungstênio. Necessitam para seu funcionamento de um reator e um starter. São utilizadas na iluminação geral.

l mpadas6
LÂMPADAS
  • FLUORESCENTES COMPACTAS
l mpadas7
LÂMPADAS
  • VAPOR DE MERCÚRIO

Com bulbo semelhante ao das incandescentes, operam como as fluorescentes, através da descarga elétrica numa mistura de vapor de mercúrio com pequena quantidade de argônio, atingindo altas pressões internas durante o funcionamento.

São usadas na iluminação pública e na iluminação de pátios, estacionamentos, áreas livres, depósitos, onde a reprodução precisa de cores não é exigida. É recomendável o seu uso na área industrial.

l mpadas8
LÂMPADAS
  • MULTIVAPOR METÁLICO

São lâmpadas de mercúrio a alta pressão em que a radiação é proporcionada por iodeto de ítrio, tálio e sódio adicionados ao mercúrio. Necessitam para seu funcionamento de um reator e um ignitor.

l mpada
LÂMPADA
  • EFICIÊNCIA LUMINOSA

É a relação entre o fluxo luminoso emitido e a energia elétrica consumida (potência).

É útil para averiguarmos se um determinado tipo de lâmpada é mais ou menos eficiente do que outro.

Unidades = Lúmen por Watt (lm / W)

l mpada1
LÂMPADA
  • EFICIÊNCIA LUMINOSA
l mpada2
LÂMPADA
  • VIDA ÚTIL