slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
A crise mundial e suas repercussões no Brasil: impacto no mercado de crédito PowerPoint Presentation
Download Presentation
A crise mundial e suas repercussões no Brasil: impacto no mercado de crédito

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 44

A crise mundial e suas repercussões no Brasil: impacto no mercado de crédito - PowerPoint PPT Presentation


  • 61 Views
  • Uploaded on

A crise mundial e suas repercussões no Brasil: impacto no mercado de crédito. Impactos da crise no mercado de crédito brasileiro. Objetivo :

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'A crise mundial e suas repercussões no Brasil: impacto no mercado de crédito' - otylia


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
impactos da crise no mercado de cr dito brasileiro
Impactos da crise no mercado de crédito brasileiro
  • Objetivo :
      • discutir, a partir do referencial teórico pós-keynesiano, os impactos da crise internacional na economia brasileira, com ênfase no mercado de crédito bancário doméstico
  • Hipóteses:
      • dinâmica concorrencial conduziu à emergência de práticas de alto risco no sistema bancário brasileiro  potencializou os impactos da crise internacional
      • conservadorismo dos bancos na fase de retração é exacerbado, no caso brasileiro, pelo prazo relativamente curto do crédito e pela existência de quase-moeda
      • ação inepta do BCB que não percebeu a gravidade da crise e demorou a reagir ante deterioração das expectativas dos agentes e “empoçamento de liquidez” no mercado interbancário
impactos da crise no mercado de cr dito brasileiro1
Impactos da crise no mercado de crédito brasileiro
  • Dinâmica concorrencial e ciclo do crédito
  • Ciclo recente de crédito no Brasil: breve caracterização
  • Crise mundial e o “empoçamento” de liquidez
  • A reação do Banco Central do Brasil
  • Ação anticíclica dos bancos públicos
  • Considerações finais
din mica concorrencial e ciclo do cr dito 1 2
Dinâmica concorrencial e ciclo do crédito 1/2
  • bancos como agentes livres da economia na concessão de poder de compra para antecipação do gasto  criadores de moeda de crédito
  • quando ampliam crédito, agem de acordo com suas próprias considerações sobre o estado dos negócios
  • bancos são igualmente empresas inovadoras e dinâmicas em busca da ampliação dos lucros  busca incessante por novos instrumentos, procedimentos e acordos institucionais
  • preferência pela liquidez e expectativas em relação ao futuro norteiam estratégias na busca incessante de valorização => bancos não respondam passivamente nem à demanda ou preferência dos demais agentes por empréstimos e aplicações bancárias nem ao comando do Banco Central
din mica concorrencial e ciclo do cr dito 2 2
Dinâmica concorrencial e ciclo do crédito 2/2
  • expectativas dos bancos sob o estado do negócio ao longo do ciclo econômico podem resultar em:
    • assunção excessiva de risco,
    • ao financiamento de atividades especulativas e/ou
    • ao racionamento de crédito
  • nas fases de otimismo => refinanciamento contínuo das dívidas pretéritas com relaxamento das margens de segurança dos contratos  aparecimento de estruturas patrimoniais instáveis (Minsky)
  • quando há deterioração das expectativas => bancos tendem a contrair abruptamente o crédito  prudência na fase de reversão é característica intrínseca das atividades bancárias com fins lucrativos
  • comportamento míope dos bancos => origem de um círculo vicioso de aumento de inadimplência e deflação das dívidas e dos preços dos ativos (Keynes, 1931).
ciclo recente de cr dito no brasil 1 5
Ciclo recente de crédito no Brasil 1/5
  • até 2002, o sistema bancário não mostrou mudanças na sua forma de atuação em relação ao padrão dos anos de alta inflação  elevada preferência pela liquidez
  • em 2003, houve combinação de dois elementos :
    • continuidade da política econômica
    • menor volatilidade macroeconômica
  • expectativas de redução nas taxas básicas de juros – e conseqüente diminuição dos ganhos com as operações de tesouraria => redefinição das estratégias operacionais, com priorização do crédito
  • bancos identificaram na ampliação do crédito às pessoas físicas um enorme potencial de ganho, diante das expectativas otimistas quanto à recuperação do emprego e da renda sob o governo Lula
ciclo recente de cr dito no brasil 2 5
Ciclo recente de crédito no Brasil 2/5
  • ciclo atual de expansão de crédito teve início com ampliação dos empréstimos com recursos livres às pessoas físicas => modalidade de crédito consignado e aquisição de veículos
  • Evolução do crédito com recursos livres - variação frente ao mesmo mês do ano anterior (em %)

Fonte: Banco Central Brasil

  • alongamento dos prazos das operações de crédito ao consumidor estimulou a disposição das famílias ao endividamento, mesmo a taxas médias de juros muito elevadas
ciclo recente de cr dito no brasil 3 5
Ciclo recente de crédito no Brasil 3/5
  • aceleração do ritmo de crescimento da economia brasileira a partir do segundo trimestre de 2007=> impulsionou a contratação de crédito bancário pelas empresas, sobretudo capital de giro
  • em 2008, operações com o setor empresarial, em particular as empresas industriais, assumiram a liderança da expansão do crédito ao setor privado:
    • pelo lado da demanda => grandes empresas com dificuldade de financiamento no mercado internacional ampliaram a contratação de empréstimos para capital de giro no mercado doméstico
    • pelo lado da oferta => adoção por parte das instituições bancárias de estratégias de ampliação de crédito ao setor empresarial
  • bancos passaram a oferecer empréstimos vinculados às operações com derivativos de dólar em condições de custo mais favoráveis:
    • taxas entre 50% a 75% dos juros do Depósito Interfinanceiro (CDI) e variação cambial a partir de uma cotação predeterminada
    • relativa estabilidade da taxa de câmbio levou bancos e empresas a subestimarem o risco dessas operações => potencializou os impactos da crise financeira no mercado bancário brasileiro
ciclo recente de cr dito no brasil 4 5
Ciclo recente de crédito no Brasil 4/5
  • tentativa de frear o crédito para desaquecer a economia => introdução de recolhimento compulsório sobre os depósitos bancários das empresas de leasing, que captavam recursos para os seus controladores bancários mediante a emissão de debêntures
    • resultado => acirramento da concorrência entre os bancos grande porte para a captação de recursos mediante certificados de depósito a prazo (CDB)
      • elevação dos juros oferecidos aos clientes e oferecimento de liquidez diária para os depósitos até dois anos após o prazo inicial de dois a três meses:
      • aumento do custo de captação dos bancos médios e pequenos e elevação do descasamento de prazo entre suas operações ativas e passivas
ciclo recente de cr dito no brasil 5 5
Ciclo recente de crédito no Brasil 5/5
  • Responsável pela supervisão da atividade bancária o BCB nada fez para coibir essas práticas de alto risco
  • no caso da modalidade de empréstimo associado a derivativos de câmbio => BCB desconhecia o grau de exposição ao risco que os bancos haviam assumido
    • depreciação do real em 22,7% entre 15 de setembro e 15 de outubro => acarretou fortes perdas para as empresas brasileiras que haviam realizado operações de derivativo de dólar no mercado de balcão no Brasil e no exterior
crise mundial e empo amento de liquidez 1 3
Crise mundial e “empoçamento” de liquidez 1/3
  • falência do banco de investimento Lehman Brothers em meados de setembro => forte aumento da aversão aos riscos e movimento de fuga para a qualidade dos investidores globais
  • interrupção das linhas externas de financiamento
  • valorização abrupta do dólar => crise de confiança :
  • crescentes rumores sobre as perdas, de empresas e bancos, com derivativos de câmbio desencadearam um movimento de absoluta aversão ao risco e preferência pela liquidez por parte dos bancos => reação facilitada pela existência de títulos públicos indexados à taxa básica de juros e pelo prazo curto do crédito
  • “empoçamento” de liquidez => alguns grandes bancos sofreram forte pressão de caixa  Itaú, Unibanco,Votoratim
  • bancos menores enfrentaram dificuldades => forte retração do crédito para aquisição de veículos e para PMEs
crise mundial e empo amento de liquidez 2 3
Crise mundial e “empoçamento” de liquidez 2/3
  • falência do banco de investimento Lehman Brothers em meados de setembro => forte aumento da aversão aos riscos e movimento de fuga para a qualidade dos investidores globais
  • interrupção das linhas externas de financiamento
  • Crédito doméstico ao setor privado com recursos livres de origem externa (US$ bilhões)

Fonte: Banco Central de Brasil.

crise mundial e empo amento de liquidez 3 3
Crise mundial e “empoçamento” de liquidez 3/3
      • prejuízo das empresas e as perspectivas negativas para o desempenho macroeconômico => pressão para adequação do capital
  • processo de reestruturação da dívida das empresas com exposição no mercado de derivativo de câmbio e de empresas que entraram em dificuldade com a recessão
  • impacto da crise no mercado de crédito a partir de setembro:
      • os dados de estoque não revelam contração do crédito a partir de setembro  efeito da desvalorização do real e da ação anticíclica dos bancos públicos, sobretudo BNDES e CEF, bem como da reestruturação das dívidas
      • dados de concessão acumuladas indicam retração do crédito para pessoas físicas em outubro e novembro
      • aumento da seletividade na concessão e renovação de crédito e encurtamento dos prazos
evolu o das modalidades de cr dito com recursos livres para pessoas f sicas r milh es
Evolução das modalidades de crédito com recursos livres para pessoas físicas (R$ milhões)

Fonte: Banco Central do Brasil.

Notas:

* Dados preliminares

1 Inclui operações de crédito consignado.

evolu o das principais modalidades de cr dito com recursos livres para pessoas jur dicas r milh es
Evolução das principais modalidades de crédito com recursos livres para pessoas jurídicas: (R$ milhões)

Fonte: Banco Central do Brasil.

Nota: * dados preliminares

cr dito com recursos livres concess es acumuladas r milh es
Crédito com recursos livres – concessões acumuladas (R$ milhões)

Fonte: Banco Central do Brasil.

rea o do banco central do brasil 1 4
Reação do Banco Central do Brasil 1/4
  • Medidas do CMN e do BCB para reativar o crédito
  • flexibilização do compulsórios (set.-out./08) => liberação de R$ 82 bilhões (março/09)
  • alteração nas condições de redesconto (out./08)
  • regulamentação de linhas de empréstimos em moeda estrangeira para os bancos, com lastro (out.-nov./08)
  • alteração da composição do compulsório sobre depósitos a prazo e exigibilidade adicional (nov-dez./08)
  • criação de uma linha de empréstimo com recursos das reservas internacionais
  • regulamentação do recibo de depósito bancário com garantia especial do Fundo Garantidor de Crédito (mar./09)
      • com o RDB com garantia especial, a liquidez voltou realmente a fluir e os bancos menores voltaram a ampliar o crédito
rea o do banco central do brasil 2 4
Reação do Banco Central do Brasil 2/4
  • Equívocos do BCB no enfrentamento do impacto da crise:
    • elevação de 0,75 p.p. da meta da taxa Selic em setembro e manutenção em 13,75% a.a. nas reuniões de outubro e dezembro
        • ação foi no rumo contrário dos principais bancos centrais das economias avançadas e de várias economias periféricas.
        • Evolução da meta da taxa Selic (% ao ano)
rea o do banco central do brasil 3 4
Reação do Banco Central do Brasil 3/4
  • medidas tímidas para a resolução do problema de “empoçamento” de liquidez no interbancário, que resultou em abrupta contração do crédito no último trimestre de 2008:
        • erro de avaliação da gravidade do problema e das consequências para gestão da dívida pública => várias alterações nas circulares relativas à flexibilização do compulsório
        • com aversão ao risco e preferência absoluta pela liquidez, os bancos privados não reagiram no sentido esperado pela autoridade monetária  possibilidade de de aplicação, líquida, rentável e de baixíssimo risco, em títulos públicos
            • estratégia de redução das alíquotas dos recolhimentos compulsórios adotada pelo BCB se revelou inócua, os bancos privados simplesmente não ampliaram o crédito nem forneceram liquidez aos pequenos bancos nacionais => bancos estrangeiros foram os principais beneficiários da compra de carteira com recursos do compulsório sobre depósito a prazo dos grandes bancos varejistas
rea o do banco central do brasil 4 4
Reação do Banco Central do Brasil 4/4
  • Outras medidas do governo federal para reativar o crédito
  • repasse de recursos para o BNDES (nov./08)
  • medidas de suporte ao crédito rural:
    • aumento da exigibilidade sobre os depósitos à vista destinada ao crédito rural => passoude 25% para 30% até 30/6/2009
    • criação de linha especial de crédito para pagamento de até 40% das prestações com vencimento em 2008 dos programas de investimento agropecuário no âmbito do BNDES
recolhimentos compuls rios flexibiliza o e mudan as no cumprimento da exigibilidade
Recolhimentos compulsórios: flexibilização e mudanças no cumprimento da exigibilidade

Extraído Mário Mesquita. O Brasil e a crise internacional, Rio de Janeiro, Apresentação na PUC-RJ, 19 de março de 2009.

a o antic clica dos bancos p blicos 1 3
Ação anticíclica dos bancos públicos 1/3
  • medidas de flexibilização dos compulsórios não tiveram o resultado esperado => forte aversão ao risco dos grandes bancos privados
  • bancos públicos desempenham papel fundamental para mitigar a retração do crédito privado:
    • compra de carteiras de bancos privados pela CEF e pelo BB
    • BNDES e CEF ampliaram e/ou criaram novas linhas de crédito
    • redução dos juros pelo BB e CEF em várias modalidades das operações com pessoas físicas e jurídicas => queda dos spreads
    • redução da TJLP e diminuição do custo final dos financiamentos para máquinas e equipamentos exportações, inovações e micro e pequenas empresas até dezembro de 2009.
    • criação do Fundo Garantidor de Investimentos (FGI), que cobrirá 80% do risco de crédito de operações de repasse do BNDES as PMEs (jun/09)
a o antic clica dos bancos p blicos 2 3
Ação anticíclica dos bancos públicos 2/3
  • em termos do PIB, em 2009 há continuidade do ciclo de expansão do crédito iniciado em 2003
  • estoque de crédito ao setor privado atingiu o patamar equivalente a 43,4% do PIB em agosto (40,4% em dez./08 e 36,0% em jun./08)
  • maior dinamismo do crédito com recursos direcionados => BNDES e CEF
  • Instituições públicas ampliam participação no crédito ao setor privado <=> 38,1% em ago/09 (35,1% em dez./08 e 33,7% em jun./08)
    • aliando as diretrizes governamentais com suas próprias estratégias operacionais, o BB e a CEF estão conquistando fatias de mercado  reação dos bancos privados, que se veem obrigados a acompanhar seus concorrentes públicos
a o antic clica dos bancos p blicos 3 3
Ação anticíclica dos bancos públicos 3/3
  • no crédito com recursos livres, operações de crédito destinadas às pessoas físicas reassumiram a liderança da expansão => ampliação do limite do consignado para aposentados e relativa estabilidade do emprego e da renda
  • crédito com recursos livres para pessoas jurídicas registra recuo de 2,5% em relação a dezembro de 2008
  • elevação da inadimplência, sobretudo, das pessoas jurídicas => efeito da recessão
  • corte de 5,0 p.p na taxa Selic => redução dos spreads, em particular para pessoas físicas  spread médio para empresas ainda está acima 3,1 p.p acima do patamar de setembro de 2008
evolu o da taxa de inadimpl ncia 1 nas opera es de cr dito com recursos livres em
Evolução da taxa de inadimplência1 nas operações de crédito com recursos livres (em %)

Nota: Inadimplência refere-se a atrasos superiores a 90 dias.

considera es finais
Considerações finais
  • crise mundial ainda em curso => evidenciou a importância do sistema bancário de natureza mista, com crédito direcionado  fonte estável de recursos para os investimentos produtivos e para as atividades de caráter social
  • preferência pela liquidez e aversão ao risco dos bancos privados => escassez de crédito e “asfixia” da atividade econômica
  • bancos públicos brasileiros, fortes e bem posicionados, puderam desempenhar integralmente o papel de instrumento de política financeira governamental
  • sem a ação anticíclica do BNDES, BB e CEF, o mercado de crédito doméstico teria permanecido “travado”, a semelhança do que se observou nos Estados Unidos Reino Unido e, em menor grau, na Área do Euro
  • igualmente importante, tem sido a ação dos bancos públicos em prol da redução dos juros e dos spreads bancários
  • a crise também evidenciou as deficiências da regulamentação prudencial no Brasil => liquidez diária do CDB e operações exóticas com derivativo cambial