fatores de press o da mudan a do papel da log stica n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Fatores de pressão da mudança do papel da logística PowerPoint Presentation
Download Presentation
Fatores de pressão da mudança do papel da logística

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 43

Fatores de pressão da mudança do papel da logística - PowerPoint PPT Presentation


  • 89 Views
  • Uploaded on

Fatores de pressão da mudança do papel da logística. Professor Eduardo Bonetti de Freitas. INTRODUÇÃO. As grandes mudanças no cenário da economia mundial e as transformações ocorridas com o advento da globalização estão promovendo a queda de muitas barreiras e o rompimento de fronteiras.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Fatores de pressão da mudança do papel da logística' - osanna


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
fatores de press o da mudan a do papel da log stica

Fatores de pressão da mudança do papel da logística

Professor Eduardo Bonetti de Freitas

introdu o
INTRODUÇÃO
  • As grandes mudanças no cenário da economia mundial e as transformações ocorridas com o advento da globalização estão promovendo a queda de muitas barreiras e o rompimento de fronteiras.
  • A formação de Blocos Econômicos como Mercosul, Tratado de Nafta, Mercado Comum Europeu, Tigres ASIÁTICOS mostra que a união de países é necessária para manutenção de suas economias.
tratado de nafta north american free trade
Tratado de Nafta-north American Free Trade

O Tratado Norte-Americano de Livre Comércio

CANADA, EUA e MÉXICO

tratado de nafta 1988 1994
Tratado de Nafta 1988-1994

É um tratado envolvendo Canadá, México e Estados Unidos da América numa atmosfera de livre comércio, com custo reduzido para troca de mercadorias entre os três países.

Entrou em vigor em 1º de janeiro de 1994.

  • Em 1988, os EUA e o Canadá assinaram um Acordo de Liberalização Econômica, formalizando o relacionamento comercial entre aqueles dois países. Em 13 de agosto de 1992, o bloco recebeu a adesão dos mexicanos. O atual NAFTA entrou em vigor em 1994, com um prazo de 15 anos para a total eliminação das barreiras alfandegárias entre os três países, estando aberto a todos os países da América Central e do Sul.
a uni o europ ia hist ria 1950 1993
A União EuropéiaHistória 1950-1993
  • 1.1 9 de Maio de 1950: renasce a Europa
  • 1.2 25 de Março de 1957: a Comunidade Econômica Européia
  • 1.3 20 de Julho de 1963: Iaundé, os primórdios de um papel internacional
  • 1.4 1 de Janeiro de 1973: primeiro alargamento da Comunidade Européia
  • 1.5 7-10 de Junho de 1979: primeiras eleições diretas do Parlamento Europeu por sufrágio universal
  • 1.6 17 de Fevereiro de 1986: assinatura do Ato Único Europeu
  • 1.7 1 de Novembro de 1993: a União Européia
a uni o europ ia
A União Européia
  • A União Européia , anteriormente designada por Comunidade Econômica Européia é uma organização internacional constituída atualmente por 27 estados membros.
  • Foi estabelecida com este nome pelo Tratado da União Europeia (normalmente conhecido como Tratado de Maastricht) em 1992, mas muitos aspectos desta união já existiam desde a década de 50.
a uni o europ ia1
A União Européia
  • A União tem sedes em Bruxelas, Luxemburgo e Estrasburgo.
  • A União Européia tem muitas facetas, sendo as mais importantes o mercado único europeu (uma união aduaneira), uma moeda única (o euro, adotado por 15 dos 27 estados membros) e políticas agrícola, de pescas, comercial e de transportes comuns.
  • A União Européia desenvolve também várias iniciativas para a coordenação das atividades judiciais e de defesa dos Estados Membros.
a uni o europ ia2
A União Européia
  • O Tratado de Paris, assinado em 1951, estabelecendo a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, e os Tratados de Roma, assinados em 1957, instituindo a Comunidade Económica Europeia e a Comunidade Europeia da Energia Atómica ou Euratom, foram assinados por seis membros fundadores: Alemanha, Bélgica, França, Itália, Luxemburgo e Países Baixos.
a uni o europ ia3
A União Européia
  • Depois disto, a UE levou a cabo seis alargamentos sucessivos: em 1973, Dinamarca, Irlanda e Reino Unido; em 1981, Grécia; em 1986, Portugal e Espanha; em 1995, Áustria, Finlândia e Suécia; a 1 de Maio de 2004, República Checa, Chipre, Eslováquia, Eslovénia, Estónia, Hungria, Letónia, Lituânia, Malta e Polónia; a 1 de Janeiro de 2007, Bulgária e Roménia.
mercosul 1960 1995 mercado comum do sul
Mercosul 1960 -1995Mercado Comum do Sul

Argentina, Brasil, Paraguai ,Uruguai e Venezuela

mercosul 1960 1995 mercado comum do sul1
Mercosul 1960 -1995Mercado Comum do Sul
  • É a União Aduaneira,livre comércio entre zona e política comercial comum de cinco países da América do Sul.
  • Em sua formação original o bloco era composto por quatro países: Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai.
  • Desde 2006, a Venezuela depende de aprovação dos congressos nacionais para que sua entrada seja aprovada
tigres asi ticos
Tigres Asiáticos

Hong Kong (cidade chinesa), é um dos Tigres Asiáticos.

tigres asi ticos1
Tigres Asiáticos

Coréia do Sul, Taiwan , Cingapura e Hong Kong.

tigres asi ticos2
Tigres Asiáticos
  • A denominação de “Tigres Asiáticos” é dada ao grupo de países que na década de 80 apresentaram um crescimento econômico elevado e repentino baseado em táticas agressivas de atração de capital estrangeiro como a isenção de impostos e mão-de-obra barata.
tigres asi ticos3
Tigres Asiáticos

O grupo formado por Coréia do Sul, Taiwan , Cingapura e Hong Kong

Surgiu durante a disputa comercial iniciada com o fim do comunismo e a abertura dos mercados de antigos países socialistas.

tigres asi ticos4
Tigres Asiáticos

Entretanto, o modelo de crescimento da economia dos Tigres Asiáticos apresenta a falha de depender dos mercados compradores, uma vez que sua economia se baseia unicamente na exportação.

tigres asi ticos5
Tigres Asiáticos

o grupo possui a maior indústria naval do mundo, o maior exportador de tecidos, relógios e rádios, a maior indústria de bicicletas, a 2ª reserva mundial em moeda estrangeira e o maior complexo de refinarias do mundo.

reflexos destas globaliza es na ind stria
Reflexos destas globalizações na Indústria
  • Aumento de competitividade;
  • Acesso à diversas tecnologias;
  • Mudança no mercado consumidor (cada vez mais exigente) ;
reflexos destas globaliza es nas empresas
Reflexos destas globalizações nas Empresas
  • Em face desta situação de mercado globalizado as empresas que querem continuar no mercado são obrigadas a se reformular e adaptar sua estrutura ao novo mercado Global.
e a log stica
E a Logística?
  • Com o mercado mudando a LOGÍSTICA também precisou reformular-se, pois agora ela é responsável desde o recebimento da matéria prima até a entrega do produto acabado na casa do cliente .
fun es de desenvolvimento potencial da log stica
Funções de desenvolvimento potencial da logística:
  • Integrar e coordenar atividades ao longo da cadeia logística.
  • Coordenar com outras funções e outros fatores externos.
repensando a log stica
Repensando a Logística
  • É importante que as empresas repensem seu sistema logístico pois é um fator fundamental para alcançar sucesso diante da competição mundial.
fatores de press o da mudan a do papel da log stica1
Fatores de pressão da mudança do papel da logística

Veja uma Cadeia de Logística tradicional

Fontes

Fornecedores

Processadores

Distribuidores

Varejistas

Consumidores

A Cadeia de Logística Tradicional está com seu dias contados.

Os FATORES EXTERNOS que exercem pressão sobre as empresas

estão levando empresas a repensar suas operações na cadeia Logística.

fatores de press o da mudan a do papel da log stica2
Fatores de pressão da mudança do papel da logística
  • Competição externa;
  • Ciclo de vida do produto
  • Clientes mais exigentes e mais bem informados;(Código de defesa do consumidor,internet)
  • Racionalização da base de fornecedores;
  • Papel mais restritos dos distribuidores;
  • Demanda por parcerias;
cadeia de suprimentos ou supply chain management scm
Cadeia de Suprimentos ou Supply Chain Management(SCM)

CONCEITO:

  • É todo o esforço envolvido nos diferentes processos e atividades empresariais que criam valor na forma de produtos e serviços para o consumidor final.
  • A gestão do Supply Chain é uma forma integrada de planejar e controlar o fluxo de mercadorias, informações e recurso desde o fornecedor até o cliente final, de forma cooperativa para beneficiar todos os envolvidos.
cadeia de suprimentos ou supply chain management scm1
Cadeia de Suprimentos ou Supply Chain Management(SCM)
  • Supply Chain Managment é a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que proporcionam os produtos, serviços e informações que agregam valor para o cliente.Essencialmente a Gestão da cadeia de suprimentos integra o gerenciamento da demanda e do fornecimento dentro e através das empresas.
cadeia de suprimentos ou supply chain management scm2
Cadeia de Suprimentos ou Supply Chain Management(SCM)
  • Consiste no estabelecimento de relações de parcerias de longo prazo, entre os componentes de uma cadeia produtiva, que passarão a planejar estrategicamente suas atividades e partilhar informações de modo a desenvolverem as suas atividades logísticas de forma integrada, através e entre suas organizações.
  • Com isso, melhoram o desempenho conjunto pela busca de oportunidades, implementada em toda a cadeia, e pela redução de custos para agregar mais valor ao cliente final.
ecr efficient consumer response ou resposta eficiente ao consumidor
ECR -Efficient Consumer responseOuResposta eficiente ao Consumidor
  • O ECR é a resposta da indústria ao consumidor final ou seja, é uma iniciativa dos fabricantes , do varejo e dos atacadistas e de todas as empresas que trabalham em conjunto para reduzir os custos da cadeia de logística integrada.
hist ria do ecr
História do ECR

Introduzido na década de 90 nos Estados Unidos, o Efficient Consumer Response (ECR) teve sua maior difusão no Brasil em 1997.

ferramentas que d o suporte vis o global de ecr
Ferramentas que dão suporte à visão Global de ECR
  • Gerenciamento de Categoria
  • Reposição Contínua
  • Custeio baseado em atividade
  • Benchmark das melhores Práticas: Método de comparação de performance em certas áreas
  • Pedido acompanhado por computador
ferramentas que d o suporte vis o global de ecr gerenciamento de categoria ou category manegement
Ferramentas que dão suporte à visão Global de ECR Gerenciamento de Categoria ou Category Manegement

É a forma de os varejistas gerenciarem categorias de produtos para maximizar a eficiência e a lucratividade.

ferramentas que d o suporte vis o global de ecr reposi o cont nua ou continuous replenishment
Ferramentas que dão suporte à visão Global de ECR – Reposição Contínua ou Continuous replenishment

É a metodologia just in time para o segmento de supermercados.

slide33
Ferramentas que dão suporte à visão Global de ECR - Custeio baseado em atividade ou activity based costing.

É a forma de entender os custos e a rentabilidade associados aos produtos, serviços, canais, clientes e processos da empresa.

slide34
Ferramentas que dão suporte à visão Global de ECR Benchmark das melhores Práticas ou Best practices Benchmarking.

É a maneira das empresas compararem suas performances em certas áreas com as melhores práticas da indústria.

slide35
Ferramentas que dão suporte à visão Global de ECR – Pedido acompanhado por computador ou Computer asisted ordering.

É a automação da emissão de pedido por computador e movimentação de mercadorias realizada por leitura óptica e recebimento eletrônico.

as quatro estrat gias do ecr
As quatro estratégias do ECR
  • 1-Introdução Eficiente do Produto
  • 2-Sortimento Eficiente da loja
  • 3-Promoção Eficiente
  • 4-Reposição Eficiente
as quatro estrat gias do ecr1
As quatro estratégias do ECR

1-Introdução Eficiente do Produto

É uma metodologia inovadora voltada para agregar valor ao consumidor e não agregar custo ao produto. Possui cinco etapas nas quais o distribuidor se envolve e se compromete com o resultado.

Estas etapas são: 1-Concordância entre distribuidor e fornecedor teste para introdução do produto.2-Preparação do teste 3- implementação do teste, 4-Avaliação 5- Decisão.

as quatro estrat gias do ecr2
As quatro estratégias do ECR

2-Sortimento Eficiente da loja

Esta estratégia é definida como um processo colaborativo entre fornecedor e distribuidor para determinar o nível ótimo de oferta de um produto. Visa reduzir espaço que não agrega valor e uso não comprovado do espaço de vendas.

as quatro estrat gias do ecr3
As quatro estratégias do ECR
  • 3-Promoção Eficiente.

Tem que ser simples,de fácil compreensão, com inicio e final determinado, com curta duração e sustentar as vendas de linhas de produtos .

Pode ser feita pelo fornecedor ao varejo revenda e distribuidor como pelo distribuidor ou revenda para o cliente final.

as quatro estrat gias do ecr4
As quatro estratégias do ECR

4-Reposição Eficiente

( Reposição Eletrônica,Inventário Perpétuo, Leitura por código de barra no ponto de venda e pedido emitido por computador.

considera es finais do ecr
CONSIDERAÇÕES FINAIS DO ECR
  • A estratégia de ECR já funciona como um exemplo concreto na Europa e Estados Unidos e está sendo introduzido no Brasil por meio das Grandes redes de supermercados.
refer ncias bibliogr ficas
Referências Bibliográficas

Hong Yuh Ching, Gestão de Estoques na cadeia de Logística Integrada – Supply Chain-3ª.ed.-São Paulo: Atlas,2006.

http://www.infoescola.com/geografia/tigres-asiaticos>Acesso em 24/02/10.

http://www.scielo.br/scielo acesso em 06/05/10.