slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
VI SEMINÁRIO PARAENSE DE ENSINO De CIÊNCIAS E MATEMÁTICA Educação em Ciências e Matemáticas e cidadania Abaetetuba-PA 16 PowerPoint Presentation
Download Presentation
VI SEMINÁRIO PARAENSE DE ENSINO De CIÊNCIAS E MATEMÁTICA Educação em Ciências e Matemáticas e cidadania Abaetetuba-PA 16

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 9

VI SEMINÁRIO PARAENSE DE ENSINO De CIÊNCIAS E MATEMÁTICA Educação em Ciências e Matemáticas e cidadania Abaetetuba-PA 16 - PowerPoint PPT Presentation


  • 259 Views
  • Uploaded on

O QUE PENSAM ALUNOS E PROFESSORES DE ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM SOBRE OS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS E A SEXUALIDADE DOS ADOLESCENTES .

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'VI SEMINÁRIO PARAENSE DE ENSINO De CIÊNCIAS E MATEMÁTICA Educação em Ciências e Matemáticas e cidadania Abaetetuba-PA 16' - omer


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

O QUE PENSAM ALUNOS E PROFESSORES DE ESCOLAS PÚBLICAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM SOBRE OS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS E A SEXUALIDADE DOS ADOLESCENTES

VI SEMINÁRIO PARAENSE DE ENSINO De CIÊNCIAS E MATEMÁTICAEducação em Ciências e Matemáticas e cidadaniaAbaetetuba-PA 16 e 17 de março de 2006

PAULO SÉRGIO DA SILVA LIMA - psergiobio@bol.com.br

EDMILSON QUEIROZ AZEVEDO

PEDRO RAIMUNDO LISBOA CAMPOS

SUELY GOMES OLIVEIRA VELOSO

Orientadora: Profª. Drª. MARIA DE FÁTIMA VILHENA DA SILVA – fvilhena@ufpa.br

slide2
Para melhor reflexão sobre o assunto podemos ressaltar a afirmação de Godelier apud Scott (1995):

Não é a Sexualidade que assombra o corpo, mas antes a Sociedade que assombra a Sexualidade do corpo. As diferenças entre os corpos relacionadas ao sexo, são constantemente solicitadas a testemunhar as relações sociais e as realidades que não têm a ver com a Sexualidade, não apenas testemunhar, mas testemunhar para, ou seja, legitimar. (Godelier Apud Scott, 1995).

para melhor reflex o sobre o assunto podemos ressaltar a afirma o de nunes 2002
Para melhor reflexão sobre o assunto podemos ressaltar a afirmação de Nunes (2002):
  • Segundo a afirmação de Nunes (2002).Toda educação sexual implica uma reeducação da própria sexualidade. Só transmitimos com segurança aqueles conceitos e valores que nos convencem. Os que nos envolvem e conhecem nossas atitudes aprendem o envolvimento e o sentido que nos impulsiona a tratar a Sexualidade Humana. Não se faz Educação Sexual de maneira dogmática ou doutrinária. Nem, todavia se pode sustentar um projeto de Educação Sexual sobre o voluntarismo espontaneista, mesmo aquele carregado de boas intenções e altruísmo. A vontade deve ser o motor das práticas transformadoras, mas esta somente se completa com a consciência crítica que deve ser sistematicamente buscada pela Ciência e trabalho intelectual de pesquisa e aprofundamento.
m dia e sexualidade
Mídia e Sexualidade
  • A incidência de gravidez na adolescência esta crescendo cada vez mais. No Brasil, a cada ano cerca de 20% das crianças que nascem são filhos de adolescentes, número que representa três vezes mais garotas com menos de 15 anos grávidas que na década de 70.
  • Muitos valores sociais foram quebrados e a crescente liberação dos costumes proporcionou a exposição de imagens sexuais, de modo a existir uma infinidade de explorações artísticas e comerciais da sexualidade, do erotismo e até mesmo do sexo.
  • Por intermédio da mídia, a atividade sexual começa a ser despertada bem cedo e um grupo totalmente despreparado, o que traz como conseqüência um aumento na incidência de gestação indesejada, bem como, HIV/AIDS e outras doenças sexualmente transmissíveis.
  • Sexo vende e dá “audiência”: na televisão, tudo é bonito e colorido, atividade sexual é símbolo de liberdade, do uso do corpo jovem e bonito em toda sua totalidade, de modo que o sonho da moça pobre é protegido na mocinha da novela que engravida e tem final feliz com seu príncipe.
rela o pais e adolescentes
Relação Pais e Adolescentes
  • Os pais devem se encorajar cada vez mais a discutirem sobre: sexualidade, virgindade, aborto gravidez com os adolescentes (Scott JW, 1983).
  • Os pais estão abertos ou preparados para esclarecer as dúvidas sexuais de seus filhos adequando discurso à idade e as características individuais? Em que momento os pais podem contribuir significativamente para que o início da vida sexual dos jovens ou seus filhos seja mais consciente, mais seguro? Será que os pais devem conversar entre si afim de que o adolescente perceba o interesse pelo assunto? A garantia da virgindade não exime os pais de discutirem com elas outras formas de sexo que existem e que podem estar praticando?
contracep o e a sexualidade
Contracepção e a Sexualidade
  • Segundo Rodrigues (2002), a dificuldade de acesso aos conhecimentos em Sexualidade pode levar muitos jovens e muitas jovens a não usar ou usar de modo incorreto os métodos contraceptivos.
  • Um programa com esta característica é um projeto de vida saudável na Adolescência, como atividades que valorizem o bem estar favorecendo a qualidade de vida como um todo e a saúde sexual.
  • Os métodos contraceptivos são na realidade formas que homens e mulheres utilizam para assegurar uma vida sexual e com isso evitar surpresas desagradáveis.
metodologia
Metodologia
  • A metodologia utilizada foi através da aplicação de questionários com questões abertas e fechadas. Utilizando como sujeito para nosso trabalho alunos das escolas públicas de ensino médio “Souza Franco” e “Pedro Amazonas Pedroso” e com cinco professores da escola pública, das disciplinas Física, Matemática, Biologia, Filosofia e Língua Portuguesa.
  • A pesquisa foi realizada com 70 adolescentes na faixa etária entre 16 e 21 anos (sendo 35 homens e 35 mulheres) das escolas da rede pública de ensino “Souza Franco” e “Pedro Amazonas Pedroso” .
refer ncias bibliogr ficas
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  • BARROS, Carlos. O Corpo Humano – Programa de Saúde. São Paulo: Ática, 2001, p. 51-54.
  • BATTAGIA, Heitor, HELDER, Estela, Conversando Sobre Sexo, São Paulo: Ática, 2004, p. 189.
  •  FAVERO, Helena, MELLO, Regina, Psicologia: Teoria e Pesquisa – Brasília. Janeiro - Abril Vol. 13 N.1 1997 p. 131 – 133.
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE – Proj. de Profissionalização dos Trabalhadores na Área de Enfermagem: Caderno do Aluno: Saúde da Mulher, Rio de Janeiro, FIO CRUZ – 2001 p. 94 – 98.
  •  SUPLEMENTO DA REVISTA MANCHETE, 28 de dezembro de 1996 p.3, VEJA, 10 de julho de 1996, p. 88 – 96.