slide1 l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
GESTÃO DE RESÍDUOS DOMICILIARES E DE SERVIÇOS DE SAÚDE PowerPoint Presentation
Download Presentation
GESTÃO DE RESÍDUOS DOMICILIARES E DE SERVIÇOS DE SAÚDE

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 17

GESTÃO DE RESÍDUOS DOMICILIARES E DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PowerPoint PPT Presentation


  • 374 Views
  • Uploaded on

GESTÃO DE RESÍDUOS DOMICILIARES E DE SERVIÇOS DE SAÚDE. JOÃO BOSCO LADISLAU DE ANDRADE. http://www.olharvital.ufrj.br/2006/index.php?id_edicao=152&codigo=10. (Acesso 31/7/09). MANAUS Setembro 2009. AGENDA. ASPECTOS REFERENCIAIS DOS RESÍDUOS DOMICILIARES E DE SERVIÇOS DE SAÚDE

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'GESTÃO DE RESÍDUOS DOMICILIARES E DE SERVIÇOS DE SAÚDE' - omer


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1
GESTÃO DE RESÍDUOS DOMICILIARES E DE SERVIÇOS DE SAÚDE

JOÃO BOSCO LADISLAU DE ANDRADE

http://www.olharvital.ufrj.br/2006/index.php?id_edicao=152&codigo=10. (Acesso 31/7/09)

MANAUS

Setembro 2009

slide2

AGENDA

  • ASPECTOS REFERENCIAIS DOS RESÍDUOS DOMICILIARES E DE SERVIÇOS DE SAÚDE
  • PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES E NORMALIZAÇÕES SOBRE OS RSSS
  • PRINCIPAIS NORMAS DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR NO GERENCIAMENTO E MANEJO DOS RSSS
  • MODELO ATUAL DO GERENCIAMENTO DOS RSSS NO BRASIL
  • PROPOSTA PARA O GERENCIAMENTO INTEGRADO DOS RSSS
  • MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE
  • CONSIDERAÇÕES FINAIS.
slide3

ASPECTOS REFERENCIAIS DOS RESÍDUOS DOMICILIARES E DE SERVIÇOS DE SAÚDE

META DO PLANO DECENAL DA SAÚDE PARA AS AMÉRICAS, APROVADA NA III REUNIÃO DE MINISTROS DA SAÚDE DOS PAÍSES DAS AMÉRICAS, REALIZADA EM SANTIAGO, CHILE, DE 2 A 9 DE OUTUBRO DE 1972, SOB OS AUSPÍCIOS DA ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DA SAÚDE – ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE, E A SER CUMPRIDA ENTRE 1º DE JANEIRO DE 1971 A 1980:

“2.2. RESÍDUOS SÓLIDOS

ESTABELECER SISTEMAS ADEQUADOS PARA COLETA, TRANSPORTE, TRATAMENTO E DISPOSÍÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PELO MENOS 70% DE CIDADES COM MAIS DE 20.000 HABITANTES”.

http://jornal.valeparaibano.com.br/1998/02/17/jac/foto-mercurio.html. (Acesso 31/7/09)

slide4

ASPECTOS REFERENCIAIS DOS RESÍDUOS DOMICILIARES E DE SERVIÇOS DE SAÚDE

DIAGNÓSTICO

DA

SITUAÇÃO ATUAL

OPERAÇÃO DO

ATERRO

SANITÁRIO

ESTUDO DE

IMPACTO

AMBIENTAL / EIA

PROPOSTA PARA

ATERRO

CONTROLADO

EXECUÇÃO DO

PROJETO DE

ATERRO

SANITÁRIO

IDENTIFICAÇÃO

DE ÁREA PARA

ATERRO

SANITÁRIO

PROPOSTA PARA

LIMPEZA

URBANA

MONITORAMENTO

DO ATERRO

SANITÁRIO

PROJETO DE

ATERRO

SANITÁRIO

slide5

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES E NORMALIZAÇÕES SOBRE OS RSSS

  • RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA – RDC N° 306, DE 7/12/2004 – AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA): Dispõe sobre o regulamento técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde.

Recomenda aos geradores a elaboração do Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde – PGRSS.

  • RESOLUÇÃO N° 358, DE 29/4/2005 – CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE (CONAMA): Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços de saúde e dá outras providências.
  • ABNT (1987). NBR 10004. Resíduos sólidos - Classificação;
  • ABNT (1993). NBR 12807. Resíduos de serviços de saúde - Terminologia;
  • ABNT (1993). NBR 12808. Resíduos de serviços de saúde - Classificação;
  • ABNT (1993). NBR 12809. Manuseio de resíduos de serviços de saúde - Procedimento;
  • ABNT (1993). NBR 12810. Coleta de resíduos de serviços de saúde - Procedimento.
slide6

PRINCIPAIS NORMAS DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR NO GERENCIAMENTO E MANEJO DOS RSSS

  • NR 4 – Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho.
  • NR 5 – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA).
  • NR 6 – Equipamentos de Proteção Individual (EPI).
  • NR 7 – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO).
  • NR 8 – Edificações.
  • NR 9 – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA).
slide7

PRINCIPAIS NORMAS DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR NO GERENCIAMENTO E MANEJO DOS RSSS

  • NR 15 – Atividades e Operações Insalubres.
  • NR 17 – Ergonomia.
  • NR 23 – Proteção Contra Incêndios.
  • NR 24 – Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho.
  • NR 26 – Sinalização de Segurança.
slide8

ACONDICIONAMENTO

Coleta Interna I

Transporte Interno I

LEGENDA

ARMAZENAMENTO

INTERNO

(SALA DE RESÍDUOS)

Fluxo decorrente de legislação/normalização

TRATAMENTO

INTERNO

DISPOSIÇÃO

FINAL

INTERNA

Coleta Interna II

Fluxo eventualmente adotado

Transporte Interno II

ARMAZENAMENTO

EXTERNO

(ABRIGO DE RESÍDUOS)

Coleta Externa/Transporte Externo

TRATAMENTO

EXTERNO

Procedimento intra-unidade

DISPOSIÇÃO

FINAL

EXTERNA

Procedimento extra-unidade

MODELO ATUAL DO GERENCIAMENTO DOS RSSS NO BRASIL

slide9

PROPOSTA PARA O GERENCIAMENTO INTEGRADO DOS RSSS

GERENCIAMENTO

AMBIENTAL DOS

RESÍDUOS DE SERVIÇOS

DE SAÚDE

COLETA SELETIVA

SISTEMAS

ALTERNATIVOS PARA

PRESERVAÇÃO DE

RECURSOS E DIMINUIÇÃO

DO LIXO

Papel

Vidro

Metal

Plástico

Restos

de

alimentos

REDUÇÃO

REUTILIZAÇÃO

RECICLAGEM

TREINAMENTO DE

PESSOAL

TREINAMENTO DE

PESSOAL

TREINAMENTO DE

PESSOAL

  • PROCESSAMENTO
  • COMPOSTAGEM
  • CONTROLE OPERACIONAL

E AMBIENTAL

IDENTIFICAÇÃO E

CLASSIFICAÇÃO DOS

RESÍDUOS NOS

DIFERENTES SETORES

QUALIDADE

LEGISLAÇÃO

MARKETING

REJEITOS

  • Modificações de procedimento
  • Substituição de materiais
  • Mudanças na prática

de gerenciamento

USO, REUTILIZAÇÃO

OU RECUPERAÇÃO

DO RESÍDUO DEPOIS

QUE FOI GERADO

SEPARAÇÃO NA

FONTE GERADORA

ATERRO SANITÁRIO

slide10

MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

GERAÇÃO

São todos aqueles resultantes de atividades exercidas nos serviços definidos no artigo 1º que, por suas características, necessitam de processos diferenciados em seu manejo, exigindo ou não tratamento prévio à sua disposição final.

(RESOLUÇÃO N°. 306/2004-ANVISA)

http://corte dasareias.blogspot.com/2007_11_01_archive.html. Acesso (31/7/2009)

slide11

MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

SEGREGAÇÃO

CLASSIFICAÇÃO DOS RSSS SEGUNDO A RESOLUÇÃO 306/2004-ANVISA

GRUPO A – Resíduos com a possível presença de agentes biológicos que, por suas características, podem apresentar riscos de infecção. (Cinco grupos).

GRUPO B – Resíduos contendo substâncias químicas que podem apresentar risco à saúde pública ou ao meio ambiente, dependendo de suas características de inflamabilidade, corrosividade, reatividade e toxicidade. (Grupo único).

GRUPO C – Quaisquer materiais resultantes de atividades humanas que contenham radionuclídeos em quantidades superiores aos limites de isenção especificados nas normas do CNEN e para os quais a reutilização é imprópria ou não prevista. (Grupo único).

GRUPO D – Resíduos que não apresentem risco biológico, químico ou radiológico à saúde ou ao meio ambiente, podendo ser equiparados aos resíduos domiciliares. (Grupo único).

GRUPO E – Materiais perfurocortantes ou escarificantes e outros similares. (Grupo único).

slide12

MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

ACONDICIONAMENTO/IDENTIFICAÇÃO

TRANSPORTE INTERNO/ARMAZENAMENTO TEMPORÁRIO

COLETA

http://www.tibagi.pr.gov.br/site/modules/news/article.php?storyid=77. (Acesso 31/7/2009)

http://www.parana-online.com.br/canal/vida-e-saude/news/162374/. (Acesso 31/7/2009)

  • NBR 9.190/2000 – ABNT (Sacos plásticos para acondicionamento de lixo).
  • NBR 7.500/1987:2000 – ANBT (Símbolos de riscos e manuseio para o transporte e armazenamento).
  • Portaria do Ministério da Saúde – MS nº 400/1977 (Normas e padrões sobre construções e instalações de serviços de saúde).
slide13

MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

TRATAMENTO/ARMAZENAMENTO EXTERNO

COLETA E TRANSPORTE EXTERNOS

http://www.cti.furg.br/~marcia/c03_lixo/insineracao.htm. (Acesso 31/7/2009)

http://www.portocorp.com.br/images/fotos/est_02.jpg. (Acesso 31/7/2009)

  • RESOLUÇÃO N° 237/1997 – CONAMA (Licenciamento ambiental).
  • RESOLUÇÃO N° 316/2002 – CONAMA(Tratamento térmico de resíduos).

• NBR 12.810/1993 – ABNT (Coleta de RSSS).

  • NBR 14.652/2001 – ABNT (Coletor – transportador rodoviário de RSSS).
slide14

I

MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

TRATAMENTO

slide15

MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

DISPOSIÇÃO FINAL

ATERRO SANITÁRIO (ABNT, NBR 8419/84)

Seleção de área, incluindo planialtimetria e sondagem.

Licenciamento ambiental (se necessário) – RESOLUÇÃO N° 237/1997 - CONAMA.

Execução do projeto (com respectivo EIA/RIMA, se necessário).

Preparo e cercamento da área.

Definição de método (trincheira, rampa ou área) construtivo.

Construção das vias de acesso e edificações.

Execução de drenagem superficial (para águas pluviais).

Execução de drenagem sub-superficial (para o chorume).

Impermeabilização das células.

Execução de drenagem de gases (se necessário).

Construção de sistema para tratamento de chorume e percolado.

Formação das células (ou seja, operação do aterro).

Encerramento e monitoramento do aterro.

slide16

CONSIDERAÇÕES FINAIS

  • Para o manejo dos resíduos domiciliares e de serviços de saúde do Pólo Industrial de Manaus – PIM é preciso que todos os envolvidos com sua problemática reconheçam a necessidade de um novoparadigma gerencial dos resíduos sólidos. Paradigma este que também deve compreender os Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde – RSSS não como coisa imprestável ou que se joga fora. Neste contexto, a redução, a reutilização e a reciclagem impõem-se como alternativas racionais de um gerenciamento capaz de contribuir para nossa qualidade de vida.
  • É necessário que as indústrias do PIM se consolidem e se reconheçam como um modelo de gestão de resíduos sólidos em nível nacional, embasadas em práticas transparentes e de equilíbrio ambiental que superem os padrões do setor e participem no desenvolvimento integral sobretudo da região.
  • É necessário que os governos estadual e municipal locais, a SUFRAMA e as indústrias garantam, no campo institucional e econômico, o planejamento, a organização e a maximização dos resultados das ações no âmbito dos resíduos sólidos em geral e, especificamente, dos de serviços de saúde, visando a melhoria da qualidade e da eficiência na prestação de serviços à população em geral.
slide17

JOÃO BOSCO LADISLAU DE ANDRADE

TELEFONE: 0XX (92) 3232-6633

9128-3316

e-mail: boscoladislau@mandic.com.br

AV. CARVALHO LEAL, 893 – CACHOEIRINHA

69065-061 MANAUS – AMAZONAS - BRASIL