a ano lit rgico l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
A Ano Litúrgico PowerPoint Presentation
Download Presentation
A Ano Litúrgico

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 52

A Ano Litúrgico - PowerPoint PPT Presentation


  • 450 Views
  • Uploaded on

A Ano Litúrgico . Santificação do tempo... Diác . Thiago Ap. Faccini Paro. Em Ecl. 3,2-8 lemos:.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'A Ano Litúrgico' - omer


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
a ano lit rgico

A Ano Litúrgico

Santificação do tempo...

Diác. Thiago Ap. Faccini Paro

em ecl 3 2 8 lemos
Em Ecl. 3,2-8 lemos:
  • Debaixo do céu há momento para tudo, e tempo certo para cada coisa: Tempo para nascer e tempo para morrer. Tempo para plantar e tempo para arrancar a planta. Tempo para matar e tempo para curar. Tempo para destruir e tempo para construir. Tempo para chorar e tempo para rir. Tempo para gemer e tempo para bailar. Tempo para atirar pedras e tempo para recolher pedras. Tempo para abraçar e tempo para separar. Tempo para procurar e tempo para perder. Tempo para guardar e tempo para jogar fora. Tempo para rasgar e tempo para costurar. Tempo para calar e tempo para falar. Tempo para amar e tempo para odiar. Tempo para guerra e tempo para paz.
slide3
O tempo, para o sábio do Eclesiástico é um suceder de momentos nos quais a vida acontece. É no tempo que nascemos e, depois de um tempo, morremos. No tempo plantamos e colhemos, brigamos e fazemos as pazes... a vida e a história obedecem a um suceder-se de durações e de momentos.
slide4
O tempo é “uma das noções mais complexas e ricas que tem o homem, e pelo mesmo motivo, uma das mais difíceis de explicar”. O tempo marcado por dias, horas, minutos e segundos, não passa de sinal ou referência do verdadeiro tempo, a duração das coisas. (relógios e calendário são resultado de observações e cálculos matemáticos). O tempo enquanto baseado no movimento do universo, se chama tempo cósmico.
slide5

Kronós era o filho de uma ierogomia entre Gaia

(deusa terra) e Eros (deus do amor). Era o sexto filho

e o mais terrível de todos. Kronós era representado por

4 asas: 2 abertas para voar (o tempo voa) e 2 asas

recolhidas (representa a imobilidade; o tempo parece

ser sempre o mesmo; não passar). Tinha 4 olhos na

parte anterior da cabeça (esperança e futuro) e 2 olhos

no pescoço (olhos da lembrança que passou). Dois dos

4 olhos estão fechados (indicam o descanso paciente;

o tempo não tem pressa). Tinha ainda 2 asas na cabeça

(sinal das paixões humanas).

slide6
A descrição demonstra que o tempo, dada sua ação implacável sobre o homem, não tem um sentido específico e, por este motivo, era deificado; torna-se mito (deus). É uma entidade contra a qual não se pode agir, apenas aplacá-lo. Isto era feito pelas festas estacionais: colheita, plantio, chuvas e neve...
  • Outra característica do tempo (kronós) é sua constante ameaça de sempre voltar a fazer a mesma coisa. É uma concepção do tempo: ano depois de ano repete o mesmo ritmo e nos envelhece. A busca da eterna juventude, por exemplo, é uma demonstração da frustração da luta contra o tempo. Ou seja, nós somos dominados pelo tempo.
slide7

Neste sentido, a história do mundo e da humanidade é vazia. É uma história sem esperança porque não caminha para nada, apenas participamos de um repetir-se contínuo. É frustrante!

  • Evidentemente que esta não é a visão cristã do tempo.Para nós o tempo tem outra característica e outro sentido. A visão cristã não se conforma com a visão mítica do tempo. O tempo é para ser santificado e, ao mesmo tempo, é a duração na qual o homem e a mulher podem se santificar.
slide8

Isto traz duas implicações:

- A santidade acontece quando entramos em contato

com Deus. Se o tempo é “momento” para santificar-se, Deus

age no tempo. Isso quer dizer que o tempo, para nós não é

kronológico, mas kairótico – um tempo oportuno para salvação.

Tempo para encontrar-se com Deus.

- O tempo é um “momento” precioso, algo qualificado

porque cada dia é um momento revelador do projeto divino

e, da mesma forma, cada dia é oportunidade para que eu

possa crescer neste projeto.

slide12

Sacrifício de Isaac:Gêneses 22,1-14 (Resgate)Apresentação do menino Jesus no tempoSacrifícios em expiação dos pecados

“Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.” (Jo 1,29)

slide13

“...Eles lavaram e alvejaram suas roupas no sangue do Cordeiro” (Ap 7,14)

“Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.” (Jo 1,29)

slide14

"Pela morte redentora de Cristo

e pela sua ressurreição,

o universo é 'Cristificado'"

(Pierre Teilhard Chardin)

slide15

O tempo é o HOJE DE DEUS.

O ontem é memória de um tempo no qual Deus

agiu em seu favor, o homem é o momento oportuno

(kairótico) para que Deus possa agir e, o amanhã

é o ponto de chegada, o momento do encontro

escatológico, quandoo tempo não mais existirá,

“quando ele ressuscitar os mortos, tornando nosso

pobre corpo semelhante ao seu corpo glorioso”

(Anáfora eucarística III)

o ano lit rgico
O Ano Litúrgico
  • A Igreja, guiada pelo Espírito Santo, no decorrer dos séculos se organizou para que os fiéis celebrassem e vivessem da melhor maneira sua fé no Cristo Ressuscitado. Para isso, criou seu próprio calendário chamado de “Ano Litúrgico” no qual suas celebrações têm um caráter pedagógico e mistagógico. A Igreja vai formando seus fiéis em discípulos de Cristo (pedagógico) e ao mesmo tempo, os introduz, de modo consciente, a participar ativamente no Mistério celebrado (mistagogia).
slide17

A liturgia dá sentido ao tempo. Tempo este que, para muitos, pode ser um suceder de dias, horas e minutos (Cronológico), mas que para nós cristãos é um tempo favorável (Kairótico), é tempo de graça em que a Igreja, Corpo Místico de Cristo, faz memória de sua salvação e encontra-se com Deus.

slide18

Intimamente ligado ao mistério de Cristo, o Ano Litúrgico, imediatamente nos remete à festa , à celebração da família de Deus, além de nos tirar da rotina, imprimem dinamismo à nossa existência.

slide19

Há uma espiritualidade subjacente ao Ano Litúrgico: não celebramos apenas acontecimentos significativos, mas fazemos MEMÓRIA do mistério de Cristo que aconteçe na Encarnação, como sementes do Reino lançada à terra. Essa semente morre e produz muitos frutos. Torna-se árvore frondosa na Ressurreição.

slide20

Cristo ocupa o centro da história humana. Ele nos une ao passado e ao futuro do povo de Deus. Somos o mesmo povo que recebeu o seu Espírito ao pé da Cruz e que o aguardará no fim dos tempos. O Ano Litúrgico é o tempo oportuno em que Deus reúne o seu povo e lhe oferece a salvação.

slide21

O Ano Litúrgico não é uma idéia, um conceito antropológico ou uma simples explicação de uma maneira diferente de viver o ciclo de um ano.

O Ano Litúrgico é uma pessoa: Jesus Cristo

(A. Bergamini)

entendendo o calend rio lit rgico
Entendendo o calendário Litúrgico
  • O Ano Litúrgico é composto por dois grandes ciclos, Natal e Páscoa, e, por um longo período de 33 ou 34 semanas, chamado de Tempo Comum.
ciclo do natal
Ciclo do Natal
  • O Ano Litúrgico da Igreja não coincide com o ano civil. Ele tem início com o Advento, período de alegre espera, de esperança, de preparação para a chegada de Cristo que vem no Natal e de seu eminente retorno. Após as quatro semanas do Advento celebramos o mistério da encarnação e do nascimento humano do Verbo divino no Natal. O Verbo se faz carne e vem habitar entre nós.
  • Na semana seguinte ao Natal celebramos a Epifania, onde Jesus se manifesta às nações como o Filho de Deus.
  • O ciclo do Natal se encerra com a celebração do Batismo do Senhor, que marca o início da missão de Jesus que culminará com a Páscoa.
advento vinde senhor jesus
Advento: “Vinde, Senhor Jesus”
  • É um tempo de grande esperança que leva à reflexão sobre a origem de vida, onde se aguarda com grande convicção a vinda do Salvador que

mudará as trevas

em luz e fará

transparecer o

rosto do Pai aqui

na terra.

slide26

Duas finalidades:

a) Refletir sobre a 2a vinda de Cristo (nos dois primeiros domingos)

b) Preparação do Natal de Jesus (preparação próxima do Natal)

  • Característica principal: tempo de alegre expectativa, vivenciado na sobriedade.
  • Personagens:

Isaías – profeta e intercessor para que venha o justo

João Batista – profeta, preparar os caminhos, batizador

Maria – aceita o plano divino e se engravida de Deus

José – o justo que aceita a vontade divina pela fé

liturgia do advento
LITURGIA DO ADVENTO
  • a) Palavra de Deus

1° Domingo - Vigilante espera do Senhor (2a vinda)

2° Domingo - Preparai os caminhos do Senhor

(2a vinda – ir ao encontro do Senhor)

3° Domingo - Alegria! O Senhor está próximo

4° Domingo - Encarnação do Verbo

cantos
Cantos:
  • “Senhor, vem salvar teu povo”
  • “Quando virá, Senhor o dia”
  • “Alegrai-vos: ele está bem perto”
  • “Alegrai-vos sempre no Senhor”
  • “Ouve-se na terra um grito”
  • “Exulta, filha de Sião”
  • “Com Maria, em Deus exultemos”
solenidade do natal a luz resplandeceu e o verbo chegou
Solenidade do Natal:A Luz Resplandeceu e o Verbo Chegou!
  • O tempo do Natal envolve praticamente duas semanas, tem início na noite do dia 24 de dezembro e termina no Domingo da solenidade da Epifania do Senhor.
  • A celebração do Natal do Senhor prolonga-se por oito dias denominados “Oitava do Natal” (como se fosse um único dia). Dentro deste tempo celebramos algumas festas e solenidades, como: a festa da Sagrada Família, que nos recorda a pessoa de José, de Maria e do Menino Jesus, quando recordamos muitas circunstâncias de nossa vida tomando como exemplo o nosso núcleo familiar contraposto ao modelo da Família de Nazaré.
slide30

A solenidade da Santa Maria Mãe de Deus, recorda-nos a sua maternidade e virgindade como algo salvífico para a humanidade, pois, por meio dela, recebemos o Autor da vida. Nesta mesma solenidade destacamos o início do Ano Civil e o Dia Mundial da Paz, onde colocamos o nosso “ano novo” sob o Senhorio de Cristo e pedimos a Paz para o nosso novo ano. A solenidade da Epifania do Senhor, Epifania é um termo de origem grega que significa ‘manifestação’. Esta manifestação apresenta Jesus à humanidade como o Messias que trará a salvação oferecida a todos os povos, sendo Ele a Luz do Universo que irá iluminar e guiar os passos da humanidade.

slide31

A festa do Natal do Senhor tem uma profunda e importante ligação com a Páscoa, podendo até dizer que as duas são inseparáveis. Neste pequeno tempo litúrgico se celebra o nascimento de Jesus, sua entrega total até a morte na cruz e sua vitória sobre o mal. Com o Natal, damos início ao ciclo da nossa fé cristã, onde celebramos o nascimento do Senhor e recordamos a sua paixão, morte e ressurreição.

  • Neste dia se celebra a encarnação do Verbo de Deus.
cantos32
Cantos:
  • “Foi nesta noite”
  • “Vinde irmãos, exultai de alegria”
  • “Reis e nações se amotinam”
  • “Hoje, uma luz brilhou para nós”
  • “Nasceu-nos, hoje, um menino”
primeira parte do tempo comum
Primeira Parte do Tempo Comum
  • Após celebrarmos o Batismo do Senhor iniciamos o chamado Tempo Comum, que se inicia na segunda-feira e se estende até a terça-feira anterior à Quarta-Feira de Cinzas. É um tempo destinado ao acolhimento da Boa Nova do Reino de Deus anunciado por Jesus. Todo o Tempo Comum é constituído por 33 ou 34 semanas sendo que celebramos nessa primeira parte entre cinco a nove semanas, variando a cada ano.
slide34

O TC é chamado desta ou daquelas formas porque não é constituído por um determinado e específico elemento do mistério de Cristo, mas de sua totalidade a cada Domingo. Aliás, o Domingo é o Dia por excelência durante este tempo. Nele os temas de cada domingo são independentes, apesar de seguir uma determinada leitura da Sagra Escritura: contínua ou semicontínua, mas nada que obrigue esta estrutura, pois, o que se quer é manifestar o mistério de Cristo durante sua caminha e suas obras na terra, seu dia a dia, seus ensinamentos nas mais diversas realidades e culturas das pessoas, os sinais que demonstravam a presença do Reino no mundo. Isso tudo também presente na vida da Igreja pelo anúncio do Evangelho.

ciclo da p scoa
Ciclo da Páscoa
  • O ciclo da Páscoa começa com a celebração da Quarta-Feira de Cinzas. Iniciamos assim a Quaresma. São quarenta dias nos quais a Igreja nos convida de uma forma especial à prática da caridade, penitência, oração, jejum e, principalmente, conversão. Durante a Quaresma não se canta "aleluias" e evita-se ornamentar as igrejas com flores. Ao final da Quaresma, inicia-se a Semana Santa, que vai desde o Domingo de Ramos, onde celebramos a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, anunciando a proximidade da Páscoa até o Domingo de Páscoa. De quinta a sábado celebramos o Tríduo Pascal.
slide36

A liturgia nos propõe que na quinta feira pela manhã se celebre a missa dos Santos óleos, onde nossos presbíteros (padres) unidos ao bispo fazem a renovação do seu compromisso assumido no dia de sua ordenação e também são abençoados os óleos dos enfermos e dos catecúmenos e consagrado o óleo do santo crisma (em nossa diocese essa celebração por questão pastoral é realizada na quanta feira à noite). A Quinta-Feira Santa é o dia em que recordamos a instituição da Eucaristia. A Sexta-Feira Santa é o único dia do ano em que não se celebra a Eucaristia, mas sim a Paixão e Morte de Jesus. No Sábado Santo é o dia da Vigília Pascal, na qual celebramos a Ressurreição do Senhor. Cinquenta dias após a Páscoa, celebramos o Pentecostes, que assinala o nascimento da Igreja iluminada pela presença vivificadora do Espírito Santo.

slide37

Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) propõe a cada ano durante o período da Quaresma um período de vivência concreta de gestos de fraternidade em torno de um tema comum. É a chamada Campanha da Fraternidade. Assim a quaresma se reveste de um significado atual dentro de um convite à reflexão e a prática do amor fraterno.

quaresma
Quaresma
  • A Igreja, Povo de Deus a caminho, caminha com Jesus Cristo para sua Páscoa
  • Como mãe e mestra a Igreja prega a conversão e a fidelidade ao projeto de Deus
  • A Igreja vai ao deserto com Cristo para ouvir a Palavra e dedicar-se mais à oração.
vejamos uma s ntese da liturgia dos domingos segundo pablo arg rate
Vejamos uma síntese da liturgia dos domingos segundo Pablo Argárate:
  • Primeiro domingo: teremos as alianças originais (a queda, a aliança com Noé, a profissão de fé do povo eleito) - tentação de Jesus
  • Segundo domingo: centrado em Abraão (a vocação de Abraão, o sacrifício de Isaac, a aliança de Deus com Abraão) - transfiguração de Jesus
  • Terceiro domingo: centrado em Moisés (Moisés golpeia a rocha, a Lei dada a Moisés, Deus revela seu nome a Moisés)
slide40

Quarto domingo: centrado no povo de Deus que vive na terra santa (Davi, o exílio, e o retorno, a Páscoa da terra prometida) – (A) cura do cego de nascença (B) encontro de Jesus com Nicodemos: Deus enviou seu Filho ao mundo para que o mundo seja salvo por ele; (C) o Pai espera a volta do filho.

  • Quinto domingo: centrado nos profetas (Ezequiel, Jeremias e Isaías) – (A) Ressurreição de Lázaro; (B) se o grão de trigo cair na terra e morrer, produzirá muitos frutos; (C) Quem não tiver pecado atire a primeira pedra.
slide41

Os evangelhos nos convidam à conversão, ao revelar a misericórdia de Deus.

  • É importante observar que o Lecionário nos propõe três itinerários: uma quaresma batismal (ano A); uma quaresma cristocêntrica (ano B); uma quaresma penitencial (ano C).
cantos42
Cantos:
  • “Senhor, eis aqui teu povo”
  • “Eis o tempo da conversão”
  • “Convertei-vos, voltai a mim”
  • “Fiquei foi contente”
  • “Juntos, como irmãos”
  • Não se canta “Aleluia” e não se bate palma.
semana santa
Semana Santa
  • Do Domingo de Ramos até Quinta-feira Santa, completamos o grande retiro quaresmal, experimentado desde a Quarta-feira de Cinzas. Com a missa da Ceia do Senhor na Quinta-feira à tarde, iniciamos o Tríduo Pascal da morte e ressurreição de Jesus.
celebra o anual da p scoa
Celebração Anual da Páscoa
  • O Domingo é precedido por uma vigília que comemora já nas últimas horas da noite de sábado. Vigiar é esperar. Vigiar é já começar a viver a alegria daquilo que está por vir. Santo Agostinho chama esta Vigília da Páscoa como a mãe de todas as demais vigílias da Igreja, e sua liturgia como a mãe de todas as celebrações litúrgicas da Igreja.
slide45

Com o rito da luz e do fogo novo, o povo em procissão acompanha a coluna luminosa (de fogo e luz), como fez o povo de Israel no deserto em busca da Terra prometida.

  • Depois do precônio pascal, que deve ser cantado ou proclamado com profunda alegria, inicia-se a Liturgia da Palavra, que passa, através de nove leituras, as grandes maravilhas do amor de Deus pelos homens, que todas tendem e são iluminadas pela Ressurreição do Senhor Jesus. Na passagem do Antigo para o Novo Testamento canta-se o Glória, que por excelência é um canto pascal.
slide46

Após a homilia inicia-se a liturgia batismal, que de preferência, deveria incluir um batizado solene. Canta-se a ladainha, realiza-se a renovação das promessas batismais (renovamos na noite solene nossos compromissos batismais, nossa aliança com o Senhor), realiza-se o batizado e em seguida a aspersão de toda a assembléia.

  • Finalmente chega-se a liturgia eucarística, celebrada nas primeiras horas do domingo de Páscoa.
slide47

O espírito da liturgia é aquele da noite que foi vencida pelo dia, passagem das trevas à luz. Mais do que qualquer conceito, os símbolos comunicam muito mais os conteúdos da celebração.

domingo de p scoa
Domingo de Páscoa
  • Desde o início a Igreja considerou este dia como o oitavo dia da criação. Ele abre os cinqüenta dias do tempo pascal, que serão encerrados com a festa de Pentecostes, quando celebramos a efusão do Espírito Santo sobre a Igreja, por causa disso os Padres da Igreja chamavam este tempo de “Beata Pentecostes”.
  • O clima é de alegria e festa. Alguns propõem não rezar-se de joelhos, pois tudo é festa.
slide49

Nestes cinqüentas dias se incluem a oitava da páscoa que é como se fosse um prolongamento do Domingo de Páscoa e que tem um sentido especial como tempo de mistagogia, recordando as aparições do Ressuscitado e a iniciação cristã; e entre eles estão a festa da Ascensão de Jesus ao céu e a festa da descida do Espírito Santo que encerra o tempo pascal.

cantos50
Cantos:
  • “Exulte o céu, e os anjos triunfantes”
  • “Exulte de alegria”
  • “Salve luz eterna”
  • “Aleluia, rendei graças”
  • “Cristo, nossa Páscoa,

foi imolado”

segunda parte do tempo comum
Segunda Parte do Tempo Comum
  • Na segunda-feira após o Domingo de Pentecostes a liturgia da Igreja prossegue com Tempo Comum que se estende até o sábado anterior ao Primeiro Domingo do Advento.
bibliografia
Bibliografia
  • Cadernos de Liturgia da arquidiocese de Ribeirão Preto – Número 4.
  • Dicionário de Liturgia.
  • Guia Litúrgico-Pastoral.
  • Santificação do Tempo – Professor Sergio Francisco Valle. (subsídio)
  • O Ano Litúrgico. Thiago Ap. Faccini Paro. (Artigo)