slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Fisiologia II - Zootecnia ENDOCRINOLOGIA DA REPRODUÇÃO EM FÊMEAS Bernardo Baldisserotto Departamento de Fisiologia e Far PowerPoint Presentation
Download Presentation
Fisiologia II - Zootecnia ENDOCRINOLOGIA DA REPRODUÇÃO EM FÊMEAS Bernardo Baldisserotto Departamento de Fisiologia e Far

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 39

Fisiologia II - Zootecnia ENDOCRINOLOGIA DA REPRODUÇÃO EM FÊMEAS Bernardo Baldisserotto Departamento de Fisiologia e Far - PowerPoint PPT Presentation


  • 561 Views
  • Uploaded on

Fisiologia II - Zootecnia ENDOCRINOLOGIA DA REPRODUÇÃO EM FÊMEAS Bernardo Baldisserotto Departamento de Fisiologia e Farmacologia Universidade Federal de Santa Maria, Brasil. Fisiologia do sistema reprodutor feminino. Trato reprodutivo da vaca.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Fisiologia II - Zootecnia ENDOCRINOLOGIA DA REPRODUÇÃO EM FÊMEAS Bernardo Baldisserotto Departamento de Fisiologia e Far' - nyoko


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

Fisiologia II - Zootecnia

  • ENDOCRINOLOGIA DA REPRODUÇÃO EM FÊMEAS
  • Bernardo Baldisserotto
  • Departamento de Fisiologia e Farmacologia
  • Universidade Federal de Santa Maria, Brasil
slide2

Fisiologia do sistema reprodutor feminino

Trato reprodutivo da vaca.

(http://extension.missouri.edu/publications/DisplayPub.aspx?P=G2015)

slide4

Ovários

células germinais  oogônias  oócitos

Oócitos são revestidos por células foliculares  folículos ovarianos

3 camadas revestem os oócitos:

células granulosas

membrana basal

células da teca

slide5

Mamíferos:

– Secreção hormonal em embriões e neonatos

Mitose dos oócitos cessa no nascimento,e logo ocorre o início da meiose. Final da meiose só na puberdade.

Gonadotrofinas:

ovelha e vaca → FSH, LH e GnRH → secreção a partir de 1-2 meses vida fetal

porca → final vida fetal

secreção reduz na época do nascimento ou 1-2 meses após

slide6

Mamíferos:

– Puberdade → quando capaz de liberar gametas e apresenta comportamento sexual completo

↑ secreção de gonadotrofinas, bem como sensibilidade ao GnRH

há um período de esterilidade (primeiro estro ou ejaculação) → algumas semanas

início varia conforme meio ambiente, raça, época do nascimento, nutrição, peso

slide7

Início puberdade:

bovinos → 1 ano

gado de leite → 30-40% peso adulto

gado de corte → 45-55%

eqüinos → 15-18 meses

ovinos, caprinos e suínos → 6-7 meses

ovelha Suffolk → 50%

ovelha cara preta escocesa → 63%

coelhos → 3-4 meses

slide8

Ciclo ovariano - mamíferos

folículo  folículo  secreção  folículo  ovulação

primordial primário estrogênio maturo 

 LH

FSH

oócito

corpo

lúteo

progesterona (princ.)

e estrogênio

 FSH e LH

sem fecundação  como  FSH e LH  degeneração do corpo lúteo

slide10

- Fase pré-ovulatória

Células da teca → ação do LH → testosterona

Células da granulosa → ação do FSH → conversão de testosterona em estradiol pela aromatase

slide12

Etapas gerais do ciclo ovariano (ou estral)

a – Crescimento folicular

total → mais de 20 dias, provavelmente em torno de 6 meses

fase final → 12-34 dias em ovelhas, vacas e porcas

Folículo primordial → fase inicial de crescimento independente de hormônios

c. foliculares formam c. granulosa → produzem zona pelúcida (subst. glicoprotéica)

c. teca → LH estimula produção de andrógenos

c. granulosa → FSH estimula conversão de andrógenos em estrógenos

FSH e estrógenos → ↑ receptores FSH na c. granulosa

slide13

Substâncias inibidoras (produzidas pelas c. granulosa)

controlam crescimento folículo

sincronização maturação folículo e oócito

Fator inibidor da maturação → impede reinício da meiose

Fator inibidor luteinizante → impede luteinização do folículo

Inibina → ↓ FSH principalmente antes da ovulação

FSH → ↑ receptores LH

LH → ↓ receptores FSH antes da ovulação

slide14

b – Ovulação

↑ LH → ↓fator inibidor maturação → meiose I

pré-ovulatório

→ c. granulosa → progesterona

(início luteinização)

→ estimula ruptura do folículo

duração pico LH:

coelhas → 4-5 h

vacas, cabras e ovelhas → 6-12 h

porcas → 24 h

éguas → 7 dias (LH mais estável)

slide15

b – Ovulação

Intervalo entre início liberação LH e ovulação:

Coelhas → 12 h

vacas e ovelhas → 24-32 h

Porcas → 36 h

Ovulação induzida por copulação → coelhas, camelos

cópula  receptores vagina  hipotálamo  GnRH LH  ovulação

slide17

c – corpo lúteo (CL)

pico LH → c. granulosa → progesterona

(início luteinização)

prolactina → necessária para manter CL em ovelhas

luteólise em fêmeas não prenhes → iniciada 3-6 h após liberação PGF2 (útero → ±14 dias após ovulação) em vacas, cabras, éguas

porcas → só alguns dias depois tem efeito

slide19

– Ciclos estrais

fases

- estro → receptividade sexual, ovulação no final

- metaestro → desenvolvimento CL (nem todos)

- diestro → CL maturo; termina com a regressão do CL

- proestro → fase de crescimento folicular

- anestro → período sem atividade ovariana

slide20

Bovinos: ciclo estral

pró-estro  crescimento folicular

estro

meta-estro  início do desenvolvimento do corpo lúteo e secreção de progesterona.

sangramento vaginal (só nas vacas)

di-estro  corpo lúteo com grande secreção de progesterona

outros  sem meta-estro, mas anestro  sem atividade hormonal

slide21

Níveis hormonais durante o ciclo estral da vaca.

(http://extension.missouri.edu/publications/DisplayPub.aspx?P=G2015)

slide22

Níveis hormonais durante o ciclo estral da égua.

(http://www.equine-reproduction.com/articles/estrous.htm)

slide23

Níveis hormonais durante o ciclo estral da ovelha.

(http://www2.dpi.qld.gov.au/sheep/8173.html)

slide24

a – Bovinos: 21 dias (18 a 24)

características do estro (18 h)

→ permite monta

→ ↓ apetite

→ relaxamento e vermelhidão da vulva, muco claro e fibroso

detecção → corante no ventre de touro (desvio lateral pênis) ou boi

ovulação 30-32 h após início do estro, ou 12-14 h após final

inseminação artificial

CL dura 16 dias, liberação de PGF2 → luteólise

proestro → 2 dias → crescimento de um folículo

slide25

b – equinos: 22 dias (19 a 25)

éguas têm 3 categorias de acordo com a estação reprodutiva:

1 – estação definida → ciclo estral no final primavera-início verão

2 – estação transitória → ciclo estral ao longo do ano, mas ovulação só na estação reprodutiva

3 – reprodução todo ano → + regiões tropicais

características do estro (5-6 dias) → permite monta, agacha, urina, afasta patas traseiras, ↑ rabo, contrações rítmicas expõem clitóris

ovulação → 24 h antes do fim do estro (variável em relação ao início)

CL dura 14 dias, 6 h após liberação de PGF2 → luteólise

Proestro → 24 h

Anestro → para as que têm estação definida

slide26

c – ovinos: 17 dias, ciclos no outono nas regiões temperadas

características do estro (24-36 h)

→ vibração do rabo

→ tendem a ficar o mais próximo possível do macho (difícil detectar sem macho perto)

ovulação → 30-32 h após início estro

CL dura 14 dias → exposição prévia à progesterona necessária para ↑ receptividade sexual

Proestro → 24 h

slide27

e – suínos: 21 dias

características do estro (2 dias)

→ inchamento da vulva

→ ↓apetite

→ pressão no dorso → imobilidade e arqueamento

ovulação → 36-42 h após início estro

geralmente taxa ovulatória maior (16-17) que capacidade uterina (12) → redução em torno do 30º dia gestação

CL dura 14 dias → crescimento até dia 6-8

Proestro → 5-6 dias

slide28

Esquema geral da regulação hormonal da reprodução das fêmeas de vertebrados. A área sombreada geralmente não ocorre em vertebrados ovíparos. E - estrógeno; P - progesterona

slide29

ovíparos  sem corpo lúteo, exceto monotremos

aves  após ovulação oócito fica no oviduto  albumina  fertilização  casca

Arginina vasotocina  oviposição

peixes  ovulação relacionada à liberação de GTH II e macho

slide30

Animais têm mecanismos diferentes para prolongar vida do CL

  • ovelha e vaca -
  • céls embrionárias secretam substância parácrina que impede produção de prostaglandinas pelas céls uterinas
  • égua –
  • córion secreta gonadotrofina coriônica (GC), que prolonga a vida funcional do CL
slide32

Placenta se desenvolve  secreção progesterona e estrogênio

progesterona:

- essencial para manutenção do endométrio e inibição das contrações do miométrio

- contribui na preparação das glândulas mamárias para lactação

estrogênio:

- estimula crescimento do miométrio

- contribui para desenvolvimento mamário

slide33

Parto: estrogênio estimula mudanças no miométrio para facilitar contratilidade

  • 1) sintetizar conexinas (formação de junções fechadas)
  • 2) expressão de receptores para ocitocina e secreção de prostaglandinas
slide34

na iminência do nascimento, contrações se espalham

ao longo do útero em direção à cérvix

feto é forçado contra a cérvix

estimulação de mecanorreceptores

hipotálamo

ocitocina

contração do miométrio

estimulação de mecanorreceptores

secreção de ocitocina

slide36

relaxina

secretada pelo CL (útero e placenta em algumas espécies); causa dilatação da cérvix e da vagina e estimula contrações uterinas

contrações aumentam

cérvix dilata

feto nasce

cessam estímulos mecânicos

secreção de ocitocina diminui

placenta é expelida: níveis maternos de estrogênio e progesterona caem a níveis pré-gestacionais

slide37

Lactação

gestação  estrogênio, progesterona e prolactina  glândula mamária fica capacitada a produzir leite

Controle da lactação:

prolactina: estimula produção de leite e

secreção pelas céls epiteliais do alvéolo

ocitocina: estimula ejeção de leite