slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
ARMANDO HENRIQUE VILLAS-BÔAS DIAS CABRAL JOÃO JANUÁRIO SEBASTIÃO DE ALMEIDA PowerPoint Presentation
Download Presentation
ARMANDO HENRIQUE VILLAS-BÔAS DIAS CABRAL JOÃO JANUÁRIO SEBASTIÃO DE ALMEIDA

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 28

ARMANDO HENRIQUE VILLAS-BÔAS DIAS CABRAL JOÃO JANUÁRIO SEBASTIÃO DE ALMEIDA - PowerPoint PPT Presentation


  • 262 Views
  • Uploaded on

ARMANDO HENRIQUE VILLAS-BÔAS DIAS CABRAL JOÃO JANUÁRIO SEBASTIÃO DE ALMEIDA. DO PONTO DE VISTA DA MULHER : ABORDAGENS FEMINISTAS EM ESTUDOS ORGANIZACIONAIS*. (Marta B. Calás e Linda Smircich). PPGA/EA/UFRGS TEORIAS ORGANIZACIONAIS. Prof. Luís Roque Klering Maria Ceci Misoczky

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

ARMANDO HENRIQUE VILLAS-BÔAS DIAS CABRAL JOÃO JANUÁRIO SEBASTIÃO DE ALMEIDA


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

ARMANDO HENRIQUE VILLAS-BÔAS DIAS CABRAL

JOÃO JANUÁRIO SEBASTIÃO DE ALMEIDA

DO PONTO DE VISTA DA MULHER : ABORDAGENS FEMINISTAS EM ESTUDOS ORGANIZACIONAIS*

(Marta B. Calás e Linda Smircich)

PPGA/EA/UFRGS

TEORIAS ORGANIZACIONAIS

Prof. Luís Roque Klering

Maria Ceci Misoczky

Jaqueline Amantino de Andrade

In: CLEGG, Stewart R. , HARDY, Cynthia , NORD, Walter R. (Org.)/CALDAS, Miguel , FACHIN, Roberto , FISCHER, Tânia (Org.). Handbook de estudos organizacionais : modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. São Paulo : Atlas, 1999, p. 275-329.

slide2

MOVIMENTOS FEMINISTAS

AVANÇOS:

 Melhoria na situação as mulheres (social, política, econômica etc.)

 Contribuição para a análise cultural contemporânea

PROBLEMAS:

 Segregação sexual nos empregos e organizações

 Desigualdade salarial entre sexos

slide3

TENDÊNCIAS

“FEMINIZAÇÃO DA POBREZA”

Concentração de casos de baixa renda familiar em lares mantidos por mulher sozinha

FENÔMENO DA “GORJETA”

Queda de poder aquisitivo em profissões de nível superior tipicamente masculinas e tradicionalmente bem remuneradas, quando passam a ser dominadas por mulheres

Penalização com baixos salários e lenta ascensão na carreira de maridos de mulheres trabalhadoras, comparativamente ao grupo de maridos cujas mulheres não trabalham fora de casa

Aumento do seu desemprego feminino em organizações transnacionais em países em desenvolvimento, em função da aceitação, por parte dos homens, dos baixos salários e das vagas anteriormente destinadas exclusivamente às mulheres

slide4

TEORIAS FEMINISTAS

Teorias Feministas dizem respeito a todos, além das mulheres, que são diretamente afetados pelos processos e discursos organizacionais

Abordagens Feministas

Liberal

Radical

Psicanalítica

Marxista

Socialista

Pós-modernista

Terceiro-mundista/(Pós)colonialista

slide5

PRESSUPOSTOS COMUNS DAS TEORIAS FEMINISTAS

1) O reconhecimento da dominação masculina nos arranjos sociais

2) O desejo de mudança nessa forma de dominação

Conteúdo do discurso feminista

Crítica ao status quo

Político

Grau de crítica e natureza da política

Agendas variadas:

1) “Reforma” das organizações;

2) “Transformação” das organizações e da sociedade;

3) Transformação dos entendimentos sobre o conhecimento/teoria/prática;

slide6

DIFERENÇAS CONCEITUAIS SOBRE GENÊRO

“sexo” ( biologicamente definido)

X

“gênero” (sociologicamente construído, produto da socialização e vivência)

Aspectos vivenciais mais importantes na constituição do gênero e das relações de gênero:

Feminismo Liberal : Aprendizado social dos papéis sexuais

Feminismo Radical : Práticas culturais que sobrevalorizam a experiência masculina

em detrimento da feminina

 Feminismo Psicanalítico: Relações com os pais no primeiro estágio do desenvolvimento

 Feminismo Socialista : Relações de poder resultantes de condições histórico-materiais

 Feminismo Negro : Identificação das relações constitutivas do “gênero”

 Feminismo Pós-estruturalista e Feminismo Terceiro-mundista/(Pós)colonialista :

Questionamento da estabilidade de “sexo” e “gênero” como categorias analíticas

slide7

TEORIA FEMINISTA LIBERAL

Origem na tradição política liberal dos séculos XVIII e XIX.

Pressupostos sobre a natureza humana:

1) O dualismo normativo, que concebia a racionalidade como capacidade mental separada do corpo; e

2) O individualismo abstrato, que dá a ação humana uma perspectiva

a-histórica.

slide8

FASES DO FEMINISMO LIBERAL

1) Reformista (Séc. XVIII e XIX)

Começasse a discutir a necessidade de garantir oportunidade de acesso das mulheres em todas as esferas da vida, mas sem transformação radical do sistema social;

2) Igualdade(1963)

Visava garantir para as mulheres a igualdade de acesso e representação na vida pública

3) Diferença (1981)

Visa a equidade sexual ou “justiça de gênero”

slide9

TEMAS DA LITERATURA SOBRE MULHERES GERENTES

(Woman-in-management)

1) Pesquisa psicológica e centrada no indivíduo

Preocupada em determinar se há diferenças de sexo/gênero dentro dos conceitos organizacionais tradicionais

2) Psicologia sociológica e estrutural

Preocupação centrada na estrutura sexual das organizações e suas conseqüências para as atividades e expectativas organizacionais

3) A organização e o sistema social mais amplo

Preocupada com o relacionamento entre os tópicos de alcance legal e social mais gerais com os temas organizacionais

slide10

TEORIA FEMINISTA RADICAL

Origem nos movimentos feministas contemporâneos do fim dos anos 60

O feminismo é radical por ser centrado na mulher. Sua ação estava voltada para uma nova ordem social em que as mulheres não sejam subordinadas aos homens.

Exigências:

Transformação nas estruturas legais e políticas que sustentam o regime patriarcal, das instituições sociais (família, igreja, academia e linguagem)

slide11

ORGANIZAÇÕES ALTERNATIVAS

Formas organizacionais que refletem valores feministas, tais como igualdade, comunidade, participação e integração de forma e conteúdo

Elementos Organizacionais que refletem valores feministas:

Processo Decisório Participativo

Sistema de Liderança Rotativa

Desenhos de trabalhos Flexíveis e Interativos

Sistema de Distribuição e Renda Eqüitativos

Responsabilização Política e Interpessoal

As organizações feministas enfrentam um dilema: como garantir a igualdade em face das diferenças de classe, raça, sexualidade, educação, habilidades, dependentes e recursos financeiros?

slide12

TEORIA FEMINISTA PSICANALÍTICA

Origina-se como crítica e correção aos vieses da psicanálise freudiana, enfatizando a compreensão da pessoa em sua totalidade e de seu modo de se relacionar com seu mundo.

A teoria freudiana explica que as meninas têm mais dificuldades de superar o complexo de Édipo e desenvolver uma sexualidade normal por serem incapazes de desenvolver superegos tão fortes como os dos rapazes, e essa incapacidade está associada a:

1) falta de um forte senso de justiça masculino;

2) ao fato das mulheres serem mais obedientes e mais influenciadas pelos sentimentos em detrimento da razão.

slide13

CRÍTICA FEMINISTA A TEORIA FREUDIANA

1) À sua visão insensível e imprecisa da estrutura psicológica feminina;

2) a rejeição de determinismo biológico freudiano e reinterpretação da teoria psicanalítica em termos de influências culturais que afetam a identidade de gênero da mulher.

O feminismo psicanalítico nega o determinismo biológico das interpretações psicanalíticas tradicionais de gênero e sexualidade, considerando que arranjos sociais específicos levaram a distinções no desenvolvimento psicológico feminino e masculino, o que pode ser alterado pela mudança das condições estruturais que produzem o desenvolvimento desigual do gênero.

slide14

MODOS DE GERÊNCIA DA MULHER

Diferencial feminino

1) Status econômico subordinado ao homem;

2) o “medo do sucesso”

3) o caráter passivo do processo de socialização feminino

Vantagens femininas

1) Formas de liderança e conhecimento das mulheres;

2) as habilidades relacionais;

3) capacidades empáticas e sensibilidade interpessoal;

4) liderança interativa;

5) a abordagem feminista de relacionamentos e conflitos organizacionais.

slide15

TEORIA FEMINISTA MARXISTA

Surgiu como reação e crítica ao capitalismo e ao liberalismo, partindo da condição de que a natureza humana é determinada pelo materialismo histórico.

A TFM concebe gênero e identidade de gênero como definições estruturais, históricas e materiais.

Críticas ao feminismo liberal

1) Por sua concepção errônea da natureza humana

2) por seu entendimento inadequado do processo de trabalho

3) Por sua cegueira com relação ao patriarcado

slide16

TEORIA FEMINISTA SOCIALISTA

A TFS incorpora e amplia os aspectos positivos do feminismo marxista, radical e psicanalítico.

O feminismo socialista defende uma sociedade em que masculinidade e feminilidade são socialmente irrelevantes e não existem homens e mulheres como são concebidos atualmente.

Gênero é abordado como um elemento constitutivo das relações sociais baseadas nas diferenças percebidas entre os sexos e uma forma primordial de significação de relacionamentos de poder.

Abordagens principais:

1) Teoria Sistêmica Dualista

2) Teoria Sistêmica Unificada.

slide17

FORMAS DE PERPETUAÇÃO DAS ESTRUTURAS DO GÊNERO E DE RAÇA NAS ORGANIZAÇÕES

1) As práticas de recrutamento e de promoção, nas quais percebe-se os círculos viciosos da segregação racial;

2) As práticas remuneratórias e processos de avaliação de desempenho, que desvalorizam as dimensões interpessoais do trabalho, tais como a preocupação, o escutar, a empatia etc.

3) Tipo de trabalho que é normalmente feito por mulheres, que é menos remunerado

4) Os processos simbólicos

slide18

TEORIAS FEMINISTAS PÓS-ESTRUTURALISTAS/PÓS-MODERNAS

Enfoque : relacionamento entre linguagem e conhecimento

FEMINISMO FRANCÊS

Trata do relacionamento entre linguagem e “ser mulher” (Jacques Lacan/Jacques Derrida)

TEORIA ANGLO-AMERICANA

Identifica o corpo como o locus do poder (Michel Foucault)

FEMINISMO PÓS-MODERNO

Ambivalência em relação às abordagens pós-estruturalistas/pós-modernas.

slide19

ANÁLISE ORGANIZACIONAL FEMINISTA PÓS-MODERNA

As análises feministas inspiradas no pós-modernismo têm focalizado:

1. Descontinuidade da liderança carismática do ponto de vista do “outro”

2. Desconstruções feministas dos trabalhos tradicionais sobre liderança

3. Reescrita feminista dos estudos tradicionais

4. Globalização organizacional

5. Ética nas empresas

6. Reanálise da escala de Maslow

7. Desconstrução de tabus organizacionais que permitem o ressurgimento do conflito de gênero escondido

8. Análise feminista sobre a “racionalidade limitada”

slide20

TEORIZAÇÕES TERCEIRO-MUNDISTAS/(PÓS)COLONIALISTAS

Questionam a validade da aplicação do “gênero” como uma lente analítica que pode ser aplicada sem problemas em qualquer cultura ou história.

Ao se acentuar o subdesenvolvimento, opressão, analfabetismo, pobreza, condições superpopulosas etc. em que vivem as mulheres do Terceiro Mundo elas passam a ser construídas como outras diferentes das mulheres do Primeiro Mundo

As abordagens Terceiro-mundistas focalizam as complexas subjetividades produzidas pelas interseções de gênero, raça, classe, etnia etc. no contexto de relacionamentos específicos entre o Primeiro e o Terceiro Mundo.

Alguns autores alegam que as análises (pós)colonialistas utilizam linguagens e teorias do opressor, outros alegam que os colonizados se apropriam das ferramentas dos mestres e as empregam em seus próprios interesses.

slide21

LITERATURA SOBRE MULHERES NO DESENVOLVIMENTO

A pesquisa sobre mulheres no desenvolvimento surgiu no início dos anos 70, pelo cruzamento entre as teorias do desenvolvimento econômico e as teorias feministas e a antropologia cultural.

FOCO: Preocupações do feminismo liberal com o acesso das mulheres a recursos e tecnologia de desenvolvimento;

Recentemente, a feminilização da tecnologia, baseada no feminismo radical, tem questionado o uso das configurações de “mulheres” utilizado nessas análises, alegando que estão mais relacionadas com as mulheres do Primeiro Mundo que do Terceiro.

FOCO: Introdução de valores femininos nas estratégias de desenvolvimento.

slide23

DADOS DAREGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE (RMPA)-1999

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO (PED)

FONTE:PED-RMPA - Convênio FEE, FGTAS/SINE-RS, SEADE-SP, DIEESE e apoio da PMPA. In: INFORME PED - mulher. FEE, Março de 2000.

slide24

FONTE: PED-RMPA - Convênio FEE, FGTAS/SINE-RS, SEADE-SP, DIEESE e apoio da PMPA. In: INFORME PED - mulher. FEE, Março de 2000.

slide25

FONTE: PED-RMPA - Convênio FEE, FGTAS/SINE-RS, SEADE-SP, DIEESE e apoio da PMPA. In: INFORME PED - mulher. FEE, Março de 2000.

slide26

FONTE: PED-RMPA - Convênio FEE, FGTAS/SINE-RS, SEADE-SP, DIEESE e apoio da PMPA. In: INFORME PED - mulher. FEE, Março de 2000.

slide27

FONTE: PED-RMPA - Convênio FEE, FGTAS/SINE-RS, SEADE-SP, DIEESE e apoio da PMPA. In: INFORME PED - mulher. FEE, Março de 2000.

slide28

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

CALÁS, Marta B. e SMIRCICH, Linda. Do ponto de vista da mulher : abordagens feministas em estudos organizacionais In: CLEGG, Stewart R. , HARDY, Cynthia , NORD, Walter R. (Org.)/CALDAS, Miguel , FACHIN, Roberto , FISCHER, Tânia (Org.). Handbook de estudos organizacionais : modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. São Paulo : Atlas, 1999, p. 275-329.

Fundação de Economia e Estatística (FEE)/SEADE/FGTAS/DIESSE. Informe PED mulher. Ano 9, edição especial, Porto Alegre, março de 2000.