slide1
Download
Skip this Video
Download Presentation
CURSO DE AVALIAÇÃO DE GRANDES PROJETOS PÚBLICOS 4 al 8 de diciembre de 2006 Brasilia, Brasil

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 43

CURSO DE AVALIAÇÃO DE GRANDES PROJETOS PÚBLICOS 4 al 8 de diciembre de 2006 Brasilia, Brasil - PowerPoint PPT Presentation


  • 68 Views
  • Uploaded on

CEPAL/ILPES. CURSO DE AVALIAÇÃO DE GRANDES PROJETOS PÚBLICOS 4 al 8 de diciembre de 2006 Brasilia, Brasil. Eduardo Aldunate Experto Área de Políticas Presupuestarias y Gestión Pública ILPES/CEPAL [email protected] Estrutura do curso. AVALIAÇÃO …… De que se trata ?.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' CURSO DE AVALIAÇÃO DE GRANDES PROJETOS PÚBLICOS 4 al 8 de diciembre de 2006 Brasilia, Brasil ' - naida-koch


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1
CEPAL/ILPES

CURSO DE AVALIAÇÃO DE

GRANDES PROJETOS PÚBLICOS

4 al 8 de diciembre de 2006

Brasilia, Brasil

Eduardo Aldunate

Experto

Área de Políticas Presupuestarias y Gestión Pública

ILPES/CEPAL

[email protected]

avalia o de que se trata
AVALIAÇÃO …… De que se trata ?

Estudar e comparar os custos e os benefícios de um projeto ou programa para decidir a conveniência de sua execução.

por que avaliar
Por que avaliar?

-

+

  • Queremos obter mais do que gastamos .
  • Devemos hierarquizar, já que os recursos não são suficientes para todas as necessidades .
para quem avaliamos
Para quem avaliamos?

Pessoa ou empresa:

Avaliação privada

Avaliaçãofinanceira

Todos os habitantes do país por igual:

Avaliação social

Avaliaçãosocioeconômica

determina o de benef cios e custos
Determinação de Benefícios e Custos
  • Identificação: quais?

Passos a seguir:

  • Quantificação:quanto?
  • Valoração:quanto vale?
tipos de avalia o
Tipos de avaliação

Avaliação

Acción

Custos

Beneficios

Ö

Ö

Identificar

Beneficio -

Ö

Ö

Quantificar

Custo

Ö

Ö

Valorizar

Ö

Ö

Identificar

Custo -

Ö

Ö ?

Quantificar

eficiência

Ö

X

Valorizar

tipos de custos
Tipos de custos
  • Investimento
  • Operação
  • Manutenção
custos de investimento
Custos de investimento
  • Estudos e desenhos
  • Gastos administrativos
  • Terrenos
  • Construção
  • Permissões, patentes e impostos
  • Supervisão e assessoria
  • Equipamento
  • Reposições
  • Capital de trabalho
  • Capacitação
  • Abandono
  • Valor residual
custos de opera o
Custos de operação
  • Salários
  • Serviços básicos
  • Aluguéis
  • Materiais e insumos
  • Combustíveis
  • Publicidade
  • Permissões
  • Impostos
custos de manuten o
Custos de manutenção
  • Manutenção maior de equipes
  • Reposições de peças
  • Reposição de equipamento menor
  • Reparações periódicas
estima ao dos custos
Estimaçao dos custos
  • Custo do proyetos similares
  • Custos unitarios conhecidos
  • Cotar
tipos de beneficios
Tipos de Beneficios
  • Rendimentos monetários
  • Diminuição de custos
  • Outros:
    • Revalorização de bens
    • Redução de riscos
    • Melhor imagem
  • Beneficios sociales
fluxo de rendimentos e custos
Fluxo de rendimentos e custos
  • Ordena a informação
  • Facilita detectar erros ou omissões
  • Simplifica os cálculos
indicadores beneficio custo
Indicadores Beneficio - Custo
  • VPL
  • TIR
  • Outros critérios
    • Razão Beneficio/Custo
    • Período de recuperação do capital
    • VPL do ano 1
    • Taxa de rentabilidade imediata
valor presente l quido vpl
Valor Presente Líquido (VPL)

i=n

B

- C

i

i

VPL =

i

(1 + r)

i=0

Ano

Custos

Neto

(1+r) i

V.P.

Beneficios

0

2500

-2500

1

-2500

1

150

1000

850

1.1

773

2

150

1000

850

1.21

702

3

300

1000

700

1.33

526

4

150

1000

850

1.46

582

5

650

1000

350

1.61

217

Exemplo com taxa de desconto de 10 %

VPL = 300

outros indicadores beneficio custo
Outros indicadores Beneficio-Custo

B

- I

* r

1

0

VPL

=

1

1 + r

  • Razão Beneficio/Custo
  • Período de recuperação do capital
  • VPL do ano 1
  • Taxa de rentabilidade imediata
indicadores custo efici ncia
Indicadores Custo - Eficiência
  • Valor atual dos custos VAC
  • VAC / VAB
  • Custo anual equivalente CAE
  • CAE por beneficiário CAE/B
valor atual dos custos
Valor Atual dos Custos

Ano

Custos

V.A.

(1+r)i

0

2500

1

2500

1

150

1.1

136

2

150

1.21

124

3

300

1.33

226

4

150

1.46

103

5

650

1.61

404

Exemplo com taxa de descontode 10 %

vac vab
VAC / VAB
  • Permite comparar projetos:
    • Com diferente Nº de beneficiários
  • Pode também calcular-se por:
    • Número de atendimentos entregados
    • Unidades do bem produzido
    • Veículo
custo anual equivalente
Custo Anual Equivalente

VAC = 3.493 r = 0,1 (10%) n = 5 años

Permite comparar projetos com diferente vida útil

slide23
CEPAL/ILPES

CURSO DE AVALIAÇÃO DE

GRANDES PROJETOS PÚBLICOS

4 al 8 de diciembre de 2006

Brasilia, Brasil

Eduardo Aldunate

Experto

Área de Políticas Presupuestarias y Gestión Pública

ILPES/CEPAL

[email protected]

por qu requeremos a avalia o social
Por quê requeremos a avaliação social?
  • Os preços mentem!
    • Não refletem o verdadeiro custo para a sociedade
    • Não refletem o benefício para a sociedade
  • Há bens que não têm preço
  • Existem externalidades
os pre os mentem
Os preços mentem!
  • Não refletem os verdadeiros benefícios
  • e custos para a sociedade.
  • Estão distorcidos devido à existência de:
  • Impostos
  • Subsídios
  • Cotas
  • Monopólios
  • Monopsonios
os pre os n o refletem os verdadeiros benef cios e custos para a sociedade
Os preços não refletem os verdadeirosbenefícios e custos para a sociedade

P

A

P0

B

D

P1

0

Q0

Q1

Q

Um caso particular…

Na situação inicial não há um provedor do serviço (água potável, eletricidade). Com o projeto baixa significativamente o custo e o consumo aumenta muito.

Beneficio privado: P1*Q1

Beneficio social por libertação de recursos :

Area 0-P0-A-Q0

Beneficio social por maior consumo:

Area Q0-A-B-Q1

O benefício privado subestima fortemente o benefício social

pre os distorcidos impostos y subs dios
Preços distorcidos: Impostos y Subsídios

P

B

Pe

C

Qe

Q

Ptd

Psus

P

S

B

A

Pts

Pe

Psud

C

D

Qe

Q

Qsu

Qt

S

A

D

pre os sociais
Preços sociais

(Preços Sombra - Preços de Conta)

  • Taxa de desconto social
  • Valor social do trabalho
    • Não qualificada
    • Semi qualificada
    • Qualificada
  • Preço social da divisa
  • Valor social do tempo
como valorizamos
Como valorizamos?
  • Valorizamos a produção do projeto com imposto
  • Valorizamos os recursos utilizados pelo projeto sem impostos.
  • Valorizamos a produção do projeto sem o subsídio.
  • Valorizamos os recursos utilizados pelo projeto com o subsídio.
  • Utilizamos preços sociais quando existem.

Em projetos “pequenos”:

n o h mercado do bem
Não há mercado do bem

Portanto não conhecemos o preço

  • Estimamos um preço utilizando:
    • Preços hedónicos
    • Valoração contingente
  • Avaliamos com critério de
    • Mínimo custo
    • Custo - eficiência
oda al aire pablo neruda fragmentos
ODA AL AIREPablo Neruda(fragmentos)

Andando en un camino

encontré al aire,

lo salude y le dije

con respeto:

"Me alegro

de que por una vez

dejes tu transparencia,

así hablaremos"

..…

Yo le besé su capa

de rey del cielo,

me envolví en su bandera

de seda celestial

y le dije:

monarca o camarada,

hilo, corola o ave,

no sé quién eres, pero

una cosa te pido,

no te vendas.

El agua se vendió

y de las cañerías

en el desierto

he visto

terminarse las gotas

y el mundo pobre, el pueblo

caminar con su sed

tambaleando en la arena.

.......

No, aire,

no te vendas,

que no te canalicen,

que no te entuben,

que no te encajen

ni te compriman,

que no te hagan tabletas,

que no te metan en una botella,

cuidado!

Oda al Aire, Pablo Neruda

existem importantes efeitos indiretos
Existem importantes efeitos indiretos
  • Sobre o meio ambiente
  • Sobre outros usuários
  • Em mercados relacionados
el riesgo en los proyectos
El riesgo en los proyectos
  • Al preparar y evaluar un proyecto se recurre a supuestos, por ejemplo:
    • respecto al crecimiento poblacional,
    • respecto a la demanda,
    • respecto a la oferta,
    • relacionados con la tecnología,
    • relacionados con usos y costumbres,
    • acerca de la disponibilidad de insumos,
    • acerca del impacto ambiental
    • en la estimación de los costos,
    • en la estimación de los beneficios,
    • sobre el plazo de construcción,
    • etc, etc, etc.
  • Mais …..

Cuando hay supuestos hay riesgos.

riesgos estrat gicos
Riesgos estratégicos
  • Gran tamaño del proyecto
    • Extenso plazo de ejecución
    • Gran número de instituciones involucradas
    • Numerosos participantes
    • Alto costo
  • Deficiente estructura administrativa
    • Estructura poco o mal definida
    • No hay metodología de administración de proyectos
    • Planificación y control deficientes
    • Pobre definición de objetivos y metas
    • Inestabilidad institucional o del personal
    • Inexperiencia en administración de proyectos
    • No existe promotor (dueño) del proyecto
  • Otros factores
    • Oposición de la comunidad
    • Oposición de grupos de interés
    • Alto impacto ambiental
    • Inestabilidad social o económica
como podemos incorporar el riesgo en nuestro an lisis
¿Como podemos incorporar el riesgo en nuestro análisis?

Alternativas:

  • Realizamos un análisis de sensibilidad.
  • Analizamos escenarios
  • Utilizamos una tasa de descuento más alta.
  • Estimamos un valor esperado del VAN
    • Árbol de decisiones
    • Simulación de Monte-Carlo
projetos de grande vulto
Projetos de grande vulto
  • I - aqueles constantes dos orçamentos fiscal e da seguridade social que tenham valor total estimado superior a sete vezes o limite estabelecido no art. 23, I, "c", da Lei no 8.666, de 1993.
  • II - aqueles financiados com recursos do orçamento de investimento das empresas estatais, cujo valor total estimado represente mais de 5% (cinco por cento) do total de investimentos da entidade no exercício em que ocorrer sua inclusão no PPA, desde que superior ao valor previsto no inciso I.
megaprojetos e custos
Megaprojetos e custos

Fuente: Megaprojects and Risk, Bent Flybjerg

sobrecustos em grandes projetos
Sobrecustos em grandes projetos

Ferrovias

+45%

Pontes, túneles

+ 34 %

Rodovias

+20 %

  • Em 9 de cada 10 projetos de tranporte se subestimaron los custos (muestra de 258).
  • Fenomeno foi observado em 20 paises do 5 continentes.
  • A diferencia e maior em paises em desenvolvimento (em ferrovías).
  • Os erroes da estimacçao nao se han reducido con el paso dos anos.
  • Nao existe justificação técnica.
  • Parece deberse a una estrategia.

Fuente: Megaprojects and Risk, Bent Flybjerg con base en el estudio”Economic Appraisal of Large-ScaleTransport Infrastructure Investments” de Mette K. Skamris.

megaprojetos y demanda
Megaprojetos y demanda

Fuente: Megaprojects and Risk, Bent Flybjerg

causas dos erres nas estimaciones da demanda
Causas dos erres nas estimaciones da demanda
  • Modelos inadequados
  • Falta de dados
  • Câmbios no comportamento das pessoas
  • Não realização de projetos complementares
  • Câmbios não previstos em fatores exógenos
  • “Bias” dos consultores
  • “Bias” do promotor

Ferrovias

-39 %

Rodovias

+9 %

Fuente: Megaprojects and Risk, Bent Flybjerg con base en el estudio”Economic Appraisal of Large-ScaleTransport Infrastructure Investments” de Mette K. Skamris.

viabilidade econ mica
Viabilidade econômica

Fuente: Megaprojects and Risk, Bent Flybjerg con base en el estudio”Economic Appraisal of Large-ScaleTransport Infrastructure Investments” de Mette K. Skamris.

viabilidade econ mica1
Viabilidade econômica

Preço das açãos do túnel do Canal da Mancha

Fuente: Megaprojects and Risk, Bent Flybjerg

refer ncias
Referências
  • “Elementos de matemática financeira e análise de projetos de investimento” Adriano J. B. V. Azevedo-Filho
  • “Valoração Econômica do Meio Ambiente: Aplicação da Técnica da Avaliação Contingente na Bacia do Guarapiranga”. Fernanda Gabriela Borger.
  • “Avaliação Econômica dos Impactos Causados pela Poluição Atmosférica na Saúde Humana: Um Estudo de Caso para São Paulo.” Ramon Arigoni Ortiz, Sandro de Freitas Ferreira e Ronaldo Serôa da Mota.
  • “Metodologia de Avaliação de Programas Sociais”.
  • “Reflections on Social Project Evaluation”, Harberger, A.
  • "Economic Project Evaluation, Part 1: Some Lessons for the 1990s“, Harberger, A.
  • Metodología de evaluación socioeconómica de inversiones nacionales y extranjeras; Ferra, Coloma y Botteon, Claudia.
  • Errores más frecuentes en la evaluación de políticas y proyectos, Joan Pasqual Rocabert y Guadalupe Souto Nieves.
  • "El Riesgo no Financiero en Proyectos de Inversión". Tésis de Marco Antonio Olivera Villa. Es un completo manual sobre preparación, evaluación y administración de proyectos en que se discute ampliamente el tema del riesgo.
  • Decisiones bajo incertidumbre. Ignacio Vélez.
  • Harvard Center for Risk Analisys. Uno de los temas investigados por el centro es la evaluación económica de tecnología médica.
  • La técnica del árbol para la toma de decisiones
  • Decision trees. J.E. Beasley
  • Handbook for Integrating Risk Analysis in the Economic Analysis of Projects, Asian Development Bank 2002. ISBN: 971-561-458-2
ad