Fraternidade e a Vida no Planeta - PowerPoint PPT Presentation

fraternidade e a vida no planeta n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Fraternidade e a Vida no Planeta PowerPoint Presentation
Download Presentation
Fraternidade e a Vida no Planeta

play fullscreen
1 / 91
Fraternidade e a Vida no Planeta
122 Views
Download Presentation
monty
Download Presentation

Fraternidade e a Vida no Planeta

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Fraternidade e a Vida no Planeta

  2. 1. Apontamentos bíblicos sobre a preservação da natureza

  3. 1.1. O nosso Deus é o Deus da vida Deus dá à terra o poder de gerar frutos, árvores, sementes, ervas e verduras (Gn 1,12)

  4. “E Deus viu que era bom”. “E Deus viu tudo quanto havia feito, e era muito bom” (Gn 1,31)

  5. Mas houve quem entendesse que o ser humano era dono absoluto do planeta porque o texto também diz:

  6. “Sede fecundos e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a! Dominai sobre os peixes do mar, as aves do céu e todos os animais que se movem pelo chão” (Gn 1,28)

  7. A palavra dominar vem do latim dominus, que significa “senhor”.

  8. O exercício do senhorio, ou a dominação, por parte do ser humano deve significar respeito à ação criativa divina,

  9. contribuir com o crescimento e a evolução da natureza em todas as suas dimensões, cuidado com o meio ambiente e fazer dele uma fonte de bênçãos.

  10. No texto bíblico podemos notar que os animais da terra são colocados sobre o mesmo espaço em que se encontram os seres humanos.

  11. É evidente que há uma diferença entre os seres humanos e os animais.

  12. 1.2. O lugar do ser humano na criação

  13. “o fizeste só um pouco menor que um deus, de glória e honra o coroaste” (Sl 8,6)

  14. “Deus criou o ser humano à sua imagem, à imagem de Deus o criou. Homem e mulher os criou” (Gn 1,27)

  15. Sobre isso o documento Gaudium et spes do Concílio Ecumênico Vaticano II diz:

  16. “O homem foi criado à ‘imagem e semelhança de Deus’, capaz de conhecer e amar o seu criador, e por este constituído senhor de todas as criaturas terrenas,

  17. para as dominar e delas se servir, dando glória a Deus”. (GS, n. 12)

  18. O saudoso Papa João Paulo IIinseriu a seguinte pergunta em sua Encíclica Redemptor Hominis, n. 15:

  19. “Todas as conquistas alcançadas até agora, bem como as que estão projetadas pela técnica para o futuro, estão de acordo com o progresso moral e espiritual do homem?”

  20. 1.3. A atualidade da advertência aos primeiros pais no paraíso (Gn 3,1-24)

  21. Se por um lado, o progresso científico e econômico, político e social da modernidade trouxe contribuições para o bem da humanidade,

  22. de outro introduziu muitas situações que atentam contra a vida em sua dimensão planetária.

  23. Em certos setores da sociedade, indo na contramão da história e do princípio básico da cientificidade, a palavra “científico” transformou-se numa espécie de ídolo

  24. diante do qual todos devem dobrar os joelhos.

  25. Assim, o apossar-se dos frutos da árvore da vida está significando caminhos para o apossamento das pessoas e da natureza,

  26. sem avaliar as consequências deste ato e sem considerar uma justa hierarquia de valores que deve reger as relações das pessoas entre si, com a natureza e com o Criador.

  27. 1.4. O descanso e o sentido autêntico da criação

  28. O que Deus acrescentou com o descanso às obras da Criação se já a havia concluído no sexto dia? O que ainda faltava para a criação, se já se encontrava acabada?

  29. A resposta é o próprio descanso, do qual emergem a bênção e a santificação do sétimo dia, ou seja, Deus concluiu a criação com a sua bênção.

  30. 1.5. O cuidado com a vida e suas fontes

  31. Dt 22,6-7: “Se encontrares em teu caminho, não importa se sobre uma árvore ou no chão, um ninho com passarinhos, ou com ovos, e a mãe

  32. deitada sobre os passarinhos ou sobre os ovos, não pegarás a mãe com seus filhotes: deves deixar livre a mãe, e poderás pegar os filhotes para ti.

  33. Assim serás feliz, e prolongarás os teus dias”.

  34. “quando sitiares uma cidade... não destruas as árvores a golpes de machado; porque poderás comer dos frutos. Não derrubes as árvores.

  35. Ou as árvores do campo seriam porventura homens para fugirem de tua presença por ocasião do cerco?” (Dt 20,19)

  36. “as árvores que souberes não frutíferas, poderás destruí-las e derrubá-las para as obras do cerco contra a cidade inimiga” (Dt 20,20)

  37. “Fora do acampamento terás um lugar onde te possas retirar para as necessidades. Levarás no equipamento uma pá para fazeres uma fossa... Antes de voltar, cobrirás os excrementos.” (Dt 23,13-14)

  38. “Teu acampamento deve ser santo, para que o Senhor não veja em ti algo de inconveniente e te volte as costas” (Dt 23,15b)

  39. Sl 115,16: “Os céus são os céus do Senhor, mas a terra ele a deu aos filhos de Adão”.

  40. 1.6. No deserto, uma lição de consumo responsável

  41. “Eis que o Senhor vos mandou: recolhei a quantia que cada um de vós necessita para comer, um jarro de quatro litros por pessoa” (Ex 16,6a)

  42. “alguns, porém, desobedeceram a Moisés e guardaram o maná para o dia seguinte; mas ele bichou e apodreceu” (Ex 16,20)

  43. 1.7. Entrando na terra prometida

  44. “Entre estes se repartirá a terra em herança, de modo proporcional ao número de pessoas” (Nm 26,53)

  45. “As terras não se venderão a título definitivo, porque a terra é minha, e vós sois estrangeiros e meus agregados” (Lv 25,23)

  46. 1.8. Jesus vence as tentações