Concepções Teóricas em Psicologia II - PowerPoint PPT Presentation

monifa
concep es te ricas em psicologia ii n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Concepções Teóricas em Psicologia II PowerPoint Presentation
Download Presentation
Concepções Teóricas em Psicologia II

play fullscreen
1 / 10
Download Presentation
Concepções Teóricas em Psicologia II
73 Views
Download Presentation

Concepções Teóricas em Psicologia II

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Concepções Teóricas em Psicologia II Aula XI e XII Análise Sonhos

  2. Análise 1 – Concepções Incompletas de Psicoterapia A – Sócrates – Maieutica (Gnóti Seautón) - Confusão: Inteligência e vontade B – Limites do aconselhamento C – Pobreza das leituras de auto-ajuda D – Inutilidade do conhecimento dos mecanismos psíquicos E – Alcance dos tratamentos baseados na sugestão e na hipnose F – Insuficiência do desejo consciente

  3. Análise 2 – Contribuições da Psicologia Profunda (Freud – Jung – Adler – Janet) • Motivações precoces (infantis) • Psicopatologia da vida cotidiana • “Esquecimentos” • Atos Falhos Mobilizações • Sintomas Inconscientes • Sonhos

  4. Análise Junguiana - Objetivo: Individuação - Processo Dialético O que é: - Ampliação do campo da consciência - Sentimentos, Pensamentos e Impulsos tornados conscientes • Espaço Terapêutico: O “Vas” – O “Témenos” • Transferência e contra transferência • O Contrato • Responsabilidades de analista e analisando

  5. Término da Análise • Evolução da problemática inicial • Preocupação c/ resistências • Preocupação c/ processos transferênciais “Jung – Vol. XII – pag. 3 Fim provisório ou definitivo na Análise A Análise pode ter um término sem que haja o sentimento de que se obteve a meta; algumas dessas paradas são típicas e temporárias: 1- Depois que o indivíduo recebeu um bom conselho (Ex. Fundador do A.A.) 2- Depois de uma confissão mais ou menos completa, mas suficiente. 3- Após o reconhecimento de um conteúdo inconsciente essencial.

  6. Término da Análise 4- Após libertar-se de uma psique infantil (depois de efetuado longo trabalho). 5- Após conseguir uma nova adaptação racional a condições de vida difíceis ou incomuns. 6- Depois do desaparecimento de sintomas dolorosos. 7- Depois de uma mudança positiva do destino (noivado, casamento, mudança de profissão, realização de paternidade – maternidade) 8- Depois da redescoberta de pertencer à uma crença religiosa, ou de uma conversão 9- Depois de começar a construir uma filosofia de vida.

  7. Técnicas de Análise • Interpretação Geral • Imaginação ativa • Concretização • Interpretação Onírica O Trabalho com os Sonhos • Aspecto fundamental da técnica analítica • O que é: Freud: Descarga de desejos inconscientes inaceitáveis, sob disfarce. Jung: Expressão natural e intencional dos processos inconscientes.

  8. Sonhos • Dificuldade de interpretação: Freud: O disfarce imposto pelo censor interno. Jung: Linguagem dos sonhos: - Não lógica - Simbólica - Própria do sonhador • Vias de acesso ao entendimento dos sonhos: • Associação livre do conteúdo onírico • Amplificação do Símbolo: motivos míticos, lendários, folclóricos, religiosos, artísticos, históricos, semelhantes ao conteúdo do sonho individual.

  9. Sonhos • Função dos Sonhos: • Principal: Compensatória • Outras: Prospectiva (antecipatória) Diagnóstica – Prognóstica • Visão dos Sonhos: • Objetiva: Referente à aspectos externos da vida do sonhador. • Subjetiva: Situações internas e processos interiores do sonhador. • Ego Vígil – Ego Onírico

  10. Sonhos • Superioridade de sequência – Sonhos isolados • Desenvolvimento • Mudanças • Interação com outros símbolos • “Grandes Sonhos” Alteram o curso de vida do sonhador