s ndrome coron ria aguda sca n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Síndrome Coronária Aguda (SCA) PowerPoint Presentation
Download Presentation
Síndrome Coronária Aguda (SCA)

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 21

Síndrome Coronária Aguda (SCA) - PowerPoint PPT Presentation


  • 205 Views
  • Uploaded on

Faculdade de Ciências Médicas de Universidade Nova de Lisboa Medicina I. Síndrome Coronária Aguda (SCA). 16 de Setembro de 2009 Catarina Pereira Guilherme Pereira. Sumário. O que é uma SCA?. Conjunto de sintomas clínicos compatíveis com isquémia aguda do miocárdio .

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Síndrome Coronária Aguda (SCA)' - modesty


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
s ndrome coron ria aguda sca

Faculdade de Ciências Médicas de Universidade Nova de Lisboa

Medicina I

Síndrome Coronária Aguda (SCA)

16 de Setembro de 2009

Catarina Pereira

Guilherme Pereira

o que uma sca
O que é uma SCA?
  • Conjunto de sintomas clínicos compatíveis com isquémia aguda do miocárdio.

Manifesta-se como uma dor torácica devido a um fornecimento inadequado de sangue ao músculo cardíaco resultante de uma doença arterial coronária.

American Heart Association

  • A gravidade da SCA é determinada pela quantidade de miocárdio atingido.
s ndrome coron ria aguda
Síndrome Coronária Aguda

Fig. 1 - SCA.Fauci AS, Kasper DL, Braunwald E, Hauser SL, Longo Dl, Jameson JL, Loscalzo J: Harrison's Principles of Internal Medicine, 17th Edition.

etiologia
Etiologia

Isquémia miocárdica:

  • ↓ aporte de O2
  • ↑ necessidades de O2
  • Ambos
dor tor cica o que fazer
Dor Torácica – o que fazer?
  • Obter:
  • Fazer diagnóstico diferencial

ex: dor músculo-esquelética, pericárdica,…

angina inst vel
Angina Instável

Fig. 2 – Angina Pectoris.Runge MS, Greganti MA: Netter's Internal Medicine, 2nd Edition.

eam com sem eleva o st
EAM com/sem elevação ST
  • Ocasionalmente o enfarte é assintomático (DM, >idade) ou com sintomas escassos.
exame objectivo
Exame Objectivo
  • Palpação:
    • ↑ contracção anormal no choque da ponta
  • Auscultação Cárdio-Pulmonar:
    • Taquicardia;
    • ↓ Sons cardíacos;
    • Sopros na área mitral;
    • Em 15% dos casos há atrito pericárdico;
    • S3 e S4;
    • Fervores de estase – classificação de Killip.
slide11
ECG
  • Execução de ECG de 12 derivações para determinar a localização da isquémia, da lesão, ou do enfarte.
slide12
ECG

Fig. 3 – Evolução temporal do ECG durante o EAM. www.nottingham.ac.uk/nursing/practice/resources/cardiology/acs/changes.php

biomarcadores card acos
Biomarcadores Cardíacos
  • Mioglobina
    • Pouco específico
    • Subida muito precoce (marcador inicial)
    • Baixo peso molecular

Excreção renal

Subida às 2h

Pico às 6-12h

Normalização às 24h

Fig. 4 – Evolução da concentração sérica dos biomarcadores cardíacos.

biomarcadores card acos1
Biomarcadores Cardíacos
  • CK-MB
    • Isoenzima cardioespecífica
    • Representa 30% da CK total no coração
    • Normalização anterior à da troponina

Subida às 4-6h

Pico às 14-36h

Normalização às 48-72h

Fig. 4 – Evolução da concentração sérica dos biomarcadores cardíacos.

biomarcadores card acos2
Biomarcadores Cardíacos
  • Troponinas T e I
    • Cardioespecíficas
    • Longa permanência no plasma
    • Aumenta mais de 20 vezes em relação ao valor basal

Subida às 4-6h

Pico às 12-18h

Normalização aos 7-14d

Fig. 4 – Evolução da concentração sérica dos biomarcadores cardíacos.

terap utica
Terapêutica
  • Objectivo: Minimizar a lesão do miocárdio e diminuir a progressão ou extensão do tamanho do enfarte.
    • O2 (SaO2 >90%)
  • Alívio da dor isquémica: -Beta – bloqueantes;

-Nitroglicerina SL 5mg, 5-5min, máx 3 x  IV ;

-Morfina IV 3-5mg cada 5 a 30 min

    • Terapêutica anti-trombótica: -AAS mastigado 160-325 mg;

-Clopidogrel e heparina BPM

  • Internamento com monitorização cardíaca contínua
  • Acesso EV para tratamento emergente de arritmias
terap utica de revasculariza o
Terapêutica de Revascularização
  • Angioplastia Percutânea (PTCA)
  • Fibrinólise
  • Bypass Coronário (CABG)
preven o secund ria
Prevenção Secundária
  • β – bloqueante (durante pelo menos 2 anos)
  • AAS /Clopidogrel
  • IECA
  • Mudança dos factores de risco CV :
    • Cessação tabágica
    • Controlo da HTA
    • Controlo da DM
    • Controlo da dislipidémia ( LDL-C <100mg/dL)
    • Exercício físico regular
    • Dieta
complica es
Complicações
  • Arritmias
  • Choque cardiogénico
  • Ruptura do septo
  • Pericardite
  • Trombo mural
  • Aneurisma ventricular
  • Disfunção dos músculos papilares
  • Insuficiência cardíaca progressiva
refer ncias bibliogr ficas
Referências Bibliográficas
  • Kasper, Dennis L.; Fauci et al. - Harrison´s Principles of internal medicine - 17th edition; McGraw-Hill;
  • Kumar, Abbas, Fausto – Robbins and Cotran Pathologic Basis of Disease – 7th edition; Elsevier;
  • McPhee, Stephen J.; Papadakis, Maxine A. - Current Medical Diagnosis & Treatment – 47th edition; Lange;
  • Runge MS, Greganti MA: Netter's Internal Medicine, 2nd Edition; Elsevier;
  • www.americanheart.org/presenter.jhtml?identifier=3010002
  • www.nottingham.ac.uk/nursing/practice/resources/cardiology/acs/changes.php