assist ncia pr natal
Download
Skip this Video
Download Presentation
Assistência pré-natal

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 31

Assistência pré-natal - PowerPoint PPT Presentation


  • 160 Views
  • Uploaded on

Assistência pré-natal. É detectar gestação de alto risco, tomada de medidas profiláticas e terapêuticas para controle de quadros patológicos que representam riscos materno e fetal;. Assistência pré-natal.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Assistência pré-natal' - mliss


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
assist ncia pr natal
Assistência pré-natal
  • É detectar gestação de alto risco, tomada de medidas profiláticas e terapêuticas para controle de quadros patológicos que representam riscos materno e fetal;
assist ncia pr natal1
Assistência pré-natal
  • Inclui assistência nutricional , pois os benefícios da nutrição adequada durante a gestação têm sugerido, não só bons resultados obstétricos, como também na saúde do concepto
    • 80 a 90% das gestações evoluem sem complicações
    • 10 a 20% das gestações são diagnosticadas de alto risco
      • Aquelas onde a vida ou saúde da mãe e/ou do feto e/ou do recém- nascido têm maiores chances de serem atingidas que a média da população, sendo associadas a altas taxas de mortalidade fetal.
assist ncia pr natal2
Assistência pré-natal
  • O início da APN deve ocorrer imediatamente após a confirmação do diagnóstico da gravidez
    • Número mínimo de consultas deve ser igual a 6
      • 1 no 1º T,
      • 2 no 2º T e
      • 3 no 3º T
  • E o acompanhamento puerperal deve ser encerrado no 42º dia de puerpério
assist ncia pr natal3
Assistência pré-natal
  • A assistência com nutricionista deve:
    • Preferencialmente iniciar até a 16ª semana;
    • Pelo menos 4 consultas
      • Considerar doenças crônicas, adolescência, ganhos ponderais não previstos, carências nutricionais, intercorrências digestivas, ...
assist ncia pr natal4
Assistência pré-natal
  • Diagnóstico da gestação: 
    • São utilizados parâmetros:
      • Clínico
        • a) presunção,
        • b) probabilidade,
        • c) certeza
      • Hormonal
      • Ultrassonográfico 
assist ncia pr natal5
Assistência pré-natal
  • Cálculo da idade gestacional (IG)
    • A IG a partir do 1º dia do último período menstrual normal (data da última menstruação = DUM), sendo expressa em semanas ou dias completos.
    • Vários métodos de calcular a IG:
assist ncia pr natal6
Assistência pré-natal
  • Certeza da DUM
    • Somar o no de dias do intervalo entre a DUM e a data da consulta ÷ 7(resultado em semanas)
      • EX: DUM 10/05 data da consulta 20/07 (21+30+20 = 71 dias ÷ 7 = 10 semanas
  • Pode-se utilizar um calendário obstétrico / disco/ gestograma:
    • Posicionar a seta sobre o dia e mês correspondentes ao 1º DUM e observar o no de semanas indicado no dia e mês da consulta atual
assist ncia pr natal7
Assistência pré-natal
  • DUM desconhecida, mas sabe o período do mês
    • início, meio e fim do mês,
      • considerar 5, 15 e 25, respectivamente, proceder como no exemplo anterior
  • DUM e períodos desconhecidos
    • Mensuração da altura do fundo uterino e pelo toque vaginal (médico)
assist ncia pr natal8
Assistência pré-natal
  • Cálculo da data provável do parto (DPP)
    • Considerar a duração média da gestação normal 280 dias ou 40 semanas a partir da DUM
    • Utilizar o gestograma (linha amarela DUM/linha laranja DPP) posicionar a seta sobre o dia e mês correspondentes a DUM e observar a seta na data (dia e mês), indicada como DPP ou
    • Utilizar a regra de Näegele (ou Näegelle)
      • Somar 7 dias à DUM e subtrair 3 meses ao mês que ocorreu a DUM,
      • Ou adicionar 9 meses, se a DUM corresponder aos meses de janeiro a março.
      • Nos casos em que o número de dias encontrado for maior que o número de dias do mês, passar os dias excedentes para o mês seguinte, adicionando 1 ao final do cálculo do mês
assist ncia pr natal9
Assistência pré-natal
  • Ex 1: DUM 13/09/2007
    • Cálculo do dia: 13 + 7 = 20
    • Cálculo do mês: 9 – 3 = 6
    • DPP: 20/06/2008
  • Ex 2: DUM 10/02/2007
    • Cálculo do dia: 10 + 7 = 17
    • Cálculo do mês: 2 + 9 = 11
    • DPP: 17/11/2007
  • Ex 3: DUM 27/01/2007
    • Cálculo do dia: 27+7 = 34 e 34 – 31 = 3
    • Cálculo do mês: 1(JAN) + 9 + 1(EXCEDENTE) = 11 quando o número de dias encontrado for maior do que o número de dias do mês deve-se adicionar 1 ao final do cálculo do mês
    • DPP: 03/11/2007
assist ncia pr natal10
Assistência pré-natal
  • O acompanhamento da gestação é dividido em 3 trimestres.
  • Características do 1º trimestre = 14 semanas:
    • Intensa divisão celular - a saúde do embrião depende:
      • Condição nutricional pré-gestacional da mãe, reservas energéticas, vitamínicas e minerais
  • Características do 2º e 3º trimestres = 28 semanas:
    • Meio externo exerce influência direta na condição nutricional do feto, fatores determinantes para o crescimento e desenvolvimento normais do feto:
      • Ganho de peso adequado materno
      • Ingestão de energia e nutrientes
      • Fator emocional
      • Estilo de vida
assist ncia pr natal11
Assistência pré-natal
  • Pela ecografia estima-se o peso fetal, então o nutricionista pode classificar pelo percentil (entre p10 e p90) a adequaçãono gráfico de Battaglia e Lubchenco, 1967.
  • Interpretação:
    • Se o peso fetal estiver abaixo do ou próximo do p10 pode-se concluir que está ocorrendo retardo do crescimento intra-uterino (RCIU ou crescimento intra-uterino restrito – CIUR)
      • Se o peso estiver acima do percentil 90, excluída a hipótese de hereditariedade, pode-se pensar em alteração da glicemia ou diabetes gestacional
assist ncia pr natal13
Assistência pré-natal
  • CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO
  • Causas
    • Fetais
      • Genéticas ou Cromossômicas, malformações
      • Infecções fetais (rubéola, toxoplasmose, citomegalovírus)
      • Gestação Múltipla
    • Placentárias
      • Deficiência na circulação útero - placentária.
    • Maternas
      • Má nutrição materna
      • Drogas
      • Tabagismo
      • Doenças sistêmicas (hipertensão, DHEG, diabetes, colagenoses, trombofilias, cardiopatias cianóticas, anemia falciforme)
      • Altitudes elevadas.
assist ncia pr natal14
Assistência pré-natal
  • Primeira consulta de assistência pré-natal
    • São realizados históricos detalhados, características obstétricas e médicas + exame físico
      • História social
        • Tabagismo, álcool, drogas ilícitas, renda, problemas no lar
      • Antecedentes familiares
        • HAS, DM, BK, câncer (mama), doenças congênitas, gemelaridades
      • Antecedentes pessoais
        • DCI, cirurgias, complicações anestésicas, transfusões, alergia, HAS, DM,
assist ncia pr natal15
Assistência pré-natal
  • Continuação
      • Antecedentes ginecológicos
        • Menarca, contraceptivos, DST, cirurgia ginecológicas, tratamento para infertilidade, exames de mama, último citopatológico, sexualidade
      • Antecedentes obstétricos
        • Gestações (incluindo abortos), partos, nascidos vivos, primeira gestação, intervalo entre gestações, RNPT, RNBP, macrossomia (RN>4kg), morte neonatal precoce (primeiros 7 dias), natimorto, complicações em gestações anteriores (ex.Pré-eclâmpsia), anomalias, gravidez ectópica, complicações no puerpério, aleitamentos anteriores, última gestação
      • Gestação atual
        • DPP, DUM, idade gestacional, teste de gravidez (data, tipo, resultado), percepção dos primeiros movimentos fetais, gestação planejada ou desejada
assist ncia pr natal16
Assistência pré-natal
  • Nessa primeira consulta são pedidos:
    • Urina – EAS (elementos anormais do sedimento) ou urina tipo I- uranálise ou urinálise
    • Tipagem sanguínea (incompatibilidade)
    • Sorologia para LUES ou VDRL (venereal disease research laboratory) = (sífilis treponema pallidum)
      • 2x na APN (MS) – uma na 1ª consulta e outra na 28ª SG e mais uma após o parto
      • Tratamento penicilina sem prejuízo ao feto
assist ncia pr natal17
Assistência pré-natal
  • Dosagem de hemoglobina (Hb):
    • ≥ 11g/dl: ausência de anemia
      • Conduta normal: suplementação de ferro a partir da 20ª semana gestacional
        • 1 drágea de sulfato ferroso/dia(300mg corresponde a 60mg de ferro elementar) entre as refeições ( com sucos cítricos); orientar fontes de ferro heme
assist ncia pr natal18
Assistência pré-natal
  • Dosagem de hemoglobina (Hb):
    • < 11g/dl: anemia leve a moderada
    • < 8mg/dl: anemia grave
      • Nesses dois casos a suplementação deve ser com 3 drágeas de sulfato ferroso/dia e repetir a dosagem de Hb em 30 dias
      • Se a Hb chegar a 11mg/dl passar para 1 drágea/dia; se permanecer < 11mg/dl é gestante de alto risco, devendo manter as 3 drágeas/dia
      • Hemograma completo
        • Leucograma e eritrograma
assist ncia pr natal19
Assistência pré-natal
  • Glicemia
  • Toxoplasmose/rubéola/hepatites/sida
  • Parasitológico
  • Papanicolaou (citopatológico)
  • Palpação, ultra-som, pelvimetria clínica
  • Pressão arterial
    • Hipertensão = ≥ 140mmHg de sistólica e/ou 90mmHg de diastólica ou há aumento de 30mmHg ou mais na sistólica e/ou 15 mmHg na diastólica ou mais na diastólica
assist ncia pr natal20
Assistência pré-natal
  • Batimentos cardíacos fetais (BCF):
    • Normal: 120 a 160bpm
    • Taquicardia: > 160bpm
  • Esquema de vacinação antitetânica
    • Três doses num intervalo de 8 semanas
    • Se foi imunizada há mais de 5 anos, uma dose de reforço
  • Avaliação da presença de edemas
  • Avaliação do estado nutricional
assist ncia pr natal21
Assistência pré-natal
  • São realizadas avaliações dietética, clínica e funcional
    • Avaliação dietética inclui:
      • Número de refeições
      • Composição das refeições
      • Grupos e quantidades de alimentos
      • Avaliar consumo de refrigerantes, álcool, café, chá, frituras, edulcorantes
      • Investigar picamalácia
      • Método de inquérito dietético mais empregado é o de frequência de consumo semiquantitativo
assist ncia pr natal22
Assistência pré-natal
  • Avaliação clínica
    • Investigação de sinais digestivos comuns durante a gestação
      • Podem comprometer o estado nutricional da gestante
    • Investigar função intestinal, presença de enfermidades crônicas e/ou intercorrências gestacionais
    • Investigar sinais sugestivos de carência nutricional
assist ncia pr natal25
Assistência pré-natal
  • Avaliação funcional
    • Investigação da deficiência de vitamina A
      • Investigação da cegueira noturna
      • Pode-se utilizar entrevista padronizada:
        • 1)Dificuldade de enxergar durante o dia?
        • 2)Dificuldade de enxergar com pouca luz ou à noite?
        • 3)Tem cegueira noturna? Esta pergunta deve ser explicada ao entrevistado
    • São casos de cegueira noturna quando a 1ª resposta for negativa e pelo menos a 2ª ou a 3ª são positivas e proceder a avaliação dietética para investigar a carência de alimentos – fonte de vitamina A
    • Se necessário dosar o retinol sérico materno
      • Deficiência de vitamina A quando os níveis séricos forem < 1,05μmol/l.
assist ncia pr natal26
Assistência pré-natal
  • A redução de vitamina A é resultado dos ajustes fisiológicos maternos.
  • Esta redução resulta dos estoques reduzidos de vitamina A pré-gestacionais, pela baixa ingestão de alimentos-fonte, de lipídios e proteínas, além da presença de infecção.
  • A cegueira noturna é preditora de complicações como anemia, hipertensão e infecções maternas.
  • Também está associada a maior mortalidade infantil nos primeiros 6 meses de vida.
assist ncia pr natal27
Assistência pré-natal
  • Ministério da saúde - Programa nacional de suplementação de vitamina A
    • Contempla pré-escolares e mulheres residentes nas áreas consideradas de risco para deficiência
        • NE, norte de MG e Vale do Ribeira (SP)
          • Puérperas dose única 200.000UI de vitamina A no pós –parto imediato (ainda na maternidade)
ad