Dr. Paulo Silveira Martins Leão Junior Procurador do Estado do Rio de Janeiro - PowerPoint PPT Presentation

slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Dr. Paulo Silveira Martins Leão Junior Procurador do Estado do Rio de Janeiro PowerPoint Presentation
Download Presentation
Dr. Paulo Silveira Martins Leão Junior Procurador do Estado do Rio de Janeiro

play fullscreen
1 / 77
Dr. Paulo Silveira Martins Leão Junior Procurador do Estado do Rio de Janeiro
149 Views
Download Presentation
merrill
Download Presentation

Dr. Paulo Silveira Martins Leão Junior Procurador do Estado do Rio de Janeiro

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Centro de Cultura e Formação Cristã (CCFC) Belém (PA), 18 e 19 de março de 2006 Conversas Bioéticas 2 Dr. Paulo Silveira Martins Leão Junior Procurador do Estado do Rio de Janeiro

  2. Quando começa a vida humana O Dr. Jérôme Lejeune, o “Pai da Genética Moderna“, e o descobridor da causa da Síndrome de Down, afirmava: “Aceitar o fato de que um ser humano começa a existir a partir da concepção não é mais uma questão de opinião; é uma evidência experimental”. William Liley, pioneiro da terapia fetal, escreveu um famoso artigo em 1972, O Feto é uma Pessoa: “Os homens e as mulheres da ciência que aprovam o aborto o fazem com base no julgamento que fazem sobre o valor da vida humana, não a partir do fato científico de que há uma vida humana.”

  3. Fecundação... A primeira célula!

  4. Professor Andrzej Skawina (Collegium Medicum Jagiellonian University, Krakow), Dr. Antoni Marsinek, MD (Czerwiakowski Gynecological and Obstetrics Hospital, Krakow) e Zrodlo Foundation, Wychowawca Department. Bebê com 7 semanas

  5. Professor Andrzej Skawina (Collegium Medicum Jagiellonian University, Krakow), Dr. Antoni Marsinek, MD (Czerwiakowski Gynecological and Obstetrics Hospital, Krakow) e Zrodlo Foundation, Wychowawca Department. Bebê com 7 semanas

  6. Professor Andrzej Skawina (Collegium Medicum Jagiellonian University, Krakow), Dr. Antoni Marsinek, MD (Czerwiakowski Gynecological and Obstetrics Hospital, Krakow) e Zrodlo Foundation, Wychowawca Department. Bebê com 7 semanas

  7. Professor Andrzej Skawina (Collegium Medicum Jagiellonian University, Krakow), Dr. Antoni Marsinek, MD (Czerwiakowski Gynecological and Obstetrics Hospital, Krakow) e Zrodlo Foundation, Wychowawca Department. Bebê com 8 semanas

  8. Professor Andrzej Skawina (Collegium Medicum Jagiellonian University, Krakow), Dr. Antoni Marsinek, MD (Czerwiakowski Gynecological and Obstetrics Hospital, Krakow) e Zrodlo Foundation, Wychowawca Department. Bebê com 8 semanas

  9. Professor Andrzej Skawina (Collegium Medicum Jagiellonian University, Krakow), Dr. Antoni Marsinek, MD (Czerwiakowski Gynecological and Obstetrics Hospital, Krakow) e Zrodlo Foundation, Wychowawca Department. Bebê com 11 semanas

  10. Professor Andrzej Skawina (Collegium Medicum Jagiellonian University, Krakow), Dr. Antoni Marsinek, MD (Czerwiakowski Gynecological and Obstetrics Hospital, Krakow) e Zrodlo Foundation, Wychowawca Department. Bebê com 12 semanas

  11. Professor Andrzej Skawina (Collegium Medicum Jagiellonian University, Krakow), Dr. Antoni Marsinek, MD (Czerwiakowski Gynecological and Obstetrics Hospital, Krakow) e Zrodlo Foundation, Wychowawca Department. Bebê com 12 semanas

  12. Professor Andrzej Skawina (Collegium Medicum Jagiellonian University, Krakow), Dr. Antoni Marsinek, MD (Czerwiakowski Gynecological and Obstetrics Hospital, Krakow) e Zrodlo Foundation, Wychowawca Department. Bebê com 3 meses e meio

  13. Professor Andrzej Skawina (Collegium Medicum Jagiellonian University, Krakow), Dr. Antoni Marsinek, MD (Czerwiakowski Gynecological and Obstetrics Hospital, Krakow) e Zrodlo Foundation, Wychowawca Department. Bebê com 3 meses e meio

  14. Professor Andrzej Skawina (Collegium Medicum Jagiellonian University, Krakow), Dr. Antoni Marsinek, MD (Czerwiakowski Gynecological and Obstetrics Hospital, Krakow) e Zrodlo Foundation, Wychowawca Department. Bebê com 3 meses e meio

  15. Professor Andrzej Skawina (Collegium Medicum Jagiellonian University, Krakow), Dr. Antoni Marsinek, MD (Czerwiakowski Gynecological and Obstetrics Hospital, Krakow) e Zrodlo Foundation, Wychowawca Department. Bebê com 3 meses e meio

  16. Professor Andrzej Skawina (Collegium Medicum Jagiellonian University, Krakow), Dr. Antoni Marsinek, MD (Czerwiakowski Gynecological and Obstetrics Hospital, Krakow) e Zrodlo Foundation, Wychowawca Department. Bebê com 4 meses de gestação

  17. Professor Andrzej Skawina (Collegium Medicum Jagiellonian University, Krakow), Dr. Antoni Marsinek, MD (Czerwiakowski Gynecological and Obstetrics Hospital, Krakow) e Zrodlo Foundation, Wychowawca Department. Bebê com 4 meses de gestação

  18. Professor Andrzej Skawina (Collegium Medicum Jagiellonian University, Krakow), Dr. Antoni Marsinek, MD (Czerwiakowski Gynecological and Obstetrics Hospital, Krakow) e Zrodlo Foundation, Wychowawca Department. Bebê com 5 meses

  19. Professor Andrzej Skawina (Collegium Medicum Jagiellonian University, Krakow), Dr. Antoni Marsinek, MD (Czerwiakowski Gynecological and Obstetrics Hospital, Krakow) e Zrodlo Foundation, Wychowawca Department. Bebê com 5 meses

  20. Professor Andrzej Skawina (Collegium Medicum Jagiellonian University, Krakow), Dr. Antoni Marsinek, MD (Czerwiakowski Gynecological and Obstetrics Hospital, Krakow) e Zrodlo Foundation, Wychowawca Department. Bebê com 5 meses

  21. Professor Andrzej Skawina (Collegium Medicum Jagiellonian University, Krakow), Dr. Antoni Marsinek, MD (Czerwiakowski Gynecological and Obstetrics Hospital, Krakow) e Zrodlo Foundation, Wychowawca Department. Bebê com 6 meses de gestação

  22. Foto: Documentário produzido pelo National Geographic Channel: En el Vientre Materno

  23. Foto: Documentário produzido pelo National Geographic Channel: En el Vientre Materno

  24. Foto: Documentário produzido pelo National Geographic Channel: En el Vientre Materno

  25. Foto: Documentário produzido pelo National Geographic Channel: En el Vientre Materno

  26. Foto: Documentário produzido pelo National Geographic Channel: En el Vientre Materno

  27. Foto: Documentário produzido pelo National Geographic Channel: En el Vientre Materno

  28. A legalização do aborto • MATA um SER HUMANO indefeso, privando-o do DIREITO INALIENÁVEL À VIDA e também de todos os demais direitos. • Não reduz as taxas de mortalidade materna. • Não contribui para a saúde da mulher. • Não diminui a sua incidência.

  29. Riscos do Aborto provocadocomplicações físicas • Hemorragia uterina grave • Infecção • Laceração de colo uterino • Perfuração uterina • Placenta prévia • Prenhez ectópica • Parto prematuro

  30. Riscos do aborto provocadocomplicações psicológicas Síndrome Pós Aborto • Sintomas depressivos • Sentimentos de culpa • Pesadelos recorrentes • Fuga de situações recordatórias • Alterações de conduta Major B e col, Arch Gen.Psychiatry, Aug, 57:777-84, 2000.

  31. Riscos do Aborto provocadocomplicações psiquiátricas • Depressão Crônica • Tendência ao Suicídio

  32. Mortalidade por suicídio na Finlândia: Gravidez, aborto induzido e aborto espontâneo Gissler M e col. British Journal of Medicine, 313: 1431- 4, 1996.

  33. Efeito da legalização do aborto nos EUA No início dos anos 2000, a taxa de abortos era mais de 4 vezes maior

  34. Evolução do Aborto na Espanha Após a legalização, a taxa de abortos vem crescendo progressivamente

  35. Evolução do Aborto na Inglaterra e País de Gales As taxas de aborto vêm subindo progressivamente após a legalização

  36. Abortos e mortalidade materna na Polônia Após a CRIMINALIZAÇÃO do aborto, a mortalidade materna caiu

  37. Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) das Nações Unidas • Mede: • A expectativa de vida ao nascer ( longevidade) • A produção cultural • A renda per capita • É considerado um potente preditor de mortalidade materna e infantil • Depende da EDUCAÇÃO, INVESTIMENTO SOCIAL e DISTRIBUIÇÃO DE RENDA, não da legalização do aborto!

  38. Mortalidade materna na Índia 1 entre cada 4 mortes maternas ocorre na Índia, onde o aborto é amplamente liberado

  39. Mortalidade materna e legislação pró- aborto

  40. Mortalidade materna e aborto na América do Sul e Caribe A menor mortalidade foi no Chile, onde há a legislação mais restritiva

  41. Mortalidade materna e atenção qualificada

  42. Brasil: Número de mortes maternas 1996 – 146 1997 – 163 1998 – 119 1999 – 147 2000 – 128 2001 – 148 2002 – 115 Fonte: http://www.datasus.gov.br Assim, apesar de haver quem diga que “300 mil mulheres morrem em conseqüência de abortos clandestinos no Brasil”, esse número não chega a 200.

  43. Diminuição da mortalidade materna e fetal Solução: O aumento de recursos físicos e de pessoal qualificado para o atendimento à gestante e ao bebê, e não a legalização do aborto.

  44. Aborto de bebê com 7 semanas

  45. Aborto de bebê com 8 semanas

  46. Aborto de bebê com 8 semanas

  47. Aborto de bebê com 9 semanas

  48. Aborto de bebê com 10 semanas

  49. Aborto de bebê com 10 semanas