em busca da cartografia ambiental l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Em busca da Cartografia ambiental PowerPoint Presentation
Download Presentation
Em busca da Cartografia ambiental

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 17

Em busca da Cartografia ambiental - PowerPoint PPT Presentation


  • 193 Views
  • Uploaded on

Em busca da Cartografia ambiental. MARTINELLI, Marcelo. Cartografia ambiental: uma Cartografia diferente? Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, n. 7, p. 61-80, 1994. O caminho metodológico.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Em busca da Cartografia ambiental' - marlee


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
em busca da cartografia ambiental
Em busca da Cartografia ambiental
  • MARTINELLI, Marcelo. Cartografia ambiental: uma Cartografia diferente?
    • Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, n. 7, p. 61-80, 1994.
o caminho metodol gico
O caminho metodológico
  • De 1950 até início da década 1970 a evolução dos estudos da paisagem conheceu um hiato. Neste período, ela ficou praticamente esquecida como objeto de estudo da ciência geográfica.
  • É nos fins da década de 1960 que a paisagem, quase estranha à moderna Geografia Física, sem despertar interesses para estudos mais aprofundados, volta a fazer parte da concepção geográfica, quando o conceito de sistema é incorporado à Geografia, a partir da concepção de geossistema.
  • A introdução da abordagem sistêmica na ciência geográfica, de acordo com os conceitos da Teoria Geral dos Sistemas, baseia-se na modelização e quantificação dos elementos da paisagem, abrindo um novo caminho para o entendimento do funcionamento das paisagens.
slide3
De acordo com SOTCHAVA (1977), o paradigma sistêmico ou o estudo de geossistemas, aparece como uma nova alternativa para a orientação de pesquisas científicas na moderna Geografia Física e capaz de resolver o grave problema das subdivisões/especializações desta ciência, que acabaram por levar a um distanciamento do seu principal objetivo: a conexão da natureza e da sociedade.
geossistema
Geossistema
  • Utiliza a análise integrada
  • Conexão entre a natureza e a sociedade
  • Além dos fenômenos naturais inclui os econômicos e sociais
  • A integração propicia a compreensão da qualidade ambiental
  • Bertrand (1971) juntamente com Sotchava (1972), apresentaram de uma forma lógica, um modelo capaz de apreender a paisagem integralmente, resolvendo em grande parte dificuldade da maioria dos geógrafos e outros cientistas da paisagem.
slide5
BERTRAND, G. Paisagem e geografia física global: esboço metodológico. Caderno de Ciências da Terra, 13. São Paulo: IGEO/USP, 1971.
  • O geossistema, a priori, para BERTRAND (1971) é uma categoria espacial caracterizada por uma relativa homogeneidade dos seus componentes, cuja estrutura e dinâmica resulta da interação entre o "potencial ecológico", a exploração biológica" e a "ação antrópica", e que se identifica por um mesmo tipo de evolução.
  • O geossistema estaria em estado de clímax quando o potencial ecológico e a exploração biológica encontrassem em equilíbrio.
  • Intervenções humanas de qualquer natureza no meio, implicariam num rompimento desse equilíbrio.
slide6
O esboço teórico apresentado por Bertrand (1971) para explicar o funcionamento do geossistema é o seguinte:
a cartografia das unidades de paisagem quest es metodol gicas
A CARTOGRAFIA DAS UNIDADES DE PAISAGEM: QUESTÕES METODOLÓGICAS

Marcello Martinelli *

Franco Pedrotti **

Departamento de Geografia USP, C. P. 2530, 01060 – 970 São Paulo (SP), Brasil. ** Dipartimento di Botanica ed Ecologia, Università degli Studi di Camerino, Itália.

Revista do Departamento de Geografia, 14 (2001) 39-46

objetivos
Objetivos
  • Refletir sobre a questão metodológica da cartografia ambiental, almejando uma proposta de sistematização
  • estruturar um encaminhamento metodológico, partindo da conscientização de que o questionamento feito sobre o ambiente não é dirigido apenas à natureza, mas também à sociedade
  • estabelecer raciocínios analíticos que consideram a vegetação e sua dinâmica, a vegetação real e as respectivas tendências evolutivas no espaço produzido pelas relações sociais dinamizadas pela periodização dos modos de produção que a humanidade viveu e está vivendo em sua história.
  • convergir para um raciocínio de síntese que confirmaria a delimitação de conjuntos espaciais, que são agrupamentos de lugares caracterizados por agrupamentos de atributos - as unidades de paisagem - que seriam traçados sobre o mapa com o apoio da base topográfica.

A cartografia das Unidades de Paisagem: questões metodológicashttp://www.bibvirt.futuro.usp.br/textos/hemeroteca/rdg/rdg14/rdg14_07.pdf

exemplos de aplica o unidade de paisagem ecossistema geossistema
Exemplos de aplicaçãoUNIDADE DE PAISAGEM /ECOSSISTEMA/GEOSSISTEMA
  • A cartografia das Unidades de Paisagem: questões metodológicashttp://www.bibvirt.futuro.usp.br/textos/hemeroteca/rdg/rdg14/rdg14_07.pdfCaracterização ambiental de unidades da paisagem da região noroeste do Estado do Rio Grande do Sulhttp://www.lapa.ufscar.br/portugues/f_westphalen_missio.htmUnidades da paisagem do município de Embu:/SP: subsidios para o ordenamento ambiental territorial, aplicados à gestão municipalhttp://www.igeo.uerj.br/VICBG-2004/Eixo1/E1_198.htmA prática metodológica da ciência da paisagemhttp://jailton.tripod.com/capitulo2.htmlZonemaneto ecológico-econômicohttp://www.amazonia.org.br/arquivos/40297.pdf
propostas metodol gicas para cartografia ambiental
PROPOSTAS METODOLÓGICAS PARA CARTOGRAFIA AMBIENTAL

http://revistas.sim.ucm.es:2004/cca/11391987/articulos/OBMD0202110047A.PDF

defini o de cartografia ambiental
Definição de cartografia ambiental
  • Por otra parte, coincidimos con estos autores británicos en reconocer la existencia de unos mapas ambientales integrados (Integrated
  • environmental maps), basados en que el espacio geográfico puede ser dividido
  • en unidades diferentes caracterizadas por una particular integración de variables
  • ambientales (PARRY, 1989).
cartograf a ambiental integrada
Cartografía Ambiental Integrada
  • Así pues, lo que identifica este tipo de mapas es la integración y síntesis de componentes ambientales, aunque sea parcialmente (lo que denominaremos más adelante Cartografía Ambiental Integrada).
  • Es por ello que los mapas que representan de manera separativa esos componentes puedan ser concebidos
  • también como mapas ambientales, pero en sentido amplio (Cartografía Ambiental Sectorial).
  • En consecuencia, éstos pueden ser tanto mapas analíticos como sintéticos, según el criterio dialéctico de la Cartografía Temática.
slide14
Los mapas se consideranintegrados cuando se establece una relación directa entre dos o más componentesambientales diferentes
  • Son mapas fundamentalmente correlativos o/y sintéticos.
  • La integración supone combinar información por yuxtaposición, superposición o por análisis de datos correspondientes a elementos de diferente naturaleza ambiental.
  • Estos mapas pueden, por tanto, presentar diferentes niveles de integración.
  • Normalmente, constituyen mapas derivados de mapas ambientales sectoriales previos que les sirven de apoyo, o bien de otros mapas integrados a niveles inferiores.
uma proposta de sistematiza o de mapas ambientais
Uma proposta de sistematização de mapas ambientais
  • Los más usuales en la producción cartográfica:
  • • Mapas geotécnicos (capacidad portante, etc).
  • • Mapas de riesgos (terremotos, inundaciones, meteorológicos, erupciones
  • volcánicas, colapsos, deslizamientos y derrumbes inducidos).
  • • Mapas de limitaciones, orientaciones y prescripciones de usos del suelo
  • (mapas agrológicos).
  • • Mapas de planificación y gestión territorial y regional.
  • • Mapas de agresividad climática y de erosión potencial.
  • • Mapas de vulnerabilidad de contaminación de aguas, del aire, de suelos.
  • • Mapas de ordenación y explotación forestales.
  • • Mapas para la conservación y protección ambientales.
  • • Mapas para la ordenación y planificación turísticas.
  • • Mapas de proyecciones demográficas.
  • • Mapas de crecimiento urbano.
  • • Mapas de planificación económica.
  • • Mapas de planificación de infraestructuras, transportes y comunicaciones.
  • • Mapas para la investigación científica y otro largo etcétera.
zoneamento ecol gico econ mico zee ou macrozoneamento http www amazonia org br arquivos 40297 pdf
Zoneamento ecológico-econômico – ZEE ou macrozoneamentohttp://www.amazonia.org.br/arquivos/40297.pdf
  • O discurso do zoneamento ecológico-econômico e sua prioridade para a Amazônia, ocupou um importante lugar nos meios técnicos brasileiros, no período subsequente aos governos militares
  • A fase de redemocratização da política nacional, substitui, parcialmente o debate sobre o ordenamento e planejamentos públicos.
  • Enquanto outros países da América Latina a discussão girava em torno do ordenamento territorial por meio da ação do Estado, no Brasil, esse conceito parece ter entrado numa fase de esquecimento.