interaccionismo simb lico george herbert mead erving goffman estruturalismo n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Interaccionismo Simbólico (George Herbert Mead ; Erving Goffman ) Estruturalismo PowerPoint Presentation
Download Presentation
Interaccionismo Simbólico (George Herbert Mead ; Erving Goffman ) Estruturalismo

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 14

Interaccionismo Simbólico (George Herbert Mead ; Erving Goffman ) Estruturalismo - PowerPoint PPT Presentation


  • 234 Views
  • Uploaded on

Interaccionismo Simbólico (George Herbert Mead ; Erving Goffman ) Estruturalismo. INTERACCIONISMO SIMBÓLICO – PRESSUPOSTOS. Não há factos em si, exteriores ao indivíduo;

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Interaccionismo Simbólico (George Herbert Mead ; Erving Goffman ) Estruturalismo' - manny


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
interaccionismo simb lico pressupostos
INTERACCIONISMO SIMBÓLICO – PRESSUPOSTOS
  • Não há factos em si, exteriores ao indivíduo;
  • O papel do investigador não é estabelecer nem descobrir um conjunto de factos, mas sim observar atentamente os processos sociais patentes nas interacções directas entre os actores sociais;
  • A acção social contém abertamente o seu próprio sentido.
interaccionismo simb lico pressupostos cont
INTERACCIONISMO SIMBÓLICO – PRESSUPOSTOS (CONT.)
  • Os seres humanos distinguem-se dos animais, por serem capazes de comunicar através da linguagem simbólica;
  • Os indivíduos reagem a acontecimentos e a objectos, conferindo-lhes significado;
  • Quando dois sujeitos, numa situação semelhante, reagem de igual modo, o significado é compartilhado por ambos;
  • Não se pode estudar o comportamento sem estudar a interacção, pois os indivíduos não vivem isolados.
george herbert mead
GEORGE HERBERT MEAD
  • A mente, embora sendo o resultado da herança biológica, desenvolve-se no decurso da interacção social, da vida em sociedade, o. s., no decurso da vida, desenvolvem-se gestos simbólicos com significados, e os outros reagem em conformidade com o significado que fixaram.
george herbert mead1
GEORGE HERBERT MEAD
  • ROLE-PLAYING : fase do jogo, da brincadeira, a criança interage com um círculo restrito, não é capaz de introduzir regras sociais elementares, as actividades lúdicas são feitas com ausência total de regras, que vão surgindo com o processo de socialização;
  • GAME: fase da interpretação (imitação) de papéis, introdução de alguma ordem e organização;
george herbert mead2
GEORGE HERBERT MEAD
  • GENERALIZED OTHER: fase da consciência do outro, não se limita a imitar os outros: é capaz de valorizar e ler o comportamento dos outros, de acordo com significados simbólicos.
erving goffman
ERVING GOFFMAN
  • O mundo é um teatro e cada um de nós, individualmente ou em grupo, teatraliza ou é actor, consoante as circunstâncias em que se encontra;
  • Assim, como nas sociedades indígenas, há ritualizações que permitem distinguir indivíduos e grupos, também, nas sociedades contemporâneas, a origem regional, a pertença a uma classe social ou outras categorias marcam-se por ritualizações;
erving goffman1
ERVING GOFFMAN
  • Entende a interacção como um processo fundamental de identificação e diferenciação dos indivíduos e grupos;
  • Os indivíduos e grupos, isoladamente, não existem: só existem e procuram uma posição de diferença pela afirmação, na medida em que, justamente, são valorizados por outros.
estruturalismo
ESTRUTURALISMO

Corresponde a uma atitude vulgarizada nas ciências sociais, a partir dos anos 60;

  • Consiste em explicar o real, não apenas a partir dos seus elementos, mas sobretudo a partir da sua estrutura, na qual se vê uma realidade independente;
  • Procura aferir os significados mais profundos, subjacentes aos comportamentos de superfície;
estruturalismo1
ESTRUTURALISMO
  • O comportamento é representativo das estruturas subjacentes;
  • Nas ciências sociais, a estrutura é o sistema de relações, que está na base da unidade dos grupos humanos;
  • Como sistema, qualquer alteração, que se produza num dos seus elementos, implicará alterações em todos os outros;
estruturalismo2
ESTRUTURALISMO
  • Cada transformação na estrutura corresponderia a um modelo, o que pressupõe a possibilidade de prever o modo de reacção do modelo, quando se altera um dos seus elementos;
  • Propõe-se identificar a estrutura comum a diferentes formas sociais e culturais;
estruturalismo3
ESTRUTURALISMO
  • Uma estrutura não determina uma forma social específica; pelo contrário: pode gerar um vasto leque de expressões concretas.
estruturalismo e funcionalismo
ESTRUTURALISMO E FUNCIONALISMO
  • O estruturalismo acabou por se combinar com o funcionalismo, nomeadamente ao salientar a importância da interdependência entre os elementos da estrutura.
estruturalismo e funcionalismo1
ESTRUTURALISMO E FUNCIONALISMO
  • O estruturalismo – que define a estrutura como uma construção do pensamento –, recrimina o funcionalismo, pelo "realismo“, que reconhece à função e pela ideia de que toda a sociedade é explicável a partir das funções;
  • O estruturalismo procura as semelhanças ou analogias entre sociedades; enquanto que o funcionalismo as diferenças.