tratamento cir rgico da mediastinites n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Tratamento cirúrgico da mediastinites PowerPoint Presentation
Download Presentation
Tratamento cirúrgico da mediastinites

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 30

Tratamento cirúrgico da mediastinites - PowerPoint PPT Presentation


  • 94 Views
  • Uploaded on

Tratamento cirúrgico da mediastinites.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Tratamento cirúrgico da mediastinites' - lundy


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
guideline of prevention surgical site cdc 1999 am j infectology

Definição de mediastinitesIsolamento e cultura de microorganismos nos tecidos e secreções mediastinaisEvidencia de infecção observada durante a cirugia ou por meio histopatologicoInstabilidade esternal , dor torácica febre associada a cultura ou hemocultura (+)

Guideline of prevention surgicalsite

CDC 1999 Am.J infectology

rev bras cir cardiov vol garang et al

Outras definiçõesinfecção dos tecidos profundos da ferida operatória associada a dor pudendo estar acompanhada de osteomielite, em casos mas tardios

Rev.Bras.Cir Cardiov.vol Garang et.al

fatores de risco
Fatores de risco

Pré-operatórios

DPOC,DM, arteriopatia periférica,IRA, osteoporose,obesidade,tabagismo,desnutrição

Idade >70 anos,Reoperação,sexo masculino

Intraoperatorio: quebra da técnica estéril

Comprometimento da irrigação do esterno

Múltiplos pontes , eletrocauterio

Uso de cera de osso

Cec longa

apresenta o cl nica
Apresentação clínica
  • Precoce 7-10 dias

Febre ,calafrios ,secreção serosa, ou eritema

Dor

Temprana >10dias 70-80% dos casos

Paciente retorna com DOR esternal secreção desconforto fadiga (não dorme bem)

Instabilidade esternal

fatores de risco1
Fatores de risco
  • Pos operatório

Reexploração por hemorragia

Baixo debito

Hiperglicemia

Infecções em outros sítios

UTI >48hs

Ventilação mecânica >48 hs

traqueotomia

apresenta o cl nica1
Apresentação clínica
  • Tardia após 30 dias

Secreção da ferida , dor esternal, osteomielite

patog nese
Patogênese
  • Comprometimento da irrigação do esterno
  • Baixo Debito
  • Contaminação Intraoperatorio
  • Diminuição das defesas orgânicas pos cec
  • Drenagem torácico inadequado
  • Estafilococosaureus e epidermidis (70-80%)
diagnostico
Diagnostico
  • Clinico: febre , calafrios secreção da ferida

Instabilidade esternal, DOR cultura da secreção (+) ou hemoculturas (+)

Imagens TC +clinica

Baixa especificidade os primeiros 15 dias

Após aumenta até 100% (radiol.Bras,vol41

Jul 2008 InCor)

diagnostico1
Diagnostico

Critérios TC

  • Coleção liquida no mediastino
  • Edema densificação de partes moles
  • Separação do esterno, reabsorção óssea marginal
  • Linfoadenomegalias derrame pleural e pericárdio
  • Pequenas coleções de gás podem estar presente
instabilidade esternal
Instabilidade esternal
  • Sem mediastinite

Fratura segmentar de osso, osteoporose

Tosse

  • Com mediastinite

Secreção da ferida , toxemia , osteomielite

classifica o da mediastinites
Classificação da mediastinites

Tipo I mediastinite antes de 15 dias da cirurgia em ausência de fatores de risco

Tipo II entre 15 e 45 dias em ausência de fatores de risco

Tipo IIIa : tipo I em presença de um ou mais fatores de risco

Tipo IIIb: tipo II em presença de um ou mais fatores de risco

Tipo IVa: mediastinite tipo I-II-III depois de falha de um tto

Tipo IVb: idem anterior +falha de dois tto.

Tipo V : apresentação depois de 6 semanas

El Oakleya et al.

Ann Thoracic Surg 1996;61

tratamento cirurgico
Tratamento cirurgico
  • Conduta em mediastinite

Com esterno firme sem coleção retroesternal

Antibioticoterapia prolongada

Com esterno instável com coleção retroesternal

Debridamento irrigação e fechamento

  • Esterno instável sem mediastinite

Resutura

tratamento cirurgico1
Tratamento cirurgico
  • Tratamento agressivo

Retalho de peitoral

Rotação de epiplon

Rotação e músculo reto anterior

tratamento cirurgico2
Tratamento cirurgico
  • Indicações

Idéia destas técnicas obliteração do espaço morto

Usados em alguns serviços como primeira escolha

Mediastinite tipo IV e V

tratamento cir rgico
Tratamento cirúrgico
  • Esterno instável sem mediastinite

Resutura

robiseck
Robiseck

Robicsek F. et al.; J Thorac Cardiovasc Surg 1998;116:361-362

tratamento cirurgico4
Tratamento cirurgico
  • Comparison between antibiotic irrigation and mobilization of pectoral muscle flaps in treatment of deep sternal infections
  • HE Scully, Y Leclerc, RD Martin, CP Tong, BS Goldman, RD Weisel, LL Mickleborough and RJ Baird

The toracic and cardiovascular sugery

Vol 90532-531

slide28
Between January of 1978 and December of 1983, 41 patients developed deep sternal infections with mediastinitis after cardiac operations. Between January of 1978 and December of 1981, 19 of these patients were treated with debridement, primary wound closure, and mediastinal antibiotic irrigation (Group I). Between January of 1982 and December of 1983, 22 patients were treated with debridement, open "clean" packing, and delayed wound closure by the technique of pectoral muscle flap mobilization, which preserves the thoracoacromial pedicles and the pectoral humeral attachments (Group II). The purpose of this study was to compare the results of the treatment of deep sternal infections after cardiac operations with these two techniques. The perioperative hemodynamic, operation, functional, and pathological profiles of both groups of patients were the same. The cosmetic and functional results were the same in both groups as were shoulder girdle and torso mobility. We conclude that either technique is equally effective in the management of patients in whom the serious complication of deep sternal infection with mediastinitis develops after cardiac operation, and we now recommend debridement and pectoral muscle flap closure in one stage.
tratamento cirurgico5
Tratamento cirurgico
  • Conclusão

Os resultados cosméticos e de reabilitação

Foram iguais em ambos grupos

Cada técnica é efetiva segundo os casos

patogenese
Patogenese
  • Uso de cec produz diminuição das defesas aumentando a porta de entrada a patógenos
  • Deiscência da pele e posterior penetração aos tecidos profundos pode desencadear a infecção
  • Inadequada drenagem ,acumulação de coágulos, líquidos retroesternal atuando como meio de cultura ( espaço morto)
  • Estafilococos aureus e epidermidis (70-80%)