Download
slide1 n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Lucimar Donizete Gusmão PowerPoint Presentation
Download Presentation
Lucimar Donizete Gusmão

Lucimar Donizete Gusmão

169 Views Download Presentation
Download Presentation

Lucimar Donizete Gusmão

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Lucimar Donizete Gusmão Carmeligia MarchiniHelenice Fernandes SearaEquipe de MatemáticaDEB/SEED/PR NRE Pato Branco – Cássia Ribeiroccassiaa@gmail.com(46) 3220 5326

  2. Readaptada pelos docentes da Formação em Ação 2012 – 1ª ETAPA NRE Pato Branco Cassia Maria da Silva Cássia Ribeiro de Souza Claudina Lisboa Ione Marli Matick Ivonei de Almeida Joares Baggio Wlasta Hufner

  3. DINÂMICA Vamos nos apresentar de maneira diferente.... • Materiais • Folha de sulfite ou de revista. • Cola.

  4. Procedimentos: Dobrar a folha de papel sulfite no seu comprimento, escrever o seu nome e em seguida rasga-lo com auxilio das mãos. • Peça para que os professores apresentem as formas obtidas das seguintes maneiras: • Adivinhe qual é o nome; • Fale seu nome e peça para que o colega identifique algo na forma ( animal, inseto); • Depois colem num cartaz previamente colocado na sala de aula para montar o cartaz. • O que discutir com essa atividade: • Simetria e coordenação motora. • Fonte: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=23584

  5. "Um excelente educador não é um ser humano perfeito, mas alguém que tem serenidade para se esvaziar e sensibilidade para aprender" (Augusto Cury)

  6. PARTE I EDUCANDO O OLHAR PARA A LEITURA EM MATEMÁTICA

  7. Educação do Olhar • Este minicurso pretende enfatizar a importância do olhar e da visualização na aquisição do conhecimento em matemática. • As reflexões, as atividades e as discussões propostas pretendem propiciar um modo de ver a imagem além do olhar.

  8. Objetivos • Propiciar o desenvolvimento visual no aluno; • Reconhecer e evidenciar a importância da leitura e compreensão de texto e imagens em situações-problema. • Analisar materiais e explorar metodologias diferenciadas de abordagens de conteúdos.

  9. Justificativa • Um dos caminhos apontados por pesquisadores para o ensino da matemática é relacionar conteúdos e áreas do conhecimento, além de promover a sua contextualização. • Assim, relacionar matemática com a visualização de diversos artefatos que nos rodeiam podem ser uma forma de encaminhamento que contribui para a aprendizagem significativa de conhecimentos.

  10. MATEMÁTICA e a CULTURA AO NOSSO REDOR • Filmes, telejornais, revistas, sites veiculam significações sobre questões que comumente associamos à matemática. • Ademais, poderíamos perguntar: que temas podemos associar a essas diferentes ferramentas? • O que eles nos ensinam sobre matemática?

  11. Exemplo ... Você conhece a logomarca da Empresa automobilística Renault? Faça a representação da imagem e abstrai os elementos matemáticos constantes na mesma!

  12. Ver além do olhar...

  13. Discussão • O que você vê? O que você lê? • Que leitura você faz a partir dessa imagem? • Que elementos matemáticos é possível explorar a partir dessa imagem?

  14. Algumas observações... • Quando “olho” a imagem vejo o todo e posso dar uma resposta rápida a partir do meu referencial; • Se o aluno só conhece o “losango” ele não perceberá a tridimensionalidade da figura; • Educar o olhar exige adquirir conhecimentos (instigar o aluno a ver).

  15. Construir a faixa de Moebius • Pegue uma tira de papel retangular; • Antes de colar as bordas, dê uma pequena torção na faixa 180º.

  16. A faixa de Moebius é um tipo especial de superfície onde não há lado de dentro ou de fora, ou seja, nela só há um lado e uma única borda que é uma curva fechada. A tal faixa foi descoberta pelo astrônomo e matemático alemão August Ferdinand Moebius (1790-1868).

  17. Em termos matemáticos a faixa de Moebius é definida como uma superfície não-orientável, o que significa dizer que uma reta perpendicular ao plano não tem a mesma direção em todos os pontos da superfície. • Seu estudo deu origem a um ramo da Matemática que chamamos de Topologia. A Topologia estuda os espaços topológicos e é considerada uma extensão da geometria.

  18. Ver além do olhar...

  19. A leitura de uma imagem de acordo com Pillar (2006, p. 12), pode ser: a leitura de um texto, de uma trama, de algo tecido com formas, cores, texturas, volumes.

  20. Leitura de Imagem A leitura de imagens nas aulas de matemática é possível! • As imagens são fontes de informações e possuem elementos de sensibilização que permitem ao professor ensinar o conteúdo escolar de forma diferenciada e dinâmica.

  21. Planetário Rubens de Azevedo faz parte do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura em Fortaleza (CE) • O que é um planetário? • Como funcionam? • Quais os planetários mais próximos a nós? • Qual é o formato da parte superior? • Por que apresentam esse formato? Fonte: http://culturaciliar.blogspot.com.br/2011/03/planetario-rubens-de-azevedo.html

  22. Como fazer uma abordagem matemática a partir da imagem do Planetário Rubens de Azevedo? Informações Técnicas: Diâmetro da Cúpula: 11,5 m Capacidade: 90 pessoas Custo para visitação: R$8,00 (inteira) e R$4,00 (meia) Fonte: http://www.dragaodomar.org.br/espacos.php?pg=planetario Elabore 2 situações-problema a partir dessa imagem. http://pt.newikis.com/Ficheiro:Planet%C3%A1rio_Rubens_de_Azevedo.jpg.html

  23. Observatório Astronômico Domingos Forlin Videira - SC Foi inaugurado em maio de 2003 através de uma parceria entre a Administração Municipal e a Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica do Estado de Santa Catarina.

  24. Observação do cenário Esta é uma vista de cidadezinha do interior. Observando atentamente pode-se saber qual a hora, o dia e o mês da cena. Como?

  25. http://www.matematica.seed.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=65http://www.matematica.seed.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=65

  26. Solução do problema: A Cena Uma das sistematizações foi encaminhada pelo professor Carlos Alexandre S. Souza do Colégio Agrícola Estadual Manoel Ribas do município de Apucarana – PR. Resposta: A Cena se passa às 20h10min, numa quinta feira, 24 de fevereiro.

  27. História em Quadrinhos (HQ) e tirinhas As histórias em quadrinhos representam uma forma de comunicação expressiva, que integra as linguagens gráfica e literária, compondo a chamada literatura gráfica. A utilização de histórias em quadrinhos em sala de aula pode ser o ponto de partida de discussão de um novo conteúdo ou complementação de um já estudado, sendo uma prática que motiva a discussão, a reflexão e o interesse pela leitura.

  28. Fonte: http://files.nireblog.com/blogs3/joanninha_milla/files/222.bmp 

  29. O recurso visual empregado nas HQs e tirinhas, em que onomatopéias, legendas e balões transmitem a mensagem, permite explorar verbalmente diferentes conceitos, pois ao focar o olhar nas imagens e tentar decifrar os significados de seus códigos, aprendemos a ler e a interpretar diferentes conceitos. Fonte: http://www.alb.com.br/anais16/sem15dpf/sm15ss11_06.pdf

  30. Encaminhamento I: Organizar a turma em equipes de 2 a 3 professores no máximo e cada equipe terá 10 minutos para elaborar um plano de aula com uma das HQ/Cartuns que será entregue a eles.

  31. O que podemos abordar com essa HQ? Fonte: http://files.nireblog.com/blogs3/joanninha_milla/files/222.bmp 

  32. Considere que o leão da história acima tenha repetido o convite por várias semanas. Na primeira, convidou a Lana para sair 19 vezes; na segunda semana, convidou 23 vezes ;na terceira, 27 vezes e assim sucessivamente, sempre aumentando em 4 unidades o número de convites feitos na semana anterior. Imediatamente após ter sido feito o último dos 492 convites,o número de semanas já decorridas desde o primeiro convite era igual a: R: 12 VEZES

  33. Encaminhamento II História Muda by Eleana Organizar a turma em equipes de 2 a 3 professores no máximo e cada equipe terá 30 minutos para completar as tirinhas com um conteúdo matemático. Cada dupla deverá expor a atividade desenvolvida.