filosofia e o exerc cio do pensamento conceitual na educa o b sica n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
FILOSOFIA E O EXERCÍCIO DO PENSAMENTO CONCEITUAL NA EDUCAÇÃO BÁSICA PowerPoint Presentation
Download Presentation
FILOSOFIA E O EXERCÍCIO DO PENSAMENTO CONCEITUAL NA EDUCAÇÃO BÁSICA

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 23

FILOSOFIA E O EXERCÍCIO DO PENSAMENTO CONCEITUAL NA EDUCAÇÃO BÁSICA - PowerPoint PPT Presentation


  • 242 Views
  • Uploaded on

FILOSOFIA E O EXERCÍCIO DO PENSAMENTO CONCEITUAL NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Sílvio Gallo Faculdade de Educação Unicamp. 3 modalidades do pensamento:.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'FILOSOFIA E O EXERCÍCIO DO PENSAMENTO CONCEITUAL NA EDUCAÇÃO BÁSICA' - khuong


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
filosofia e o exerc cio do pensamento conceitual na educa o b sica

FILOSOFIA E O EXERCÍCIO DO PENSAMENTO CONCEITUAL NA EDUCAÇÃO BÁSICA

Sílvio Gallo

Faculdade de Educação

Unicamp

3 modalidades do pensamento
3 modalidades do pensamento:
  • A ponte não é de concreto, não é de ferroNão é de cimentoA ponte é até onde vai o meu pensamentoA ponte não é para ir nem pra voltarA ponte é somente pra atravessarCaminhar sobre as águas desse momento

(Lenine – A Ponte – CD O dia em que faremos contato, 1997)

3 modalidades do pensamento1
3 modalidades do pensamento:
  • “A ponte é até onde vai meu pensamento ”.
  • A cultura do pensamento é a construção de pontes, de conexões, que não são feitas de concreto, ferro ou cimento, mas conexões elétricas e efêmeras como as sinapses, sempre em transição. Pensar é conectar. Pensar é construir pontes. Para utilizar uma expressão de Deleuze e Guattari, pensar por conceitos é uma atitude sintagmática, de estabelecer relações e conexões.
3 modalidades do pensamento2
3 modalidades do pensamento:
  • Pierre Lévy, conceito de tecnologias da inteligência:

Os seres humanos criam tecnologias, ferramentas que nos permitem pensar e elaborar nossos conhecimentos; o pensamento muda, quando mudam as tecnologias de inteligência que utilizamos.

3 modalidades do pensamento3
3 modalidades do pensamento:

Segundo Lévy, temos, ao longo da história, três pólos do espírito, com três tecnologias de inteligência distintas:

  • Pólo da oralidade primaria

→ conhecimentos mitológico e religioso

  • Pólo da escrita

→conhecimentos filosófico e científico

  • Pólo informático-midiático

→novo impacto ainda a descobrir...

3 modalidades do pensamento4
3 modalidades do pensamento:
  • A oralidade engendra um saber de tipo narrativo, fundado na ritualidade;
  • A escrita apresenta um saber teórico fundado na interpretação;
  • A informática possibilita um saber operacional fundado na simulação (através de modelos ou previsões)
3 modalidades do pensamento5
3 modalidades do pensamento:
  • Pensamento por figuras ou imagens;
  • Pensamento por palavras;
  • Pensamento por conceitos.
pensamento por imagens
Pensamento por imagens
  • Presente desde os primórdios da humanidade: observação espacial, usada na caça e nas atividades de sobrevivência;
  • Base do mito e das religiões;
  • Presente ainda hoje, quando operamos de maneira “automática” ou mesmo “inconsciente”.
pensamento por imagens1
Pensamento por imagens
  • Este tipo de pensamento também se utiliza da palavra, mas como uma espécie de ferramenta.
  • Exemplos do uso da palavra pelo pensamento por imagens são as metáforas e as parábolas, presentes nos discursos religiosos (orais o escritos).
pensamento por palavras
Pensamento por palavras
  • Aristóteles: definição do ser humano como zoon logon echon, o animal portador de linguagem, o “animal racional”.
  • Logos como palavra e como razão, pensamento.
  • Hoje, identificado como o “senso comum” ou “bom senso”.
  • Base do conhecimento científico.
pensamento por conceitos
Pensamento por conceitos
  • Invenção dos gregos, à qual deram o nome de Filosofia.
  • Difere do pensamento por imagens, que tende a ser transcendental e paradigmático;
  • Difere do pensamento por palavras, que tende a ser objetivo e paradigmático.
pensamento por conceitos1
Pensamento por conceitos
  • Fazendo uma aproximação com o quadro proposto por Lévy, podemos relacionar o pensamento por imagens com a oralidade, produzindo narrativas, e o pensamento por palavras com a escrita, produzindo teorias. O pensamento por conceitos é que escaparia deste quadro, uma vez que identificá-lo com a escrita seria relacioná-lo também com a teoria e com sua característica paradigmática, que o conceito não apresenta.
pensamento por conceitos2
Pensamento por conceitos
  • Também não poderíamos aproximar o pensamento por conceitos da informática, uma vez que ele foi inventado na antiguidade.
  • O pensamento por conceitos é esta diferença em relação ao pensamento projetivo que colonizou nossas mentes com a oralidade e a escrita.
  • A tecnologia informática não abre espaço para o pensamento por conceitos, mas ele permanece, mesmo que à margem dos modos hegemônicos de pensar.
conceito n o
Conceito não é:
  • Uma representação universal (como pensou Kant);
  • Uma definição (como usualmente pensamos).
no o de conceito
Noção de conceito

O conceito é uma forma racional de tornar inteligível um problema ou conjunto de problemas, exprimindo uma visão coerente do vivido e possibilitando a busca de soluciones.

no o de conceito1
Noção de conceito

O conceito não é abstrato nem transcendente, mas imanente, una vez que parte, necessariamente, de problemas experimentados, vividos, sentidos.

no o de conceito2
Noção de conceito

Se a figura é paradigmática, projetiva, hierárquica e referencial, “o conceito não é paradigmático, mas sintagmático; não é projetivo, mas conectivo; não é hierárquico, mas vicinal; não é referente, mas consistente”

(Deleuze e Guattari, O que é a Filosofia?).

o conceito na aula
O conceito na aula

Quando pensamos o exercício da filosofia na aula, uma pergunta se impõe: estamos investindo em experiências de pensamento ou fazendo a imposição de uma recognição?

Estamos ensinando a filosofia como atitude crítica e criativa ou estamos disseminando uma imagem dogmática do pensamento?

o conceito na aula1
O conceito na aula

Tomando a Filosofia como atividade de criação de conceitos, a aula de Filosofia pode ser pensada como uma oficina de conceitos, na qual eles são experimentados, criados, testados...

o conceito na aula2
O conceito na aula

Trata-se de deslocar o foco do ensino como treinamento para uma educação como experiência, em que cada estudante seja convidado a colocar seus problemas, adentrar no campo problemático e experimentar os conceitos, experimentar o pensamento por conceitos, seja manejando e deslocando conceitos criados por filósofos ao longo da história do pensamento, seja criando seus próprios conceitos.

o conceito na aula3
O conceito na aula

Quatro passos didáticos:

  • Sensibilização
  • Problematização
  • Investigação
  • Conceitualização
o conceito na aula4
O conceito na aula

Oficina de conceitos é experimentação:

“pensar é experimentar, mas a experimentação é sempre o que se está fazendo – o novo, o notável, o interessante, que substituem a aparência de verdade e que são mais exigentes que ela.”

(Deleuze e Guattari, O que é a Filosofia?).

refer ncias das cita es
Referências das citações
  • DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a Filosofia? Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.
  • DELEUZE, Gilles. Diferença e Repetição. 2ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 2006.
  • KANT. Manual dos cursos de Lógica Geral. 2ª ed. Campinas/Uberlândia: Ed. Unicamp/Edufu, 2003.
  • LÉVY, Pierre. As Tecnologias da Inteligência. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993.