Cultivo de Tomate Biodinâmica - PowerPoint PPT Presentation

cultivo de tomate biodin mica n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Cultivo de Tomate Biodinâmica PowerPoint Presentation
Download Presentation
Cultivo de Tomate Biodinâmica

play fullscreen
1 / 40
Cultivo de Tomate Biodinâmica
147 Views
Download Presentation
ken
Download Presentation

Cultivo de Tomate Biodinâmica

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Cultivo de Tomate Biodinâmica

  2. Origem O centro primário de origem do tomateiro é um estreito território, limitado ao norte pelo Equador, ao sul pelo norte do Chile, a oeste pelo oceano Pacífico e a leste pela Cordilheira dos Andes. Antes da colonização espanhola, o tomate foi levado para o México - centro secundário , onde passou a ser cultivado e melhorado.

  3. Clima e cultivares O tomateiro é exigente em termoperiodicidade diária, ou seja, requer temperaturas diúrnas amenas e noturnas menores, com diferença de 6-8 ° C entre elas. No Brasil, sob alta luminosidade, as temperaturas ótimas são 21-28 ° C, de dia, e 15-20 ° C, de noite, variando em razão da idade da planta e da cultivar.

  4. Temperaturas excessivas, diurnas ou noturnas, consistem em fator limitante da tomaticultura, prejudicando a frutificação e o pegamento dos frutinhos. Temperaturas diúrnas amenas favorecem a polinização e a produtividade. Efeito negativo também se observa sob baixas temperaturas, que retardam a germinação, a emergência da plântula e o crescimento vegetativo.

  5. Cultivares Tipo Caqui: carmem: : híbrido longa vida, crescimento indeterminado, rústico, resistência à murcha de verticílio raça 1, murcha de fusário raça 1 e 2 e vírus do mosaico estirpe 1

  6. Raísa N: : híbrido longa vida, crescimento indeterminado, rústico, resistência à murcha de verticílio raça 1, murcha de fusário raça 1 e 2, vírus do mosaico estirpe 1 e nematóide. Tipo cereja- sindy DRC-110: híbrido longa vida, crescimento indeterminado, possui baixo índice de frutos rachados, recomenda-se colheita individual, possui resistência ao vírus do mosaico, verticílio, fusário raças 1 e 2 e nematóide.

  7. SweetMillion: híbrido, crescimento indeterminado, altamente produtivo, cachos com 40 frutos ou mais Tipo Italiano- Saladete: : híbrido, crescimento indeterminado, precoce, resistência ao vírus do mosaico, verticílio, fusário raça 1 e 2 e nematóide.

  8. San Marzano: : variedade de origem italiana, com plantas vigorosas e frutos tipicamente alongados, de baixa consistência e ocos, destaca-se pelo excelente sabor Andrea: híbrido longa vida, crescimento indeterminado, resistente à murcha de verticilium, fusário raças 1 e 2 e nematóide.

  9. Salada ou santa Cruz- Débora: híbrido longa vida, com crescimento indeterminado, resistência a murcha de verticílio raça I, murcha de fusário raça 1 e 2 e nematóide; tem-se disponível três cultivares Débora VFN, Plus e Max; apresenta suceptibilidade à requeima, possuindo melhor desempenho em regiões quentes e secas. Delta: híbrido longa vida, com crescimento indeterminado, com maior resistência à requeima do que o Débora à requeima, sendo mais indicado para plantio em regiões mais frias e úmidas.

  10. Bocaina e Roquesso: variedades de maior adaptabilidade ao manejo orgânico e resistencia a doenças.

  11. Escolha da área para plantio -se a área é protegida de ventos fortes e frios -se é exposta ao sol durante todo o dia -não deve ser em baixadas, pois esse tipo de terreno é muito encharcado -deve-se dar preferência a solos de textura média (areno-argilosos) e com boa drenagem

  12. -não deve ser plantado em rotação com culturas que receberam muito esterco -a rotação de culturas é indispensável, recomenda-se plantar tomate após rotação com gramíneas, especialmente pastagens, numa rotação longa; ou a rotação com gramínesou ainda uma rotação com cereais com função econômica e adubação verde, como milho, sorgo, aveia e centeio; após a devida correção de acidez e teores de fósforo (80ppm).

  13. -Escolher áreas de encosta e de preferência face Norte ou Nordeste, Noroeste não é adequada e Sul é inviável.

  14. Produção de mudas: Use bandeja de isopor com 128 células ou copinhos. Plante de uma a duas sementes por célula No momento em que as raízes estiverem com o torrão formado ela deve ir imediatamente para o campo (20-30 dias no verão e 30-45 dias no inverno, após a semeadura). Substrato para mudas de tomate: 7 a 10 litros de composto ou húmus de minhoca+ 100g de torta de mamona+ 100g de cinzas+ 100g de yoorin ou farinha de osso+ 10g de trichoderma+ fladem e preparado 500 chifre-esterco.

  15. Transplante das mudas e adubação de plantio. Transplante de mudas: umedeça as mudas antes de transplantá-las a campo (facilita a retirada do torrão da célula sem despedaçá-lo). irrigue o canteiro antes do transplante ou da semeadura. Irrigue após o transplante da muda duas a três vezes ao dia, até o seu pleno estabelecimento em campo.

  16. Adubação de plantio: 100 g de Bokashi por planta ou 0,5kg de composto +0,5g de boro+ 80g de calcario+60g de yoorin+ 50g de torta de mamona+20g de sulfato de potássio+2g de trichoderma por planta. Espaçamento: Tomate caqui ou italiano: 1,4 x 0,40 m (1 linha/canteiro) Tomate cereja ou industrial ou salada: 1,4 x 0,30 m (1 linha/canteiro)

  17. Tratos culturais Desbrota e capação: A "Desbrota" consiste no arranque frequente e sistemático dos brotos laterais, puxando-se e quebrando-se tais brotos manualmente, logo que apresentem comprimento suficiente para serem agarrados. O corte com canivete,ou com a unha, dissemina bacterioses e viroses, não devendo ser praticado.

  18. A "Capação" é o corte do broto terminal da haste, sustendo-se o crescimento vegetativo e diminuindo o número de cachos. Portanto, há redução no número de frutos produzidos, porém aqueles já formados desenvolvem maior tamanho e peso unitários. Capina: as capinas podem ser realizadas manualmente, lateralmente ás plantas, mantendo-se uma faixa de mato nativo nas entre linhas de plantio. A conservação do mato entre as plantas, promove a proteção do solo e o abrigo de inimigos naturais de pragas na área de plantio.

  19. Amontoa: Chegar terra nas linhas de plantio, retirando terra das entrelinhas para próximo da planta. Turoramento:

  20. - finque dois esteios nas extremidades de cada canteiro. (para distâncias superiores a 10m, utilize suportes para dar uma maior sustentação à cultura) - estique um fio de arame N°14, a uma distância de 1,8 metros do solo. - paralelo ao primeiro fio, estique um outro N°20, a uma distância de 20 cm do solo. - Amarre o fitilho nos arames, segundo espaçamento da cultura.

  21. Principais pragas e doenças Requeima:

  22. Pinta Preta:

  23. Septoriose:

  24. Vírus: Pulgões, mosca branca e trips são responsáveis pela transmissão de viroses.

  25. Pragas: vaquinha, pulgão, lagarta da rosca, mosca branca, trips, formiga lapa pés, traça, broca do fruto, etc

  26. Disturbiosfisiologicos e deficienciasnutriocionais Potássio

  27. Boro

  28. Magnésio

  29. Zinco

  30. Cálcio

  31. Anomalias fisiológicas:

  32. Colheita: A colheita dos frutos de tomate caqui, italiano e salada ou se inicia aos 90 a 120 dias da semeadura; tomate cereja se inicia aos 80 - 110 dias após a semeadura Média de produção: Tomate Caqui, Italiano e Salada a campo: 4 a 5 kg/m² Tomate Caqui, Italiano e Salada em estufa: 5 a 8 kg/m² Tomate Cereja a campo: 2,5 - 4,5 kg/m² Tomate Cereja em estufa: 4,5 a 6 kg/m