fen menos magn ticos e propriedades magn ticas da mat ria n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
FENÔMENOS MAGNÉTICOS E PROPRIEDADES MAGNÉTICAS DA MATÉRIA PowerPoint Presentation
Download Presentation
FENÔMENOS MAGNÉTICOS E PROPRIEDADES MAGNÉTICAS DA MATÉRIA

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 22

FENÔMENOS MAGNÉTICOS E PROPRIEDADES MAGNÉTICAS DA MATÉRIA - PowerPoint PPT Presentation


  • 95 Views
  • Uploaded on

FENÔMENOS MAGNÉTICOS E PROPRIEDADES MAGNÉTICAS DA MATÉRIA. PROFESSOR: DEMETRIUS LEÃO SÉRIE: 3º ANO DISCIPLINA: FÍSICA 1. Auroras Polares: a Aurora Boreal e a Aurora Austral.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'FENÔMENOS MAGNÉTICOS E PROPRIEDADES MAGNÉTICAS DA MATÉRIA' - kasa


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
fen menos magn ticos e propriedades magn ticas da mat ria

FENÔMENOS MAGNÉTICOS E PROPRIEDADES MAGNÉTICAS DA MATÉRIA

PROFESSOR: DEMETRIUS LEÃO

SÉRIE: 3º ANO

DISCIPLINA: FÍSICA 1

auroras polares a aurora boreal e a aurora austral
Auroras Polares: a Aurora Boreal e a Aurora Austral
  • A aurora polar é um fenómeno ótico composto de um brilho observado nos céus noturnos nas regiões polares, em decorrência do impacto de partículas de vento solar e a poeira espacial encontrada na via láctea com a alta atmosfera da Terra, canalizadas pelo campo magnético terrestre.
slide3

Em latitudes do hemisfério norte é conhecida como aurora boreal (nome batizado por Galileu Galilei em 1619, em referência à deusa romana do amanhecer Aurora e ao seu filho Bóreas, representante dos ventos nortes), ou luzes do Norte (nome mais comum entre os escandinavos). Ocorre normalmente nas épocas de setembro a outubro e de março a abril.

  • Em latitudes do hemisfério sul é conhecida como aurora austral, nome batizado por James Cook, uma referência direta ao fato de estar no Sul.
slide4

O fenômeno não é exclusivo da Terra, sendo também observável noutros planetas do sistema solar como Júpiter, Saturno, Marte e Vênus. Da mesma maneira, o fenômeno não é exclusivo da natureza, sendo também reproduzível artificialmente através de explosões nucleares ou em laboratório.

slide5

De modo geral, o efeito luminoso é dominado pela emissão de átomos de oxigênio em altas camadas atmosféricas (em torno de 200 km de altitude), o que produz a tonalidade verde.

slide6

Quando a tempestade é forte, camadas mais baixas da atmosfera são atingidas pelo vento solar (em torno de 100 km de altitude), produzindo a tonalidade vermelho escura pela emissão de átomos de nitrogênio (predominante) e oxigênio.

slide8

Todo campo magnético é originado pela movimentação de cargas elétricas!

  • Nos materiais, a movimentação dos elétrons em seu orbital equivalem a miniespiras circulares percorridas por correntes elétricas. Essas espiras possuem pólo norte e sul. Cada uma dessas miniespiras é chamada de ímã elementar.
m s elementares
ÍMÃS ELEMENTARES
  • O movimento dos elétrons, no interior de cada átomo produz pequenas correntes elétricas que geram campos magnéticos igualmente pequenos. Quando todos esses ímãs estiverem alinhados, os efeitos magnéticos são perceptíveis. Quando não, esses campos magnéticos acabam se anulando.
as subst ncias ferromagn ticas
As substâncias ferromagnéticas
  • Os ímãs elementares dessas substâncias se alinham facilmente na presença de um campo magnético externo (como o ferro, o cobalto, o níquel ou ligas que contém esses elementos), aumentando em muitas vezes o campo aplicado.
subst ncias paramagn ticas
Substâncias paramagnéticas
  • São aquelas que, ao serem colocadas em um campo magnético, se imantam fracamente, de maneira a provocar um pequeno aumento no campo aplicado. Exemplos dessas substâncias são o alumínio, magnésio, platina, sulfato de cobre, etc.
subst ncias diamagn ticas
Substâncias diamagnéticas
  • São aquelas que, ao serem colocadas em um campo magnético, tem seus ímãs elementares alinhadas de modo contrário ao campo magnético ao campo aplicado. Dessa forma, o campo magnético resultante possui um valor um pouco menor do que o inicial. Exemplos dessas substâncias são o cobre, a água, a prata, ouro, chumbo, etc.
ltimo trabalho de f sica 1 game over
“ÚLTIMO” TRABALHO DE FÍSICA 1: GAME OVER!
  • O ÚLTIMO VÍDEO...
  • DIVIDIR A TURMA EM 6 GRUPOS
  • ABORDAR O TEMA DE MODO EXTREMAMENTE CRIATIVO E USANDO CORRETAMENTE OS CONCEITOS FÍSICOS!
  • DATA DE EXIBIÇÃO: AULA ANTERIOR À PROVA BIMESTRAL. ENVIAR PELO MENOS 1 DIA ANTES.
ltimo trabalho de f sica
“ÚLTIMO” TRABALHO DE FÍSICA
  • Auroras polares em outros planetas, suas ORIGENS e os Cinturões de Van Allen
  • Magnetização dos cartões de crédito/débito e coisas do gênero
  • Os cíclotrons (aceleradores de partículas).
  • Ressonância nuclear magnética.
  • Como funciona um telefone, um microfone, os auto-falantes e dispositivos de gravação?
  • Histerese magnética.
fluxo magn tico
FLUXO MAGNÉTICO
  • É uma indicação da quantidade linhas de indução magnética que atravessam uma determinada espira.
fluxo magn tico1
FLUXO MAGNÉTICO

Toda vez que o fluxo magnético através da superfície de uma espira varia, surge na espira uma corrente elétrica 

o c lculo do fluxo magn tico
O cálculo do fluxo magnético

φ = B . A . cosα

Onde:

  • φ é o fluxo magnético, em weber (Wb);
  • B é campo magnético, em Tesla (T);
  • A é área da espira, em m²;
  • α é o ânguloentre campo magnético e normal ao plano da espira.