slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Sistema Elétrico do C oração PowerPoint Presentation
Download Presentation
Sistema Elétrico do C oração

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 14

Sistema Elétrico do C oração - PowerPoint PPT Presentation


  • 74 Views
  • Uploaded on

Sistema Elétrico do C oração. Anatomia Funcional. O sistema excitatório e condutor cardíaco é composto por: nodo sinusal, vias de transmissão internodais , nodo atrioventricular, feixe atrioventricular, ramos direito e esquerdo das fibras de Purkinje .

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Sistema Elétrico do C oração' - kane


Download Now An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

Sistema Elétrico

do

Coração

anatomia funcional
Anatomia Funcional
  • O sistema excitatórioe condutor cardíaco é composto por: nodo sinusal, vias de transmissão internodais, nodo atrioventricular, feixe atrioventricular, ramos direito e esquerdo das fibras de Purkinje.
ritmicidade el trica autom tica das fibras sinusais
Ritmicidade Elétrica Automática das Fibras Sinusais
  • O que garante ao coração a capacidade de gerar o impulso elétrico é a capacidade de auto-excitação, processo que produz descarga e contração rítmica automáticas das fibras cardíacas do sistema especializado de condução. O nodo sinusal apresenta maior grau de auto-excitação, por isso normalmente controla essa descarga elétrica e consequentemente a frequência cardíaca. As fibras sinusais se conectam com as fibras musculares atriais vizinhas e com vias internodais, propagando o impulso elétrico gerado.
excitabilidade card aca
Excitabilidade Cardíaca
  • As características dependem do tempo do Pot. de ação;
  • Período refratário efetivo;
  • Período refratário relativo;
  • Refratariedade pós-repolarização.
efeitos da dura o do ciclo
Efeitos Da Duração Do Ciclo
  • Tempo entre PA sucessivos;
  • Mudanças no ciclo alteram duração de PA, podem gerar arritmias;
  • Essa correlação depende da gK;
  • Maior corrente de efluxo na Fase 2;
  • Ik e Kto ativados próximo a zero.
nodo sinusal
Nodo Sinusal
  • Células cardíacas especializadas, não contrácteis com despolarização espontânea.
  • Localiza-se na aurícula direita junto à veia cava superior.
  • Capacidade de potenciais de ação por minuto entre 70 a 80.
  • Potencial de repouso aproximadamente de -55 milivolts.

Alta concentração de Na++ no LEC

Influxo de Na++ até atingir o limiar (-40 mv)

Abertura de canais de Na++/Ca++

Potencial de ação

Abertura de canais de K++

Repolarização

vias internodais
Vias Internodais
  • Fibras do nodo sinusal conectam-se diretamente com o tecido muscular atrial circundante.
  • O potencial de ação se propaga através de junções GAP’s, tem velocidade de condução de 0,3 m/s.
  • Em diversas pequenas faixas a condução é mais rápida, chegando até 1 m/s. Uma delas é a banda interatrial anterior, que cursa pelas paredes anteriores do átrio e vai em direção ao átrio esquerdo. Outras três cursam pela parede anterior, lateral e posterior e vão em direção ao nodo A-V.
slide9

Condução Atrioventricular

  • Nó atrioventricular (AV) localizado posteriormente e no lado direito do septo interatrial próximo ao óstio do seio coronário.
  • Nó AV é composto de três regiões: 1- Região NA, a zona de transição entre átrio e o restante do nó; 2- Região N, a porção média do nó; 3- Região NH, porção de fusão das fibras do nó com o feixe de His.
  • Retardo na passagem do impulso do átrio para os ventrículos nas zonas NA e N, permitindo um ótimo enchimento ventricular durante a contração atrial.
  • Região N prevalece os potenciais de ação de resposta lenta e potencial de repouso -60mV. Bloqueio ineficaz da Tetrodotoxia.
slide10

Bloqueio AV de segundo grau: protege os ventrículos de frequências excessivas de contrações prejudicando o enchimento ventricular.

O sistema nervoso autonômico regula a condução AV por meio de estímulos simpáticos e vagais.

A condução A-V será prolongada com estimulação vagal, através da acetilcolina que hiperpolariza as fibras de condução da região N.

O sistema simpático diminui o tempo de condução A-V através da norepinefrina que aumenta a amplitude e inclinação da ascensão nos potenciais de ação do nó AV.

condu o ventricular
Condução Ventricular
  • O feixe de His passa na região subendocárdica, no lado direito do septo interventricular e dividi-se em ramos direito e esquerdo.
  • O ramo esquerdo mais grosso que o direito e no lado esquerdo do septo interventricular dividi-se em ramos anterior e posterior.
  • Os ramos subdividem-se em uma complexa rede de fibras condutoras denominadas de fibras de Purkinje de alta velocidade de condução.
  • Porções estimuladas pelos impulsos oriundos do nó AV; 1- Septo interventricular e músculos papilares, 2-Endocárdio,3- Miocárdio,
  • 4-Epicárdio ( lado direito ativado mais rápido).
slide12
ECG

Insuficiência cardíaca +

Hipertensão Arterial +

Arritmias Cardíacas ++++

Bloqueios Cardíacos ++++

Infarto Agudo do Miocárdio ++++

Isquemia Miocárdica ++

  • Fundamento e aplicações
  • Correlação com os eventos cardíacos
  • Derivações bipolares, unipolares e precordiais
  • ECG de 12 derivações
reentrada
Reentrada

São necessárias 3 condições básicas: circuito em alça, bloqueio unidirecional, zona de condução lenta

  • Algumas causas são IC, isquemia, doença valvar, cirurgia cardíaca, distúrbios eletrolíticos
  • Pode ocorrer em vários sítios cardíacos
  • Arritmias: flutter atrial, taquicardia ventricular, Síndrome deWolff-Parkinson-White.
atividade deflagrada
Atividade deflagrada
  • Oscilações no potencial da membrana, seguindo um potencial de ação, capazes de dar origem a uma nova atividade elétrica e, deste modo, um impulso ao coração. Determinam alguns tipos de taquicardias
  • Pós-despolarizações precoces: ocorrem no final da fase 2 e fase 3. Dependente de bradicardia.
  • Pós-despolarizações tardias: surgem na fase 4. Dependente de taquicardia.