novos media
Download
Skip this Video
Download Presentation
NOVOS MEDIA

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 49

NOVOS MEDIA - PowerPoint PPT Presentation


  • 85 Views
  • Uploaded on

NOVOS MEDIA. A DIFUSÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E A CONSTRUÇÃO SOCIAL DAS UTILIZAÇÕES. A abordagem difusionista O contexto histórico e cultural da difusão das inovações A abordagem da apropriação. A ABORDAGEM DIFUSIONISTA. A WEB 2.0. Social web

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'NOVOS MEDIA' - iliana


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
a difus o das tecnologias da informa o e a constru o social das utiliza es
A DIFUSÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E A CONSTRUÇÃO SOCIAL DAS UTILIZAÇÕES
  • A abordagem difusionista
  • O contexto histórico e cultural da difusão das inovações
  • A abordagem da apropriação
a web 2 0
A WEB 2.0
  • Social web
    • Expressão e partilha de experiências entre utilizadores conectados em comunidades de interesses comuns
  • As redes sociais:
  • Hi5
  • MySpace
  • Facebook
as redes sociais
AS REDES SOCIAIS
  • CGU – Conteúdos Gerados pelo Utilizador:
    • Blogs; Flickr; Vblogs
    • Troca de videos:
      • You Tube; Daily Motion
    • Popularidade das redes sociais:
      • Myspace; Facebook; Bebo; Friendster; Friendset; Note;
    • P2P
    • Podcast
    • Nichos de comunidades 3D e de jogos
cgu conte dos gerados pelo utilizador
CGU – CONTEÚDOS GERADOS PELO UTILIZADOR
  • A importância da distribuição de conteúdos:
    • News Corporations/Fox – Myspace
    • Google - Youtube
    • Diversificação das televisões tradicionais
      • Internet
o imagin rio t cnico de victor scardigli
O IMAGINÁRIO TÉCNICO DE VICTOR SCARDIGLI
  • “tecnicização progressiva dos domínios de actividade industrial e social”
  • Processo de tecnicização da relação de comunicação (JosianeJouët)
  • “Redescoberta do sujeito” de Alain Touraine;
o imagin rio t cnico de victor scardigli1
O IMAGINÁRIO TÉCNICO DE VICTOR SCARDIGLI
  • A lógica técnica de Scardigli:
  • - Discurso tecnicista do progresso;
  • - A aplicação generalizada das tecnologias;
  • - A lógica técnica de imposição de uma estratégia de poder;
  • - A lógica técnica do tipo irradiação;
o imagin rio t cnico de victor scardigli2
O IMAGINÁRIO TÉCNICO DE VICTOR SCARDIGLI
  • A lógica social de Scardigli:
  • - Discurso das profecias entusiastas e terrificantes;
  • - A metáfora da montanha ter parido um rato;
  • - Tempo social sobrepõe-se ao tempo da técnica;
    • Consequências culturais das invenções verificam-se ao longo de uma geração
slide14
Duração em minutos do tráfego de voz por assinante do serviço móvel terrestre em vários países da União Europeia
crescimento anual do envio de mensagens sms em v rios pa ses da uni o europeia 2007 2006
Crescimento anual do envio de mensagens SMS em vários países da União Europeia, 2007/2006
evolu o do fosso digital em portugal 2002 2007 liga o a internet
Evolução do fosso digital em Portugal, 2002-2007Ligação a internet

Fonte: INE/UMIC, Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação

pelas Famílias, 2002-2007.

a difus o das tecnologias da informa o e a constru o social das utiliza es1
A DIFUSÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E A CONSTRUÇÃO SOCIAL DAS UTILIZAÇÕES
  • A abordagem difusionista
  • O contexto histórico e cultural da difusão das inovações
  • A abordagem da apropriação
a sociologia das inova es
A SOCIOLOGIA DAS INOVAÇÕES
  • Dimensão social da inovação técnica e pelos processos de interacções dos diversos actores;
  • Sistema sociotécnico; quadro sociotécnico;
  • Objectos técnicos como construções resultantes das interacções entre os diferentes actores ou grupos sociais;
  • Complexa imbricação das dimensões técnicas e sociais, impondo a ideia que um sistema sociotécnico se estabilize numa série de operações de tradução e de compromissso conducente à constituição de alianças e/ou de oposições entre diversos actores.
os conceitos da sociologia das inova es
OS CONCEITOS DA SOCIOLOGIA DAS INOVAÇÕES
  • Prescrição:
    • Descrição da forma como os objectos técnicos se destinam a ser usados, por referência às finalidades preconizadas pelos seus fabricantes ou inventores.
  • O contexto social dos usos – inscrição:
    • processo inverso de descrição através da prática da sua utilização.
os conceitos da sociologia das inova es1
OS CONCEITOS DA SOCIOLOGIA DAS INOVAÇÕES
  • O conceito de “affordance” de Bardini:
    • Introduzir a materialidade dos objectos técnicos na experiência concreta da utilização e releva da percepção
o imagin rio t cnico de victor scardigli3
O IMAGINÁRIO TÉCNICO DE VICTOR SCARDIGLI
  • “tecnicização progressiva dos domínios de actividade industrial e social”
  • Processo de tecnicização da relação de comunicação como salientava Josiane Jouët
  • “Redescoberta do sujeito” de Alain Touraine;
o imagin rio t cnico de victor scardigli4
O IMAGINÁRIO TÉCNICO DE VICTOR SCARDIGLI
  • A lógica técnica de Scardigli:
  • - Discurso tecnicista do progresso;
  • - A aplicação generalizada das tecnologias;
  • - A lógica técnica de imposição de uma estratégia de poder;
  • - A lógica técnica do tipo irradiação;
o imagin rio t cnico de victor scardigli5
O IMAGINÁRIO TÉCNICO DE VICTOR SCARDIGLI
  • A lógica social de Scardigli:
  • - Discurso das profecias entusiastas e terrificantes;
  • - A metáfora da montanha ter parido um rato;
  • - Tempo social sobrepõe-se ao tempo da técnica;
    • Consequências culturais das invenções verificam-se ao longo de uma geração
  • Inexistência do imaginário colectivo do progresso
a perspectiva da apropria o
A PERSPECTIVA DA APROPRIAÇÃO
  • Descrição sequencial das compertências digitais:
    • Acesso – utilização – apropriação
  • Distinção entre uso e utilização
  • A materialidade do objecto técnico
  • Análise do processo de construção social e do seu enquadramento nas práticas quotidianas
posse de computador e liga o internet nas fam lias 1997 2008
Posse de computador e ligação à internet nas famílias, 1997-2008

Nota: Universo – Agregados domésticos residentes em alojamentos não colectivos, no território nacional, com pelos menos um indivíduo com idade entre os 16 e os 74 anos.

Fonte: INE, Inquérito à Utilização de tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias, 2002-2008.

INE, ANACOM E OCT, Inquéritos aos Orçamentos Familiares, 2000.

INE, Inquérito à Ocupação do Tempo, 1999.

INE, Indicadores de Conforto, 1997.

* Dados ligeiramente diferentes publicados pelo INE, Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e Comunicação pelas Famílias, 2001/2002: computador 28% e internet 16%

a evolu o do fosso digital em portugal
A EVOLUÇÃO DO FOSSO DIGITAL EM PORTUGAL
  • 1ª fase: agravamento 1997 – 2002: Didix 47 – 27;
  • 2ª fase: diminuição pouco significativa 2002 – 2007:
  • A contextualização do fosso digital:
    • 800 000 analfabetos: 9,2% população em 2001;
    • 2,88 milhões de pessoas com o 1º ciclo; 33% da população maior de 15 anos;
  • A possibilidade da utilização das TIC contribuir para diminuir os diferenciais de conhecimento (knowledge gap);
    • As conclusões de Donohue, Tichenor e Olien sobre a capacidade da exposição diminuir os diferenciais de conhecimento
slide42
A Percentagem em que cada uma das dimensões relativas ao fosso digital é inferior ao número total de utilizadores de internet, Portugal, 2002-2007

Fonte: INE/UMIC, Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação

pelas Famílias, 2002-2007.

slide43
Evolução da taxa de crescimento (em percentagem) do número de utilizadores de internet relativamente a 2002 (ano-base), Portugal, 2002-2007

Fonte: INE/UMIC, Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação

pelas Famílias, 2002-2007.

crescimento do n mero de utilizadores de internet relativamente a 2002 ano base portugal 2002 2007
Crescimento do número de utilizadores de internet relativamente a 2002 (ano-base), Portugal, 2002-2007

Fonte: INE/UMIC, Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação

pelas Famílias, 2002-2007.

a evolu o do fosso digital em portugal1
A EVOLUÇÃO DO FOSSO DIGITAL EM PORTUGAL
  • Até agora não se verifica qualquer evidência da exposição aos media diminuir diferenciais de conhecimento;
    • As concepções de Oscar Gandy (2003): a orientação para o mercado;
  • O enquadramento com o modelo de sociedade da informação:
    • Sillicon Valley;
    • Economias asiáticas;
    • Modelos escandinavo, do Japão ou EUA
  • A transição de Portugal para uma sociedade em rede?
    • O estudo A sociedade em rede em Portugal
a evolu o do fosso digital em portugal2
A EVOLUÇÃO DO FOSSO DIGITAL EM PORTUGAL
  • O modelo português de sociedade desinformada (Herbert Schiller, data deprivation):
    • Os estudos realizados prenunciam a maioria da população excluída das TIC
    • Info-exclusão: exclusão escolhas no emprego, na cultura, na inovação, no sistema económico;
  • A desigualdade do rendimento
    • PIB em 2006: 21 000 $; 32% abaixo da média da OCDE;
    • PIB em 2003: 71% da média da OCDE;
    • PIB em 2006: 68% da média da OCDE;
slide47
Número de vezes que o rendimento dos 20% mais ricos ultrapassa o rendimento dos 20% mais pobres, União Europeia, 1999-2005
custos dos acessos internet residenciais vs custos de acesso skype nos v rios pa ses da oecd 2004
Custos dos acessos à internet residenciais vs. custos de acesso SKYPE nos vários países da OECD, 2004
a evolu o do fosso digital em portugal3
A EVOLUÇÃO DO FOSSO DIGITAL EM PORTUGAL
  • A reflexão em torno do fosso digital
  • Info-exclusão
    • e-Inclusão
    • Inclusão social
  • As políticas de redução do fosso digital
    • Prioridade às competências digitais (e-Inclusão)
    • Prioridade às infra-estruturas de comunicações
ad