economia regional e urbana n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
ECONOMIA REGIONAL E URBANA PowerPoint Presentation
Download Presentation
ECONOMIA REGIONAL E URBANA

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 17

ECONOMIA REGIONAL E URBANA - PowerPoint PPT Presentation


  • 245 Views
  • Uploaded on

ECONOMIA REGIONAL E URBANA. Docente UNAES: Zaida de Andrade Lopes Godoy Profa. Msc Analista de Regulação – Economista Mestre em Agronegócios UFMS Pesquisadora – CNPq (Espaço de Fronteira/CADEF). ECONOMIA REGIONAL E URBANA. ESPAÇOS ECONÔMICOS E REGIÕES

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'ECONOMIA REGIONAL E URBANA' - ila-rodriguez


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
economia regional e urbana

ECONOMIA REGIONAL E URBANA

Docente UNAES: Zaida de Andrade Lopes Godoy Profa. Msc

Analista de Regulação – Economista

Mestre em Agronegócios UFMS

Pesquisadora – CNPq (Espaço de Fronteira/CADEF)

slide2

ECONOMIA REGIONAL E URBANA

ESPAÇOS ECONÔMICOS E REGIÕES

(Referência básica: CLEMENTE, Ademir, Economia Regional e Urbana. SP: Atlas, 1994.)

slide3

ECONOMIA REGIONAL E URBANA

Espaços Econômicos (abstratos)

(François Perroux)

tem origem na atividade humana. As relações que se estabelecem quando seres humanos atuam sobre o espaço físico na busca de sobrevivência e conforto dão origem aos espaços econômicos. Portanto, os espaços econômicos são espaços abstratos constituídos por relações de produção, de consumo, de tributação, de investimento, de exportação, de importação e de migração.

slide4

ECONOMIA REGIONAL E URBANA

ILUSTRAÇÃO DE ESPAÇO ABSTRATO NÃO ECONÔMICO / Matemático

Exemplo: (fonte: Algumas Técnicas de Análise de Imagens utilizando Fractais , Prof.:  Aldo von Wangenheim; Alunos:  Cássio Lopes Carlos Henrique Z. Pantaleão) Intuitivamente, a dimensão de um espaço métrico (ou conjunto) é igual ao número de parâmetros Reais (coordenadas) necessários para endereçar unicamente um elemento deste espaço, a partir de um elemento do conjunto tomado como referência (a “origem”).   Neste contexto, um ponto possuiria dimensão 0.   A Reta possuiria dimensão 1, pois apenas uma coordenada é necessária para endereçar cada ponto sobre a mesma.   O Plano possuiria dimensão 2, pois são necessárias duas coordenadas para descrever um elemento deste conjunto.   Generalizando, o Espaço Euclidiano Rn é n-dimensional.

slide5

ECONOMIA REGIONAL E URBANA

  • Figura 1 – Ilustração do conceito de dimensão do Espaço Euclidiano Rn, onde uma reta possui dimensão 1, um plano dimensão 2 e um cubo dimensão 3.
slide6

ECONOMIA REGIONAL E URBANA

Perroux estabelece três diferentes conceitos de espaços econômicos como:

conteúdo de um plano

Campo de força

Conjunto homogêneo.

slide7

O ESPAÇO DE PLANEJAMENTO

(Espaço (econômico) como conteúdo de um plano)

É o território abragindo por suas decisões de compra (de insumos) e pr suas decisões de venda (de produtos). Ou, ainda, o espaço de planejamento de certa entidade pública é representado pelo território sobre o qual exerce suas atividades.

Uma empresa, um órgão público, ou qualquer outro agente econômico têm suas regiões de planejamento, que afetam suas decisões e são afetadas por estas.

Ex: planos de desenvolvimento regional – PNDR, PDFF...

slide8

O ESPAÇO POLARIZADO

(Espaço (econômico) como campo de força)

Compreende forças de atração (centrípetas) e de repulsão (centrífugas), e surge devido às concentrações de populações e de produção, basicamente. Traz implícito a existência de um pólo (ou nó). Uma região polarizada pode, portanto, ser pensada como a área de influência de certo pólo. A partir do pólo, as funções que os subespaços desempenham podem ser hierarquizadas de forma decrescente, como é encontrado na Teoria dos Lugares Centrais.

Ex.: Regiões metropolitanas, SP no século XX.

slide9

O ESPAÇO POLARIZADO

Fator complicador: as metrópoles possuem em seu entorno centros menores, as cidades-satélites ou cidades-dormitórios, essas localidades não contam com a arrecadação dos impostos sobre as compras de mercadorias e serviços que seus habitantes realizam no grande centro; desta forma as administrações locais devem resolver problemas graves de deficiências de infra-estrutura e de serviços públicos em geral. A marginalidade e falta de segurança são conseqüências desta situação. Quais as possibilidades de manutenção da tendência de reversão da polarização em longo prazo?

slide10

O ESPAÇO HOMOGÊNEO

(Espaço (econômico) como conjunto homogêneo)

É definido como invariante com respeito a algum aspecto econômico de interesse. Apresentam implícita a idéia de homogeneidade. Dessa forma, variáveis como renda, preço, produção e tantas outras do domínio da economia podem ser utilizados para a delimitação de espaços homogêneos. Na delimitação de regiões homogêneas a especificidade do critério de homogeneidade e a dimensão territorial estão diretamente relacionadas.

Ex.: Região do Pantanal, Região do ABC Paulista, Região da Baixada Fluminense, Região do Cerrado; Região Têxtil de SC, Região dos Minérios, Curitiba.

slide11

OS TRÊS CONCEITOS COMPARADOS

Região Homogênea – Espaço invariante, uniforme

Região Polarizada (ou nodal) – Espaço diferenciado e funcionalmente integrado

Região de Planejamento – Espaço enquanto conteúdo de um plano

O conceito de Região homogênea e o de Região Polarizada serão mais ou menos privilegiados no estabelecimento de uma região de planejamento dependendo da natureza do plano.

slide12

ECONOMIA REGIONAL E URBANA

REGIÕES POLÍTICO-ADMINISTRATIVAS

MESO E MICRORREGIÕES

Pesquisa: Identificar as Regiões Político-administrativas brasileiras e as Meso e Microrregiões de Mato Grosso do Sul

slide13

Questões de fixação

1) Como são definidos os espaços abstratos?

2) Por que não é possível fazer a aplicação formal (simbólica) do conceito de espaços abstratos no campo da Economia?

3) Um espaço (econômico) abstrato é um conjunto de relações (econômicas) que definem um objeto (de interesse na Economia). De que tipo são as relações econômicas que definem cada espaço econômico e de um exemplo de cada um

4) conceitue os três espaços econômicos e de um exemplo de cada um.

5) em que medida e de que forma a divisão geopolítica condiciona a análise regional?

6) de que forma os critérios de homogeneidade e polarização devem ser levados em conta na delimitação de regiões de planejamento?

7) como a fundação IBGE estabelece a divisão do território brasileiro em meso e microrregiões?

8) ao final de 1991, teve início a propagação da cólera no Brasil, a partir da Amazônia. Sabia-se que os dois fatores-chave eram, de um lado, a pobreza e a falta de cuidados pessoais da população, e, de outro, os fluxos de pessoas e mercadorias. Como os conceitos de região homogênea, polarizada e de planejamento poderiam ter sido utilizados nos estudos de controle da doença?

slide14

Fonte de pesquisa para aprofundar conhecimento:

BOUDEVILLE, J.R. Os espaços econômicos. Trad. Heloysa de Lima Dantas. São Paulo: Difusão Européia. 1973.124p.

CHRISTALLER, W. Central places in southern germany. Trad. Carlisle W. Baskin. Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 1966.

IBGE – www.ibge.gov.br

PERROUX, F. A economia do século XX. Trad. José Lebre de Freitas. Lisboa: Herder, 1967. 758 p.

slide15

Divisão Regional (para ampliação do conhecimento, fonte: IBGE)

Histórico

Os estudos da Divisão Regional do IBGE tiveram início em 1941 sob a coordenação do Prof. Fábio Macedo Soares Guimarães. O objetivo principal de seu trabalho foi de sistematizar as várias "divisões regionais" que vinham sendo propostas, de forma que fosse organizada uma única Divisão Regional do Brasil para a divulgação das estatísticas brasileiras.

a primeira Divisão do Brasil em regiões, a saber: Norte, Nordeste, Leste, Sul e Centro-Oeste. A Resolução 143 de 6 de julho de 1945, por sua vez, estabelece a Divisão do Brasil em Zonas Fisiográficas, baseadas em critérios econômicos do agrupamento de municípios. Estas Zonas Fisiográficas foram utilizadas até 1970 para a divulgação das estatísticas produzidas pelo IBGE e pelas Unidades da Federação. Já na década de 60, em decorrência das transformações ocorridas no espaço nacional, foram retomados os estudos para a revisão da Divisão Regional, a nível macro e das Zonas Fisiográficas.

slide16

Divisão Regional (para ampliação do conhecimento, fonte: IBGE)

Metodologia

O caráter intrínseco da revisão da Divisão Regional do Brasil refere-se a um conjunto de determinações econômicas, sociais e políticas que dizem respeito à totalidade da organização do espaço nacional, referendado no caso brasileiro pela forma desigual como vem se processando o desenvolvimento das forças produtivas em suas interações como o quadro natural. Sem deixar de lado as partes constitutivas da referida totalidade, a Divisão Regional em macrorregiões a partir de uma perspectiva histórico-espacial enfatiza a divisão inter-regional da produção no País, a par da internacionalização do capital havida pós-60, buscando as raízes desse processo na forma como o estado ora tende a intervir, ora a se contrair, em face da evolução do processo de acumulação e de valorização do capital, que pode ser traduzido nos sucessivos e variados Planos de Governo. A Divisão Regional do Brasil em mesorregiões, partindo de determinações mais amplas a nível conjuntural, buscou identificar áreas individualizadas em cada uma das Unidades Federadas, tomadas como universo de análise e definiu as mesorregiões com base nas seguintes dimensões: o processo social como determinante, o quadro natural como condicionante e a rede de comunicação e de lugares como elemento da articulação espacial.

slide17

Divisão Regional (para ampliação do conhecimento, fonte: IBGE)

Aplicabilidade

Elaboração de políticas públicas; subsidiar o sistema de decisões quanto à localização de atividades econômicas, sociais e tributárias; subsidiar o planejamento, estudos e identificação das estruturas espaciais de regiões metropolitanas e outras formas de aglomerações urbanas e rurais.