classe m dia realidade e fic o portugal e brasil na contram o n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Classe média, realidade e ficção: Portugal e Brasil na contramão? PowerPoint Presentation
Download Presentation
Classe média, realidade e ficção: Portugal e Brasil na contramão?

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 37

Classe média, realidade e ficção: Portugal e Brasil na contramão? - PowerPoint PPT Presentation


  • 81 Views
  • Uploaded on

Classe média, realidade e ficção: Portugal e Brasil na contramão?. CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS Laboratório associado Universidade de Coimbra. Elísio Estanque elisio.estanque@gmail.com http://www.elisioestanque.blogspot.com Professor visitante da UNICAMP, CESIT/IFCH - 2013. www.ces.uc.pt.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Classe média, realidade e ficção: Portugal e Brasil na contramão?' - huyen


Download Now An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
classe m dia realidade e fic o portugal e brasil na contram o
Classe média, realidade e ficção: Portugal e Brasil na contramão?

CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS

Laboratório associado

Universidade de Coimbra

Elísio Estanque

elisio.estanque@gmail.com

http://www.elisioestanque.blogspot.com

Professor visitante da UNICAMP, CESIT/IFCH - 2013

www.ces.uc.pt

a piada do losango brasil
A “piada” do losango (Brasil)

Leandro Callegari Coelho e Ludmar Rodrigues Coelho, “As classes sociais e a desigualdade no Brasil”, In http://www.logisticadescomplicada.com/as-classes-sociais-e-a-desigualdade-no-brasil/

productividade vs sal rios em 36 pa ses desenvolvidos
PRODUCTIVIDADE vs SALÁRIOS(em 36 paísesdesenvolvidos)

Fonte: quoted by Jeff Faux, Economic Policy Institut (EPI), USA.

usa rising inequality 1979 2011
USA: RISING INEQUALITY 1979-2011

INCOME:

  • RICHEST 1 % +241%
  • MIDDLE 20% +19%
  • LOWEST 20% +10%

WEALTH:

  • 82 % OF ALL WEALTH INCREASE WENT TO RICHEST 5 %

Fonte: Jeff Faux, Economic Policy Institut (EPI), USA.

classe m dia ou luta de classes
Classe média ou luta de classes?
  • Uma ‘classe’ que não é classe, um grupo que não é grupo;
  • Uma zona ambígua, onde se posicionam segmentos distintos, definidos segundo a conjugação entre: riqueza, status e poder
  • Um conjunto de oposições, de ‘lugares contraditórios de classe’ (Wright), que se orientam por habitus distintos consoante o tipo de ‘capitais’ que controlam (c. económico, educacional/ cultural, relacional/ social, etc) e as trajetórias ascendentes ou descendentes? (P. Bourdieu)
  • A classe média ao espelho: realidades e ficções;
  • Uma classe média em formação, em transição…
  • Acima da base e abaixo do topo da pirâmide estratificacional, com condições e ‘estilos de vida’ muito variados; que desenvolve subjetividades muito diversas;
a ideologia meritocr tica
A ideologia meritocrática
  • A Europa do pós-guerra e a edificação do Estado-providência (teciarização, inovação, redistribuição);
  • A promessa da mobilidade social e a ideologia “meritocrática”;
  • A sociedade de consumo e a «classe de serviço»:
  • “os empregados prestam um serviço à empresa empregadora em troca de ‘compensações’ que tomam a forma não apenas de uma recompensa salarial, com todos os seus pré-requisitos, mas que incluem também importantes elementos prospetivos – por exemplo, aumentos salariais em condições estabelecidas, condições de segurança e assistência, quer no emprego quer através de direitos de proteção na reforma e, acima de tudo, oportunidades de carreira bem definidas” (Erikson e Goldthorpe, 1992).
segmentos de classe na regi o metropolitana de lisboa fonte ine destaque 3 02 2000
Segmentos de classe na região metropolitana de Lisboa(Fonte: INE, Destaque, 3/02/2000)
slide13

“A classe social não é definida por uma propriedade (mesmo a mais determinante) nem por uma soma de propriedades (sexo, idade, origem social…), tampouco por uma cadeia de propriedades todas elas ordenadas a partir da mais importante (posição nas relações de produção)…, mas pela estrutura das relações entre todas as propriedades pertinentes que confere o seu valor próprio a cada uma delas e aos efeitos que ela exerce sobre as práticas.” (P. Bourdieu, La Distinction, 1979).

mobilidade subjectiva segundo cat classe por pa s
Mobilidade subjectiva, segundo cat. classe, por país (%)*

S=Subiu; D=Desceu; E=Estabilizou

* Refere-se à comparação entre a classe subjectiva actual e a de 10 anos antes; ** Os totais por país referem-se aos resultados globais das frequências das perguntas sobre a classe subjectiva, antes de serem cruzados com a categoria de classe. Recorde-se que em duas das perguntas incluídas no questionário era pedido aos inquiridos para se posicionarem numa escala de 1 a 10, considerando-se que o nível 1 correspondia ao topo da pirâmide social e o nível 10 à sua base, sendo que uma dessas perguntas se referia à situação actual e a outra à situação de há dez anos atrás. Os resultados deste quadro foram elaborados a partir das respostas a essas duas perguntas.

percep o dos conflitos de interesses na sociedade
Percepção dos conflitos de interesses na sociedade (%)*

* Para cada uma das oposições apresentadas como polarizadoras de conflitos possíveis, o respondente podia optar por uma das seguintes possibilidades: conflitos muito fortes; conflitos fortes; conflitos não muito fortes; ausência de conflitos. As %s aqui contempladas correspondem ao somatório das respostas que consideram haver conflitos “muito fortes” e “fortes”;

** No questionário do Canadá esta polarização não foi considerada.

Fonte: Inquérito ISSP, 2001.

classe subjectiva segundo a categoria de classe por pa s
Classe subjectiva, segundo a categoria de classe, por país (%)

Tipologia de Erik Olin Wright

* Os totais por país referem-se aos resultados globais da pergunta respeitante à classe subjectiva, antes de serem cruzados com a categoria de classe. Fonte: Inquéritos ISSP (2001)

portugal promessas ilus es e frustra es
PORTUGAL: Promessas, ilusões e frustrações
  • Portugal 2013: profissionais intelectuais e científicos, 10%; profissionais de nível intermédio, 19%; pessoal dos serviços e vendedores, 16%.
  • Industrialização e democratização tardia, ditadura longa; ‘sociedade providência’; Estado social tardio, frágil, pouco eficaz;
  • Pós-1974… 1980s: Modernização do país resultou em grande medida da ação do Estado e das políticas públicas (saúde, educação, segurança social, ciência, qualificação dos portugueses, etc);
  • Mas foi sobretudo a luta social do pós-25 de Abril que lhe abriu o caminho;
  • Construção do Estado-providência foi o principal fator de crescimento da ‘classe média’ assalariada em Portugal;
slide21

Rácio entre o rendimento detido pelos 20% mais ricos face ao dos 20% mais pobres (S80/S20), nos países da EU 27, Islândia e Noruega (2010)

slide22

Europa: Precariedade da classe média

Fonte: Nuno Nunes, ISCTE-IUL/ CIES

Fonte: European Social Survey (2006)

slide24

A queda na realidade

Fonte: DECO, in Jornal PÚBLICO, 10/01/2013

brasil um pa s de classes m dias
Brasil, um país de classes médias?
  • Classe “média intermediária” – 26%; classe “média-alta” – 19%; classe “média-baixa” – 18%; Total da “classe média” brasileira: 63% (segundo cálculos da Datafolha)
  • Seis em cada dez brasileiros com 16 anos ou mais já pertencem a esse grupo (90 milhões de pessoas), segundo o Datafolha (pesquisa publicada em 22/01/2012) .
  • Critérios: (1) Nível de rendimento familiar; (2) Equipamentos domésticos; (3) Nível de educação do chefe de família;
  • O Brasil de classes médias é aquele que está conseguindo escapar dos estratos D e E, deixando para trás os excluídos, mas ainda quase não tem presença nas classes A e B.
  • Ganhos de renda — consequência do crescimento económico e das políticas de distribuição de renda — e maior acesso a crédito contribuíram para essa tendência. “Aumentos de renda que parecem pequenos para a elite têm representado uma revolução para as classes mais pobres” (Marcelo Neri, FGV/ diretor do IPEA)
  • Se a posse de bens de consumo aproxima as três classes médias brasileiras, indicadores como salários e educação ainda as distanciam umas das outras.
slide27

Brasil: evolução dos índices da renda per capita nacional e de desigualdade segundo o Coeficiente de Gini* (1960 = 100)

slide28

Saldo de novos empregos criados, Brasil 2000-2008

Fonte: CAGED/MTE 2010, in Alice Remy, et al., 2011: 66

slide31

Desigualdades seg. Coeficiente de Gini – Brasil e Portugal

Fonte: IPEA In

http://www.ipeadata.gov.br/ Portugal: EU SILC 2011, Eurostat/ in Observatório das Desigualdades do ISCTE.

conclus o brasil portugal que cen rios
Conclusão: Brasil/Portugal, que cenários?
  • Que diferenças e afinidades entre Brasil e Portugal?
  • Portugal/Brasil: “nova classe média” ou “classe trabalhadora politizada”?
  • 1. Convidada a enriquecer (e a pagar impostos)
  • 2. Convidada a consumir (e a endividar-se)
  • 3. Convidada a empobrecer – e a revoltar-se?
  • De quem é a culpa? Subjetividades em conflito:
  • Respostas individuais (empreendedoras ou consumistas); respostas assistencialistas (culpa do próprio); respostas solidárias e emancipatórias (culpa do capitalismo e da finança); respostas salvíficas (culpa da democracia, da carga fiscal e do Estado social)??...
  • Brasil: uma “imaginária-classe-média-que-vive-do-trabalho” (Antunes, 1995);
  • Consumismo: miragem discursiva dos média e do poder vigente, para satisfação de credores e alguns agiotas ligados ao mundo da finança e do crédito.