quem s o nossos alunos l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Quem são nossos alunos? PowerPoint Presentation
Download Presentation
Quem são nossos alunos?

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 21

Quem são nossos alunos? - PowerPoint PPT Presentation


  • 133 Views
  • Uploaded on

Quem são nossos alunos?. Centro Universitário Salesiano de São Paulo NAP 2007. Ensino Superior: (In)Sucesso Acadêmico, de Isabel Alarcão, 2000. O aluno do Ensino Superior sofre:

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Quem são nossos alunos?' - holt


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
quem s o nossos alunos

Quem são nossos alunos?

Centro Universitário Salesiano de São Paulo

NAP

2007

ensino superior in sucesso acad mico de isabel alarc o 2000
Ensino Superior: (In)Sucesso Acadêmico, de Isabel Alarcão, 2000
  • O aluno do Ensino Superior sofre:
  • - em termos psicossociais: “desenraizamento familiar e social, sentimentos de emancipação e libertação, conflitualidade de valores entre os vários registros de vida.”
slide3
em termos metodológicos: “absentismos às aulas, aceitação da reprovação como normal, dispersão por demasiadas actividades, desajuste nos métodos de estudo.”
  • - em termos de condições familiares, “profissionais e socioeconômicas: “problemas pessoais, dificuldades económicas, condição de trabalhador-estudante, conflito de valores.”
pesquisa de bacharelado ariane junqueira de castro unisal 2006
Pesquisa de Bacharelado, Ariane Junqueira de Castro, UNISAL, 2006
  • “o novo contingente estudantil que chega à universidade já não apresenta a homogeneidade de antigamente.”
  • “um forte crescimento vem se verificando nos cursos noturnos, indicando que uma população trabalhadora, mais velha e com perfil diferente do aluno tradicional de graduação está ingressando no ensino superior.”
doc ncia no ensino superior selma garrido pimenta e l a das gra as camargo anastasiou 2002
Docência no Ensino Superior, Selma Garrido Pimenta e Léa das Graças Camargo Anastasiou, 2002
  • Muitas vezes as características reais dos alunos do Ensino Superior não são objeto de preocupação do professor que, ao entrar na sala de aula, já os identifica como futuros profissionais da área, tendo uma expectativa muito elevada em relação ao desempenho deles.
slide6
Em pesquisa(UNERJ) feita com 140 professores que trabalham em uma instituição de Ensino Superior com 6 cursos, predominantemente noturnos, a descrição dos problemas percebidos pelos docentes, em relação dos alunos, enfatizou:
  • - falta de interesse, de motivação ou de comprometimento com a própria aprendizagem.
slide7
- passividade, individualismo. Interesse na nota e em passar de ano e/ou obter diploma;
  • - falta de disciplina, hábitos de estudo insuficientes;
slide8
Nesta pesquisa também foram relatados fatores referentes à escolaridade anterior:
  • - nível de conhecimento ou pré-requisitos insuficientes para acompanhar a graduação;
  • - dificuldade na interpretação, redação e leitura;
  • - dificuldade de raciocínio, falta de criticidade.
slide9
- alta heterogeneidade em cada classe e diversidade de maturidade geral.
  • - falta de tempo para estudar, com pouco contato extraclasse;
  • - aluno trabalhador.
slide10
Machado (1995), em pesquisa sobre os alunos do Ensino Superior, destaca:
  • - jovens com idade inferior a 25 anos, solteiros,
  • -30% deles dormem menos de 6 horas diárias e 63% entre 6 e 8 horas;
  • - 61% declaram que se alimentam mal;
  • - 34% relatam que o tempo para repouso é insuficiente.
slide11
Castanho (1989) demonstra que, ao contrário do que se pensa, não há defasagem excessiva entre a faixa etária dos alunos do diurno e do noturno.
  • - Em sua maioria, tais alunos cursaram escola pública noturna no Ensino Médio, tem pouca história de reprovação e nutrem a expectativa de que o diploma lhes trará mais habilitações.
slide12
Furlani (1988), em estudos sobre o aluno superior noturno, estabelece a diferença entre trabalhador-estudante, que depende unicamente de sua renda salarial e estudante-trabalhador, que conta com a ajuda da família.
slide13
Também, segundo Pimenta (2002), há uma parcela dos alunos que chegam ao Ensino Superior e que vem de um sistema de ensino que centralizou os esforços de seus últimos três anos escolares na direção do vestibular.
  • A memorização foi a tônica dominante, com uso de recursos, os mais variados, para conseguir sucesso na memorização do material pretendido.
slide14
Assim, há o reforço de um comportamento baseado na lógica da exclusão, em pouca criticidade, voltado para os produtos (vestibular, provões, Enade, Exame Profissionais) e não para a aprendizagem.
  • Enfatizam-se ações e atividades pouco participativas e grande volume de informações em que a figura do “bom professor” se identifica com a de um “showman ou showwoman”, excelente na capacidade de exposição do conteúdo.
slide16
Concluindo, sugerimos uma reflexão:

- É preciso considerar que as posturas dos alunos, vistas por nós, estão inseridas num contexto social, cuja lógica dominante – que muitas vezes é adotada pelas próprias instituições e as estrutura – é a de considerar o aluno como “cliente”, que ali está “pagando por um produto”, sendo a função do professor tornar este produto “atraente”, numa situação em que o importante é o certificado e não, necessariamente, a qualidade das aprendizagens.

slide17
Responsabilizar-se pela aprendizagem aponta para a necessidade de transformar essa lógica do lucro na da educação. Isto supõe:
  • - Discussão de valores com o alunado;
  • - Estabelecimento de um contrato de trabalho formativo, com responsabilidade claramente assumidas pelo alunos, professores e a instituição.
diante do exposto e discutido perguntamos
Diante do exposto e discutido, perguntamos:
  • 1. Em meu curso, que práticas docentes podem ser desenvolvidas para um enfrentamento consciente do perfil de nosso aluno, tendo em vista a consolidação do Projeto Pedagógico Institucional (Identidade Salesiana)?
slide19
2. Em meu curso, que práticas de gestão (coordenação do curso) podem ser desenvolvidas para um enfrentamento consciente do perfil de nosso aluno, tendo em vista a consolidação do Projeto Pedagógico Institucional (Identidade Salesiana)?
slide20
3. Em nosso curso, que práticas Institucionais podem ser desenvolvidas para um enfrentamento consciente do perfil de nosso aluno, tendo em vista a consolidação do Projeto Pedagógico Institucional (Identidade Salesiana)?
refer ncias bibliogr ficas
Referências Bibliográficas
  • PIMENTA, Selma G. e ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos. Docência no Ensino Superior. Vol 1, São Paulo: Cortez, 2002.
  • TAVARES, José e SANTIAGO, Rui A. (org) Ensino Superior (IN)Sucesso Académico. Porto: Porto, 2000.