Reino Protista - PowerPoint PPT Presentation

hewitt
reino protista n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Reino Protista PowerPoint Presentation
Download Presentation
Reino Protista

play fullscreen
1 / 51
Download Presentation
Reino Protista
167 Views
Download Presentation

Reino Protista

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Reino Protista Protozoários Professor Gustavo Propst Biologia

  2. Protozoários Organismos pertencentes ao Reino Protista Seres Eucariontes, heterotróficos, unicelulares ou pluricelulares (formação de colônias rudimentares) Vida livre ou parasitas Divididos de acordo com as diferentes formas de locomoção: Rhizopoda ou Sarcodinea  Pseudópodes Ciliophora Cílios Mastigophora  Flagelos Sporozoa ou Apicomplexa Não possuem organela de locomoção

  3. Sarcodinea ou Rhizopoda Pseudópodos para a locomoção, que auxiliam também na captura de alimentos  Fagocitose Principais representantes: AMEBAS Maioria de vida livre; Ex: Amoeba proteus (água doce) Algumas espécies parasitas Entamoeba hystolitica  Disenteria amebiana ou Amebíase  Parasita do intestino grosso humano Ingestão de cistos através de alimentos e água contaminados Sintomas: Dores abdominais, forte diarréia Profilaxia: Hábitos de higiene adequados, saneamento básico.

  4. Sarcodinea ou Rhizopoda Algumas espécies possuem carapaças resistentes de sílica ou de carbonato de cálcio, que sustentam e protegem a célula. Exemplos: Foraminíferos, Radiolários e Heliozoários

  5. Rhizopoda

  6. Ciliophora Cílios para a locomoção  pequenos e numerosos espalhados pela membrana ou em tufos (cirros) Grande maioria de vida livre Exemplo: Paramecium sp  Ciliado de água doce Sulco oral: abertura ciliada que empurra a água com o alimento para o citóstoma (“boca”) Dois núcleos: Macronúcleo (controle do metabolismo) e micronúcleo (reprodução por conjugação) Vacúolo contrátil ou pulsátil  “bomba” que expulsa a água em excesso que entra passivamente por osmose

  7. Ciliophora Paramecium caudatum

  8. Vacúolo Pulsátil Micronúcleo Ciliophora Paramecium caudatum Citóstoma Sulco Oral Macronúcleo

  9. Mastigophora Flagelos como organela de locomoção  1 a 4 Vida livre, parasitas ou simbióticos Simbiose: Triconympha sp vive no intestino de cupins e digere a celulose ingerida por ele. Em contrapartida, o cupim oferece um habitat adequado às condições metabólicas do protozoário.

  10. Doenças causadas por Flagelados DOENÇA DE CHAGAS Carlos Chagas, 1909 Provocada pelo Trypanosoma cruzi e transmitido por percevejos triatomídeos conhecidos como BARBEIROS

  11. Ciclo da doença Barbeiro contrai o T. cruzi de animais silvestres (reservatórios naturais) ou pessoas doentes e o protozoário se aloja em seu intestino Ao picar uma pessoa saudável, o inseto defeca sobre a pele e o protozoário penetra pela ferida. Normalmente a picada ocorre à noite e no rosto, parte descoberta durante o sono e que é bastante vascularizada. A penetração do flagelado pode ocorrer pelo olho, provocando o sinal característico da infecção.

  12. Ciclo da doença O tripanosoma cai na corrente circulatória e se aloja no coração ou no intestino, onde irá se reproduzir. O coração e o intestino aumentam bastante de tamanho (megacólon e megacoração), provocando insuficiência cardíaca e alterações na digestão.

  13. Ciclo da doença Doença grave, sem cura, mas que pode ser controlada e prevenida PROFILAXIA: Evitar morar em casas de sapé ou pau-a-pique, pois as frestas nas paredes são o local ideal para a reprodução dos barbeiros Combater o barbeiro com inseticidas, telas e outros Tratar e isolar os doentes Fiscalizar bancos de sangue para evitar a transmissão por transfusão sanguínea ou transplante de órgãos.

  14. Doenças causadas por Flagelados DOENÇA DO SONO Provocada pelo Trypanosoma brucei e transmitido pela picada da mosca Glossina palpalis ou tsé-tsé

  15. DOENÇA DO SONO Restrita à região central da África, não foram registrados casos no Brasil Invasão do sistema nervoso central, provocando sonolência contínua e enfraquecimento do corpo  Morte

  16. Doenças causadas por Flagelados LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA Úlcera de Baurú  Leishmania braziliensis Transmitido pela picada de mosquitos fêmeas da família dos flebotomídeos (Gênero Lutzomia)  Mosquito palha

  17. Penetração através da picada do mosquito  reprodução intensa na pele  Lesões de pele, mucosa da boca, nariz e faringe  Deformações Se tratadas a tempo, há regressão das lesões Profilaxia: Evitar o contato com os mosquitos  100m das matas (voo curto) Tratar e isolar os doentes

  18. Lesões por Leishmaniose Tegumentar Americana

  19. Distribuição dos casos de Leishmaniose Tegumentar no Paraná

  20. Doenças causadas por Flagelados LEISHMANIOSE VISCERAL Calazar Leishmania chagasi Transmitida também pelo mosquito palha (Lutzomya sp) Febre, anemia e esplenomegalia (aumento do baço) Se não tratada, pode levar à morte

  21. Doenças causadas por Flagelados TRICOMONÍASE Trichomonas vaginalis Mulher: inflamação na uretra e na vagina, corrimento branco-amarelado ASSINTOMÁTICA no homem, porém ainda é transmitida à mulher durante o ato sexual  AMBOS devem ser medicados PROFILAXIA: Preservativo e cuidado na utilização de objetos ou sanitários públicos  sobrevivência do parasita por até 6 horas em ambientes úmidos

  22. Doenças causadas por Flagelados GIARDÍASE Giardia lamblia Infecções no intestino delgado e diarréias  Desidratação Doença muito comum em crianças de creches públicas Transmissão pela ingestão de água e alimentos contaminados com os cistos da Giardia

  23. SPOROZOA Não possuem organelas de locomoção e são parasitas intracelulares Podem causar doenças nos seres humanos MALÁRIA TOXOPLASMOSE

  24. MALÁRIA Impaludismo, maleita ou sezão Países tropicais e África, principalmente Brasil  Região Amazônica Causada pelo esporozoário Plasmodium sp e transmitida pela picada das fêmeas do mosquito-prego (Anopheles sp) Dois hospedeiros: HOMEM (hospedeiro intermediário) e MOSQUITO (hospedeiro definitivo) Anopheles sp

  25. MALÁRIA – CICLO DA DOENÇA Pela picada, penetram no sangue os ESPOROZOÍTOS, a forma infectante do Plasmodium Fígado e baço  reprodução assexuada do parasita (esquizogonia)  Formação de MEROZOÍTOS Invasão das hemáceas  reprodução acentuada do parasita: Rompimento da célula  FEBRE ALTA, TREMORES e SUDORESE. Algumas hemáceas não se rompem  aparecimento dos GAMETÓCITOS no interior delas  ingeridos pelo mosquito, originam gametas no tubo digestivo (reprodução sexuada) Fecundação, produção de novos ESPOROZOÍTOS, que migram para as glândulas salivares do mosquito e podem ser novamente inoculados no ser humano, retomando o ciclo.

  26. MALÁRIA – CICLO DA DOENÇA

  27. ÁREAS DE RISCO DE MALÁRIA NO BRASIL

  28. MALÁRIA – GRAVIDADE Depende da espécie do Plasmodium: P. vivax: Febre a cada 48 horas (terçã benigna) P. malarie: Febre a cada 72 horas (quartã benigna) P. falciparum: Varia a cada 36 a 48 horas SINTOMAS: Danos no fígado, ANEMIA, cansaço, desânimo, falta de ar e diminuição da capacidade de trabalho.

  29. MALÁRIA – TRATAMENTO e PROFILAXIA Medicamentos que matam o parasita no fígado e no sangue Prevenção: Combate aos mosquitos adultos com INSETICIDAS, combate às larvas com LARVICIDAS ou peixes que se alimentem delas ou ainda drenagem de terrenos alagados. Uso de telas e cortineiros Cuidados com sangue contaminado: transfusões, seringas, agulhas e no parto.

  30. TOXOPLASMOSE Toxoplasma gondii Transmitido pela ingestão de cistos presentes nas fezes de gatos (solo, areia ou pelo do animal) Poucos ou nenhum sintoma: febre e aumento dos linfonodos  desaparecem sem deixar seqüelas Mulheres grávidas: transmissão ao feto  Lesões cerebrais e em outros órgãos PREVENÇÃO: Não beijar animais nem deixá-los lamber o rosto Lavar as mãos após o contato com eles Mulheres que pretendem engravidar: exame específico

  31. REINO FUNGI

  32. REINO FUNGI • Esporos de fungos foram observados pela primeira vez por Giam Battista della Porta em 1588, porém o trabalho mais importante foi a obra de Pier Antonio Micheli, Nova Plantarum de 1729

  33. REINO FUNGI • Fungos • São organismos eucariontes • Heterótrofos e saprófitas (decompositores) • Unicelulares e pluricelulares • Parede celular constituída de quitina ( compõe exoesqueleto de artrópodes) • Podem viver isolados, em associação com algas (líquens) ou atuarem como parasitas

  34. REINO FUNGI • São divididos em 4 grupos: • Ascomicetos (Saccharomyces, Penicillium ) • Basidiomicetos( orelhas- de-pau, cogumelos) • Zigomicetos (Rhizopus- bolor preto de pão) • Deuteromicetos ( Candida)

  35. REINO FUNGI • Sacharomyces cerevisae –fungo unicelular usado na produção de pão e de bebidas alcóolicas • Realizam processo de fermentação para obter energia usando diferentes açúcares

  36. REINO FUNGI • Penicillium crysogeum- pode ser encontrado em alimentos e ambientes internos • Responsável pela produção de penicilina • São importantes alérgenos humanos

  37. REINO FUNGI • Penicillium camembertiO Penicillium camemberti é um bolor, muito utilizado no fabrico de vários tipos de queijo, nomeadamente o Brie e o Camembert (de onde provém o nome desta espécie).

  38. REINO FUNGI • Penicillium glaucumPenicillium glaucum é um bolor que é utilizado na elaboração de vários tipos de queijos, incluindo o queijo francês Bleu, Fourme d'Ambert, Gorgonzola e Stilton.

  39. REINO FUNGI • Penicillium roquefortiPenicillium roqueforti é um vulgar fungosaprófito, que aparece na natureza e pode ser isolado do solo, degradando substânciasorgânicas e partes vegetais. A principal utilização industrial deste fungo é a produção de queijos azuis, como o Roquefort, agentes aromatizantes, antifúngicos, polissacarídeos, proteases e outras enzimas.

  40. REINO FUNGI • Agaricus bisphorus- champignon • Pioneiro da fungicultura brasileira • Pequena área pode produzir grandes quantidades (13x5 m) pode produzir 2 toneladas de champignon in natura • Controle de temperatura e umidade são importantes • Colheita pode ser feita em 30 dias

  41. Agaricus bisphorus

  42. Morcella esculenta

  43. Polyporus squamosus

  44. REINO FUNGI • Amanita phalloides-representa a espécie mais tóxica do mundo • 90% dos casos de envenenamento pela ingestão de cogumelos anuais • Liberam toxinas (falotoxinas, virotoxinas, amatoxinas) que causam lesão no fígado e rins

  45. REINO FUNGI • 6 a 24 horas após- náusea, vômito, diarréia, febre, taquicardia • 24-48 horas- alteração da função hepática ( pode ser irreversível e necessitar transplante hepático) • 3 a 5 dias- alteração da função renal

  46. Líquen

  47. REINO FUNGI • Claviceps purpurea – esporão de centeio • Fungo usado para extrair substância alucinógena LSD • pode causar doença ergotismo (depressão, confusão mental, hipertensão,bradicardia, cianose)

  48. DOENÇAS POR FUNGOS EM HUMANOS E EM OUTROS ANIMAIS

  49. TINHA DO CORPO PITIRÍASE VERSICOLOR

  50. TINHA DE COURO CABELUDO TINHA DO PÉ