slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Gimnospermas PowerPoint Presentation
Download Presentation
Gimnospermas

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 13

Gimnospermas - PowerPoint PPT Presentation


  • 392 Views
  • Uploaded on

Gimnospermas. Gimnospermas. Gimnospermas. Ginkgo tuileries. REPRODUÇÃO EM GIMNOSPERMAS

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Gimnospermas' - gretchen


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide6

REPRODUÇÃO EM GIMNOSPERMAS

Microstróbilo: é o eixo ao qual se prendem os microsporófilos, folhas modificadas que sustentam microsporângios (estruturas produtoras de microsporos). Os microsporos irão se desenvolver em grãos de pólen (microgametófitos). Muitas células diplóides (2n) se diferenciam no interior do microsporângio e, ao sofrerem meiose (divisões reducionais), originam uma tétrade de microsporos (n) unicelulares. Esses microsporos, ao se desenvolverem, sofre mitoses (divisões equacionais), originando uma estrutura no mínimo bicelular, o grão de pólen (micrófito).

slide7

REPRODUÇÃO EM GIMNOSPERMAS

O óvulo das gimnospermas constitui-se de um megasporângio envolvido por um tegumento e possui uma abertura, a micrópila, pela qual penetrarão os micrósporos, tipicamente dispersos pelo vento nas gimnospermas. Por outro lado, dentro do macrosporângio, uma célula diplóide (2n) irá sofrer meiose, originando uma tétrade linear de megásporos, dos quais apenas um micrósporo se desenvolve, tornando-se um megagametófito (macrogametófito); os outros 3 macrósporos se degeneram. Durante o desenvolvimento do megagametófito, ocorre uma série de divisões nucleares, seguida da formação de paredes, da periferia para o centro. Algumas células, próximas à micrópila, originam os arquegônios (gametângios femininos), que podem ser 2 ou mais e contêm a oosfera. A semente madura mantém o tegumento do óvulo, que dá origem à testa. Internamente a ele, observa-se uma fina camada, formada por restos de macrosporângio, que circunda o macrogametófito e serve de reserva alimentar para o embrião

slide8

A polinização se dá por anemofilia. O vento leva os grãos de pólen até uma flor feminina. Por um orifício conhecido como micrópila, os grãos-de pólen penetram no óvulo .

Por cerca de um ano ou mais, ocorre o crescimento do microprótalo formando o tubo polínico (gametófito masculinos maduro) que se dirige até o arquegônio.

Um núcleo de uma célula que fica na ponta do tubo, orienta o crescimento. Uma outra célula se divide para formar dois núcleos gaméticos (ou núcleos espermáticos), os quais são os verdadeiros gametas masculinos haplóides (n).

Um dos dois núcleos espermáticos sofrerá degeneração mas o outro irá fecundar o gameta feminino haplóide, ou seja, a oosfera (n) formando o zigotodiplóide(2n)

slide9

O ciclo de vida das gimnospermas é haplodiplobionte. O vegetal duradouro é o esporófito (2n) e os transitórios são os gametófitos. O gametófito masculino jovem é o grão de pólen que se desenvolve originando o tubo polínico (gametófito masculino maduro ou micrósporo ou micropotalo). O gametófito feminino ou macrósporo megaprótalo é o saco embrionário que fica no interior do óvulo. O gameta masculino haplóide (n) é o núcleo espermático (ou gamético) e o gameta feminino haplóide(n) é a oosfera. Muitas gimnospermas, como as coníferas, não precisam de água para a fecundação, que se dá por sifonogamia, com formação de tubo polínico. (Mas algumas gimnospermas primitivas, consideradas por alguns autores como verdadeiros fósseis vivos (Cycas revoluta, por exemplo) ainda dependem da água para a fecundação produzindo anterozóides que nadam em direção à oosfera.)

slide11

Pinus -ramo com

estróbilo macho

Pinus -ramo com

estróbilo fêmea

slide12

Zamia

Estróbilos

Pinheiros