slide1 l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Política externa do II Reinado PowerPoint Presentation
Download Presentation
Política externa do II Reinado

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 34

Política externa do II Reinado - PowerPoint PPT Presentation


  • 147 Views
  • Uploaded on

Política externa do II Reinado. Questão Christie: Consistiu em dois incidentes que levaram ao rompimento das relações diplomáticas entre Brasil e Inglaterra, de 1863 a 1865.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Política externa do II Reinado' - gema


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide2

Questão Christie: Consistiu em dois incidentes que levaram ao rompimento das relações diplomáticas entre Brasil e Inglaterra, de 1863 a 1865.

  • Os incidentes foram basicamente o furto, por ladrões desconhecidos , da carga do navio inglês Príncipe de Gales, que em 1861 naufragou próximo às costas do Rio Grande do Sul e a prisão de três oficiais da marinha inglesa, que em 1862 andavam em trajes civis pelas ruas do Rio de Janeiro, embriagados, provocando desordens.
slide3
Com relação ao primeiro incidente, o embaixador inglês William Christie exigiu do governo brasileiro uma indenização elevada, correspondente ao valor da carga desaparecida do navio.
  • Quanto ao segundo incidente, Christie considerou a prisão dos oficiais uma grave ofensa à Marinha britânica.
slide4
Exigiu de nosso governo a punição dos policiais brasileiros que efetuaram a prisão dos ingleses.
  • Diante da recusa de D.Pedro II em atender às exigências de Christie, a Inglaterra mandou navios de guerra ao litoral brasileiro e aprisionar três navios de nossa Marinha Mercante.
slide5
A agressão inglesa provocou revolta na população do Rio de Janeiro. Muitos ameaçavam invadir a casa de Christie, bem como os estabelecimentos comerciais de ingleses que viviam no Brasil.
  • Em fase do agravamento dos problemas, a Inglaterra propôs que essas questões fossem solucionadas através do arbitramento internacional
slide6
O rei da Bélgica, Leopoldo I, foi escolhido como árbito para decidir a questão entre os dois países.
  • Antecipadamente, o governo brasileiro resolveu pagar a indenização referente à carga do navio.
  • D.Pedro II considerava que não se devia discutir questões de dinheiro, quando o mais importante era o desrespeito inglês pela soberania nacional do Brasil.
slide7
O rei belga pronunciou favoravelmente ao Brasil cabendo então, à Inglaterra desculpar-se por ofender a dignidade da nação brasileira.
  • O governo inglês recusou-se a apresentar suas desculpas oficiais, o que levou D. Pedro II a romper relações diplomáticas com a Inglaterra.
slide8
As relações entre os dois países somente foram reatadas em 1865, quando o governo inglês , através de Edward Thornton, apresentou as desculpas oficiais a D. Pedro II.
quest o platina
Questão Platina
  • As áreas de fronteira entre Brasil, Uruguai, Argentina e Paraguai faziam parte da chamada região platina.
  • O Brasil tinha muitos interesses nessa região, entre os quais podemos destacar:
  • Garantir o direito de navegação pelo rio da Prata, que era o único caminho para a província de Mato Grosso, pois naquela época não havia estradas que permitissem atingi-la.
slide11
Impedir que grupos de pessoas de pessoas vindas do Uruguai invadissem as fronteiras brasileiras e atacassem as fazendas gaúchas.
  • Impedir que se realizasse o plano argentino de anexar o Uruguai, formando com ele um só país.
slide12
Intervenção contra Oribe e Rosas – 1851/1852
  • Após a formação da República do Uruguai, organizaram-se dois partidos diferentes.
  • Partido Blanco – representando oc criadores de gado, estava ligado aos argentinos e tinha por chefe Manuel Oribe
partido colorado
Partido Colorado
  • Representando os comerciantes de montevidéu, estava ligado aos brasileiros e era chefiado por Frutuoso Riveira
slide14
As primeiras eleições uruguaias foram vencidas por Frutuoso Rivera, em 1828, que se tornou o primeiro presidente da República Uruguaia.
  • Em 1834, a situação política do Uruguai se inverteu. O chefe dos blancos, Manuel Oribe, ganhou as eleições e assumiu o poder.
slide15
Imediatamente, tratou unir-se ao presidente argentino Juan Manuel Rosas, que alimentava a intenção de anexar o Uruguai ao território argentino.
  • Da união entre Oribe e Rosas nasceu uma linha política que contrariava os interesses brasileiros na região do Prata.
slide16
Os brasileiros diziam que os blancos não respeitavam nossas fronteiras no Rio Grande do sul e frequentemente provocavam conflitos com os proprietários das fazendas gaúchas.
  • O Brasil resolveu intervir na região platina, para preservar seus interesses econômicos e políticos. Aliou-se a Rivera (colorado) promovendo uma luta armada contra Oribe, que foi afastado do poder (1851)
slide17
Nesse momento o presidente da argentina Rosas entrou em ação para apoiar Oribe.Era uma boa oportunidade para realizar seu plano de expansão, caso fosse o vencedor.
  • Duas províncias argentinas, Entre-Rios e Corrientes, organizaram uma revolta contra Rosas.
slide18
Aproveitando-se da ocasião, o governo brasileiro decidiu auxiliar a luta desas províncias, que era comandada pelo general argentino Urquiza.
  • A intervenção brasileira trouxe como resultados a derrota do presidente Oribe com ajuda das tropas brasileiras comandadas por Caxias.
slide19
Na argentina Rosas foi derrotado pelas tropas do general Urquiza, também apoiadas pelas forças brasileira.Depois da vitória, Urquiza foi conduzido ao poder argentino.
guerra contra aguirre 1864 1865
Guerra contra Aguirre – 1864/1865
  • A luta política entre blancos e colorados continuou intensa ao longo da década de 1850. Fazendeiros do Brasil permaneceram brigando violentamente com uruguaios pertencentes ao blancos.
  • O governo brasileiro, vendo seus interesses prejudicados, fez inúmeras reclamações ao governo do Uruguai.
slide21
Chegou a enviar emissários à capital uruguaia, com a missão de exigir providências para solucionar os problemas de fronteira entre Uruguai e os brasileiros.
  • Entretanto, o presidente do Uruguai, Atanásio Aguirre,que era blanco, deu pouca atenção aos pedidos.
slide22
Percebendo que não seria atendido, o governo imperial brasileiro resolveu declarar guerra ao Uruguai.
  • Novamente , procurou-se aliar ao partido colorado, que contava com Venâncio Flores, principal líder.
  • As tropas brasileira atacaram o Uruguai por mar e por terra.
slide23
Os ataques terrestres foram comandados pelo general Mena Barreto, e a esquadra marítima ficou sob o comando do almirante Tamandaré.
  • Em 1865, com o auxílio das tropas brasileiras, Venâncio Flores derrotou Aguirre e assumiu o governo.
slide24
Diante da derrota, Aguirre pediu ajuda ao presidente do Paraguai, Solano López, estabelecendo uma aliança de caráter político e militar.
  • Era o início de uma longa e sangrenta guerra.
guerra do paraguai 1865 1870
Guerra do Paraguai - 1865- 1870
  • Seu primeiro presidente, José Gaspar Rodrigues de Francia, através de uma enérgica ação governamental, desenvolveu uma estrutura socioeconômica voltada para os interesses da população e com vistas à plena independência do país.
  • Distribui terras aos camponeses, combateu a oligarquia parasitária, construiu inúmeras escolas para o povo.
slide26
Francia morreu em 1840.Seus sucessores, Antônio Carlos Lópes 1840 -1862 e seu filho, Francisco Solano Lópes 1862-1870, prosseguiram sua obra, buscando fazer do Paraguai um país soberano e livre da exploração do capitalismo internacional.
slide27
O projeto paraguaio de emancipação desagradava a inglaterra, que tinha interesse em manter todos os países latino-americanos como simples fornecedores de matérias-primas e consumidores dos seus produtos industrializados.
slide28
Percebendo que o Paraguai não se enquadrava no esquema pretendido pelo capitalismo industrial, a Inglaterra financiou, com todo empenho, o Brasil, a Argentina e o Uruguai quando esses países, por intermédio do Tratado deTríplice Aliança, decidiram lutar contra o Paraguai.
slide29
Foi o mais longo e sangrento conflito armado já ocorrido na América do Sul.
  • Para o Brasil, o episódio que deu início ao conflito foi o aprisionamento, pelo governo paraguaio, em novembro de 1864, do navio brasileiro Marquês de Olinda que navegava próximo a Assunção, com destino à província de Mato Grosso.
slide30
O aprisionamento do navio foi a reação do Paraguai contra a invasão e as deposição do presidente Aguirra, que era apoiado por Solano López.
  • Iniciada em 1865, a Guerra do Paraguai prolongou-se por cinco anos, terminando em 1870.
slide31

Para se ter uma ideia da extrema crueldade que caracterizou a Guerra do Paraguai, basta dizer que, do lado, brasileiro, morreram aproximadamente 100 mil combatentes. Do lado paraguaio, muitos mais vidas foram sacrificadas.

slide32

Antes da guerra, a população total do país perfazia 800 mil pessoas. Depois da guerra, essa população reduziu-se a 194 mil pessoas, isto é,75% dos paraguaios foram exterminados.

  • Da população masculina adulta, sobreviveram tão-somente 0,5%
  • Assim, o Paraguai, que fora um próspero país, era, agora, um grande cemitério.
slide33

Terminada a guerra, o império brasileiro começou a sentir o começo as consequências do envolvimento brasileiro em tão sangrento conflito:

  • A economia ficou fortemente abalada em virtude dos prejuizos da guerra, tornando-se dependente dos empréstimos efetuados junto à Inglaterra.
slide34

O Exército brasileiro passou a assumir posições contrárias à sociedade escravista brasileira e a demonstrar simpatia pela causa republicana