CULTURA DA PAZ E PEDAGOGIA DA SOBREVIVÊNCIA Ubiratan D’Ambrosio ubi@usp.br - PowerPoint PPT Presentation

gay-gomez
cultura da paz e pedagogia da sobreviv ncia ubiratan d ambrosio ubi@usp br n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
CULTURA DA PAZ E PEDAGOGIA DA SOBREVIVÊNCIA Ubiratan D’Ambrosio ubi@usp.br PowerPoint Presentation
Download Presentation
CULTURA DA PAZ E PEDAGOGIA DA SOBREVIVÊNCIA Ubiratan D’Ambrosio ubi@usp.br

play fullscreen
1 / 22
Download Presentation
CULTURA DA PAZ E PEDAGOGIA DA SOBREVIVÊNCIA Ubiratan D’Ambrosio ubi@usp.br
93 Views
Download Presentation

CULTURA DA PAZ E PEDAGOGIA DA SOBREVIVÊNCIA Ubiratan D’Ambrosio ubi@usp.br

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. CULTURA DA PAZ E PEDAGOGIA DA SOBREVIVÊNCIAAssociação Palas Athena / UNESCO / UMAPAZ Auditório do MASP · Museu de Arte de São Paulo26 de abril de 2008 CULTURA DA PAZ E PEDAGOGIA DA SOBREVIVÊNCIA Ubiratan D’Ambrosio ubi@usp.br

  2. “Perante nós se apresenta a possibilidade de um progresso contínuo em direção à felicidade, conhecimento e sabedoria, se assim escolhermos. Mas será que devemos escolher a morte, simplesmente porque somos incapazes de resolver nossos conflitos? Como seres humanos apelamos aos seres humanos: lembrem-se de sua humanidade e esqueçam o resto. Se vocês podem fazer isso, o caminho está aberto para um novo Paraíso; se não forem capazes, perante vocês se apresenta o risco da morte universal.” s) Max Born. P.W. Bridgman, Albert Einstein, L. Infeld, J.F.Joliot-Curie, H.J. Muller, Linus Pauling, C.F. Powell, Joseph Rotblat, Bertrand Russell, Hideki Yukawa. Manifesto Pugwash, 1955 Ubiratan D'Ambrosio ubi@usp.br CULTURA DA PAZ

  3. O PARADOXO DA CIVILIZAÇÃO MODERNA. A certeza das disciplinas da modernidade, a partir do século XVII, conduziu a humanidade a uma civilização paradoxal: • uma capacidade inimaginável de agir sobre o planeta e sobre a vida, interferindo e criando; • ao mesmo tempo, uma incapacidade total de manter os elementos básicos de sustentabilidade da vida em sociedade. Ubiratan D'Ambrosio ubi@usp.br CULTURA DA PAZ

  4. Em outros momentos da história, a situação mostrou-se grave. A História nos remete à ameaça “recente” da peste, que eliminou mais da metade da população européia na transição da Idade Média para o Renascimento. A peste e diversos outros fatores, particularmente a emergência de um capitalismo planetário, deram origem a um novo sistema de conhecimento que passou a ser conhecido como CIÊNCIA MODERNA. Ubiratan D'Ambrosio ubi@usp.br CULTURA DA PAZ

  5. Mas a gravidade da situação jamais ameaçou a sobrevivência da humanidade, como ameaça agora. Paradoxalmente, a ciência moderna e a tecnologia resultante, forneceram instrumentos intelectuais e materiais que ameaçam a sustentabilidade de vida no planeta. Ubiratan D'Ambrosio ubi@usp.br CULTURA DA PAZ

  6. MAS, essa mesma CIÊNCIA MODERNA e a TECNOLOGIA dela RESULTANTE, podem nos dar, se providas de uma ÉTICA MAIOR, de RESPEITO, de SOLIDARIEDADE e de COOPERAÇÃO, os elementos necessários para evitar o extermínio da civilização no planeta. Ubiratan D'Ambrosio ubi@usp.br CULTURA DA PAZ

  7. A CULTURA DO EXTERMÍNIO Vivemos uma cultura de extermínio do indivíduo, da natureza, de grupos de indivíduos organizados como famílias, comunidades, agremiações e de grupos sociais organizados como nações. É uma cultura de aceitação de extermínio corporal e emocional de indivíduos, de conflitos grupais, de destruição devoradora da natureza e de guerras. Ubiratan D'Ambrosio ubi@usp.br CULTURA DA PAZ

  8. URGENTE Passar da CULTURA DE EXTERMÍNIO a uma CULTURA DE PAZ. Ubiratan D'Ambrosio ubi@usp.br CULTURA DA PAZ

  9. Uma CULTURA DE PAZ deve contemplar PAZ nas suas várias dimensões: PAZ INDIVIDUAL, PAZ SOCIAL, PAZ AMBIENTAL , PAZ MILITAR. Ubiratan D'Ambrosio ubi@usp.br CULTURA DA PAZ

  10. Sem PAZ não haverá SOBREVIVÊNCIA. EDUCAR para a PAZ é EDUCAR para a SOBREVIVÊNCIA Ubiratan D'Ambrosio ubi@usp.br CULTURA DA PAZ

  11. O CONFLITO CONFLITO é o estado provocado por reações distintas, pois os indivíduos são diferentes, e reagem diferentemente a estímulos da mesma realidade. Há conflitos conceituais e de idéias, de interesses, de julgamento, de opiniões. Ubiratan D'Ambrosio ubi@usp.br CULTURA DA PAZ

  12. O CONFRONTO CONFRONTO é choque, enfrentamento, guerra, com o objetivo de subordinar e mesmo eliminar uma das partes do conflito. Ubiratan D'Ambrosio ubi@usp.br CULTURA DA PAZ

  13. É URGENTE E PRIORITÁRIO EVITAR QUE O CONFLITO GERE CONFRONTO. Ubiratan D'Ambrosio ubi@usp.br CULTURA DA PAZ

  14. Nossa responsabilidade é evitar que o conflito gere confronto, mas não a partir da eliminação dos conflitos e sim a partir do que chamamos a RESOLUÇÃO DE CONFLITOS. Este é o caminho para a PAZ, que pode evitar a recorrência do confronto. Ubiratan D'Ambrosio ubi@usp.br CULTURA DA PAZ

  15. Não se trata de acabar com o conflito, pois isso pode representar a homogenização da civilização. Lois Lowry: O Doador, Ediouro/Paradidático, 1996. Trata-se de educar para a a PAZ e a SOBREVIVÊNCIA, baseadas na CONVIVÊNCIA entre DIFERENTES. Ubiratan D'Ambrosio ubi@usp.br CULTURA DA PAZ

  16. Na Educação para a Paz e para a Sobrevivência é de fundamental importância o ENSINO DE HISTÓRIA. A História nos mostra que muitas vezes acordos e tratados de paz são assinados, embora sem conseguir RESOLVER OS CONFLITOS. Ver Elizabeth A. Cole (Ed):Teaching theviolent past: history education and reconciliation, Lanham, MD, Rowman & Littlefield Pub., 1999. Ubiratan D'Ambrosio ubi@usp.br CULTURA DA PAZ

  17. Exemplifico com os confrontos armados: O processo de reconciliação e os armistícios e tratados, após os quais as partes envolvidas tentam funcionar normalmente, muitas vezes não conduzem a uma paz duradoura. O papel da EDUCAÇÃO é evitar a recorrência do confronto e da violência gerados, muitas vezes, por tensões, antagonismo, desconfiança e medo, resultado de memórias de sofrimento, de destruição e de morte. Ubiratan D'Ambrosio ubi@usp.br CULTURA DA PAZ

  18. São exemplos notáveis de armistícios nos quais logrou-se o cessar-fogo mas os conflitos latentes não foram resolvidos: o chamado Tratado de Versalhes (1919) e os diversos acordos entre israelenses e palestinos, entre a ETA e o governo da Espanha, e entre as nacionalidades que compunham a antiga Iugoslávia. Ubiratan D'Ambrosio ubi@usp.br CULTURA DA PAZ

  19. O CONFRONTO não é somente *entre nações / estados em guerra, mas também *entre classes sociais, *entre os homens e a natureza, e *no próprio indivíduo, que não consegue resolver seus conflitos internos, psico-emocionais. Ubiratan D'Ambrosio ubi@usp.br CULTURA DA PAZ

  20. É necessária a PAZ em suas quatro dimensôes: PAZ MILITAR, PAZ AMBIENTAL, PAZ SOCIAL, PAZ INDIVIDUAL. Ubiratan D'Ambrosio ubi@usp.br CULTURA DA PAZ

  21. VIOLÊNCIA É INTRÍNSECA AO CONFRONTO. “Violência vem de medo, medo vem de incompreensão, incompreensão vem de ignorância. … combatemos a ignorância com a educação”. Leah Wells (uma jovem professora) Washington DC, 2000 Ubiratan D'Ambrosio ubi@usp.br CULTURA DA PAZ

  22. EDUCAR para a RESOLUÇÃO DE CONFLITOS (PEDAGOGIA DA SOBREVIVÊNCIA) é EDUCAR PARA A PAZ. (CULTURA DA PAZ) Ubiratan D'Ambrosio ubi@usp.br CULTURA DA PAZ