Profª. Dra. Teodolina Batista S. C. Vitório - PowerPoint PPT Presentation

slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Profª. Dra. Teodolina Batista S. C. Vitório PowerPoint Presentation
Download Presentation
Profª. Dra. Teodolina Batista S. C. Vitório

play fullscreen
1 / 84
Profª. Dra. Teodolina Batista S. C. Vitório
133 Views
Download Presentation
gasha
Download Presentation

Profª. Dra. Teodolina Batista S. C. Vitório

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. FACULDADES DOCTUM TópicosEspeciais I Profª. Dra. Teodolina Batista S. C. Vitório Teófilo Otoni 1º Sem. 2012

  2. Interpretação e Argumentação Jurídica “Ciência sem consciência não passa de ruína da alma”. (Montaigne)

  3. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO • A linguagem jurídica e sua decodificação • Os meios e os modos por que se devem interpretar as leis. • A democracia autêntica e a hermenêutica doutrinária • A interpretação extensiva, restritiva e declarativa. • A interpretação semântica, a histórica e a sociológica. • As teorias de argumentação, a lógica e a dialética aplicada ao direito.

  4. Saber as leis é conhecer-lhes, não as palavras mas sua força e poder. (Scire leges non est verba earum enere sed vin ac potestam). (Celso. Jurisconsulto Romano)

  5. HERMENÊUTICA JURÍDICA (Exegese) • É a teoria científica da arte de interpretar as leis e as expressões do Direito com o objetivo de determinar seu verdadeiro sentido e real alcance. • É a leitura holística de um problema do ser (humano) e a compreensão que dele devemos ter. Alemanha: “Theorieder Auslegung” Portugal: “A Lei da Boa Razão” (18/08/69) Princípio “In claris cessat Interpretatio”.

  6. HERMENÊUTICAAPLICADA a) Código de Hamurabi (2067 a 2025 a.C) – Arts. 48, 196 (Lei de Talião), Arts. 199 e 200 (Coisificação do escravo) b) Código de Manu (1300 a 800 a.C) - Arts. 420, 498, 499 e 543 c) Lei das XII Tábuas (Tábua IV - jure patrio)

  7. d) Arts. 3º III; 226, § 3º e 4º e 227 da CF e) Arts. 4ª, 5º e 6º LICC; 126 CPC e 1584 CC (Família) f) Art. 1336, IV e 1337, Parágrafo Único (Condômino) g) Arts. 181 ao 183 do CP (Crimes contra o Patrimônio)

  8. INTERPRETAÇÃO a) Secundum Legem, Contra Legem e Proeter Legem b) Escola da Livre Indagação (François Geny e Eugen Ehrlich) c) Escola Criminal Positiva

  9. d) Escola do Direito Justo (Armínio Kantorowicz) e) Teoria do Direito Livre (Château – Thierry) – 1889/1904 f) Jurisprudência Sentimental do Bom Juiz (Magnoud)

  10. ELEMENTOS a) Gramatical (Filológico) b) Lógico c) Sociológico d) Sistemático e) Teleológico f) Moral

  11. ILUSTRAÇÕES a) A Alegoria da Caverna (Platão) b) A Parábola do Mullah (Religioso Islâmico) c) Síndrome de Abdulla d) Interpretação Salômonica (I Reis 3.16-36)

  12. ARGUMENTAÇÃO E DIALÉTICA Toda lei é obra humana e aplicada por homens, portanto, imperfeita na forma e no fundo, e dará duvidosos resultados práticos, se não verificarem, com esmero, o sentido e o alcance das suas prescrições.

  13. Existe entre o legislador e o juiz a mesma relação que entre o dramaturgo e o autor. Deve este atender às palavras da peça e inspirar-se no seu conteúdo, porém, se é verdadeiro artista, não se limita a uma reprodução pálida e servil:

  14. dá vida ao papel, encara de modo particular a personagem, imprime um traço pessoal à representação, empresta às cenas um certo colorido, variações de matiz quase imperceptíveis; e de tudo faz ressaltarem aos olhos dos espectadores maravilhados belezas inesperadas, imprevistas.

  15. O magistrado não deve proceder como insensível e frio aplicador mecânico de dispositivos; porém, como órgão de aperfeiçoamento destes, intermediário entre a letra morta dos Códigos e a vida real,

  16. apto a plasmar, com a matéria-prima da lei, uma obra de elegância moral e útil a sociedade. Não o consideram autômato; e sim, árbitro da adaptação dos textos às espécies ocorrentes, mediador esclarecido entre o direito individual e o social.

  17. Interpretar uma expressão de Direito não é simplesmente tornar claro o respectivo dizer, abstratamente falando, é, sobretudo, revelar o sentido apropriado para a vida real, e conducente a uma decisão reta. (Carlos Maximiliano)

  18. TEORIA DISCURSIVA DO DIREITO E DO AGIR COMUNICATIVO (Jürgen Habermas) 1929 - ___ A Filosofia é um processo de cooperação dialética e interdisciplinar. Utiliza-se de uma hermenêutica macroscópica capaz de examinar no âmbito social os meios de integração social produzida pela comunicação lingüística.

  19. BROCARDOS O que está claro, dispensa interpretação. (In claris cessat interpretatio) A letra mata, o espírito vivifica. (Littera occidit; spiritus vivificat) A lei é dura, mas é lei. (Dura lex, sed lex)

  20. Acima da palavra e mais poderosa que ela é a intenção de quem a afirma, ordena, estabelece. (Prior atque potentior est, quam vox, mens dicentis) Supremo direito, suprema injustiça. (Summum jus, summa injuria) Faça-se justiça, ainda que o mundo pereça. (Fiat justitia pereat mundus)

  21. Quem pode o mais pode o menos. Aquele a quem se permite o mais, não deve-se negar o menos. (In eo quod plus est semper inest et minus) Restrinja-se o odioso, amplie-se o favorável. (Odiosa rastringenda, favorabilia amplianda) Na dúvida, absolve-se. (In dubio pro reo)

  22. Uma testemunha não faz prova. Testemunha única, testemunha nenhuma. (Testis unus, testis nullus) Não há crime sem lei anterior que o defina; nem pena, sem prévia cominação legal. (Nullun crimen, nulla poena sine lege)

  23. LINGUAGEM JURÍDICA (Martin Heidegger) 1889 - 1976 “A linguagem é a Casa do ser e em sua morada vive o homem”. O “dizer” é característica fundamental do homem, entendido na forma de compreensão do ser, isto é, o homem tem o ser no ato de falar.

  24. Na linguagem e nas palavras é que as coisas chegam a ser e são. Não existem conceitos a priori, estes se resolvem no existir, no acontecer histórico. Os nomes não bastam para nomear as coisas, pois a nomenclatura não é senão uma profusão de significados arrumados em prateleiras conceituais.

  25. O pronunciamento do discurso é o meio pelo qual expressamos a fala. O discurso tem a função constitutiva da existência do Dasein. Isso é nitidamente observado na ocorrência da escuta e do silêncio, intrínsecos à linguagem discursiva. O escutar é linguagem porque o discurso fala em nós. Para escutar é preciso silenciar-se. A linguagem fala como ressoar do silêncio, que por sua vez, carrega em si o mundo.

  26. A essência da linguagem não se exaure no significar, nem é algo conexo somente a signos e a cifras. É uma ultra-relação, não apenas comunicação. Exs.: 1) Caneca: representa dádiva, oferenda, consagração.2) Livro: o que desvela ao longo da leitura. 3) Foto: saudade, estima

  27. RENÉ DESCARTES (1596 – 1650) “Cogito, ergo sum” Lógica: para Descartes (pai da Filosofia moderna), a lógica tradicional apenas ajuda a expor a verdade, mas não a conquistá-la. Se propôs a criar um método que ordenasse o pensamento e que fosse instrumento na busca da verdade.

  28. Edificou um tipo de saber não mais centrado no Ser ou em Deus, mas no homem e na racionalidade humana. Busca o fundamento do próprio saber, lançando as bases de uma “doutrina do conhecimento”.

  29. São as verdades eternas que compõem a estrutura deste novo saber. “Apenas sob o peso da verdade é que o homem pode se considerar livre”, no sentido de que obedece a si mesmo e não a forças exteriores.

  30. A LINGUAGEM JURÍDICA E SEU HERMETISMO Contam que certa vez ao chegar em casa, Rui  Barbosa ouviu um barulho estranho vindo do seu quintal.  Chegando lá, constatou haver um ladrão tentando levar seus patos de criação.  Aproximou-se vagarosamente do indivíduo e, surpreendendo-o ao tentar pular o  muro com seus amados patos, disse-lhe:

  31. 1. Oh, bucéfalo anácroto! Não o interpelo pelo  valor intrínseco dos bípedes  palmípedes, mas sim pelo ato vil e sorrateiro de  profanares o recôndito da  minha habitação, levando meus ovíparos à sorrelfa e à socapa. 2. Se fazes isso  por necessidade, transijo; mas se é para zombares da minha elevada prosopopéia de

  32. cidadão digno e honrado, dar-te-ei com minha bengala fosfórica bem no alto da tua sinagoga, e o farei com tal ímpeto que te reduzirei  à qüinquagésima potência do que o vulgo denomina nada. 3. E o ladrão, confuso, diz: 4. “Doutor, eu levo ou deixo os patos?”

  33. JURISPRUDÊNCIAS a) INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS. DISPENSA SEM JUSTA CAUSA. EMPREGADA PORTADORA DO VIRUS HIV. DISCRIMINATÓRIO. Dentre os direitos e garantias fundamentais, assegurados na Constituição Federal, encontra-se a vedação da prática discriminatória, dispondo o Art. 5º, caput, que “todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza”.

  34. Assim, qualquer atitude do empregador, no sentido de dispensar o empregado sob a alegação de que, em sendo portador de HIV, poderá trazer prejuízo para a empresa, ou mesmo de dispensá-lo pelo simples fato de estar acometido por outra doença qualquer, implica ato patronal discriminatório, o que, sem dúvida alguma, autoriza o deferimento de indenização por danos morais.

  35. A reclamada ao dispensar a reclamante, ciente da doença e das dificuldades futuras que ela enfrentaria, cerrou os olhos e fez ouvidos moucos ao caráter social do contrato de trabalho, colocando a reclamante, certamente já abalada em sua auto-estima, em situação de inferioridade, o que, por si só, constitui ato discriminatório.

  36. O dano moral, na hipótese, é flagrante e independe de prova, já que implica no ato do empregador e ao sentimento interior e moral da autora. Na verdade, é patente que a empresa ficou insatisfeita com a condição da autora, deficiente em sua saúde, o que culminou com a dispensa imotivada. (TRT 3ª R. – 4ª Turma – 01890-2006-139-03-00-1 RO – Rel.: Júlio Bernardo do Carmo – DJMG 18/11/2006).

  37. b)MORRER NÃO É NADA Em recente decisão, um juiz deixou de conceder a tutela antecipada (fornecimento de medicamento pelo SUS) pretendida por um portador do vírus HIV, por entender que não há risco de dano irreparável com a morte de alguém. Veja abaixo, os argumentos do Juiz:

  38. Embora os autores aleguem ser portadores de AIDS e objetivem medicação nova que minorem as seqüelas da moléstia, o pedido deve ser indeferido pois não há fundamento legal que ampare a pretensão de realizar às expensas do Estado os exames de Genotipagem e a aquisição de medicamentos que, segundo os autores, não estão sendo fornecidos pelo SUS.

  39. A lei 9313/96 assegura aos portadores de HIV e doentes de AIDS toda a medicação necessária a seu tratamento. Mas estabelece que os gestores do SUS deverão adquirir apenas os medicamentos que o Ministério da Saúde indicar para cada estágio evolutivo da infecção ou da doença.

  40. Não há possibilidade de fornecimento de medicamentos que não tenham sido indicados pela autoridade federal. Por outro lado não há fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação. Todos somos mortais. Mais dia menos dia, não sabemos quando, estaremos partindo, alguns, por seu mérito, para ver a face de Deus. Isto não pode ser tido por dano.

  41. Daí o indeferimento da antecipação de tutela. Cite-se a Fazenda do Estado.Defiro gratuidade judiciária em favor dos autores.Intimem-se.São Paulo, quinta-feira, 26 de julho de 2001.(Proc. nº 968/01, Sétima Vara de Fazenda Pública de SP, Juiz Antonio Carlos Ferraz Millar).

  42. c)DESPACHO LIBERTANDO EDNA Indaga-me, jovem amigo, se as sentenças podem ter alma e paixão. O esquema legal da sentença não proíbe que tenha alma, que nela pulsem vida e emoção, conforme o caso. Na minha própria vida de juiz senti muitas vezes que era preciso dar sangue e alma às sentenças.

  43. Como devolver, por exemplo, a liberdade a uma mulher grávida, presa porque trazia consigo algumas gramas de maconha, sem penetrar na sua sensibilidade, na sua condição de pessoa humana? Foi o que tentei fazer ao libertar Edna, uma pobre mulher que estava presa há oito meses, prestes a dar à luz, com o despacho que a seguir transcrevo:

  44. A acusada é multiplicadamente marginalizada: Por ser mulher, numa sociedade machista... Por ser pobre, cujo latifúndio são os sete palmos de terra dos versos imortais do poeta. Por ser prostituta, desconsiderada pelos homens, mas amada por um Nazareno que certa vez passou por este mundo. Por não ter saúde. Por estar grávida, santificada pelo feto que tem dentro de si.

  45. Mulher diante da qual este juiz deveria se ajoelhar numa homenagem à maternidade, porém que, na nossa estrutura social, em vez de estar recebendo cuidados pré-natais, espera pelo filho na cadeia. É uma dupla liberdade a que concedo neste despacho:

  46. liberdade para Edna e liberdade para o filho de Edna que, se do ventre da mãe puder ouvir o som da palavra humana, sinta o calor e o amor da palavra que lhe dirijo, para que venha a este mundo, com forças para lutar, sofrer e sobreviver.

  47. Quando tanta gente foge da maternidade... Quando pílulas anticoncepcionais, pagas por instituições estrangeiras, são distribuídas de graça e sem qualquer critério ao povo brasileiro....

  48. Quando se deve afirmar ao mundo que os seres têm direito à vida, que é preciso distribuir melhor os bens da terra e não reduzir os comensais... Quando, por motivo de conforto ou até mesmo por motivos fúteis, mulheres se privam de gerar, Edna engrandece hoje este Fórum, com o feto que traz dentro de si.

  49. Este juiz renegaria todo o seu credo, rasgaria todos os seus princípios, trairia a memória de sua mãe, se permitisse sair Edna deste Fórum sob prisão. Saia livre, saia abençoada por Deus... Saia com seu filho, traga seu filho à luz...

  50. Porque cada choro de uma criança que nasce é a esperança de um mundo novo, mais fraterno, mais puro, e algum dia cristão... Expeça-se incontinenti o Alvará de Soltura.” (João Batista Herkenhoff, livre-docente da Universidade Federal do Espírito Santo).