o quadradinho de 8 explica por que as mulheres recebem sal rios menores n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
O quadradinho de 8 explica por que as mulheres recebem salários menores? PowerPoint Presentation
Download Presentation
O quadradinho de 8 explica por que as mulheres recebem salários menores?

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 76

O quadradinho de 8 explica por que as mulheres recebem salários menores? - PowerPoint PPT Presentation


  • 101 Views
  • Uploaded on

O quadradinho de 8 explica por que as mulheres recebem salários menores?. Lincoln Frias Instituto de Ciências Sociais Aplicadas - ICSA. As desigualdades (globais). Saúde: 96% Educação: 93% Econômico: 60% Político: 19%. IBGE, PME – Mulheres no mercado de trabalho, 2010.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'O quadradinho de 8 explica por que as mulheres recebem salários menores?' - gail-zamora


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
o quadradinho de 8 explica por que as mulheres recebem sal rios menores

O quadradinho de 8 explica por que as mulheres recebem salários menores?

Lincoln Frias

Instituto de Ciências Sociais Aplicadas - ICSA

as desigualdades globais
As desigualdades (globais)
  • Saúde: 96%
  • Educação: 93%
  • Econômico: 60%
  • Político: 19%
slide12

A mulher no Mercado de Trabalho Urbano: Rendimentos e Emprego Doméstico

Terceiro Workshop SPED/MTE

09 de novembro de 2012

slide13

Índice do rendimento feminino

Regiões Metropolitanas e Distrito Federal - 2001

Base 100 = rendimento masculino

Fonte: Convênio DIEESE, SEADE, MTE/FAT e instituições regionais. PED - Pesquisa de Emprego e Desemprego.

slide15
SERÁ?

Sabemos que mulheres e homens se inserem em segmentos ocupacionais diferentes (principio da separação):

Mulheres => cuidados e reprodução da força de trabalho (serviços domésticos, saúde, educação, etc.)

Homens => produção, construção, serviços especializados de apoio à produção

Mas a comprovação da DIVISÂO SEXUAL DO TRABALHO com consequências de INEQUIDADE requer uma investigação mais detalhada.

Nesta etapa, fizemos:

  • Comparação de rendimentos de homens e mulheres inseridos em ocupações similares;
  • Comparação de rendimentos de mulheres de dois tipos de ocupações – as tipicamente femininas e as tipicamente masculinas;

Outro estudo – Emprego Doméstico

slide16

METODOLOGIA

  • População analisada: idade entre 16 e 60 anos em 07 regiões investigadas pelo Sistema PED.
  • Criação de grupos ocupacionais homogêneos (unidade de referência para análise)
  • Aglutinação de inserções profissionais semelhantes , com critérios:
  • i) natureza da ocupação;
  • ii) nível de escolaridade;
  • iii) rendimentos médios
  • iv) setor e ramo de atividade;
  • e v) número amostral mínimo.
  • Informações para cada grupo ocupacional :
  • i) proporção de homens e mulheres,
  • ii) anos médios de estudo
  • iii) e rendimentos médios para ambos os sexos.
  • Como a PED é uma pesquisa amostral, p/ gerar indicadores de rendimentos em nível ocupacional o procedimento exigiu, além da acumulação da amostra de três anos de pesquisa (2009, 2010 e 2011).
slide19

Rendimentos Femininos em

Grupos Ocupacionais Tipicamente e Tipicamente Masculinos

slide21

Uma parte da desigualdade é explicada por desigualdades de produtividade (horas trabalhadas saúde, educação, experiência, horas trabalhadas etc.) e outras diferenças (p. ex., escolhas de carreira). Cerca de 60% (BLAU; KAHN, 2007).

  • E a parte inexplicada tem aumentado.

Por que as mulheres ganham menos mesmo quando elas têm mais saúde e escolaridade?

slide22

X

Porque elas são piores no trabalho.

Por que elas são vistas como piores no trabalho?

E como mudar isso?

Porque elas são

VISTAS COMO

piores no trabalho.

por que elas s o vistas como piores
Por que elas são vistas como piores?
  • Hipótese 1: porque elas têm menor capacidade produtiva.
  • Previsâo: isso nunca vai mudar.
  • Hipótese 2 (do tempo): porque elas possuíam menor capacidade produtiva até há pouco tempo e as percepções e instituições sociais ainda não se corrigiram.
  • Previsão: com o tempo, isso vai mudar sozinho.
  • Hipótese 3 (do estereótipo): porque há uma tendência biológica a vê-las como menos produtivas (a qual a cultura pode estimular ou desestimular).
  • Previsão: isso piora se a cultura estimular e melhora se a cultura desestimular.
fato 2
Fato 2
  • Nossa cultura trata as mulheres como sendo principalmente objetos sexuais.
  • Objeto:
  • seu valor é medido por atributos físicos. Elas são valorizadas segundo interesses sexuais masculinos.
  • ela não tem vontade própria, a não ser satisfazer a vontade do homem.
  • Objetificar: criar, reforçar ou estimular a imagem de algo como objeto.
  • Publicidade, TV, cinema, pornografia etc.: submissão, fraqueza , gosta de ser humilhada etc.
outros exemplos
Outros exemplos
  • Publicidade: mulher vende, mulher como brinde.
  • Bechdeltest
  • Smurfettetest
  • Igreja Católica
slide43

MyPussy É o Poder

Gaiola Das Popozudas

Na cama faço de tudoSou eu que te dou prazerSou profissional do sexoE vou te mostrar porque

Mypussy é o poder

Mulher burra fica pobreMas eu vou te dizerSe for inteligente pode até enriquecer

Mypussy é o poder

Por ela o homem choraPor ela o homem gastaPor ela o homem mataPor ela o homem enlouquece

Dá carro, apartamento, joias,

roupas e mansãoColoca siliconeE faz lipoaspiraçãoImplante no cabelo com rostinho de atrizAumenta a sua bunda pra você ficar feliz

Rasta no chão, rasta no chão,

rastaque rasta que rasta que rasta no chão

slide47

Marcelo Rubens Paiva (junho, 2013):

É uma pena que hoje as capas da Playboy não sejam mais as mulheres bem-sucedidas, apenas as subcelebridades.

depois de almo ar quem lava os pratos o mesmo sexo que fez a comida lavou a roupa arrumou a casa
Depois de almoçar, quem lava os pratos?(o mesmo sexo que fez a comida, lavou a roupa, arrumou a casa)
fato 3
Fato 3

Elas sofrem muita violência doméstica e sexual.

estupros em sp
Estupros em SP
  • 01 a 12 de 2011: 4.022 ocorrências
  • 01 a 10 de 2012: 5.055 casos de estupro
  • 16 estupros por dia
  • 70% dentro de casa
  • Amigos ou conhecidos- 1.333 registros
  • Pai- 447
  • Padrasto- 444
  • Estupro: 1 em cada 5 mulheres (por homens)
  • Violência: 1 em cada 3 mulheres (por homens)
qual o ponto
Qual é o ponto?
  • O problema não é incentivar o sexo, a sensualidade, a promiscuidade etc.

Os problemas são:

hip tese
Hipótese
  • A variável 2 (objetificação) causa mudança nas variáveis 1 e 3 (violência e discriminação econômica e política).
  • Logo, desestimular a objetificação diminui a discriminação e a violência contra a mulher.
teste emp rico
Teste empírico
  • Focar no corpo diminui percepção de agência (auto-controle e ação) e aumenta percepção de experiência (emoção e sensação) (Gray et al. 2011).
testes
Testes
  • Nos países onde há menos violência e mais igualdade econômica e política, há menos objetificação?
  • E o inverso também?
  • E a história confirma essa relação?
  • Problema: quais são bons marcadores de objetificação?
solu es
Soluções
  • Proteções à maternidade (serviços pré-natais, licença maternidades etc.)
  • Direito de propriedade
  • Acesso ao crédito
  • Proteção contra violência e violência sexual
  • Desestimular objetificação

- não contratar músicas degradantes com verbas públicas

- proibir publicidade sugerindo submissão e violência.

- proibir submissiveporn, XXX porn, face fucking etc.

- estimular modelos femininos intelectuais

slide75

Fazer quadradinho de 8 é fácil,

quero ver entrar em uma federal aos 18 e sem filhos

refer ncias
Referências

BLAU, F.; LAWRENCE, M. The Gender Pay Gap: Have Women Gone as Far as They Can? Academy of Management Perspectives, vol. 21. n.1, p. 7-23, 2007.

GALLAGHER, J. Mindthe male-female gap, butdon’texagerate it. Forbes, 21 mai. 2012. Disponível em: <http://www.forbes.com/sites/realspin/2012/05/21/mind-the-malefemale-income-gap-but-dont-exaggerate-it/2/> Acesso em: 10 jun. 2013.

WORLD ECONOMIC FORUM. Global gender gap report 2012. Genebra: World EconomicForum, 2013. Disponível em: |<www.weforum.org/issues/global-gender-gap‎> Acesso em: 10 jun. 2013.