slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Cláudia Helena Jasper - Nutricionista Mestranda em Saúde e Gestão do Trabalho PowerPoint Presentation
Download Presentation
Cláudia Helena Jasper - Nutricionista Mestranda em Saúde e Gestão do Trabalho

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 22
fuller-head

Cláudia Helena Jasper - Nutricionista Mestranda em Saúde e Gestão do Trabalho - PowerPoint PPT Presentation

84 Views
Download Presentation
Cláudia Helena Jasper - Nutricionista Mestranda em Saúde e Gestão do Trabalho
An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author. While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. II CONEA – Congresso Nacional de Ensino AgrícolaV CETASC – Congresso Estadual dos técnicos agrícolas de Santa CatarinaX ENEASC – Encontro Estadual de Ensino Agrícola de Santa Catarina O uso de agrotóxicos na produção de alimentos: a visão da nutrição Cláudia Helena Jasper - Nutricionista Mestranda em Saúde e Gestão do Trabalho Nutricionista Clínica do CER UNIVALI

  2. AGROTÓXICOS “Substâncias, ou mistura de substâncias de natureza química, destinadas a prevenir, destruir ou repelir direta ou indiretamente, qualquer forma de agente patogênico ou de vida animal ou vegetal, que seja nociva às plantas e animais úteis, seus produtos e subprodutos e ao homem”. Praguicidas Agrotóxicos Pesticidas Defensivos agrícolas Veneno (NRR5; Fundacentro 1998)

  3. AGROTÓXICOS Descoberta que o diclorodipheniltricloroetano (DDT) era capaz de evitar a contaminação por tifo e que os organoclorados tinham um grande potencial como pesticida promoveram uma dispersão destes compostos, sem nenhum controle, em diversos locais do mundo. Comprados a um baixo custo e podem agir por vários anos. Segunda Guerra Mundial -> produção, expansão e síntese de diversos compostos químicos, com propriedades antibióticas ou inseticidas. (Turusov et al., 2002)

  4. Agrotóxicos no Brasil Brasil entre os maiores consumidores mundiais de agrotóxicos. (ANVISA, 2007). Falta de fiscalização, fragilidade legislativa; problemas envolvendo a venda, o registro e a utilização de agrotóxicos ainda são comuns no país. 28% dos alimentos apresentam agrotóxicos em níveis acima dos permitidos (ANVISA, 2010)

  5. Agrotóxicos e saúde Danos agudos (o processo de intoxicação mais imediato): náusea, êmese, cefaléia, alergias, desmaios.. Danos crônicos: patologias de pele, carcinogênese, desregulação endócrina, neurotoxicidade, efeitos na reprodução humana e no sistema imunológico, entre outros... (ECOBICHON, 2001; FELDMAN, 1999; ELLENHORN, 1997; LEE et al., 2004; CLAPP et al., 2005; MEYER et al., 2003; BILA; DEZOTTI, 2007)

  6. Agrotóxicos e saúde -> Câncer: testículo, mama, próstata -> mutações gênicas: significativamente mais alta no grupo exposto a agrotóxicos Rev Esc Enferm USP, v. 42, n. 3, 2008

  7. Agrotóxicos e saúde “Importantes compostos cancerígenos encontram-se entre os metais pesados, os agrotóxicos, os solventes e as poeiras. Além da população rural, que fica mais exposta pelo manuseio desses produtos. Toda a população pode ter contato com agrotóxicos, seja pela ocupação, pela alimentação ou pelo ambiente. Substâncias como o DDT, clordane e lindane são promotoras de tumores”. (INCA, 2012)

  8. Agrotóxicos e saúde • Associação entre 6 tipos de agrotóxicos e diabetes: DDT, DDE, heptacloro, beta-hexaclorociclohexano(HCH), oxiclordano, trans-nonachlor. • Associação forte: heptacloro, oxiclordano • Associação moderada: DDT • Associação fraca: beta-hexaclorociclohexano(HCH), DDE, trans-nonachlor National Health and Nutrition Examination SURVEY (NHANES), 1999–2004

  9. Agrotóxicos e saúde ES => doença inflamatória crônica do tecido conjuntivo. Sua principal característica é o endurecimento (esclero) da pele, que se torna mais espessa, brilhante e escura nas áreas afetadas. Durante a investigação de possíveis fatores etiológicos, foram encontrados níveis séricos extremamente elevados de oxiclordano, um agrotóxico organoclorado. Uma possível correlação entre a intoxicação por esse agente químico e o surgimento de ES foi aventada. Rev Bras Reumatol, v. 48, n.1, p. 51-54, jan/fev, 2008

  10. Agricultura orgânica Na agricultura orgânica não é permitido o uso de substâncias que coloquem em risco a saúde humana e o meio ambiente. Não são utilizados fertilizantes sintéticos solúveis, agrotóxicos e transgênicos Para ser considerado orgânico, o produto tem que ser produzido em um ambiente de produção orgânica, onde se utiliza como base do processo produtivo os princípios agroecológicos que contemplam o uso responsável do solo, da água, do ar e dos demais recursos naturais, respeitando as relações sociais e culturais. (BRASIL, 2014)

  11. Aspectos nutricionais Vits. A, C, E, zinco, selênio, licopeno, bioflavonóides catequinas -> Vegetais orgânicos contêm entre 19% e 69% mais antioxidantes do que os alimentos convencionais ->Substituir vegetais comuns por orgânicos surte o mesmo efeito que passar a comer entre uma e duas porções a mais de frutas e verduras todos os dias.

  12. Aspectos nutricionais Avaliação do potencial antioxidante e de algumas características físico-químicas do tomate (Lycopersicon esculentum) orgânico em comparação ao convencional. (BORGUINI, 2006)

  13. Aspectos nutricionais Qualidade superior

  14. Aspectos nutricionais Pesquisa dinamarquesa, em modelo animal. Grupo de Dietas: 1. orgânico – sem agrotóxicos e sem adubos químicos; 2.integrado - uso controlado de agrotóxicos e adubos químicos; 3. convencional - alto uso de agrotóxicos e adubos químicos Conclusão: ratos alimentados com a dieta orgânica - maior atividade diurna, menor volume de tecido adiposo e melhor função metabólica do fígado. (JORGENSEN et al., 2008)

  15. Aspectos nutricionais Qualidade de solo: Estudo de longa duração (21 anos) comparando a biodiversidade e qualidade de solo entre sistemas não-convencionais (biodinâmico e orgânico) e convencional, foi realizado na Europa Central. Conclusão: melhor estruturação de solo e infiltração de água nos sistemas orgânico e biodinâmico. = mais nutrientes! (MÄDER et. al., 2007)

  16. Aspectos nutricionais • Quando consumimos um alimento convencional, deixamos de consumir... Vit. C Ferro, fósforo Cálcio, ferro

  17. Agrotóxicos e saúde Nas últimas décadas, o uso indiscriminado de agrotóxicos na produção de alimentos vem causando preocupação em diversas partes do mundo. A crítica ao modelo de agricultura vigente cresce à medida que estudos comprovam que os agrotóxicos contaminam os alimentos e o meio ambiente, causando danos à saúde. (ARCHANJO, et al., 2001)

  18. O que fazer?

  19. Aproveitar melhor os alimentos! • Consumir sempre frutas, verduras e legumes da época • Os alimentos consumidos com maior frequência, ou que possuem maior teor de agrotóxicos, devem ser sempre orgânicos • Descartar folhas, cascas e talos de alimentos convencionais • Lavar muito bem os alimentos, em água corrente, antes do preparo. Deixer de molho por 15 min em solução clorada (1 litro de água para 1 col sopa de água sanitária), enxaguar bem.

  20. Mapa das feiras orgânicas Site -> Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec): http://www.idec.org.br/feirasorganicas

  21. Referências • ANVISA (2009). Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos – PARA. Nota técnica para divulgação dos resultados de 2008. Disponível em http:// www.anvisa.gov.br/toxicologia/residuos/resultados_PARA_2008.pdf. Acesso em Setembro de 2014. • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos. Relatório de Atividades de 2001–2006. Disponível em: < http://www.anvisa.gov.br/toxicologia/ residuos/rel_anual_2001–2006.pdf>. Acesso em: set 2014 • ARCHANJO, L. R.; BRITO, K. F. W.; SAUERBECK, S. Alimentos Orgânicos em Curitiba: consumo e significado. Cadernos de Debate, Vol. VIII, 2001 • BILA, D. M.; DEZOTTI, M. Desreguladores endócrinos no meio ambiente: efeitos e consequências. Quim. Nova, v. 30, n. 3, p. 651–66, 2007. • CLAPP, R.; HOWE, G.; LEFEVRE, M. J. Environmental and occupational causes of cancer: A review of recent scientific literature. Amherst: University of Massachusetts, 2005. • ELLENHORN, M. J. Ellenhorn's Medical Toxicology: diagnosis and treatment of human poisoning. Baltimore: Williams & Wilkins, 1997. • FELDMAN, R. G. Occupational and environmental neurotoxicology. Philadelphia: Lippincott–Raven Publishers, 1999.  • JØRGENSEN, H., BRANDT, K., and LAURIDSEN, C. 2008. Year rather than farming system influenced protein utilisation and energy value of vegetables when measured in a rat model. Nutr. Res. 28, 866-878. • LEE, W. J. et al. Cancer incidence among pesticide applicators exposed to Alachlor in the Agricultural Health Study.Am J Epid, v. 159, n. 4, p. 373–80, 2004 • MÄDER, P.; HAHN, D.; DUBOIS, D.; GUNST, L.; ALFÖLDI, T.; BERGMANN, H.; OEHME, M.; AMADÔ, R.; SCHNEIDER, H.; GRAF, U.; VELIMIROV, A.; FLIESSBACH, A. AND NIGGLI, U. (2007) Wheat quality in organic and conventional farming: results of a 21 year field experiment. Journal of the Science of Food and Agriculture (87):pp.1826-1835. • MEYER, A. et al. Cancer mortality among agricultural workers from Serrana Region, state of Rio de Janeiro, Brazil.Environ Res, v. 93, p. 264–271, 2003. • RIGOTTO, R. M.; VASCONCELOS, D. P.; ROCHA, M. M. Uso de agrotóxicos no Brasil e problemas para a saúde pública. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 30(7):1-3, jul, 2014

  22. OBRIGADA! Cláudia H. Jasper Email: claudiajasper.nutricao@gmail.com