teoria do crime direito penal ii n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
TEORIA DO CRIME ( DIREITO PENAL II) PowerPoint Presentation
Download Presentation
TEORIA DO CRIME ( DIREITO PENAL II)

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 13

TEORIA DO CRIME ( DIREITO PENAL II) - PowerPoint PPT Presentation


  • 115 Views
  • Uploaded on

TEORIA DO CRIME ( DIREITO PENAL II). FDUNL Teresa Pizarro Beleza 2007/2008. CASOS. Caso 0. M quer matar K. Estrangula-o com toda a força, provocando-lhe a morte em poucos segundos. Acção? Típica? Ilícita? Culposa? Punível?. Caso 1.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'TEORIA DO CRIME ( DIREITO PENAL II)' - finley


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
teoria do crime direito penal ii

TEORIA DO CRIME(DIREITO PENAL II)

FDUNL

Teresa Pizarro Beleza

2007/2008

caso 0
Caso 0
  • M quer matar K. Estrangula-o com toda a força, provocando-lhe a morte em poucos segundos.
  • Acção?
  • Típica?
  • Ilícita?
  • Culposa?
  • Punível?
caso 1
Caso 1
  • Zacarias encontra-se a praticar tiro ao arco em zona protegida e autorizada. Um erro de pontaria e a deficiência dos instrumentos utilizados levam-no a atingir um empregado do clube, que fica gravemente ferido.
caso 2
Caso 2
  • António matou Bernardo com dois tiros de caçadeira. Analisados os factos, conclui-se que fora a única forma de evitar que Bernardo o matasse a ele.
caso 3
Caso 3
  • Carlos, funcionário do Registo Civil, falsifica uma certidão em favor e a pedido de Diogo. Apura-se que o fez apenas porque este o ameaçara seriamente de violência contra os seus filhos se não atendesse o seu pedido.
caso 4
Caso 4
  • Ernesto combina com Francisco e Gabriel o assalto a uma dependência bancária. São surpreendidos pela polícia em plena actividade, desarmados e presos. Descobre-se mais tarde que era já o quinto assalto do grupo, até então por identificar.
caso 5
Caso 5
  • Anabela e Bernardino vão à praia com o filho pequeno, César. Apercebendo-se de que em determinado momento ele se afasta da beira do mar, nadando para longe, nada fazem para o impedir. Só a intervenção de um pescador experimentado impede o seu iminente afogamento.
caso 6
Caso 6
  • Xavier sai de casa à pressa de manhã. Esquece-se de verficar se a torneira do gaz de segurança fica bem fechada. Na véspera, reparara que um dos bicos parecia ter uma pequena fuga. O gaz espalha-se e acaba por provocar uma explosão, de que decorrem ferimentos graves em três vizinhos.
caso do veneno conjugal

Caso do Veneno conjugal

Ou

“The Seven Year Itch…”

veneno conjugal
Veneno conjugal
  • Ana Maria é casada com José Francisco há sete anos. Desconfiada da infidelidade do marido, começa a abrir cartas que lhe são dirigidas, a verificar os extractos bancários da conta pessoal dele e a "vasculhar" os bolsos dos casacos.
  • Um dia encontra a "prova" tão temida quanto desejada: um pedaço de papel rabiscado com a marcação de um encontro, que lhe parece perfumado e com vestígios de "baton".
slide12
Perante a descoberta, medita na vingança que ele merece. E resolve: vai colocar-lhe todos os dias na comida - o homem adorava sopa, coitado! - uma pequena dose de arsénico, para que ele fique suficientemente doente para que dependa dela para o resto da vida. Ela logo verá se depois trata dele ou o abandona.
  • Num radioso dia de Janeiro, prepara de manhã a primeira dose - que é consumida ao jantar sem problemas de maior. Uma semana depois as queixas do estômago sucedem-se por parte do marido; ela diz-lhe que é da vida agitada e que tome anti-ácidos.
slide13
Duas semanas depois, dá entrada no hospital de urgência, onde acaba por morrer por efeito acumulado do veneno, a que ele tinha uma sensibilidade muito acima do comum - aquelas doses, provou-se em tribunal, não teriam morto qualquer outra pessoa. Mas a mulher bem conhecia a "história clínica" do marido, como é possível não ter percebido o risco que corria??
  • Em sua opinião, A deveria ser acusada de que crime(s)?