cot 741 princ pios da deforma o pl stica n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
COT – 741 Princípios da Deformação Plástica PowerPoint Presentation
Download Presentation
COT – 741 Princípios da Deformação Plástica

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 27

COT – 741 Princípios da Deformação Plástica - PowerPoint PPT Presentation


  • 100 Views
  • Uploaded on

COT – 741 Princípios da Deformação Plástica. Universidade Federal do Rio de Janeiro Coordenação dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia Programa de Engenharia Metalúrgica e de Materiais. DISCORDÂNCIAS. Rio de Janeiro, Março de 2003.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'COT – 741 Princípios da Deformação Plástica' - evonne


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
cot 741 princ pios da deforma o pl stica
COT – 741 Princípios da Deformação Plástica

Universidade Federal do Rio de JaneiroCoordenação dos Programas de Pós-Graduação em EngenhariaPrograma de Engenharia Metalúrgica e de Materiais

DISCORDÂNCIAS

Rio de Janeiro, Março de 2003

slide2

Fonte: W. D. Callister, Jr. “Ciência e Engenharia de Materiais: Uma Introdução”. LTC Editora, Rio de Janeiro, 2002.

Representação esquemática de uma discordância aresta positiva (a) se movimentando ao longo do plano de deslizamento em função de um tensionamento cisalhante (b) e chegando na superfície do cristal, consumando a deformação plástica, que resulta num degrau de dimensões do vetor de Burgers da discordância (c)

slide3

Fonte: W. D. Callister, Jr. “Ciência e Engenharia de Materiais: Uma Introdução”. LTC Editora, Rio de Janeiro, 2002.

Representação esquemática de uma discordância espiral. Visão do cristal apresentando a linha da discordância e o vetor de Burgers (esquerda) e seção em corte do plano de movimentação da mesma discordância (direita).

slide4

Representação esquemática de uma discordância mista. Na prática as discordâncias possuem um caráter misto, apresentando características de discordância aresta e espiral.

Fonte: W. D. Callister, Jr. “Ciência e Engenharia de Materiais: Uma Introdução”. LTC Editora, Rio de Janeiro, 2002.

slide5

Fonte: W. D. Callister, Jr. “Ciência e Engenharia de Materiais: Uma Introdução”. LTC Editora, Rio de Janeiro, 2002.

Representação esquemática da relação entre a direção da tensão aplicada e a direção de movimentação de uma discordância. Para uma discordância aresta (a) a direção de movimentação da discordância é paralela à de tensionamento enquanto para uma discordância espiral (b) é perpendicular. O resultado final é o mesmo.

slide6

O ser humano aprende muitoobservando a natureza!

Analogia entre o caminhar de uma centopéia e a movimentação de uma discordância.

Fonte: W. D. Callister, Jr. “Ciência e Engenharia de Materiais: Uma Introdução”. LTC Editora, Rio de Janeiro, 2002.

slide7

Fonte: W. D. Callister, Jr. “Ciência e Engenharia de Materiais: Uma Introdução”. LTC Editora, Rio de Janeiro, 2002.

Campos de distorção elástica da rede cristalina em função da presença de uma discordância aresta positiva, resultando numa região de tensionamento compressivo acima da linha da discordância e de tensionamento trativo abaixo da linha da discordância.

slide8

Reações entre discordâncias positivas e negativas em função de seus campos de tensionamento. Repulsão entre discordâncias de mesmo sinal (a) e aniquilamento de discordâncias de sinais opostos, resultando numa região cristalina sem defeito (b).

Fonte: W. D. Callister, Jr. “Ciência e Engenharia de Materiais: Uma Introdução”. LTC Editora, Rio de Janeiro, 2002.

slide9

Fonte: W. D. Callister, Jr. “Ciência e Engenharia de Materiais: Uma Introdução”. LTC Editora, Rio de Janeiro, 2002.

Átomos pequenos de solução sólida substitucional, provocando um campo de tensões trativo na rede cristalina. Esses átomos podem se agrupar formando atmosferas acima da linha de uma discordância aresta positiva, contrabalanceando o campo de tensões compressivo existente no local, minimizando a distorção elástica da rede e, conseqüentemente, a energia do sistema.

slide10

Fonte: W. D. Callister, Jr. “Ciência e Engenharia de Materiais: Uma Introdução”. LTC Editora, Rio de Janeiro, 2002.

Átomos grandes de solução sólida substitucional, provocando um campo de tensões compressivo na rede cristalina. Esses átomos podem se agrupar formando atmosferas abaixo da linha de uma discordância aresta positiva, contrabalanceando o campo de tensões trativo existente no local, minimizando a distorção elástica da rede e, conseqüentemente, a energia do sistema.

slide11

σ

Normalao Plano deDeslizamento

λ

Φ

Direçãode Deslizamento

σ

Tensão cisalhante resolvida no plano de deslizamento. O produto de cosenos na fórmula ao lado é conhecido por fator de Schmid. Quanto maior o fator de Schmid maior a tensão resolvida no plano de deslizamento e mais fácil a movimentação de discordâncias. Ou seja, nos grãos com o sistema de deslizamento orientados mais próximo de 45° em relação à direção principal de carregamento, mais fácil será a movimentação de discordâncias.

slide12

A movimentação de discordâncias ocorre nos planos mais compactos ao longo das direções de maior densidade atômica, constituindo os sistemas de deslizamento. Para os materiais CFC os sistemas de deslizamento são compostos por planos {111} segundo a direção <110>.

Fonte: W. D. Callister, Jr. “Ciência e Engenharia de Materiais: Uma Introdução”. LTC Editora, Rio de Janeiro, 2002.

slide13

Fonte: W. D. Callister, Jr. “Ciência e Engenharia de Materiais: Uma Introdução”. LTC Editora, Rio de Janeiro, 2002.

slide14

Resultado da deformação plástica consumada na superfície.

Fonte: W. D. Callister, Jr. “Ciência e Engenharia de Materiais: Uma Introdução”. LTC Editora, Rio de Janeiro, 2002.

slide15

Bandas de deslizamento evidenciando a deformação plástica consumada na superfície do material. Observa-se a existência de mais de um sistema de deslizamento operante em função da proximidade de seus fatores de Schmid. Quando a deformação plástica é extensa mais de um sistema de deslizamento pode tornar-se operante.

Fonte: W. D. Callister, Jr. “Ciência e Engenharia de Materiais: Uma Introdução”. LTC Editora, Rio de Janeiro, 2002.

slide16

Discordância interrompida no contorno de grão. A descontinuidade dos sistemas de deslizamento que ocorre no contorno de grão impede a continuidade da movimentação de uma discordância.

Fonte: W. D. Callister, Jr. “Ciência e Engenharia de Materiais: Uma Introdução”. LTC Editora, Rio de Janeiro, 2002.

slide17

Célula unitária, olhando na direção de um plano (111).

Direções de escorregamento <110> neste plano.

Fonte: http://users.ox.ac.uk/~roberts/sgrgroup/lectures/microplast/Microplasticity3&4_ho.pdf

slide18

Célula unitária, olhando na direção de um plano (111).

Direções de escorregamento <110> neste plano.

Vetores de Burgers perfeitos a/2<110> neste plano.

Fonte: http://users.ox.ac.uk/~roberts/sgrgroup/lectures/microplast/Microplasticity3&4_ho.pdf

slide19

Célula unitária, olhando na direção de um plano (111).

Direções de escorregamento <110> neste plano.

Vetores de Burgers perfeitos a/2<110> neste plano.

Vetores de Burgers parciais a/6<211> neste plano.

Fonte: http://users.ox.ac.uk/~roberts/sgrgroup/lectures/microplast/Microplasticity3&4_ho.pdf

slide20

Direções de escorregamento <110> neste plano.

Vetores de Burgers perfeitos a/2<110> neste plano.

Vetores de Burgers parciais a/6<211> neste plano.

Fonte: http://users.ox.ac.uk/~roberts/sgrgroup/lectures/microplast/Microplasticity3&4_ho.pdf

slide21

Discordâncias Parciais

Produção de uma Falha de Empilhamento

Fonte: http://users.ox.ac.uk/~roberts/sgrgroup/lectures/microplast/Microplasticity3&4_ho.pdf

slide22

Discordâncias Parciais e Falha de Empilhamento

Fonte: http://users.ox.ac.uk/~roberts/sgrgroup/lectures/microplast/Microplasticity3&4_ho.pdf

slide23

Discordâncias Parciais e Falha de Empilhamento

Discordância Perfeita

Discordância Parcial

Há dissociação quando:

EDisc parcial A + EDisc parcial B < EDisc perfeita

Fonte: http://users.ox.ac.uk/~roberts/sgrgroup/lectures/microplast/Microplasticity3&4_ho.pdf

slide24

Discordâncias Parciais e Falha de Empilhamento

Para o cobre:

G ~ 48 GPa; = 70 m J m-2; b = 0,26 nm

d ~ 3,7 nm

Fonte: http://users.ox.ac.uk/~roberts/sgrgroup/lectures/microplast/Microplasticity3&4_ho.pdf

tetraedro de thompson

B

D

a

g

d

b

C

A

Tetraedro de Thompson

Fonte: http://users.ox.ac.uk/~roberts/sgrgroup/lectures/microplast/Microplasticity3&4_ho.pdf

barreira de lomer cottrell
Barreira de Lomer-Cottrell

Fonte: http://users.ox.ac.uk/~roberts/sgrgroup/lectures/microplast/Microplasticity3&4_ho.pdf

slide27

Deslizamento Cruzado

Fonte: http://users.ox.ac.uk/~roberts/sgrgroup/lectures/microplast/Microplasticity3&4_ho.pdf