CURSO DE NOVA ESCALPO ACUPUNTURA DE YAMAMOTO YNSA - PowerPoint PPT Presentation

curso de nova escalpo acupuntura de yamamoto ynsa n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
CURSO DE NOVA ESCALPO ACUPUNTURA DE YAMAMOTO YNSA PowerPoint Presentation
Download Presentation
CURSO DE NOVA ESCALPO ACUPUNTURA DE YAMAMOTO YNSA

play fullscreen
1 / 55
CURSO DE NOVA ESCALPO ACUPUNTURA DE YAMAMOTO YNSA
448 Views
Download Presentation
elpida
Download Presentation

CURSO DE NOVA ESCALPO ACUPUNTURA DE YAMAMOTO YNSA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. CURSO DE NOVA ESCALPO ACUPUNTURA DE YAMAMOTOYNSA CURSOS CEVMEC CENTRO DE ESTUDOS VIRTUAIS DA MEDICINA CHINESA

  2. CEVMEC – Centro de Estudos Virtuais da Medicina Chinesa O CEVMEC é uma comunidade virtual voltada para a divulgação e ensino da Medicina Tradicional Chinesa e suas vertentes. O presente curso é o resultado de intensos estudos sobre a matéria principal e os melhores métodos disponíveis para o ensino virtual. A apresentação que você verá a seguir não pode ser copiada, redirecionada e apresentada em escolas ou em outros estabelecimentos, que não sejam o local de estudo do aluno, sob pena legal. Todos os nossos direitos estão reservados! Esperamos que tenha um ótimo curso! Diretoria CEVMEC

  3. YNSA A YNSA, ou, “Yamamoto New Scalp Acupuncture”, segundo o nome em inglês, e NEAY, “Nova Escalpo Acupuntura de Yamamoto” é uma técnica revolucionária entre todas as técnicas da tradicional Medicina Oriental, e da medicina atual ocidental. A técnica leva o nome do seu descobridor: Yamamoto, Toshikatsu; doutor em Neurologia nascido no Japão. Ele passou estudar uma outra técnica da Escalpo Acupuntura surgida na década de 50 na China e passou a fazer suas relações. Por isso, a YNSA também é conhecida como “Acupuntura Neurológica”, pois, além de trabalhar na região escalpeana e ser descoberta por um neurologista, essa técnica realmente tem um forte efeito sobre o sistema nervoso.

  4. Dr. Toshikatsu Yamamoto

  5. Por que utilizar a YNSA? Os resultados falam por si mesmos. Embora no fim do curso analisaremos melhor alguns exemplos práticos, veremos agora experiências reais que alguns “escalpo-acupunturistas” tem colhido no mundo. Especialmente o Japão, terra natal da YNSA, e a Alemanha tem sido berços de inúmeras pesquisas!

  6. Caso 1 – Rompimento do Manguito Paciente, homem, com 55 anos de idade. Há 8 anos atrás sofreu um acidente de carro rompendo o manguito. Desde então sente dores intensas no ombro, não podendo erguer o braço esquerdo devido a calcificação.

  7. Após 5 segundos de aplicação:

  8. Caso 2 – Cefaléia Intermitente Paciente, mulher, com 40 anos de idade. Há 20 anos sofre de cefaléia migratória, e, desde então, tentou diversos tratamentos, mas, sem sucesso. Logo após a primeira sessão, sentiu alívio em suas dores. À partir da terceira sessão passou a não sentir mais dores.

  9. Caso 3 – Lombalgia Crônica Paciente, mulher, com 35 anos de idade. Os exames apresentaram desgaste lombar entre L5-S1. Ao pedir que levantasse a perna, sua dor era intensa.

  10. Usou-se YNSA com corrente elétrica. Após 25 minutos de aplicação a paciente conseguia erguer a perna e caminhar sem dor.

  11. Escalpo Acupuntura de Yamamoto e suas relações neurológicas Segundo a Medicina Tradicional Chinesa (MTC), existem certas regiões no corpo que exibem como que micro-representações do corpo humano. São chamados de “micro-sistemas”! A técnica YNSA faz parte dessas regiões micro-representativas do corpo, e encontra-se na cabeça!

  12. Região Escalpeana A região escalpeana (cabeça, crânio) tem particularidades interessantes: • O crânio abriga o cérebro • A cabeça abriga 12 nervos principais totalmente relacionados com as funções de diversas partes do corpo, tendo a capacidade de ativar o cérebro rápidamente. Assim, numa breve explicação, os pontos da YNSA estão localizados numa região extremamente próxima ao cérebro, cheia de nervos. Por isso, tem efeito sobre a função do Tálamo.

  13. NERVOS CRANIANOS

  14. Nervos relacionados com a face

  15. Tálamo Tálamo consiste em duas massas ovais, cada uma encaixada num hemisfério cerebral, ligados por uma ponte. Nele existem células nervosas que levam informações para os quatro principais sentidos do corpo: olfato, visão, paladar e tato. Sensações como dor, variação na temperatura e na pressão também são enviadas ao tálamo. Quando o tálamo recebe informações sensoriais do corpo, ele as remete para o córtex cerebral. Nesse momento existe uma troca de informações, e o córtex repassa a mensagem para o Tálamo e, deste, para o corpo. Outras partes do corpo, como o “tronco encefálico”, também participam nesse recepção e transmissão de mensagens! Segundo estudos recentes, é essa a região que recebe as informações transmitidas pela aplicação da YNSA e a transmite ao corpo em forma de alívio imediato!

  16. Tálamo

  17. Nervo facial O nervo facial é um dos nervos cranianos, e sua disposição pela face com certeza está relacionado com os efeitos benéficos das aplicações da YNSA. Constitui-se de uma raiz nervosa motora, chamada “nervo facial”, e outra raiz, sensitiva, chamada “nervo mediano”. Ele é responsável pelo controle dos músculos de expressão, entre diversos outros. O nervo facial penetra no meato acústico interno e, em seu interior, o nervo médio se junta com o facial, propriamente dito, formando um tronco nervoso único. Quando surge do crânio, distribui-se em várias ramificações, como os músculos mímicos, músculo estiloideo, e digástrico. De sua ramificação, alcança-se os nervos relacionados com a língua, e outros.

  18. Enervação facial

  19. YNSA A YNSA, como as outras técnicas dos micro-sistemas da Acupuntura, é o resultado da combinação entre as teorias clássicas da Medicina Oriental com as explicações fisiológicas da Medicina Ocidental. Assim, o êxito nos procedimentos com a YNSA exigem um conhecimento prévio das duas áreas. Vamos explanar sobre as teorias fundamentais que devemos dominar para a prática clínica.

  20. Teorias Orientais Um das teorias fundamentais usadas na YNSA é a teoria do Yin-Yang. Segundo a explicação clássica, o Yin e Yang são as duas polaridades, negativa e positiva, da energia, chamada de “qi” (deve ser lido “t’chi”)que circula em nosso corpo através dos meridianos, os famosos vasos ou fios de condução da eletricidade em nosso corpo.

  21. Yin Yang O yin se refere a polaridade negativa, enquanto que o yang é a polaridade positiva da eletricidade (energia) que corre por nosso corpo e nos mantém vivos. Apesar da referência às palavras positivo e negativo, a idéia Yin-Yang não quer ressaltar um como sendo superior ao outro, mas, sim, como, apesar das diferenças, um não podendo existir ou surgir sem o outro, como na eletricidade de nossas casas, aparelhos etc.

  22. A importância da teoria do Yin-Yang para a técnica da YNSA, além dos motivos clássicos da Medicina Chinesa, é por que o Dr. Yamamoto também separou as partes yin e yang da cabeça. A idéia principal e mais simples é a de que, quando trabalharmos um determinado tempo nos pontos YNSA e não conseguirmos resultados satisfatórios, vamos do outro lado e buscamos os mesmos pontos naquela região. Isso é chamado de “somatopia”, ou, a representação do corpo inteiro em uma determinada região, nesse caso, somatopos yin e somatopos yang.

  23. Somatopos Yin-Yang Os somatopos yin se referem à duas regiões da cabeça: • a face e os pontos na região limite do implante dos cabelos; • os pontos laterais, chamados Y, da região temporal da face; • os pontos yin são mais usados do que os pontos yang. Os somatopos yang também referem-se à duas regiões: • região occipital, onde ficam os pontos occipitais; • região posterior da orelha, ou, na região occipital, os pontos Y.

  24. Região frontal YIN

  25. Região temporal Yin

  26. Região Occipital Yang

  27. Região temporal Yang

  28. Meridianos Outra teoria oriental extremamente importante para a aplicação da YNSA é a dos meridianos. Segundo a Medicina Tradicional Chinesa, existem 12 meridianos principais. Cada um deles leva o nome de um órgão. Assim, de forma simples, o meridiano é o fio elétrico do órgão que ele representa. Para a YNSA o interesse nos meridianos está especialmente relacionado com os bloqueios, as diminuições e os excessos que podem ocorrer nesses meridianos. Quando isso ocorre, além de comprometer o metabolismo de um órgão, o problema no meridiano pode resultar em dores ao longo do seu trajeto. Por exemplo, suponhamos que o paciente apresente um quadro de tendinite. O trajeto de sua dor segue o ombro, lateralmente, descendo pelo cotovelo, podendo ocasionar também dores no pulso e até o dedo indicador . Uma das explicações seria um bloqueio no meridiano do Intestino Grosso. Veja as marcações em vermelho no próximo quadro: é a dor seguindo o trajeto do meridiano.

  29. Teorias da Medicina Ocidental A Medicina Ocidental, como os orientais a chamam, ou, a Medicina Alopática, é muito prática em seus diagnósticos. Por exemplo, uma dor no pescoço é somente um desvio cervical, ou, um simples mal jeito. Essa idéia aparentemente simples, mas, que esconde uma complexidade imensa, é extremamente importante nos diagnósticos da YNSA.

  30. Exemplo da Cervical Por exemplo, um paciente pode apresentar dor cervical, especialmente, na região da 7ª. vértebra cervical, ou, C7. Nesse caso, após a análise de radiografias, palpação, e anamnese completa, você poderá escolher o ponto básico YNSA referente à C7, ou seja, o ponto A, na sua oitava divisão(A8).

  31. YNSAPontos Básicos Os pontos YNSA são de fácil localização e de simples aplicação. Existem 4 (quatro) divisões ou especialidades de pontos: pontos básicos, sensoriais, Y(ypsilon) e cerebrais. Em nossa primeira aula aprenderemos os pontos básicos da região frontal. Os pontos básicos frontais foram os primeiros a serem descobertos e estudados pelo Dr. Yamamoto. Cada um dos pontos básicos é representado por uma letra. Inicialmente, foram descobertos 7 pontos básicos. Mas, mais recentemente dois outros foram acrescentados. Os 9 pontos básicos são: pontos A B C D E F G H I. Todos esses pontos estão relacionados com o sistema locomotor, superior, inferior, frontal e occipital.

  32. Localização dos pontos O primeiro passo para a localização dos pontos é conhecer algumas referências. A primeira é achar a linha média facial. Na próxima demonstração veremos dois exemplos.

  33. Linha média

  34. Ponto A Referência: cabeça e coluna cervical. Pontos: 8 Localização: o primeiro ponto fica na borda do implante dos cabelos e 1cm ao lado da linha média. É dividido em 8 pontos, referentes a cabeça e as 7 vértebras cervicais. O ponto A, assim como os demais pontos YNSA, são bilaterais. Indicações: problemas da coluna cervical em geral; torcicolo; cervicalgia; desgaste na nos discos e vértebras; enxaqueca occipital; tontura; náusea devido a desvios cervicais; hérnia de disco cervical; tendinite; etc.

  35. Ponto B Referência: ombros e trapézio. Pontos: 1 Localização: o ponto fica a 1cm acima do implante dos cabelos e 1cm ao lado do ponto A. Indicações: tensão, stress, ombralgia, bursite, tendinite, etc.

  36. Ponto C Referência: braço Pontos: 9 • Localização: no ângulo entre a linha do implante dos cabelos em cruzamento com a linha imaginária que sai do ponto Yintang (entre as sobrancelhas) num ângulo de 15º. Indicações: tendinite; bursite; epicondilite; síndrome do túnel do carpo; traumas; cervicobraquialgia; etc.

  37. O primeiro passo para encontrar o ponto C é encontrar um outro ponto da Acupuntura Sistêmica, chamado “Yintang” que fica entre as sobrancelhas.

  38. O ponto fica sempre no encontro dos implantes dos cabelos.

  39. Ponto D Referência: região lombar, as 5 vértebras lombares e a vértebra sacro-cócix. Pontos: 6 Localização: a primeira localização é 1cm acima do arco zigomático e ao lado do implante dos cabelos; a segunda é cerca de 1cm ao lado da orelha. Indicações: todos os problemas da parte inferior do corpo; lombalgia; ciatalgia; gonartrose; hérnia de disco lombar; sacralgia; coccialgia; problemas intestinais; dores renais; etc.

  40. A primeira preocupação é encontrar o arco zigomático.

  41. Ponto E • Referência: dorso, 12 vértebras lombares. • Pontos: 13 • Localização: 1cm da sobrancelha num ângulo de 15º. • Indicações: problemas torácicos; dorsalgias em geral; bronquite; pneumonia; asma; etc.

  42. Pontos Sensoriais Os chamados “pontos sensoriais” são aqueles relativos a quatro regiões dos sentido: olho, nariz, face e ouvido. Como no caso dos outros pontos básicos, esses também são bilaterais.

  43. Ponto Olho • Referência: olho e região ocular. • Pontos: 1 • Localização: 1cm abaixo do ponto A8. • Indicações: problemas oculares em geral; conjuntivite; estrabismo; sequelas de AVC; catarata; etc.

  44. Ponto Nariz • Referência: nariz • Ponto: 1 • Localização: 1cm abaixo do ponto olho. • Indicações: rinite; sinusite; resfriados; gripes; epistaxe; etc.

  45. Logo baixo do ponto olho.