experi ncia profissional e processo de trabalho em gest o em sa de n.
Download
Skip this Video
Download Presentation
Experiência profissional e processo de trabalho em gestão em saúde

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 19

Experiência profissional e processo de trabalho em gestão em saúde - PowerPoint PPT Presentation


  • 123 Views
  • Uploaded on

Experiência profissional e processo de trabalho em gestão em saúde. Trabalho em Equipe. Aspectos históricos. Surge no contexto de emergência da Medicina Preventiva, que se dá nos Estados Unidos, nos anos 50.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Experiência profissional e processo de trabalho em gestão em saúde' - elani


Download Now An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
aspectos hist ricos
Aspectos históricos
  • Surge no contexto de emergência da Medicina Preventiva, que se dá nos Estados Unidos, nos anos 50.
  • Reformulação do papel do médico no sentido de passar a ter não mais exclusivamente a responsabilidade pelos cuidados em saúde, mas o de liderar o trabalho realizado por uma equipe multiprofissional.
  • Compreensão ampliada do conceito de saúde que considerava, além dos aspectos biológicos, os aspectos psíquicos e sociais.
  • Outras vertentes explicativas do surgimento do trabalho em equipe: busca pela reorientação do modelo assistencial e reorganização do trabalho para fazer frente aos crescentes custos da atenção médica (Peduzzi, 2006).
aspectos conceituais
Aspectos conceituais
  • Os conceitos de interdisciplinaridade e transdiciplinaridade foram importantes para a formulação da definição do trabalho em equipe, compreendido como trabalho de um coletivo, tal como se apresenta nas definições atuais.
  • Segundo Peduzzi (2006) o trabalho em equipe é,

Uma modalidade de trabalho coletivo que é construído por meio da relação recíproca, de dupla mão, entre as múltiplas intervenções técnicas e a interação dos profissionais de diferentes áreas, configurando, através da comunicação, a articulação das ações e a cooperação (Peduzzi, 2006: 273).

tipologia do trabalho em equipe peduzzi 2001
Tipologia do Trabalho em EquipePeduzzi (2001)
  • Equipe agrupamento
  • Equipe integração

Justaposição das ações

Agrupamento dos agentes

Articulação das ações

Interação dos agentes

tipologia do trabalho em equipe peduzzi 20011
Tipologia do Trabalho em EquipePeduzzi (2001)
  • Nas duas modalidades de equipe existem “diferenças técnicas dos trabalhos especializados e a desigualdade do valor atribuído a esses distintos trabalhos, operando a passagem da especialidade técnica para a hierarquia de trabalhos, o que torna a recomposição e a integração diversas do somatório técnico” (Peduzzi, 2001:106). Outros aspectos em comum consideram as tensões entre as diversas formas de conceber e exercer a autonomia técnica e de organização dos trabalhos especializados.
  • O processo de trabalho em saúde envolve profissionais que exercem autonomia técnica, esta concebida como a possibilidade de julgamento e tomada de decisão frente às necessidades de saúde dos usuários. O grau de autonomia, entretanto, está condicionado pela maior ou menor autoridade técnica e por dimensões políticas e ideológicas, relativas às diferentes inserções sociais dos mesmos.
autonomia e aliena o
Autonomia e alienação
  • Segundo Campos (2002), deve-se considerar os trabalhadores de saúde em uma dupla dimensão. Uma que se refere à sua capacidade de produção do sistema, como sujeito, e outra pela sua condição de objeto produzido por fatores culturais, pelo conhecimento disciplinar, pelo mercado, entre outros. Nesse sentido, estabelece que

os trabalhadores de saúde operam com relativo grau de autonomia, apesar dos constrangimentos a que estão sempre submetidos. Em conseqüência, o grau de alienação dos trabalhadores em relação ao objetivo (missão), objeto e meios de trabalho dos sistemas de saúde pode variar conforme a conjuntura e conforme a sua própria atuação como atores sociais que são. A alienação não é um dado exclusivamente estrutural, portanto (Campos, 2002:242).

autonomia e aliena o1
Autonomia e alienação
  • Para Campos (2002) a alienação dos trabalhadores de saúde pode ser verificada pelo grau de afastamento dos mesmos ao movimento de defesa da vida.
  • Considerada como princípio ético, a defesa da vida contrapõe-se a práticas cada vez mais freqüentes na atualidade norteada pelos interesses mercadológicos, pelas normas burocráticas, pelo corporativismo e pela organização parcelar do trabalho em saúde. Em relação ao último, o autor estabelece que a fixação do profissional a determinada etapa de certo projeto terapêutico produz alienação.
  • Tema da Obra – reconhecimento por parte tanto do trabalhador, quanto do cliente e da sociedade a respeito do resultado do seu trabalho. Leva a um reconhecimento, valorização, desalienação e maior satisfação profissional.
autonomia e aliena o2
Autonomia e alienação
  • Campos (2002) prevê maneiras de implementar a diretriz da Obra, entre elas,

a criação de mecanismos que permitam o envolvimento de todos os participantes de uma equipe com a elaboração de novas maneiras de se fazer uma instituição funcionar. Tornar a reinvenção uma possibilidade cotidiana e garantir a participação da maioria nesses processos são maneiras de implicar trabalhadores com as instituições e com os pacientes. Neste sentido, a Gestão Colegiada de serviços de saúde pode servir como um dispositivo desalienante. Um modo de comprometer trabalhadores com a missão e com os projetos institucionais (Campos, 2002:235).

polival ncia e especializa o
Polivalência e especialização
  • Outro desafio apontado à gestão corresponde a lidar com a especialização do trabalho sem, contudo, conduzi-lo a ações fragmentadas entre os profissionais de saúde.
  • Conceitos de Campo e de Núcleo.
  • Núcleo - corresponde ao conjunto de conhecimentos e responsabilidades referentes a uma profissão ou especialidade e o que diferenciaria os membros de uma equipe
  • Campo – corresponde ao conjunto de saberes e responsabilidades compartilhados.
composi o da equipe
Composição da equipe
  • Percepção de que a equipe é a equipe do setor de trabalho

Ali onde eu trabalho, no setor de RH, são só três administrativos mesmo.O Dr. Z. é o chefe do setor, o enfermeiro Y., temos aqui uma equipe que se compõe de dois médicos, um enfermeiro, um sanitarista que é a X. E tem a W., hoje não é plantão dela, a Dra. X. que está de férias, e tem eu e tem a K. que está de licença de saúde.

composi o da equipe1
Composição da equipe
  • Equipe caracterizada pela diversidade quanto à escolaridade, vínculo, cargo e regime de trabalho

A gente é bem misturado porque a maioria inclusive tem 3º grau, mas a função toda é 2º grau e essa parte do arquivo inclusive é de 1º grau e também de 2º . Então a gente tem misturado, porque a gente tem uma pessoa lá que é formada em psicologia, a outra também é formada em direito, outra também que é em direito, tem dois que são nível médio mesmo, 2º grau, e a X. também que é a que a gente tem de 1º grau, que ela na verdade é copeira e está readaptada para lá. Então basicamente são esses.

Uma agente de documentação médica... tem uma outra agente administrativo. O primeiro é da Prefeitura, a segunda é federal.

composi o da equipe2
Composição da equipe
  • Percepção da equipe envolvendo outros setores da Unidade

Bom, nós somos uma equipe multidisciplinar, a direção hoje...Como eu sou da direção também, nos trabalhamos juntos à divisão médica, coordenação de emergência e direção geral. (...) Então a gente...hoje...tudo...eu dependo...hoje eu acho que uma equipe é formada... porquê você depende desde aquele que faz a ficha, daquele que tria o paciente na emergência até a direção, ninguém dá um passo acima se... você depende das outras pessoas para que você possa desenvolver um trabalho. Nós trabalhamos em conjunto, eu dependo da documentação médica, que me forneça um CAT - que a família está me pedindo: “que eu preciso comunicar no trabalho..” então eu hoje... Qual é a minha equipe? A minha equipe é a equipe médica, de enfermagem e administrativa. (...) não existe a figura do eu, você não.. você vai parar, você não vai desenvolver trabalho nenhum... a figura de hoje de equipe é tudo. É tudo.

relacionamento interpessoal
Relacionamento interpessoal
  • Percepção da influência da relação pessoal sobre o trabalho

Ele (o trabalho) não está muito bom, assim por questões pessoais... não profissionais, mas questões pessoais ou de personalidade de algumas pessoas que acabam atrasando, atrapalhando o trabalho.

Não, profissionais não. Até porque o trabalho é muito fácil, é muito simples então não tem nem como ter dificuldade profissional. Problemas pessoais estão sendo trazidos para o trabalho atrapalhando até uma coisa que é simples. Agora, profissionais não até pela simplicidade do trabalho.

  • Relação com profissionais médicos

Eu acho que de uma maneira geral sim (boa relação entre os profissionais). Claro que você pode tirar o que seja um pouquinho mais metidinho, porque é médico e tem um pouquinho mais de coisa...

relacionamento interpessoal1
Relacionamento interpessoal
  • Percepção do processo comunicacional

Você não tem diálogo, você não tem conversa, você não tem muito a oferecer. Tem a oferecer? Não tem.

  • Percepção da interação da equipe como fonte de satisfação no trabalho

É positivo, assim, a nossa equipe é muito...assim, interage muito bem. E no que nós conseguimos ter um certo prazer no trabalho é a própria equipe que interage muito bem, nos relacionamos muito bem assim, a equipe de trabalho. (...) assim pessoalmente, superficialmente nos relacionamos bem assim, conversamos e tal. Isso descontrai a tensão que o trabalho nos passa.

divis o do trabalho na equipe
Divisão do trabalho na equipe
  • Polivalência

Todo mundo mete a mão em tudo. Porque na hora em que faltar um, todo mundo sabe trabalhar. Não tem esse problema de ficar eu como chefe, ficar atrás da cadeira. Eu não, eu vou lá, meto a mão, vou trabalhar.

  • Especialização

Bom, lá nós dividimos o trabalho, a parte do almoxarifado geralmente fica comigo. As medicações chegam, eu confiro, eles assinam as notas fiscais, eu arrumo, organizo. A Y. e o Z. ficam na dispensação; o W. fica na parte da informática com um sistema que a Prefeitura tem, o SIGMA, as entradas e saídas de medicações, não é? E a M. terças e quintas faz as coisas de farmacêutica, livro, essas coisas, e o chefe só verifica, não é? (risos).

processo decis rio na equipe
Processo decisório na equipe
  • Percepção da decisão como atributo da chefia

Geralmente é o Dr. X que distribui as tarefas: “Olha, você faz isso, faz isso e isso...” (rindo) Ele que é o coordenador por ser chefe.

  • Percepção da decisão pela equipe a partir de problemas

Chegamos a conversar. Sempre quando vem um caso mais.. um quadro assim a gente conversa. E: E vocês decidem juntos o que fazer? Ou não, ou é a pessoa que atendeu quem decide? R: Não, não... Isso nós decidimos junto. Isso nós decidimos em equipe.

  • Decisão tomada em equipe

Reunião, nós fazemos sempre uma reunião interna entre a gente. E: Pra todas as gestões? R: Pra todas as gestões. Sempre trabalhamos em equipe.

slide19

Referências Bibliográficas

CAMPOS, G. W. S. Subjetividade e administração de pessoal: Considerações sobre modos de gerenciar trabalho em equipes de saúde In: MERHY, Emerson Elias., ONOCKO, R.(ORG.). Agir em Saúde: um desafio para o público.   2.ed. São Paulo: Hucitec, 2002

PEDUZZI, M. “Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia” MERHY,E.E. & FRANCO,T. “Trabalho em Saúde”. In: Dicionário da educação profissional em saúde. (Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, org.). Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2006.

PEDUZZI, M. “Trabalho em Equipe”. In: Dicionário da educação profissional em saúde. (Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, org.). Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2006.

ad