AS FUNÇÕES DA LINGUAGEM NA PUBLICIDADE INTERATIVA DAS MÍDIAS DIGITAIS slide share - PowerPoint PPT Presentation

as fun es da linguagem na publicidade interativa das m dias digitais slide share n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
AS FUNÇÕES DA LINGUAGEM NA PUBLICIDADE INTERATIVA DAS MÍDIAS DIGITAIS slide share PowerPoint Presentation
Download Presentation
AS FUNÇÕES DA LINGUAGEM NA PUBLICIDADE INTERATIVA DAS MÍDIAS DIGITAIS slide share

play fullscreen
1 / 18
AS FUNÇÕES DA LINGUAGEM NA PUBLICIDADE INTERATIVA DAS MÍDIAS DIGITAIS slide share
189 Views
Download Presentation
doris
Download Presentation

AS FUNÇÕES DA LINGUAGEM NA PUBLICIDADE INTERATIVA DAS MÍDIAS DIGITAIS slide share

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. AS FUNÇÕES DA LINGUAGEM NA PUBLICIDADE INTERATIVA DAS MÍDIAS DIGITAISslide share Ariela Fernandes Sales (UFPB/IESP) Ana Flávia de Luna Camboim (UFPB/IESP)

  2. Fatores de comunicação Emissor Mensagem Referente Código Canal Receptor Adaptado de HOFF e GABRIELLI, Redação Publicitária. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004

  3. Fatores de comunicação • Emissor: emite a mensagem (indivíduo ou grupo); • Receptor: recebe a mensagem (indivíduo ou grupo); • Mensagem: conteúdo da comunicação; • Canal: via de circulação das mensagens; • Código: conjunto de regras para combinação de signos. (codificação e decodificação); • Referente: sobre o que se fala.

  4. Funções da linguagem • Jakobson (2000): “A linguagem deve ser entendida em toda a variedade de suas funções.” • Dedica-se aos detalhes da função poética, sobre o que faz de uma mensagem verbal uma obra de arte; • As mensagens não preenchem apenas uma função, mas há uma predominante.

  5. Funções da linguagem (Publicidade) Há uma predominância da função referencial e apelativa na linguagem publicitária; Outras funções também podem aparecer, por exemplo a emotiva.

  6. Função Emotiva ou Expressiva Quem fala; Exteriorização de emoção (alegria, dor, medo) Adjetivação, interjeição, pontuação (exclamação, reticência,interrogação, aspas). Presente em canções populares, nas novelas, a pintura expressionista, poesia lírica, etc.

  7. Função Referencial É o fundamento de toda comunicação; Aquilo de que(m) se fala; Denota, referencia,informa; Verificabilidade; Evita ambiguidades e confusões entre a mensagem e a realidade; Adjetivação comedida, pontuação racional. Muito utilizada no gênero jornalístico.

  8. Função Conativa Para quem se fala; Função por excelência das mensagens publicitárias; Obter do receptor alguma reação; Vocativo e Imperativo: “(...) as sentenças imperativas diferem fundamentalmente das sentenças declarativas, pois não podem ser submetidas à prova da verdade.” (JAKOBSON, 2000, p. 125).

  9. Função Fática É uma mensagem que serve para prolongar ou interromper a comunicação. Verificar se o canal funciona. Nas mensagens escritas: itálico, sublinhado, negrito,caracteres maiúsculos, aspas, etc.

  10. Função Metalinguística Definir o sentido dos signos que dificultam a compreensão do receptor. Quer dizer..., isto é..., significa que...

  11. Função Poética Potencialidades estruturais da língua; Sonoridade e visualização; Estranhamento; “Qualquer tentativa de reduzir a esfera da função poética à poesia ou de confinar a poesia à função poética seria uma simplificação excessiva e enganadora (...).” (JAKOBSON, 2000, p. 128-9)

  12. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS • ANDRADE, Maria Margarida de e MEDEIROS, João Bosco. Comunicação em Língua Portuguesa: para cursos de jornalismo, propaganda e letras. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2000. • CARRASCOZA, João Anzanello. A evolução do texto publictário: a associação de palavras como elementos de sedução na publicidade. São Paulo: Editora Futura, 1999. • CASTELO BRANCO, Renato; MARTESEN, Rodolfo Lima; REIS, Fernando (planejamento e coordenação). História da Propaganda no Brasil. São Paulo: T.A. Queiroz, 1990. – (Coleção coroa vermelha. Estudos brasileiros; v.21). • DÍAZ BORDENAVE, Juan E. O que é comunicação. São Paulo: Brasiliense, 2006. (Coleção Primeiros Passos). • DUARTE, Eduardo. Por uma epistemologia da comunicação. In: LOPES, Maria Immacolata Vassalo (Org.). Epistemologia da comunicação. São Paulo: Edições Loyola, 2003. • GRACIOSO, Francisco e PENTEADO, J. Roberto Whitaker. Cinquenta anos de vida e propaganda brasileiras. São Paulo:Mauro Ivan Marketing Editorial Ltda, 2001. • GUEDES, Marymarcia & BERLINCK, Rosane de Andrade (Orgs). E os preços eram commodos...: anúncios de jornais brasileiros do século XIX. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 2000 (Série Diachronica). • HOFF e GABRIELLI, Redação Publicitária. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004. • JAKOBSON, Roman. Linguística e Comunicação. São Paulo: Cultrix, 2000. • RAMOS, Ricardo. Um estilo brasileiro de propaganda in Revista da ESPM, edição especial de aniversário. • SANTAELA, Lúcia. Comunicação & Pesquisa: projetos para mestrado e doutorado. São Paulo: Hacker, 2001. • VANOYE, Francis. Uso da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1998.