EDA – SOGEO, São Miguel, Açores Central Geotérmica da Ribeira Grande - PowerPoint PPT Presentation

slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
EDA – SOGEO, São Miguel, Açores Central Geotérmica da Ribeira Grande PowerPoint Presentation
Download Presentation
EDA – SOGEO, São Miguel, Açores Central Geotérmica da Ribeira Grande

play fullscreen
1 / 7
EDA – SOGEO, São Miguel, Açores Central Geotérmica da Ribeira Grande
183 Views
Download Presentation
donny
Download Presentation

EDA – SOGEO, São Miguel, Açores Central Geotérmica da Ribeira Grande

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. EDA – SOGEO, São Miguel, Açores Central Geotérmica da Ribeira Grande A Central Geotérmica da Ribeira Grande, do fabricante Ormat, possui actualmente uma capacidade de geração de 13 MW tendo sido instalada em duas fases: em 1994, a Fase A constituída por dois grupos turbo-geradores duplos (2 x 2,5 MW); a Fase B, em 1998, em que foi instalada uma potência adicional com mais dois grupos turbo-geradores (2 x 4 MW). O equipamento electromecânico instalado inclui os sistemas auxiliares, transformadores, disjuntores, grupo Diesel de emergência, sistema de combate a incêndio e a linha de interligação à rede de transporte. A tecnologia do equipamento de produção é baseada num sistema binário, segundo o ciclo de Rankine, usando um fluido orgânico intermédio (normal - pentano). Esta tecnologia de conversão de calor em energia eléctrica supõe um processo de transferência de calor que se desenvolve em três níveis: o primeiro nível é a transferência de calor remanescente do vapor expandido na turbina (fluido intermédio), o segundo da água (brine) e o último do vapor geotérmico.

  2. O sistema de funcionamento da central pode ser descrito da seguinte forma: • O fluido geotérmico bifásico, proveniente dos poços, entra primeiro no separador, que separa a fase líquida (brine) do vapor saturado e gases não condensáveis (NCG). • O vapor geotérmico, depois de separado entra no vaporizador, sendo uma pequena percentagem expelida para a atmosfera conjuntamente com gases não condensáveis, através duma válvula de descarga; • Em resultado da transferência de energia calorífica para o fluido intermédio, ocorre a condensação do vapor geotérmico que é conduzido para a entrada do pré-aquecedor juntando-se ao brine, participando na transferência de calor entre a fase líquida e o fluido intermédio; • O fluido intermédio no nível mais elevado de entalpia, sob a forma de vapor, é dirigido para a turbina onde se expande accionando a turbina acoplada ao alternador; • O fluido intermédio é condensado por arrefecimento a ar, através dos aerocondensadores que funcionam como a fonte fria, após ter permutado calor no recuperador com o próprio fluido de trabalho no início de um novo ciclo.

  3. No ciclo, o fluido orgânico funciona em circuito fechado, nunca entrando em contacto directo com o fluido geotérmico ou com a atmosfera. O fluido geotérmico, após o pré-aquecedor, é conduzido numa linha de descarga para uma caixa em betão, que por sua vez está ligada por uma conduta ao poço de reinjecção CL4, onde é reinjectado.

  4. Central Geotérmica do Pico Vermelho • A primeira central geotérmica a ser instalada nos Açores: 1980 • Instalada como um projecto-piloto de confirmação do potencial geotérmico da zona, dispondo por isso de características próprias para esse tipo de utilização experimental, de que se destaca a sua forma compacta e o facto de ser facilmente transportável para outro local. • Fabricante: Mitsubishi Heavy Industries (Japão). • Utiliza o sistema clássico convencional de produção: uma turbina de vapor Curtis de escape directo para a atmosfera, acoplada a um gerador síncrono que opera a 3000 rpm. • De acordo com as suas características de projecto, a turbina desenvolve uma potência nominal de 3 MW quando fornecido um caudal de vapor de 56,5 ton/h à pressão de 5,0 kg/cm2. • Todavia, as condições de funcionamento previstas em projecto nunca foram verificadas, dado que à central foi apenas ligado o poço PV1 que fornece um caudal de vapor de 20 ton/h à pressão de 5 kg/cm 2, a que corresponde uma potência eléctrica de 850 kW.