slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
AMBIENTE MULTIMÍDIA DE SUPORTE À DISCIPLINA DE PÓS-GRADUAÇÃO PowerPoint Presentation
Download Presentation
AMBIENTE MULTIMÍDIA DE SUPORTE À DISCIPLINA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 20

AMBIENTE MULTIMÍDIA DE SUPORTE À DISCIPLINA DE PÓS-GRADUAÇÃO - PowerPoint PPT Presentation


  • 85 Views
  • Uploaded on

AMBIENTE MULTIMÍDIA DE SUPORTE À DISCIPLINA DE PÓS-GRADUAÇÃO FERRAMENTAS DE DIAGNÓSTICO DE MÁQUINAS. Mauro Hugo Mathias Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá Programa de Pós-graduação em Mecânica Área de Projetos. 4 – Métodos de Diagnósticos de Máquinas. Conteúdo do capítulo.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'AMBIENTE MULTIMÍDIA DE SUPORTE À DISCIPLINA DE PÓS-GRADUAÇÃO' - dillian


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

AMBIENTE MULTIMÍDIA DE SUPORTE À DISCIPLINA DE PÓS-GRADUAÇÃO

FERRAMENTAS DE DIAGNÓSTICO DE MÁQUINAS

Mauro Hugo Mathias

Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá

Programa de Pós-graduação em Mecânica

Área de Projetos

slide2

4 – Métodos de Diagnósticos de Máquinas

Conteúdo do capítulo

Neste capítulo efetuaremos o estudo de:

4.1 – Diagnóstico de máquinas;

4.2 – Desbalanceamento de eixos;

4.3 – Desalinhamento de eixos;

4.4 – Desalinhamento de correias;

4.5 – Componentes soltos;

4.6 – Falhas em engrenagens;

4.7 – Roçamento;

4.8 – Falhas em motores elétricos.

slide3

AMBIENTE MULTIMÍDIA DE SUPORTE À DISCIPLINA DE PÓS-GRADUAÇÃO

FERRAMENTAS DE DIAGNÓSTICO DE MÁQUINAS

Capítulo 4.8 – Falhas em motores elétricos

slide4

Falhas em motores elétricos

Motor de Indução trifásico

Rotor

Estator

Ventilador

slide5

Falhas em motores elétricos

Freqüências básicas de um motor elétrico

  • Um motor de indução possui freqüências características mesmo que não tenha nenhuma falha, são as chamadas assinaturas de vibração do motor. Estas freqüências são(em parêntesis a notação que iremos utilizar neste curso):
  • Freqüência de alimentação – (Fal)
  • Freqüência de rotação – (Frt)
  • Freqüência do campo magnético (Fcm)
  • Freqüência de escorregamento (Fes)
  • Freqüência de ranhura – (Fran)
slide6

Falhas em motores elétricos

Freqüências básicas de um motor elétrico

  • Freqüência de alimentação – (Fal) – É a freqüência elétrica – 60 Hz
  • Freqüência de rotação – (Frt) – É a freqüência real com que o motor está girando, depende da carga que está aplicada.
  • Freqüência do campo magnético (Fcm) – É a freqüência de alimentação dividida pelo numero de pólos do motor
slide7

Falhas em motores elétricos

Freqüências básicas de um motor elétrico

  • Freqüência de escorregamento (Fes) – O rotor do motor não gira com velocidade síncrona, mas escorrega para trás no campo girante. A freqüência de escorregamento é a diferença entre velocidade síncrona e a velocidade do rotor.
  • A Fes é calculada multiplicando a freqüência de alimentação pelo escorregamento do motor, que é calculado por:
  • Onde: Nm = Freqüência de rotação do motor (medida no motor)
  • Ns = Rotação síncrona (do campo) 
slide8

Falhas em motores elétricos

Freqüências básicas de um motor elétrico

  • Freqüência de ranhura (Fran) – As ranhuras do entreferro tanto no estator quanto no rotor geram vibração, pois criam desbalanceamento de forças magnéticas de atração, conseqüência da variação da relutância do circuito, em função da taxa de passagem pelas ranhuras do estator e do rotor.

A freqüência de ranhura é calculada por:

Fal = Freqüência da rede

Rs = Numero de ranhuras do rotor

S = escorregamento unitário

P = numero de pares de pólos

K = zero ou nº par (2,4,6,8,…)

slide9

Falhas em motores elétricos

Como medir a vibração em motores elétricos

  • Maquinas com conjunto rotativo leve e estruturas robustas e pesadas tem a maioria das forças geradas pelo rotor, como movimento relativo entre o eixo e o mancal.
  • A estrutura da máquina funciona como amortecimento, assim deve-se medir a vibração no rotor, através de sensores sem contato.
  • Máquinas com conjunto rotativo pesado, apoiado em mancais rígidos e com estrutura leve, tem as forças gerada pelo rotor dissipadas através dos mancais da estrutura, assim o melhor ponto para medição está localizado na estrutura da máquina, próximo a mancais de rolamentos ou chapas grossas.
slide10

Falhas em motores elétricos

Defeitos de origem elétrica e mecânica

  • Em um motor de indução os defeitos de origem elétrica podem ser resultado de:
  • Degradação do isolamento da bobina do estator
  • Desequilíbrio da alimentação
  • Quebra das barras do rotor
  • Quebra do anel curto-circuito
  • Os defeitos de origem mecânica podem ser identificados como:
  • Rotor excêntrico ou desbalanceado
  • Ventoinha quebrada
slide11

Falhas em motores elétricos

Defeitos elétricos

  • As falhas:
  • Degradação do isolamento da bobina do estator
  • Desequilíbrio da alimentação
  • Enrolamentos em curto e folgas no entreferro do motor
  • Caracterizam-se por uma freqüência no espectro de vibração igual a duas vezes a freqüência de alimentação. A amplitude é determinada pela carga do motor.
  • 2*Fal (Freqüência de alimentação)
slide12

Falhas em motores elétricos

Defeitos elétricos

  • As falhas:
  • Quebra das barras do rotor
  • Quebra do anel curto-circuito
  • Caracterizam-se pelo surgimento de bandas laterais ao redor da freqüência de rotação do motor (Nm) igual ao valor da freqüência de pólos que por sua vez é igual a 2x o valor da freqüência de escorregamento (Fes)

Nm

2*Fes

2*Fes

slide13

Falhas em motores elétricos

Rotor excêntrico ou desbalanceado

Um rotor excêntrico ou um rotor desbalanceado provocam variações no campo magnético entre os pólos do estator e o rotor (altera o chamado air gap – distância entre o rotor e o estator), causando uma freqüência de 1X rpm no sinal medido no motor:

Nm

2*Fs

2*Fs

slide14

Falhas em motores elétricos

Rotor excêntrico ou desbalanceado

  • Como saber se o defeito é mecânico (Desbalanceamento) ou elétrico (Excêntrico)?
  • Deve-se medir a vibração no momento em que a corrente de alimentação do motor é cortada, duas situações podem ocorrer:
  • 1º - Amplitude de vibração decai bruscamente: Problema é elétrico e pode ser causado por excentricidade do rotor no estator
  • 2º - Amplitude decai lentamente: Problema mecânico possivelmente devido a desbalanceamento do rotor.
slide15

Falhas em motores elétricos

Métodos de análise de falhas em motores elétricos

  • Método da análise de corrente
  • Utiliza medidores não-invasivos ao motor para obter o sinal elétrico de entrada das fases do motor, assim é possível efetuar a análise do espetro da freqüência de alimentação do motor.
  • É indicada para identificação de barras quebradas no rotor e desbalanceamento de tensão.
slide16

Falhas em motores elétricos

Métodos de análise de falhas em motores elétricos

  • Método do fluxo magnético
  • Utiliza uma bobina imersa no campo magnético girante produzido pelas correntes do estator. Qualquer pequeno desbalanceamento no fluxo magnético é perceptível pela bobina.
  • Este método é indicado para identificação de barras quebradas no rotor, desequilíbrio de fases e problemas nos enrolamentos do motor.
  • Possui a vantagem de não precisar saber o numero de barras e a carga do motor para identificar anomalias nas espiras.
slide17

Diagnóstico de falhas através de análise de vibrações

Falhas em motores elétricos – exemplo

Utilizando um motor de indução trifásico de 1cv, 4 pólos e 220 de alimentação (ligação em triângulo).

Com o auxilio de um reostato com entrada 220V e saída variável entre 0 e 250V foi induzido um desbalanceamento de corrente no motor.

Bancada de testes

slide18

Diagnóstico de falhas através de análise de vibrações

Falhas em motores elétricos – exemplo

  • As freqüências básicas observadas na assinatura de vibração de um motor sem defeito são:
  • Freqüência de alimentação – (Fal) = 60 Hz e
  • Múltiplos da freqüência de alimentação: : 2xFal = 120 Hz
  • Freqüência de rotação – (Frt) = 1750 rpm = 29,17 Hz
  • Múltiplos da freqüência de rotação: 2x Frt = 58,38 Hz, 3xFrt = 87,50 Hz
  • Freqüência de ranhura – (Fran) = 875 Hz e múltiplos: 2x Fran = 1750 Hz
slide19

Diagnóstico de falhas através de análise de vibrações

Falhas em motores elétricos – exemplo

Inicialmente foi efetuada uma coleta sem desbalanceamento. A corrente em cada uma das fases foi de 1 Ampere.

No gráfico do osciloscópio podemos distinguir dois picos:

28 Hz – Freqüência de rotação (Frt)

360 Hz – Múltiplo da freqüência de alimentação (Fal)

Espectro normal

slide20

Diagnóstico de falhas através de análise de vibrações

Falhas em motores elétricos – exemplo

Uma segunda medição foi efetuada induzindo-se um desequilíbrio em uma das fases. A corrente da fase com o reostato é de 1,8A enquanto as demais estão com 3,0A.

No gráfico do osciloscópio podemos distinguir dois picos:

28 Hz – Freqüência de rotação (Frt)

120 Hz –Freqüência de alimentação (Fal)

240Hz - Múltiplo da freqüência de alimentação (Fal)

Espectro com desequilíbrio de fase