Download
forma o de professores do ensino m dio n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
FORMA ÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO PowerPoint Presentation
Download Presentation
FORMA ÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO

FORMA ÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO

121 Views Download Presentation
Download Presentation

FORMA ÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO Áreas de Conhecimento e Integração Curricular ETAPA I – CADERNO IV

  2. Introdução

  3. Sobre as disciplinas escolares e a integração curricular p. 07: “A charge no início deste texto traz em questão a diferença entre os conhecimentos sistematizados da ciência e das letras, mais a experiência de vida do aprendiz. Assim, é bastante comum entre nós professores indagarmos: seriam as estruturas lógicas das disciplinas a melhor forma de promover uma formação que leve ao desenvolvimento humano integral dos nossos estudantes?”

  4. Dimensão da Totalidade p. 09: “(...) como ao longo do tempo os conhecimentos foram perdendo a dimensão de totalidade, se fragmentando e se compartimentalizando em disciplinas e áreas disciplinares”. • MITO X CIÊNCIA • OBJETIVIDADE X SUBJETIVIDADE

  5. Áreas de conhecimento e sua relação com o currículo • p. 12: “(...) quanto mais a ciência se especializou e se diferenciou, maior o número de novos campos que ela descobriu e descreveu”. • NATUREZA x CIÊNCIA

  6. Áreas do Conhecimento • Segundo as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio: • Linguagens; • Matemática; • Ciências da Natureza; • Ciências Humanas.

  7. Mas, isso é a mesma coisa que interdisciplinaridade? (p. 15 e p. 33)

  8. O ensino integrado: trabalho, ciência, tecnologia e cultura • O 1°. sentido da integração: a formação omnilateral = todas as dimensões da vida humana.

  9. TRABALHO a compreensão do trabalho no seu duplo sentido: a) ontológico, como práxis humana e, então, como a forma pela qual o homem produz sua própria existência na relação com a natureza e com os outros homens e, assim, produz conhecimentos; b) histórico, que no sistema capitalista se transforma em trabalho assalariado ou fator econômico, forma específica da produção da existência humana sob o capitalismo; portanto, como categoria econômica e práxis diretamente produtiva. (P.21)

  10. CULTURA • P. 22: (...) chamaremos de cultura o conjunto dos resultados dessa ação sobre o mundo”. • CULTURA E CULTURA AFIRMATIVA (ontológica e histórica)

  11. CIÊNCIA • P. 22: “(...) representa a forma mais completa em que se realiza a adaptação do homem à realidade”. • CIÊNCIA X NATUREZA • RAZÃO X MITO

  12. TECNOLOGIA • A tecnologia se relaciona com a ciência, mas não é apenas a sua aplicação. Podemos compreender que a tecnologia é um conjunto de sistemas, que modifica e cria – assim como a ciência – alterando a realidade física e social.

  13. Trabalho como princípio educativo • p. 28: “Se há uma unidade nesta relação – trata-se de dimensões da vida social –, ela tem como ponto de partida a produção da existência humana que se dá pelo trabalho, uma vez que o trabalho é mediação concreta entre o homem e a sua realidade natural e social”. • p. 30. Como colocar esse princípio em prática?

  14. Pesquisa como princípio pedagógico • A contextualização é importante, mas pode trazer alguns riscos: • aceitar a realidade previamente; • ver de forma linear e determinada a relação entre a realidade (o cotidiano) e o conhecimento científico. (p. 34 e 35)

  15. Pesquisa como princípio pedagógico • O objetivo da pesquisa como princípio pedagógico é “(...) formar as pessoas para produzirem novos conhecimentos, compreender e transformar o mundo em que se vive”. (p. 36) • É metodológico e é Filosófico!

  16. O projeto curricular e a relação entre os sujeitos e suas práticas • O que é específico de sua escola (ou região) e que pode ser usado para compor e demonstrar esta identidade?

  17. A personagem Malba Tahan No início do século, era bastante difícil de os autores nacionais conseguirem publicar qualquer coisa. Mello e Souza resolveu criar uma figura exótica e estrangeira, o Malba Tahan , e passar como tradutor dos contos e livros desse.Ao ler os Contos das Mil e Uma Noites, ainda menino, havia apaixonado-se pela cultura árabe. Partindo desse conhecimento, e melhorando-o com outras leituras e inclusive curso de árabe, construiu seu personagem. Sua criação era uma rara figura: nascido em 1885 na Arábia Saudita, já muito moço fora nomeado prefeito de El Medina pelo emir; depois, foi estudar em Istanbul e Cairo; aos 27 anos, tendo recebido grande herança do pai, saiu em viagem de aventuras pelo mundo afora: Rússia, India e Japão. Em cada aventura, Malba Tahan sempre acabava envolvendo-se com algum engenhoso problema matemático, que resolvia magistralmente. O sucesso dessa ideia de Mello e Souza foi imediato e ele acabou escrevendo dezenas de livros para seu Malba Tahan :  A Sombra do Arco-Iris (seu livro predileto), Lendas do Deserto, Céu de Allah, etc, etc e o muito famoso O Homem que Calculava ( que além de ter sido traduzido para várias línguas, vendeu mais de 2 milhões de exemplares só no Brasil e está na 42a edição ).Hoje, o valor pedagógico dessa obra é reconhecido até internacionalmente. Não menos meritória de aplausos é a criatividade entretenedora dos livros de Mello e Souza; o grande escritor Jorge Luiz Borges colocava-os entre os mais notáveis livros da Humanidade. 

  18. Poesia MatemáticaMillôr Fernandes Às folhas tantas do livro matemáticoum Quociente apaixonou-seum dia doidamentepor uma Incógnita.Olhou-a com seu olhar inumerávele viu-a do ápice à baseuma figura ímpar;olhos romboides, boca trapezoide,corpo retangular, seios esferoides.Fez de sua uma vida paralela à delaaté que se encontraram no infinito."Quem és tu?", indagou eleem ânsia radical."Sou a soma do quadrado dos catetos.Mas pode me chamar de Hipotenusa."E de falarem descobriram que eram(o que em aritmética correspondea almas irmãs)primos entre si.

  19. E assim se amaramao quadrado da velocidade da luznuma sexta potenciação traçando ao sabor do momentoe da paixãoretas, curvas, círculos e linhas sinoidaisnos jardins da quarta dimensão.Escandalizaram os ortodoxos das fórmulas euclidianae os exegetas do Universo Finito.Romperam convenções newtonianas e pitagóricas. E enfim resolveram se casarconstituir um lar, mais que um lar, um perpendicular.Convidaram para padrinhoso Poliedro e a Bissetriz.E fizeram planos, equações e diagramas para o futurosonhando com uma felicidade integral e diferencial. E se casaram e tiveram uma secante e três conesmuito engraçadinhos.

  20. E foram felizes até aquele dia em que tudo vira afinalmonotonia.Foi então que surgiu O Máximo Divisor Comumfrequentador de círculos concêntricos,viciosos. Ofereceu-lhe, a ela,uma grandeza absolutae reduziu-a a um denominador comum.Ele, Quociente, percebeuque com ela não formava mais um todo,uma unidade. Era o triângulo, tanto chamado amoroso.Desse problema ela era uma fração, a mais ordinária. Mas foi então que Einstein descobriu a Relatividadee tudo que era espúrio passou a ser moralidadecomo aliás em qualquer sociedade. Texto extraído do livro "Tempo e Contratempo", Edições O Cruzeiro - Rio de Janeiro, 1954, pág. sem número, publicado com o pseudônimo de Emmanuel  Vão Gogo.

  21. Integração exige romper e superar nossa própria condição social fragmentada. Ao mesmo tempo, integração exige o diálogo entre os professores (pessoas) das diferentes áreas. Ter curiosidade, respeito e admiração pela área que você não tem o domínio poderá ser um primeiro passo. • Obrigada! EloiseMediceColontonio