slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Região Agrária do Alentejo PowerPoint Presentation
Download Presentation
Região Agrária do Alentejo

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 26

Região Agrária do Alentejo - PowerPoint PPT Presentation


  • 165 Views
  • Uploaded on

Região Agrária do Alentejo. Introdução. Com este trabalho pretendemos mostrar e explicar as principais características da agricultura,da pecuária e da floresta, da Região Agrária do Alentejo. ……………………………………………………………………………………

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Região Agrária do Alentejo' - dayton


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

Região Agrária

do Alentejo

slide2

Introdução

Com este trabalho pretendemos mostrar e explicar as principais características da agricultura,da pecuária e da floresta, da Região Agrária do Alentejo. ……………………………………………………………………………………

Esta região detém um conjunto de características que a diferencia de todas as outras regiões:

» É a área que possui maior extensão de Superfície Agrícola Utilizada (47% a nível nacional);*

» Esta região, apesar de ser a mais extensa, tem um número reduzido de explorações (30 000, em contraste com, por exemplo, a Beira Litoral com 80 000).*

» É a região onde predominam os latifúndios (assim se explica que, apesar do reduzido número de explorações, o Alentejo apresente a maior área agrícola nacional).

*dados de 1997

slide3

Súperfície Total

das Explorações Agrícolas

A grande percentagem de SAU justifica-se, essencialmente, pelas características do relevo e do povoamento.

O facto de, no Alentejo, o relevo ser, no geral, aplanado, por haver uma fraca densidade populacional e o facto do povoamento ser concentrado, permitem a existência de grandes extensões de áreas cultivadas (latifúndios).

slide4

Porque é que

predominam

os latifúndios?

Factores geográficos:

» Relevo aplanado;

» Clima seco;

» Chuvas irregulares;

» Invernos mais frios;

» Pobreza dos solos;

» Fraca densidade populacional.

Factores históricos:

» Feição mais organizada da luta da reconquista;

» Doações de vastos domínios,pelo monarca, aos nobres e às ordens religiosas e militares.

slide5

Ocupação cultural

das terras aráveis

* Dados arredondados

slide6

O que são...

… Culturas temporárias?

»São culturas cujo ciclo vegetativo não excede um ano e as que são ressemeadas com intervalos máximos de cinco anos.

Plantação de tomate

slide7

… Pousios?

» Pousio é o período de tempo em que se deixa uma determinada parcela ou a totalidade da terra em repouso, para mais tarde ser cultivada.

slide8

… Hortas familiares?

» São pequenas áreas, cujo cultivo se destina fundamentalmente ao autoconsumo.

slide10

Culturas temporárias

A cultura predominante (cereais em grão) é constituída por 4 tipos de cereais: o trigo (270665 toneladas), o milho (135782 toneladas), o arroz (67105 toneladas) e, finalmente, o centeio (400 toneladas) - dados de 1997.

1)

A cultura de trigo é exigente quanto aos solos e ao clima. Precisa de uma estação seca e quente para se dar a maturação. Cultiva-se em regime de monocultura e num sistema extensivo, isto é, regimes em que são reduzidos os meios de produção e fracos os rendimentos por unidade de superfície, compensados pela grande área de exploração.

slide11

O milho é um cereal que nos chegou da América, e que, ao contrário do trigo, necessita de bastante humidade. A rega é frequentemente usada e cultiva-se muitas vezes em sistemas de policultura intensiva – várias espécies vegetais, simultaneamente, ou ao longo do ano, na mesma ou em diferentes parcelas da exploração.

slide12

O arroz é um dos cereais mais cultivados do mundo, a sua principal exigência é um clima quente e muito húmido, com uma média de temperaturas oscilando entre os 20ºC e 38ºC durante todo o período de crescimento. Cresce em terrenos inundáveis, no caso do Alentejo, encontra-se nas planícies aluviais das bacias do Mira e do Sado.

slide13

O centeio é uma planta herbácea, da família das Gramíneas, muito cultivada no país, cujo grão se reduz a farinha panificável, de grande valor nutritivo (utiliza-se para, por exemplo, fazer pão).

slide14

As culturas industriais são culturas que fornecem produtos (matérias primas) para transformação industrial, tais como o tomate, o tabaco, o girassol e a soja.

2)

Soja

Girassol

Tabaco

Tomate

slide15

As culturas hortícolas distribuem-se por todo o território, muitas vezes obtidas em pequenas hortas familiares. O seu mercado tem-se alargado consideravelmente com a utilização da rede de frio.

3)

A floricultura, que inclui as flores e as plantas ornamentais, encontram condições muito favoráveis ao longo do país, nomeadamente na região do Alentejo: a grande insolação, as temperaturas mínimas relativamente elevadas, os poucos dias de geada e ainda a possibilidade de obtenção de primores (floração mais cedo que o habitual).

slide16

4)

As batatas e as leguminosas são plantas originárias da América do Sul; dão-se bem em variados climas e solos, preferindo, no entanto, climas relativamente húmidos e solos leves.

São culturas de sequeiro que se cultivam, geralmente, em afolhamento (divisão da exploração agrícola em folhas ou parcelas, cada uma com a sua cultura).

Batata

Em algumas regiões, fazem-se duas sementeiras por ano e, nesse caso, na do Verão, utiliza-se a rega de abundância.

Leguminosas

slide17

Os prados e pastagens temporárias referem-se aos espaços utilizados para a pecuária extensiva.

5)

Exemplos de outras culturas temporárias são as leguminosas secas (feijão, grão, etc), a beterraba e culturas forrageiras.

6)

Leguminosas secas

slide18

Composição da floresta

Todas estas espécies de árvores são próprias do clima mediterrâneo, daí serem mais comuns no sul e centro do país.

slide19

O sobreiro é uma árvore da família das Fagáceas, de cujo tronco se extrai a cortiça – Portugal é um dos maiores produtores, em especial na região Alentejana. Nasce de forma natural ou semeada.

slide20

A azinheira pertence igualmente à família das Fagáceas. A azinheira fornece madeira muito apreciada. Nasce de forma natural ou semeada.

slide21

O eucalipto pertence à família das Mirtáceas. É exigente quanto à humidade por isso expande-se mais facilmente no litoral e junto a rios e lagos. São muito apreciados os vários produtos dele extraídos (por exemplo, ambientadores naturais).

slide22

Pinheiro manso

Pinheiro bravo

Os pinheiros, bravo e manso, pertencem à família das Pináceas, têm folhas aciculares e sempre verdes, são bastante úteis devido à madeira e à resina que fornecem. O pinheiro manso fornece também pinhões, frutos comestíveis.

slide24

Produções mais importantes:

Animal

» Ovinos e caprinos

» Bovino (carne)

» Bovino (leite)

» Suínos

Vegetal

» Arvenses e arroz

» Azeite

» Frutícolas

» Produtos Hortícolas

» Vinho

slide25

Conclusão

Com este trabalho concluímos que a Região Agrária do Alentejo é uma das áreas com maior aptidão para a agricultura e pecuária (94% do total de explorações é ocupado pela SAU e, de todas as regiões agrárias, o Alentejo é a que detêm maior extensão de SAU).

Esta aptidão é justificável por vários motivos, tais como o clima, o tipo de relevo, o povoamento, alguns factores históricos, etc.

O facto do Alentejo ser das regiões que mais sofre com a pobreza dos solos (em algumas áreas), faz com que tenha de ser utilizada a técnica do Pousio, deixando “inactiva” mais de 50% das terras aráveis.

Mesmo assim, é uma das áreas mais produtivas, tendo a vantagem do predomínio de latifúndios.

slide26

Trabalho elaborado por:

  • Cátia Almeida nº5
  • Helena Caixinha nº11
  • Paula Silva nº14
  • Sandra Torrinha nº17
  • 12ºJ

Março 2004