slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Como o Laboratório de Função Pulmonar pode ser útil na Asma ? Jussara Fiterman PowerPoint Presentation
Download Presentation
Como o Laboratório de Função Pulmonar pode ser útil na Asma ? Jussara Fiterman

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 38

Como o Laboratório de Função Pulmonar pode ser útil na Asma ? Jussara Fiterman - PowerPoint PPT Presentation


  • 93 Views
  • Uploaded on

Como o Laboratório de Função Pulmonar pode ser útil na Asma ? Jussara Fiterman. O Laboratório de Função Pulmonar é fundamental e isto não é novidade. Diagnóstico clinico- funcional Avaliação objetiva da intensidade da limitação ao fluxo aéreo ( gravidade)

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Como o Laboratório de Função Pulmonar pode ser útil na Asma ? Jussara Fiterman' - damian


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
o laborat rio de fun o pulmonar fundamental e isto n o novidade
O Laboratório de Função Pulmonar é fundamental e isto não é novidade

Diagnóstico clinico- funcional

Avaliação objetiva da intensidade da limitação ao fluxo aéreo ( gravidade)

Avaliação da reversibilidade e da variabilidade da obstrução ( diagnóstico e controle)

Acompanhamento do tratamento ( evolução e remodelamento)

Entendimento dos compartimentos comprometidos pela inflamação

slide3
Baixo grau de percepção da dispneia após teste de broncoprovocação induzida por metacolina em pacientes com asma

Objetivo

Avaliar o grau de dispneia em pacientes asmáticos e sua correlação com gravidade da broncoconstrição aguda, hiper-responsividade de vias aéreas, uso de medicação e controle da asma

Reck CL, J Bras Pneumol 2010;36(5):539

slide4
Baixo grau de percepção da dispneia após teste de broncoprovocação induzida por metacolina em pacientes com asma

Métodos

Broncoprovocação com metacolina

Escala de Borg para dispneia

Classificação quanto ao controle e gravidade ( SBPT 2006)

Reck CL, J Bras Pneumol 2010;36(5):539

slide5
Baixo grau de percepção da dispneia após teste de broncoprovocação induzida por metacolina em pacientes com asma

Reck CL, J Bras Pneumol 2010;36(5):539

slide6
Baixo grau de percepção da dispneia após teste de broncoprovocação induzida por metacolina em pacientes com asma

Reck CL, J Bras Pneumol 2010;36(5):539

slide7
Terry Fox run ends in tragedyAsthmatic teen dies after Alberta eventGlobe & Mail Friday, September 24, 2004 - A9
  • “Ele estava bem. Ele usava sua bombinha sempre que precisava”
slide8
Terry Fox run ends in tragedyAsthmatic teen dies after Alberta eventBy JILL MAHONEY Globe & Mail Friday, September 24, 2004 - A9
  • Mesmo tendo asma toda a vida, o aluno nota 10 …tinha seu quarto cheio de medalhas e troféus de diversos esportes, incluindo futebol, basquete e hockey.
  • Durante o campeonato de corrida da escola o adolsecente teve dificuldade para respirar e o spray não resolveu . Após terminar os 3 Km ele caiu e morreu mesmo recebendo atendimento imediato.
effect of spirometry and medical review on asthma control in general practice
Effect of spirometry and medical review on asthma control in general practice

Métodos

  • Pacientes de 31 centros e randomizados para os grupos:
  • Grupo A - espirometria a cada 3 meses com a revisão médica
  • Grupo B - espirometria apenas antes e depois do estudo
  • Grupo C - cuidado usual podendo ter PF, mas não espirometria
  • Dados de controle da asma analisados pela intenção de tratar usando testes não paramétricos e modelos de regressão logística corrigidos para confundidores.

Siao Ming Oei, Respirology 2011

effect of spirometry and medical review on asthma control in general practice1
Effect of spirometry and medical review on asthma control in general practice

Resultados:

  • 195 patients (Grupo A 69, Grupo B 78, Grupo C 48).
    • Controle da asma melhorou em todos os grupos durante os 12 meses do estudo, de forma mais importante no Grupo A
    • Aos 6 meses, controle da asma no Grupo A aumentou mais que os Grupos B + C (p = 0.006).

Siao Ming Oei, Respirology 2011

effect of spirometry and medical review on asthma control in general practice2
Effect of spirometry and medical review on asthma control in general practice

Conclusões

  • Espirometria Regular com revisão médica associou-se com aumento do controle da asma na prática geral.
  • Os mecanismos para esta melhora podem estar relacionados com ajuste apropriado da medicação e melhora da adesão

Siao Ming Oei, Respirology 2011

oito centros canadenses mesmo asma
Oito Centros Canadenses- É mesmo Asma ?

Critérios de inclusão

- Adultos > 16 anos

  • Asma diagnosticada por médico

Critérios de exclusão

- Pacientes fumantes ou ex fumantes de > 10 maços/ano

- Uso crônico de prednisona oral

  • Incapacidade de realizar espirometria

Desfecho

  • Proporção de indivíduos em que o diagnóstico de asma foi excluído

(McIvor A, dados ainda não publicados)

slide14

Espirometria pré e pós BD

Visita 1:

VEF1 não melhora em 15% pos BD = reavaliar em 1 semana para BCP

VEF1 melhora em 15% e 200 ml pós BD = asma

BCP (+) = asma

BCP > 8 mg/ml (-)

Visita 2:

Reduzir dose de CI e /ou parar anti-leukotrieno

E retestar em 14 dias

BCP (+)

= asma

BCP > 8 mg/ml (-)

Visita 3:

Discontinuar CI e retestar em 14 dias

BCP > 8 mg/ml (-) = não asma

BCP (+)

= asma

Visita 4:

Discontinuar medicação para asma e revisar em 6 meses

(McIvor A, dados ainda não publicados)

slide15

Quantos indivíduos com diagnóstico médico tiveram asma excluída?

Nos obesos 77/242 (31,8%) asma foi excluída (95% CI: 26.3-37.9%).

Nos não obesos 73/254 (28,7%) asma foi excluída (95% CI: 23.5-34.6%).

Sem diferença de erro diagnóstico entre os grupos (P =0.46)

(McIvor A, dados ainda não publicados)

conclus es
Conclusões:
  • 29-32% dos pacientes com diagnóstico de asma por profissional de saúde , NÃO tinham evidência de asma mesmo com a redução da medicação quando foram avaliados por diários de sintomas, provas de função pulmonar seriadas e broncoprovocação.

2) 66% de todos os indivíduos com exclusão do diagnóstico de asma conseguiram parar a medicação pelo menos por 6 meses.

- Apenas 8% com visitas à emergência por asma

(McIvor A, dados ainda não publicados)

slide17
Lung function and clinical risk factors for asthma in infants and young children with recurrent wheeze

Hipótese

Avaliação da função pulmonar pode contribuir para estudar fenótipos de sibilância em fase precoce da vida.

Objetivo

Verificar se a função pulmonar reduzida nos primeiros 2 anos de vida em crianças com sibilância recorrente pode prever risco maior de asma, comparado com crianças de baixo risco e controles

Borrego LM, Thorax 2009;64:203

slide18
Lung function and clinical risk factors for asthma in infants and young children with recurrent wheeze

Métodos

Crianças 8-20 meses com sibilância recorrente (>3 episódios com diagnóstico médico), sem tratamento anti-inflamatório.

Alto risco - sibilos com história familiar / sem resfriado/ eos>4%

Baixo risco – sibilos

Controles – sem sibilos

Função pulmonar - técnica padronizada

Borrego LM, Thorax 2009;64:203

slide19
Lung function and clinical risk factors for asthma in infants and young children with recurrent wheeze

Pacientes com alto risco tiveram VEF1 menor, FEF 75-25% menor, CVF menor em relação ao controle

Borrego LM, Thorax 2009;64:203

slide20
Lung function and clinical risk factors for asthma in infants and young children with recurrent wheeze

Conclusão

A função pulmonar está reduzida em crianças com sibilância recorrente mais marcadamente nas com alto risco de asma.

O conhecimento dessas alterações fisiológicas combinadas com a clínica e com os fatores de risco podem potencialmente influenciar a terapêutica.

Borrego LM, Thorax 2009;64:203

variabilidade pfe na popula o geral

Variabilidade PFE na população geral

Estudo multicêntrico Europeu

1854 crianças de 6-12 anos, seguidas por 2 - 3 meses

PFE medido 2 x/dia

Variabilidade maior se correlacionou com:

diagnóstico de asma

atopia com maior número de testes positivos

menor função pulmonar

maior número de sintomas

Timonen KL. AJRCCM 1997; 156:776.

o que est atr s do vef1
O que está atrás do VEF1 ?
  • VEF1 nem sempre se correlaciona com a gravidade da asma ( Schichilone 2007)
  • Função Pulmonar não é fator preditivo independente ou determinante da qualidade de vida em qualquer gravidade da asma ( Moy, 2001)
  • Aprisionamento aéreo – VR/CPT expressa mais acuradamente a obstrução do que VEF1/CVF (Sorkness 2007)
  • CV pode reduzir mais que o VEF1 demonstrando comprometimento da pequena via aérea, correlacionando-se com o VR ( Sorkness 2007)
  • Redução da CVF à broncoprovocação tem sido demonstrada na asma, - pequena via aérea ( Yoo, 2007)
abnormalities of plethysmographic lung volumes in asthmatic children
Abnormalities of plethysmographic lung volumes in asthmatic children

Hipótese

  • Diferentes fenótipos funcionais podem ser evidenciados em crianças asmáticas com envolvimento de vias aéreas proximais (limitação ao fluxo aéreo) e distais ( hiperinsuflação)

Objetivo

  • Testar a hipótese de que a limitação ao fluxo aéreo não prevê a hiperinsuflação

Mahut B , Resp Med 2010, 104: 966

abnormalities of plethysmographic lung volumes in asthmatic children1
Abnormalities of plethysmographic lung volumes in asthmatic children

Métodos

  • Espirometria pré e pós BD
  • Pletismografia
  • Limitação ao fluxo aéreo - VEF1 % / CVF%
  • Hiperinsuflação - VR/CPT

Mahut B , Resp Med 2010, 104: 966

abnormalities of plethysmographic lung volumes in asthmatic children2
Abnormalities of plethysmographic lung volumes in asthmatic children

hiperinsuflação

normal

hiperinsuflação

normal

limitação

Hiperinsuflação

+limitação

limitação

Hiperinsuflação

+limitação

Relação entre índices de hiperinsuflação e limitação ao fluxo aéreo . Pré BD : Quatro fenótipos observados. Pós BD : Tres fenótipos

Mahut B , Resp Med 2010, 104: 966

abnormalities of plethysmographic lung volumes in asthmatic children3
Abnormalities of plethysmographic lung volumes in asthmatic children

Relação entre hiperinsuflação e CVF.

Significativo para o Grupo com aprisionamento aéreo ( hiperinsuflaçao isolada ou com limitação ao fluxo)

Mahut B , Resp Med 2010, 104: 966

abnormalities of plethysmographic lung volumes in asthmatic children4
Abnormalities of plethysmographic lung volumes in asthmatic children

Conclusões

1) Há diferentes fenótipos funcionais da asma: limitação isolada e hiperinsuflação isolada.

2) A asma é uma enfermidade de todo o trato respiratório e o envolvimento distal e proximal representam expressões da mesma doença.

3) A CV é o melhor parâmetro espirométrico para prever a hiperinsuflação, embora seu valor de corte não seja relevante clinicamente

Mahut B , Resp Med 2010, 104: 966

slide28

Physiologic correlates of distal lung inflammation in asthma

Hipótese

Medidas fisiológicas da função pulmonar distal correlacionam-se com evidência de inflamação distal do pulmão.

Métodos

  • Avaliação histopatológica e fisiológica de 10 pacientes com asma noturna persistente grave realizada às 4 h da manhã.
  • Broncoscopia com biópsia
  • Espirometria e pletismografia na noite anterior à broncoscopia

J Allergy Clin Immunol,2004

slide29

Physiologic correlates of distal lung inflammation in asthma

Não houve correlação dos achados inflamatórios de gravidade com os parâmetros fisiológicos de fluxo aéreo

J Allergy Clin Immunol,2004

slide30

Physiologic correlates of distal lung inflammation in asthma

O grau de infiltração com eosinófilos com corelação significativa e positiva com a CPT e VGT mas não com o VR

J Allergy Clin Immunol,2004

slide31

Physiologic correlates of distal lung inflammation in asthma

Conclusões

  • A gravidade da inflamação distal teve pobre correlação com medidas fisiológicas (FEF75%, VEF1, CVF)
  • O grau de inflamação correlacionou-se significativamente com o volume de gas torácico e com CPT , sugerindo que medidas de aprisionamento e hiperinsuflação expressam melhor a gravidade do processo inflamatório.
  • Na asma grave, se a espirometria mostra diminuição de CV ( que indiretamente pode expressar aprisionamento de ar e hiper-insuflação), a medida dos volumes pulmonares poderá confirmar envolvimento de pequenas vias aéreas

J Allergy Clin Immunol,2004

slide32

Relação entre achados clínicos e função pulmonar

na recuperação da crise de asma

McFadden, 1973

slide33

VEF1 está associado ao risco de crises de asma

13842 crianças seguidas anualmente por 15 anos

Fuhlbrigge , JACI 2001; 107:61

gas trapping is associated with severe exacerbation in asthmatic children
Gas trapping is associated with severe exacerbation in asthmatic children

Hipótese

  • Sintomas não controlados e exacerbações podem estar associados a anormalidades funcionais

Objetivo

  • Verificar se sintomas e/ou exacerbações graves da asma nos últimos tres meses estão associados a alterações de função pulmonar, considerando estabilidade no momento da avaliação.

Mahut B, Resp Med 2010 ; 104: 1230

gas trapping is associated with severe exacerbation in asthmatic children1
Gas trapping is associated with severe exacerbation in asthmatic children

Métodos

  • Crianças com asma em perídodo de estabilidade
  • Espirometria e pletismografia com estudo pós BD
  • Avaliação em 3 meses : duração do curso de CO, numero de dias com sintomas, , dose de CI

Mahut B, Resp Med 2010 ; 104: 1230

gas trapping is associated with severe exacerbation in asthmatic children2
Gas trapping is associated with severe exacerbation in asthmatic children

Resultados

  • 24 (13%) pelo menos uma exacerbação grave
  • 58(32%) apenas sintomas leves
  • 98 (54%) sem sintomas
  • As crianças com aprisionamento aéreo tiveram mais exacerbações graves

Mahut B, Resp Med 2010 ; 104: 1230

gas trapping is associated with severe exacerbation in asthmatic children3
Gas trapping is associated with severe exacerbation in asthmatic children

Conclusão

Exacerbação grave está associada a aprisionamento aéreo, sugerindo envolvimento da pequena via aérea não evidenciado pelos fluxos expiratórios forçados em crianças com asma.

A medida dos volumes pulmonares é provavelmente uma ferramenta útil já que em qualquer nivel de gravidade pode haver VEF1 sem alteração.

Mahut B, Resp Med 2010 ; 104: 1230

o laborat rio de fun o pulmonar fundamental para
O Laboratório de Função Pulmonar é fundamental para
  • Diagnóstico
  • Controle
  • Acompanhamento
  • Risco Futuro