Parcerias e integração de processos na cadeia de suprimentos - PowerPoint PPT Presentation

dacey
parcerias e integra o de processos na cadeia de suprimentos n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Parcerias e integração de processos na cadeia de suprimentos PowerPoint Presentation
Download Presentation
Parcerias e integração de processos na cadeia de suprimentos

play fullscreen
1 / 25
Download Presentation
Parcerias e integração de processos na cadeia de suprimentos
280 Views
Download Presentation

Parcerias e integração de processos na cadeia de suprimentos

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Parcerias e integração de processos na cadeia de suprimentos Administração de Recursos Materiais Grupo 14E

  2. Parcerias e integração de processos na cadeia de suprimentos • Década de 80: gestão estratégica focada no alinhamento vertical. • Década de 90: foco no alinhamento horizontal nos processos da SC.

  3. Níveis de relacionamento entre empresas em uma SC Nível 1: Relacionamento comercial entre empresas independentes. Nível 2: Acordos não contratuais para alguns objetivos comuns.Ex.:cartel. Nível 3: Cooperação multilateral, via contrato. Nível 4: Alianças entre empresas independentes com participação mútua no negócio,em regra, de forma complementar.

  4. Níveis de relacionamento entre empresas em uma SC Nível 5: Parcerias entre empresas independentes que agem na SC como se fossem uma mesma unidade de negócio. Nível 6: Participação mútua no negócio via nova empresa que envolve novos investimentos(Joint Ventures). Nível 7: Integração Vertical que envolve a incorporação dos processos da SC por parte de uma empresa proprietária de todos os ativos e recursos.

  5. Pontos importantes no estabelecimento e consolidação das parcerias • Assimetra: poder, influência e controle de uma empresa sobre a outra; • Reciprocidade: relação positiva entre as partes visando à atingir objetivos comuns; • Eficiência: surge a partir da necessidade de a empresa melhorar a relação custo/benefício de algum processo.

  6. Os três elementos principais do modelo 1. Motivadores 2. Facilitadores 3. Componentes

  7. Motivadores Motivadores Contemplam as razões para se conduzir a parceira. Ambas as partes envolvidas devem acreditar que irão obter benefícios que não seriam possíveis se não fosse a parceira. • Redução de custos; • Aumento do nível dos serviços; • Garantir vantagem no mercado; • Garantir o crescimento ou a estabilidade de lucratividade;

  8. Facilitadores Facilitadores São elementos de um ambiente empresarial que suportam e garantem o desenvolvimento e crescimento da parceira. Três importantes elementos facilitadores de um parceria são: • Compatibilidade cultural e de gestão; • Mutualidade; • Simetria;

  9. facilitadores Facilitadores Além desses três elementos facilitadores, existem outros fatores que não são tão determinantes no sucesso da parceria, mas soam sempre positivos quando acontecem: • Exclusividade • Compartilhamento de competidores • Compartilhamento do mesmo consumidor final • Proximidade física • História em comum

  10. Componentes Componentes São os processos e atividades realizadas conjuntamente que constroem e sustentam a parceria durante sua existência.

  11. Componentes Os principais componentes geralmente encontrados em uma parceria são: • Confiança e compromisso: • Comunicação: • Planejamento: • Controle conjunto de operação: • Divisão de ganhos e risco: • Estilo de contrato: • Escopo: • Investimento financeiro:

  12. Resultados (outcomes)‏

  13. Resultados (outcomes) • Os resultados são indicadores de que a parceria tem tido o desempenho esperado. • As parcerias beneficiam o desempenho das empresas envolvidas.Mas, não é essencial para alcançar bons resultados, em algumas situações um relacionamento puramente comercial é o mais indicado.

  14. Arcos de Integração na SC. • Objeto de pesquisa: 322 empresas do Setor metal- mecânico em 23 diferentes países localizados na Europa, Ásia/Pacífico, América do Norte e América do Sul.

  15. Arcos de Integração na SC. • A abrangência da integração é representada de forma proporcional ao tamanho do arco. • Os quartis representam o percentual máximo de integração possível distribuídos nos dois sentidos de integração.

  16. Arcos de Integração na SC.

  17. Arcos de Integração na SC. • A hipótese principal era de que as empresas que apresentassem um maior nível de integração (maior arco) com fornecedores e clientes teriam um melhor desempenho competitivo.Essa hipótese foi bem comprovada pelos autores. • Empresas com integração tipo 5 apresentavam valores bem maiores que as empresas com integração tipo 1 e superiores os tipos 2,3 e 4.

  18. Limitações do trabalho Frohlich&Westbrook • Realizado em um segmento específico, com particularidades que não se aplicam a outros setores da industria. (Metal-mecânico)‏ • Centrado na manufatura • Diagnóstico do tipo de integração sem tratar das etapas necessárias para atingi-lo • Não identifica a existência de um padrão evolucionário para atingir o nível máximo de integração.

  19. Complexidade no estudo de uma SC Estudo A complexidade para se estudar uma SC certamente é muito superior à de estudar uma empresa isoladamente. Complexidade

  20. Parcerias de sucesso • Segundo Vollmann e Cordon para construir uma parceria de sucesso é necessário: • Confiança • Relacionamento aberto • Comunicação clara • Múltiplos canais de comunicação • Conjunto comum de credos e cultura.

  21. Exemplos de parcerias de sucesso • A British Petroleum consegue economia de 30% do orçamento inicial firmando parcerias com fornecedores na exploração de petróleo no Mar do Norte • A empresa holandesa KNP BT desenvolveu junto com produtores de produtos alimentícios soluções integradas de embalagens cobrindo toda a sc.

  22. Regras de Ouro • Vollmann e Cordon sugerem algumas “regras de ouro” no tocante às parcerias: • Uso de uma abordagem de portifólio com clientes e fornecedores • Garantia de integração entre a estratégia da empresa e a estratégia das empresas parceiras • Garantir o entendimento do negócio dos clientes e fornecedores • Vollmann e Cordon sugerem algumas “regras de ouro” no tocante às parcerias: • Uso de uma abordagem de portifólio com clientes e fornecedores • Garantia de integração entre a estratégia da empresa e a estratégia das empresas parceiras • Garantir o entendimento do negócio dos clientes e fornecedores

  23. Regras de Ouro • Garantir um fluxo de informações interdepartamental • Desenvolver uma estrutura de trabalho para fortalecer os clientes e fornecedores • Desenvolver canais de informações múltiplos e em vários níveis com nossos parceiros de negócio • Desenvolver uma estrutura de contrato de longo prazo com regras claras para revisão de preços • Desenvolver conjuntamente os resultados das parcerias e os claros esquemas de divisão de lucros obtidos

  24. Governança na SCM • Como é conduzida a coordenação das atividades econômicas no geral, seja através de: ou • Geralmente é desempenhada pelo elo mais forte da SC; procedimentos hierárquicos cooperação e colaboração;

  25. Governança na SCM • Crença de que quem tem o relacionamento com o cliente detém o poder e a governança na SC; • Visibilidade; • O exemplo da Intel.