slide1 l.
Download
Skip this Video
Download Presentation
Slides

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 16

Slides - PowerPoint PPT Presentation


  • 148 Views
  • Uploaded on

O início do século XX – II. Editora Abril. Slides. O Brasil antes da Semana de Arte Moderna. O Brasil antes da Semana de Arte Moderna. A vida brasileira e os acontecimentos políticos e sociais do início do século XX foram retratados em inúmeros jornais, revistas e semanários.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Slides' - collin


Download Now An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

O início do século XX – II

Editora Abril

Slides

O Brasil antes da Semana de Arte Moderna

slide2

O Brasil antes da Semana de Arte Moderna

  • A vida brasileira e os acontecimentos políticos e sociais do início do século XX foram retratados em inúmeros jornais, revistas e semanários.
  • Desenvolvimento da imprensa no Brasil: em 14 de fevereiro de 1837 foi publicada a primeira charge na imprensa brasileira. Charges e caricaturas fizeram história no Segundo Império e após a proclamação da República e sua trajetória está ligada ao desenvolvimento da imprensa no Brasil.

Imagem charge - Belmonte

Pág. 4

Benedito Bastos Barreto, o Belmonte (1896-1947), foi um dos principais chargistas da primeira metade do século XX e ilustrou vários livros de Monteiro Lobato.

Coleção Particular

Charge de Belmonte publicada em "Caricatura dos Tempos", da Melhoramentos, São Paulo, 1948. c) Coleção particular, São Paulo - cortesia de Aloísio José Rosa Jr.

slide3

O Brasil antes da Semana de Arte Moderna

Que país é este?

  • A busca de uma resposta a essa pergunta marcou a arte brasileira do século XX e perdura até hoje.
  • Já no Pré-Modernismo (1902-1922) percebia-se a preocupação de alguns autores em denunciar a realidade brasileira, descortinando um Brasil não oficial, dos marginalizados, desde o sertão nordestino até os subúrbios cariocas, passando pelas áreas rurais do estado de São Paulo.
  • Os primeiros autores a negar o Brasil idealizado pelos autores românticos, buscando entender o país foram:
    • Euclides da Cunha (em Os Sertões, 1902) – Relato da Revolta de Canudos em que mostra os contrastes entre o Brasil europeizado e aquele do sertão nordestino;
    • Lima Barreto (em Triste fim de Policarpo Quaresma, 1911) – Discute o nacionalismo, faz críticas à sociedade e ao positivismo;
    • Monteiro Lobato–Intelectual que atuou em várias frentes, sempre buscando entender o país; produziu literatura adulta e infantil e criou personagens como Jeca Tatu e Emília.
  • A partir da Semana de Arte Moderna, as discussões sobre a realidade brasileira se intensificaram, tomaram novos rumos e criaram uma sequência de estilos de época.
slide4

O Brasil antes da Semana de Arte Moderna

A jovem República e seus conflitos

  • A Revolta da Armada
  • A Guerra de Canudos
  • Em 1893, parte da Marinha brasileira se rebelou contra o governo de Floriano Peixoto, questionando sua legalidade. A Revolta também refletia uma disputa entre o Exército e a Marinha.
  • Os revoltosos se organizaram no sul e dirigiram-se à Baía de Guanabara, apontando seus canhões para a Capital Federal.
  • A Revolta da Armada terminou com a vitória do governo federal, em agosto de 1895, e forma o pano de fundo do romance Triste fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto (1911).
  • Em 1896, em um arraial no norte da Bahia, viviam cerca de 25 mil pessoas lideradas por Antônio Conselheiro, beato que fazia pregações que concorriam com a Igreja tradicional, arregimentava a mão de obra de fazendeiros e, por não entender a separação entre Igreja e Estado, aprovada na Constituição de 1891, atacava a República.
  • A repressão, estimulada por fazendeiros e religiosos, partiu do governo baiano, que teve suas forças derrotadas. Entendido como “foco monarquista”, o ocorrido ganhou contorno federal e tropas do Exército intervieram; também foram derrotadas.
  • Na expedição final, em 1897, tropas federais com mais de 10 mil homens destruíram o arraial e degolaram os prisioneiros. Até hoje não se sabe ao certo o número de mortos nos combates de Canudos.
slide5

O Brasil antes da Semana de Arte Moderna

Então o sertão virará praia e a praia virará sertão.

Profecia de Antônio Conselheiro, escrita em um pequeno

caderno encontrado em Canudos

E o sertão vai virá mar e o mar virá sertão

o homem não pode ser escravo do homem

o homem tem que deixá as terra que não é dele

e buscá as terra verde do céu

quem é pobre vai ficá rico no lado de Deus

e quem é rico vai ficá pobre nas profunda do inferno.

Profecia do beato Sebastião, personagem do filme Deus e o Diabo na Terra do Sol, de Gláuber Rocha, inspirado na figura de Antônio Conselheiro.

Imagem – Guerra de Canudos p.6

Parque Estadual de Canudos, Euclides da Cunha, BA.Editora Abril

Hoje, passados mais de 100 anos do episódio de Canudos, o sertão virou mar: ruínas do arraial de Canudos no fundo do açude de Cocorobó (Parque Estadual de Canudos, Euclides da Cunha, BA). Para reforçar a profecia do beato, outra região do sertão baiano virou mar. No vale do rio São Francisco foi construída a barragem de Sobradinho, deixando submersas várias cidades. Esse fato inspirou a música da dupla Sá & Guarabyra.

O Homem chega e já desfaz a Natureza

Tira a gente põe represa, diz que tudo vai mudar

O São Francisco lá pra cima da Bahia

Diz que dia menos dia vai subir bem devagar

E passo a passo vai cumprindo a profecia do beato que dizia

Que o sertão ia alagar

O sertão vai virar mar, dá no coração

O medo que algum dia o mar também vire sertão

Vai virar mar, dá no coração

O medo que algum dia o mar também vire sertão

Sá & Guarabyra. “Sobradinho”. In: 10 anos juntos (CD). Sony & BMG, 1995. Disponível em: <www.mpbnet.com.br/musicos/sa.guarabyra/index.html>. Acesso em: dez. 2010.

slide6

O Brasil antes da Semana de Arte Moderna

  • A Revolta da Vacina
  • Em 1904, no Rio de Janeiro, o prefeito resolveu reurbanizar a cidade, promovendo inúmeras desapropriações; o sanitarista Oswaldo Cruz iniciou uma campanha de vacinação obrigatória, tentando combater a febre amarela e a varíola
  • A população, contrariada com as obras e influenciada pelos opositores a respeito da vacina (pois não sabiam exatamente do que se tratava), transformou Oswaldo Cruz em vilão e iniciou uma revolta que durou quatro dias.

Coleção Particular

  • A Revolta da Chibata
  • Em 22 de novembro de 1910, na Capital Federal, um marinheiro foi condenado a receber 250 chibatadas.
  • Comandados por João Cândido, o “Almirante Negro”, os marinheiros se rebelaram, tomaram vários navios e apontaram os canhões para o Rio de Janeiro.
  • Houve vários marinheiros mortos, mas deu-se fim aos castigos corporais.

Caricatura de Oswaldo Cruz na capa da Revista da Semana, de autoria de Amaro (1904). Coleção Particular

slide7

O Brasil antes da Semana de Arte Moderna

  • As greves proletárias urbanas

A greve de 1917

O crescimento das cidades e a diversificação de suas atividades foram os requisitos mínimos de constituição de um movimento da classe trabalhadora. As cidades concentraram fábricas e serviços, reunindo centenas de trabalhadores que participavam de uma condição comum.

Entre 1917 e 1920, um ciclo de greves de grandes proporções surgiu nas principais cidades do país, especialmente Rio de Janeiro e São Paulo. [...]

Dentre as três greves gerais do período, a de junho/julho de 1917 em São Paulo permaneceu mais forte na memória histórica. Começando por duas fábricas têxteis, ela abrangeu praticamente toda a classe trabalhadora da cidade, em um total de 50 mil pessoas. Durante alguns dias, os bairros operários do Brás, da Mooca e do Ipiranga estiveram em mãos dos grevistas.

FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Edusp, 1996.

slide9

O Brasil antes da Semana de Arte Moderna

Apesar de o Pré-Modernismo não constituir uma “escola literária”, por apresentar individualidades muito fortes, com estilos às vezes antagônicos – como é o caso, por exemplo, de Euclides da Cunha e de Lima Barreto –, percebem-se alguns pontos comuns às principais obras desse período.

slide10

O Brasil antes da Semana de Arte Moderna

Características comuns às obras pré-modernistas

  • Denúncia da realidade brasileira – nega-se o Romantismo e o Parnasianismo e apresenta-se o Brasil não oficial (do sertão nordestino, dos caboclos interioranos, dos subúrbios).
  • Regionalismo –monta-se um painel brasileiro: o Norte e o Nordeste com Euclides da Cunha; o Vale do Paraíba e o interior paulista com Monteiro Lobato; o Espírito Santo com Graça Aranha; o subúrbio carioca com Lima Barreto.
  • Tipos humanos marginalizados –o sertanejo nordestino, o caipira, os funcionários públicos, os mulatos.
  • Ligação com fatos políticos, econômicos e sociais contemporâneos– diminui a distância entre a realidade e a ficção: Triste fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto (que retrata o governo de Floriano e a Revolta da Armada), Os Sertões, de Euclides da Cunha (um relato da Guerra de Canudos), Cidades mortas, de Monteiro Lobato (que mostra a passagem do café pelo Vale do Paraíba paulista).
  • Ruptura com o passado– há certo caráter inovador em determinadas obras, como na linguagem de Augusto dos Anjos, que afronta a poesia parnasiana com palavras “não poéticas”.
slide11

O Brasil antes da Semana de Arte Moderna

Produção literária

Bloch Editores S.A, 1982

  • Euclides da Cunha: a denúncia de um crime
  • Embora apresente uma visão de mundo determinista, cientificista e naturalista, Euclides da Cunha é considerado pré-modernista pela denúncia que faz da realidade brasileira, trazendo à luz as verdadeiras condições de vida do Nordeste brasileiro.
  • Sua obra trata da Campanha de Canudos, contrastando o Brasil “que vive parasitariamente à beira do Atlântico” e aquele dos “extraordinários patrícios” do sertão nordestinoAssim que pisou o solo baiano, Euclides da Cunha percebeu que não se tratava de uma luta por um sistema de governo, mas sim contra uma estrutura que já se arrastava por três séculos.
  • Outra denúncia do livro é a do extermínio de aproximadamente 25 mil pessoas no interior baiano. Se, a princípio, Euclides pretendia apenas fazer um relato da luta, acabou realizando um verdadeiro painel do sertão nordestino.

Euclides Rodrigues Pimenta da Cunha (1866-1909) formou-se em Engenharia e fez carreira militar, ainda nos anos finais da Monarquia. Positivista e republicano, foi expulso do Exército; mais tarde, com a proclamação da República, retornou para a Escola Superior de Guerra. Em 1896, discordando dos rumos dos governos republicanos, abandonou definitivamente a carreira militar. Em 1897 foi enviado a Canudos como correspondente do jornal O Estado de S. Paulo; na volta, escreveu Os Sertões. Teve fim trágico, pois foi assassinado por motivos nunca devidamente esclarecidos, misturando vida pessoal e política.

slide12

O Brasil antes da Semana de Arte Moderna

  • Euclides da Cunha: a denúncia de um crime

A obra Os Sertões é dividida em três partes:

  • A terra –uma detalhada descrição da região: sua geologia, seu clima, seu relevo. Essa parte é ilustrada por mapas do relevo e da hidrografia feitos pelo próprio autor.
  • O homem –um elaborado trabalho sobre a etnologia brasileira: a ação do meio na fase inicial da formação das raças, a gênese dos mestiços; uma brilhante análise de tipos distintos, como o gaúcho e o jagunço; nesse cenário introduz a figura mística de Antônio Conselheiro. Ao falar sobre o homem do sertão, Euclides da Cunha cunhou o bordão:“O sertanejo é, antes de tudo, um forte”.
  • A luta – descritos o cenário e as personagens, Euclides relata então o conflito e justifica a luta. Seu relato do dia a dia da guerra é a denúncia de um crime.
slide13

O Brasil antes da Semana de Arte Moderna

  • Lima Barreto: uma crítica ao nacionalismo exagerado e aos preconceitos
  • Lima Barreto é considerado pré-modernista pois é consciente de nossos verdadeiros problemas e critica o nacionalismo ufanista do Romantismo. Seu estilo é leve, fluente, aproximando-se da linguagem jornalística.
  • Triste fim de Policarpo Quaresma, lançado em 1911, é uma mistura de crítica, análise e humor. O tema central do livro é o nacionalismo – absurdo, porém, honesto – de Policarpo Quaresma e também aquele nacionalismo que se torna perigoso quando manipulado por mãos férreas, como as do marechal Floriano Peixoto.
  • O autor critica a educação recebida pelas mulheres, que eram preparadas apenas para o casamento (o romancista foi uma das primeiras vozes a defender o voto feminino); critica também a República e o exagerado militarismo na política da época.
  • Todos os seus romances trazem um traço autobiográfico (o do preconceito racial) e oferecem um retrato perfeito dos subúrbios cariocas e de sua população.

Reprodução, 1919

Afonso Henrique de Lima Barreto (1881-1922) era filho de pai português e mãe escrava. Chegou a cursar Engenharia na Escola Politécnica, mas foi obrigado a abandoná-la para cuidar do pai, que enfrentava distúrbios mentais. Mulato, pobre e socialista, vítima de toda espécie de preconceitos, com o pai louco, viveu intensamente todas as contradições do início do século XX e passou por profundas crises depressivas. Alcoólatra, teve passagens pelo Hospício Nacional. Escreveu artigos para jornal em que defendia a Revolução Russa e o voto feminino.

slide14

O Brasil antes da Semana de Arte Moderna

  • Monteiro Lobato: metáforas do Brasil

Reprodução

  • Monteiro Lobato é considerado pré-modernista por duas características de sua obra de ficção: o regionalismo e a denúncia da realidade brasileira. No entanto, no plano puramente estético, assumiu posições antimodernistas.
  • Como regionalista, o autor nos dá a dimensão exata do Vale da Paraíba paulista do início do século XX: sua decadência após a passagem da economia cafeeira, seus costumes e sua gente.
  • Nesse aspecto – a gente do Vale do Paraíba –, está o traço mais importante de sua obra: a descrição e a análise do tipo humano característico da região, o caboclo Jeca Tatu.
  • A literatura infantil, além de moralista e pedagógica, trata da luta do autor pelos interesses nacionais, com personagens representativos do povo e o Sítio do Picapau Amarelo, que é a imagem do próprio Brasil.

José Bento Monteiro Lobato (1882-1948), formado em Direito, herdou uma fazenda de seu avô, localizada no Vale do Paraíba paulista. Em 1914, cansado de enfrentar as diversas queimadas praticadas por seus empregados, escreve os artigos “Velha praga” e “Urupês”: nascia, assim, seu primeiro livro e a figura simbólica de Jeca Tatu.

Foi uma figura empreendedora em todos os sentidos: fundou a primeira editora nacional; impressionado com a importância do petróleo, fundou o Sindicato do Ferro e a Companhia Petróleos do Brasil e se dedicou à exploração mineral; criticou violentamente a política de exploração mineral do governo Getúlio Vargas, o que lhe valeu a prisão e o exílio na Argentina.

Produziu abundante literatura tanto para o público adulto como para o infantil e sua obra traz geniais metáforas do Brasil.

slide15

O Brasil antes da Semana de Arte Moderna

  • Augusto dos Anjos: palavras antipoéticas

Bloch Editores, 1982

  • Augusto dos Anjos utilizou imagens e palavras antipoéticas para nos transmitir sua visão de mundo. O poeta rompeu os limites estéticos do belo e do feio, em uma postura característica dos expressionistas.
  • O que mais aproximou o poeta dos leitores foi exatamente seu pessimismo, sua angústia em face aos problemas e distúrbios pessoais, bem como das incertezas do novo século que despontava, trazendo consigo a ameaça de uma guerra mundial. Por isso impregna constantemente sua obra a morte e, depois dela, a desintegração, os vermes apenas.

Augusto Carvalho Rodrigues dos Anjos (1884-1914), filho de uma família de proprietários de engenho, na Paraíba, assistiu à decadência da antiga estrutura latifundiária. Formado em Direito, dedicou-se ao magistério em Recife e, depois, no Rio de Janeiro. Aos 28 anos publicou Eu, seu único volume de poesias. Faleceu dois anos depois.

slide16

O Brasil antes da Semana de Arte Moderna

  • Augusto dos Anjos: palavras antipoéticas

Eu, filho do carbono e do amoníaco,

Monstro de escuridão e rutilância,

Sofro, desde a epigênese da infância,

A influência má dos signos do zodíaco.

Profundíssimamente hipocondríaco,

Este ambiente me causa repugnância...

Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia

Que se escapa da boca de um cardíaco.

Já o verme – este operário das ruínas –

Que o sangue podre das carnificinas

Come, e à vida em geral declara guerra,

Anda a espreitar meus olhos para roê-los,

E há de deixar-me apenas os cabelos,

Na frialdade inorgânica da terra!

Psicologia de um vencido.

E, em vez de achar a luz que os Céus inflama,

Somente achei moléculas de lama

E a mosca alegre da putrefação!

Idealização da humanidade futura.

Ah! Para ele é que a carne podre fica,

E no inventário da matéria rica

Cabe aos seus filhos a maior porção!

O Deus-Verme.

A obra de Augusto dos Anjos está disponível em: <www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bv000054.pdf>. Acesso em: mar. 2010.