UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DOUTORADO EM EDUCAÇÃO - PowerPoint PPT Presentation

clare
universidade federal do rio grande do sul programa de p s gradua o em educa o doutorado em educa o n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DOUTORADO EM EDUCAÇÃO PowerPoint Presentation
Download Presentation
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DOUTORADO EM EDUCAÇÃO

play fullscreen
1 / 11
Download Presentation
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DOUTORADO EM EDUCAÇÃO
203 Views
Download Presentation

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DOUTORADO EM EDUCAÇÃO

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SULPROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃODOUTORADO EM EDUCAÇÃO CAMINHOS INTERDISCIPLINARES NA FORMAÇÃO E NA PRÁTICA DE PROFESSORES NO PEAD/UFRGS Simone Bicca Charczuk Orientadora: Rosane Aragon de Nevado

  2. Introdução • Inserção no PEAD como tutora e como professora; • Reflexões sobre a proposta de ensino e a composição das equipes de trabalho; • Diversos profissionais X interdisciplinaridade.

  3. Problema de pesquisa • Que indicadores de práticas interdisciplinares podem ser elencados a partir da atuação de professores do PEAD/UFRGS e qual proposta de formação pode ser promovida a fim de que práticas interdisciplinares possam ser desenvolvidas e/ou potencializadas por esses docentes?

  4. Objetivos • Propor indicadores que possam evidenciar práticas interdisciplinares; • A partir desta proposição, investigar quais destes indicadores estão presentes ou não na atuação dos docentes; • Desenvolver uma proposta de formação docente que fomente a reflexão e atuação em práticas docentes interdisciplinares.

  5. Justificativa • Pensar sobre os professores que temos e os professores que almejamos formar; • Racionalidade técnica X postura crítico-reflexiva; • Proposta do PEAD: currículo interdisciplinar e valorização do saber dos alunos-professores; • Necessidade de problematizar como está se efetivando a prática interdisciplinar.

  6. Marco teórico-conceitual • Educação a Distância: • não se encontra uma definição totalmente unânime; • Educação a distância X ensino a distância (Moran, 2005) ; • Ambientes para ensinar X ambientes para aprender (Nevado, 2005) ; • necessidade de estarmos atentos à visão e à prática que os próprios docentes que trabalham nesta modalidade educativa têm do processo de ensinar e aprender.

  7. Práticas educativas em EAD • ênfase nos sistemas ensinantes, sendo que a maior preocupação diz respeito à produção de materiais (Belloni, 2002); • formas de organização de equipes: a abordagem multidisciplinar, pluridisciplinar e interdisciplinar (Santos, 2003); • “interdisciplinaridade faz-se, antes, entre os indivíduos para, só depois, concretizar-se na inter-relação entre as disciplinas” (Maheu, 2007, s/p).

  8. O trabalho implementado no PEAD/UFRGS • caracterização do Curso; • currículo do curso organizado em interdisciplinas que visam relacionar o conhecimento teórico e prático; • valorização do conhecimento dos alunos-professores; • Seminários Integradores:inter-relações dos componentes interdisciplinares do currículo e da equipe que trabalha em cada pólo durante o semestre; • SI X interdisciplinaridade.

  9. Caminhos metodológicos • Pressupostos da pesquisa-intervenção; • Campo de análise: referencial teórico produzido sobre Educação à Distância, Interdisciplinaridade e Formação de Professores, bem como (e principalmente) os referenciais sobre a intersecção destes temas. • Campo de intervenção: equipe de professores que fazem parte do PEAD. • Dispositivos de intervenção: participação em oficinas de formação docente promovidas pela coordenação do curso e em reuniões do grupo, entrevistas e propostas de oficinas de formação que enfatizem o debate e a reflexão sobre o fazer interdisciplinar (suas possibilidades e dificuldades do grupo).

  10. Referências Bibliográficas • BAREMBLITT, Gregório. Compêndio de Análise Institucional e outras correntes – teoria e prática. 5ª. ed. Belo Horizonte: Instituto Félix Guattari, 2002. • BELLONI, Maria Luiza. Ensaio sobre a educação a distância no Brasil. Educação & Sociedade, ano XXIII, no 78, Abril/2002. • JAPIASSU, Hilton. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976. • LEITE, Sílvia Meirelles; BEHAR, Patrícia Alejandra. A construção coletiva num grupo interdisciplinar: um estudo de caso da equipe projetista do ROODA/UFRGS. In: IV Encontro Ibero-americano de Coletivos Escolares e Redes de Professoresque fazem Investigação na sua Escola, 2005, Lajeado. • MAHEU, Cristina d’Ávila. Interdisciplinaridade e mediação pedagógica. Disponível em: www.nuppead.unifacs.br/artigos/Interdisciplinaridade.pdf. Acesso em: 22/07/2007. • MORAN, José Manuel. O que é educação a distância. Texto publicado no site: http://www.eca.usp.br/prof/moran/dist.htm. Acesso em 29/08/2005.

  11. NEVADO, Rosane Aragon de. Ambientes virtuais de aprendizagem: do “ensino na rede” à “aprendizagem em rede”. Disponível em: http://www.tvebrasil.com.br/salto/boletins2005/nfa/tetxt2.htm. Acesso em: 04/08/2007. • NÓVOA, António (org.). Os professores e a sua formação. Dom Quixote: Lisboa, 1997. • PEREIRA, Júlio Emílio Diniz. As licenciaturas e as novas políticas educacionais para a formação docente. Educação & Sociedade, ano XX, nº 68, Dezembro/99. • PRETI, Orestes. Bases epistemológicas e teorias em construção na educação a distância. Cuiabá, NEAD/UFMT, 2002. • SANTOS, Edméa Oliveira dos. Articulação de saberes na EAD Online – por uma rede interdisciplinar e interativa de conhecimentos em ambientes virtuais de aprendizagem. In.: SILVA, Marco (org.). Educação Online: teorias, práticas, legislação, formação corporativa. São Paulo: Loyola, 2003, pp. 217-230. • TARDIF, Maurice; RAYMOND, Danielle. Saberes, tempo e aprendizagens do trabalho no magistério. Educação e Sociedade. Campinas: CEDES, v. 21, n. 73, dez. 2000.